REGREDINDO A DOENÇA DE CROHN COM OMEGA 3 e COMPLEXO ANTIOXIDANTE em altas doses!

 

Júlio Caleiro – Nutricionista – Publicado em 06 de Julho de 2017 – São Sebastião do Paraíso-MG.

Tel consultório – 35 3531 8423

 

SOLICITE SEU TRATAMENTO – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM


cron

By, Júlio Caleiro – Nutricionista

 

      Num estudo randomizado, duplo-cego controlado por placebo, os pacientes com DOENÇA DE CROHN receberam ácidos com placebo, ou megadoses de antioxidantes, e também antioxidante com omega 3, por 3 meses além de uma dieta regular específica aos pacientes ( PARA RECEBER O TRATAMENTO ENTRE EM CONTATO NO EMAIL juliocaleiro@hotmail.com). Ao todo, os pacientes com CD 25/37 completaram o estudo. O estado de antioxidantes foi avaliado por parâmetros bioquímicos no sangue.

      Foi realizada uma análise estatística por protocolo específico das concentrações séricas de selênio, Vitamina C e vitamina E, a atividade de superóxido dismutase e o estado antioxidante total, que foram significativamente aumentados após suplementação. Além disso, em comparação com os pacientes controles, as concentrações séricas de beta-caroteno, selênio e vitamina C e a atividade da glutationa peroxidase (GPx) foram significativamente menores antes da suplementação; No entanto, após a suplementação Antioxidantes, esses níveis não foram significativamente diferentes dos controles (exceto GPx).

           Os ácido omega 3, mais a suplementação de Antioxidantes diminuíram a proporção dos ácido araquidônico ( inflamatório que gera dor) e aumentaram a proporção de ácido eicosapentanoico e ácido docosahexanóico em ambos os fosfolípidos plasmáticos e tecido adiposo. Além do que, a suplementação com ácidos graxos n-3 e antioxidantes alterou significativamente o perfil do precursor de eicosanoides, o que pôde levar à produção de eicosanóides com atividade pró-inflamatória atenuada, regredindo portanto a dor.

CONCLUSÃO:

Este estudo indica que uma fórmula imunomoduladora contendo ácidos graxos OMEGA3 em altas doses de EPA e DHA / ou ANTIOXIDANTES em altas doses, apresentaram o potencial de desempenhar um papel no tratamento do DOENÇA DE CROHN melhorando e regredindo sintomas e trazendo melhor qualidade de vida aos pacientes.

 

Para receber um tratamento completo à base de antioxidantes e omega nas doses corretas do estudo entre em contato no email: juliocaleiro@hotmail.com


 

Referências:

Inflamm Bowel Dis.

CURA PARA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA? – caso clínico

Publicado em 01 de Julho de 2017 – São Sebastião do Paraíso – MG

Para receber tratamentos ou demais orientações, entre em contato no email ou telefone.  juliocaleiro@hotmail.com      Tel consultório – 35 3531 8423


ELA

By; Júlio Caleiro – Nutricionista

Já é bem conhecido que o a exposição ao mercúrio é neurotóxico e em alguns casos pode mimetizar (imitar) doenças neurodegenerativas como Esclerose Lateral Amiotrófica – ELA. Seguindo esse raciocínio um paciente que se apresentou com todos os sintomas da doença e confirmado o diagnóstico com exames como eletroneuromiografia, após um tratamento que pode ser revolucionário apresentou regressão 100% da doença após terapia natural com vitaminas e minerais.

