Anúncios

Reverta agora o Alzheimer!

Publicado em 30 de Agosto de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG –

doença-de-Alzheimer-640x466

Para receber um tratamento completo entre em contato no email  –   juliocaleiro@hotmail.com   ou pelo telefone do consultório – 35- 3531 8423


REVERTA O DECLÍNIO COGNITIVO DA DOENÇA DE ALZHEIMER SEM REMÉDIOS!

By, Júlio Caleiro, Nutricionista

       Alzheimer é agora a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos, logo atrás da doença cardíaca e do câncer. Embora a prevalência esteja aumentando rapidamente, a boa notícia é que os pacientes podem realmente ter a partir de agora o controle sobre essa doença devastadora.

        Dr. Dale Bredesen, diretor de pesquisa de doenças neurodegenerativas na Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA) e autor de ” O fim da doença de Alzheimer: o primeiro programa para prevenir e reverter declínio cognitivo “, identificou uma série de Mecanismos moleculares no trabalho nesta doença, e criou um novo programa e um protocolo específico para tratá-lo e reverter. O Dr. Júlio pode aplicar o tratamento completo, entre em contato no email ou telefones acima.

Originalmente conhecido como o protocolo MEND, o programa agora é chamado ReCODE (Reversal of Cognitive Decline).

Por que a nutrição funcional é a abordagem