Paciente do sexo masculino de 49 anos que sofria de fraqueza muscular e fasciculações, e atrofia muscular progressiva, uma variante de ELA , foi diagnosticado após extensos exames que excluíam outras doenças. Devido à supra exposição ao mercúrio por amálgama residual, os dentes do paciente foram restaurados e retirada todas as amálgamas. Em seguida, o paciente recebeu SPMD por um bom período via oral (entre em contato com o Dr. Júlio Caleiro e receba o tratamento),em combinação com ácido a-lipoico e seguido de selênio, em mega dosagens ( entre em contato com o Dr. Júlio Caleiro receber o tratamento). Além disso, ele tomou  várias outras vitaminas e micronutrientes e manteve uma dieta vegetariana por um bom tempo. A excreção de metais foi monitorada na urina. O sucesso da terapia foi seguido pela pontuação da fraqueza muscular e fasciculações e, finalmente, pela eletromiografia (EMG) dos músculos afetados. Primeiras melhorias ocorreram após as restaurações dentárias em curto espaço de tempo. Dois meses após o início da terapia com SPMD, o nível de mercúrio na urina foi aumentado (248,4 μg / g de creatinina). Após 1,5 anos, a EMG confirmou a ausência de sinais típicos de ALS  Ao longo de 3 anos, o paciente se recuperou completamente da doença com regressão total de todos os sintomas. Sendo assim a terapia acima pode ser uma ferramenta útil em todos os casos de ELA.

Para receber um tratamento completo entre em contato pelo email do Dr. Júlio Caleiro, e solicite a protocolo de tratamento.

juliocaleiro@hotmail.com

 


CONCLUSÕES:

A terapia descrita aqui é uma abordagem promissora para tratar alguns tipos de doença do neurônio motor e merece avaliação adicional em testes rigorosos.


 

REFERÊNCIAS:

1-Complemento Med Res. 2017; Mangelsdorf I , Walach H , Mutter J.

2-J Trace Elem Med Biol. 2017 Jan

A VITAMINA D3 NO TRATAMENTO DA DOENÇA RENAL GLOMERULOESCLEROSE E OUTRAS!

Publicado em 30 de Junho de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG.

Para receber um tratamento ou atendimento entrar em contato no email abaixo

juliocaleiro@hotmail.com   TEL CONSULTÓRIO – 35 3531 8423


rim

A VITAMINA D EVITA A PROGRESSÃO DA DOENÇA RENAL  E MELHORA MARCADORES DE FUNÇÃO RENAL- GLOMERULOESCLEROSE e OUTRAS

By – Júlio Caleiro – Nutricionista

          Estudos tem demonstrado que a vitamina D3, pode ser uma intervenção promissora para retardar a perda de função renal em doenças renais crônicas, com alto nível de proteinúria e demais marcadores de função renal  muito alterados, com e sem restrição de sódio na dieta. Outro estudo com uso de altas doses de vitamina D foi capaz de suprimir significativamente a excreção de albumina urinária, impediu aumentos na creatinina sérica e nitrogênio na ureia sérica, e inibiu a evolução da glomeruloesclerose. Terapias combinadas entre Telmisartan e Oxacalcitriol pode impedir apoptose de células e impediu totalmente a lesão de células renais.

       Os grupos tratados com VITAMINA D não apresentavam hipercalcemia, hipercalciúria ou hiperfosfaturia mesmo em altas doses. Além disso, o tratamento com vitamina D não afetou os níveis de beta (2) m ou NAG na urina, e não induziu alterações histológicas em regiões tubulares ou intersticiais.

CONCLUSÕES:

Esses achados sugerem que a vitamina D em altas doses pode fornecer um agente clinicamente útil para prevenir a progressão da glomerulosclerose sem afetar adversamente o metabolismo do cálcio e fósforo ou causar disfunção tubular subsequente.

 

Para receber um tratamento entre em contato no email – juliocaleiro@hotmail.com

ou Tel consultório – 35 3531 8423


Referências:

Nephrol Dial Transplant. 2002 Dez; 17

Kidney Int. 1998 Jun; 53 (6)

Nephron. 2015;

Am J Pathol. 2013 Abr; 

Am J Nephrol. 2012; 35 (1):

 

O tratamento com penicilina G e hidrocortisona reduz sintomas e elimina outros associados a E.L.A.( Esclerose Lateral Amiotrófica).

 PENICILINA

O tratamento com penicilina G e hidrocortisona reduz sintomas associados a E.L.A :

Publicado em 25 de Maio de 2017 – São Sebastião do Paraíso – MG – Para receber orientações e tratamentos entrar em contato no email – juliocaleiro@hotmail.com
Consultório – 35 3531 8423.
————————————————————————————————————
By, Júlio Caleiro –

Seis (6) pacientes caucasianos do sexo masculino com ELA foram admitidos no hospital devido a disfagia progressiva e disartria. Durante dois ciclos de 21 dias com penicilina G e hidrocortisona, a disfagia e disartria desses pacientes foram resolvidas. Os outros sintomas associados à ELA também melhoraram, incluindo função respiratória, coordenação, caminhada e força muscular. Este é o primeiro relato de um tratamento com protocolo para o tratamento da disfagia, disartria, depressão respiratória e outros sintomas relacionados à ELA . Além disso, as observações são consistentes com a hipótese recente de que o tratamento foi bem sucedido aos sintomas da ELA com este ciclo de tratamento.  A penicilina G administrada com a hidrocortisona, trataram os sintomas de ALS destes doentes devido à atividade farmacológica fora do alvo da penicilina G e / ou hidrocortisona. Este relatório, portanto, sublinha a necessidade de avaliar a eficácia deste tratamento  em um ensaio clínico maior, mas que já pode ser usado com segurança em pacientes de ELA com orientação e receita médica.

Referências:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5383939/figure/f1/

Seguem imagens antes do tratamento e depois.

O AMINOÁCIDO L-SERINA, REGRIDE SINTOMAS E RETARDA A PROGRESSÃO DA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA – E.L.A EM HUMANOS E ANIMAIS EM QUASE 40%!

Publicado em 22 de Maio de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG

Para receber um tratamento completo envie emails para – juliocaleiro@hotmail.com

Tel consultório – 35 3531 8423


By, Júlio Caleiro – Nutricionista

O AMINOÁCIDO L-SERINA em doses adequadas RETARDA A EVOLUÇÃO DA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA – E.L.A.

l-serina

         A substância β-N-metilamino-L-alanina (BMAA) foi ligada a ELA  e mostrou produzir neuro-degeneração in vitro e in vivo,  em (Drosophila, ratinhos, ratos, primatas e outros).     A corporação de BMAA em neuroproteinas produz a destruição de proteínas, provocando neuro-degeneração, que pode ser inibida pela  ação da L-serina em doses corretas individualizadas.  Uma observação feita é que alguns estudos controle da Inglaterra indicam que viver perto de corpos D’água com flores cianobactérias, aumenta o risco de desenvolver esclerose lateral amiotrófica (ELA ). A distribuição de casos de ELA em New Hampshire, Vermont e na Flórida foi comparada com a dos controles, e áreas de aumento estatisticamente significativo em elevado número de casos de ELA, onde foram examinadas quanto às fontes de toxinas ambientais semelhantes as citadas acima. Em contrapartida a essas informações um ensaio clínico de fase I, o uso do aminoácido L-serina oral foi realizado em 20 doentes com ELA com doses específicas, que o leitor poderá solicitar as doses ao Dr. Júlio Caleiro pelo email acima, para um tratamento completo.

         A segurança e a tolerabilidade foram avaliadas comparando a taxa de deterioração com 430 controles de placebo correspondentes. No ensaio de fase I de L-serina, dois doentes abandonaram devido a efeitos secundários gastrointestinais mas nada grave ou que comprometesse a saúde. Três pacientes morreram durante o estudo pela própria doença que já estava muito evoluída e já era esperado pelos pesquisadores. O ALSFRS-R nos doentes tratados com L-serina mostrou uma diminuição da taxa de progressão relacionada com a dose de (34% de redução). A distribuição não aleatória de endereços de pacientes com ELA sugere que a exposição residencial a poluentes ambientais pode desempenhar um papel importante na etiologia da ELA . A altas doses de L-Serina  duas vezes por dia mostrou-se segura em doentes com ELA reduzindo a evolução e os sintomas .

        Estudos exploratórios de eficácia sugeriram que a L-serina retarda a progressão da doença em níveis excelentes. Está previsto um ensaio de fase II em breve. A distribuição não aleatória de endereços de pacientes com ELA ,sugere que a exposição residencial a poluentes ambientais pode desempenhar um papel importante na etiologia da ELA.


Referência:

Neurotox Res. 2017 May 19

Publicado em 21 de Maio de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG –

PARA RECEBER ORIENTAÇÃO EXPRESSA OU ATENDIMENTO ENTRE EM CONTATO EM  –  juliocaleiro@hotmail.com  OU  35 3531 8423 – CONSULTÓRIO.

chá verde

By – Júlio Caleiro – Nutricionista

O chá é uma das bebidas mais simples que você pode preparar, e um dos alimentos mais saudáveis ​​também. A grande coisa sobre chás é que existem vários tipos para agradar o paladar de todos, e você pode adicionar mais ingredientes para melhorar ainda mais o sabor e o perfil nutricional. Mas de todas as variedades vendidas no mercado, o chá verde é provavelmente o melhor!

Esta receita de chá verde é um lanche que pode ser feito no meio da tarde, que vai levantar sua energia. Ele pode até ser usado como uma bebida pré-treino para maximizar o seu desempenho.

Energy-Boosting Chá verde misturado ao coco:
Ingredientes
  • 1 dose de chá verde quente preparado orgânico
  • 1 a 2 colheres de sopa de óleo de coco
  • Uma porção pequena de Whey protein concentrada de baunilha em pó
  • Um pitada de canela
  • 1 colher (sopa) de óleo de triglicéridos de cadeia média (MCT), opcional.
Procedimento
  1. Usando um liquidificador, misture o chá quente e óleo de coco.
  2. Cuidadosamente tocar com a ponta do dedo a mistura  para testar a temperatura. Se estiver muito quente para tocar, precisa esfriar um pouco antes de adicionar o pó de proteína de soro de leite (para evitar danificar os nutrientes).
  3. Uma vez que está a uma temperatura que você pode tocar confortavelmente, adicione o pó de proteína e canela. Misture novamente. Apreciar!

    Nota: Diferentes marcas de pós de proteína de soro de leite têm diferentes níveis de conteúdo nutricional e doçura. Tente adicionar 2 colheres de sopa primeiro e depois ajustar para o seu gosto preferido.

O chá verde é uma fonte surpreendente de antioxidantes poderosos

O chá verde contém uma alta concentração de polifenóis, que oferecem cerca de 25 a 100 vezes melhor atividade antioxidante em comparação com as vitaminas C e E. Muitos estudos têm sido feitos sobre este  super alimento, e os resultados sugerem que pode ajudar com:

  • Saúde cardiovascular: Consumir chá verde regularmente pode ajudar a diminuir os níveis prejudiciais de colesterol (LDL) e elevar os níveis de colesterol bom (HDL). 1
  • Gestão de peso: As catequinas no chá verde pode ajudá-lo a perder peso, aumentando o seu metabolismo e promover a queima de gordura em seu corpo. 2
  • Câncer: Resultados de vários estudos sugerem que o chá verde pode ajudar a diminuir o risco de câncer pancreático, pulmão, esofágico, colorretal, ovariano, pele e estômago.
  • Diabetes : Resultados de um estudo de 2013 indicam que o chá verde pode ter um efeito positivo contra os sintomas de diabetes tipo 2.
  • Função cerebral: O chá verde pode ajudar a melhorar o desempenho cognitivo à medida que envelhecemos. Em um estudo de 2010, os pesquisadores descobriram que os polifenóis ajudaram a suprimir a formação de placa beta amiloide cerebral em ratos.

Óleo de coco possui gorduras saudáveis!

Os ácidos graxos de cadeia média (MCFAs) no óleo de coco fornecem uma fonte de energia limpa e saudável, porque eles não aumentam o seu peso. Isso porque este tipo de gordura é imediatamente absorvida e convertida pelo fígado em combustível. E isso não é tudo – os MCFAs ajudam a melhorar a absorção de vitaminas lipossolúveis. Eu uso óleo de coco, tanto quanto eu posso na minha cozinha devido aos benefícios mencionados acima, bem como pelas seguintes razões:

  • Aumento e melhora a ção do sistema imunológico: Os vários ácidos graxos e lipídios no óleo de coco pode melhorar o sistema imunológico. Eles demonstraram  ser encontrados em ajudar a combater micróbios prejudiciais, como levedura , vírus e bactérias.
  • Saúde do coração: Semelhante ao chá verde, o consumo de óleo de coco pode ajudar a diminuir seus níveis de colesterol ruim (LDL) e aumentar os níveis de colesterol bom (HDL).
  • Redução da fome: Os MCFAs do óleo de coco podem ajudá-lo a sentir-se mais cheio, ajudando a reduzir o consumo total de calorias. Em um estudo, os participantes que comeram MCFAs consumiram 256 menos calorias em média, em comparação com comedores de dieta com alto teor de gordura. 14

Canela adiciona mais nutrientes para impulsionar o perfil nutricional do chá verde!

A canela é uma especiaria derivada da casca interna da árvore cinnamomum, que é então deixado de fora para secar e produzir a cor, sabor e aroma para o qual é conhecido. Estudos descobriram que a canela contém diferentes compostos que podem proporcionar benefícios à saúde, tais como:

  • Aumentando a função antioxidante : Canela é rica em polifenóis, que podem ajudar a eliminar os radicais livres em todo o corpo.
  • Regulando a resposta da inflamação : Consumir a canela pode ajudar a promover a resposta inflamatória apropriada.
  • Controle da sensibilidade à insulina: De acordo com um estudo de 2010 no Journal of Diabetes da Ciência e Tecnologia, a canela tem o potencial em diminuir o risco de resistência à insulina, síndrome metabólica e diabetes tipo 2.

Referências:

1-PrimalPaleo.com, “3 Ways Coconut Oil Can Boost Your Immune System”.
2-Authority Nutrition, “10 Impressive Health Benefits of Coconut Oil”.
3- International Journal of Obesity and Related Metabolic Disorders, 1996.
4-Muscle Insider, “What Is Whey Protein and How Is It Made?” March 19, 2013.
5-Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2014.
6-Bioresource Technology, 2008.
7-Journal of Diabetes Science and Technology, 2010.
8-Nutrients, 2013.
9-The International Journal of Obesity, 2009.
10-Nutrients, 2014 Nov.
11-Carcinogenesis, 2006 Jul.
12-Molecular Nutrition & Food Research, 2011 Jun.
13-American Journal of Epidemiology, 2008.
14-Gynecologic Oncology, 2012 Sep.
15-Current Drug Targets: Immune, Endocrine and Metabolic Disorders, 2003.
16-European Journal of Pharmacology, 2004.
17-Diabetes & Metabolism Journal, 2013 June.
18-International Journal of Pharmaceutics, 2010.

A vitamina C pode regredir cânceres e metástases em 100%!

Publicado em 08 de Maior de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG – Para receber uma orientação ou agendar consulta ligar para – 35 3531 8423 – ou enviar emails para

juliocaleiro@hotmail.com

—————————————————————————————————-

By, Júlio Caleiro – Nutricionista

A vitamina C colocou em regressão múltiplas metástases pulmonares , que se originou de um carcinoma hepatocelular. Após tratamento com administração de altas doses de vitamina C, a paciente de 74 anos apresentou-se à clínica com sintomas relacionados ao câncer, como fraqueza geral e anorexia. Após a realização de quimioembolização transarterial inicial (TACE), foi encontrada recorrência local e metástases pulmonares múltiplas. Ela recusou realizar terapia convencional (quimioterapia), incluindo o tosilato de sorafenib (Nexavar). Ela recebeu altas doses de vitamina C, e as múltiplas metástases pulmonares foram regredidas completamente!

——————————————————————————-

Referência:

Yonsei Med J. 2015 Sep; 56(5):1449-52.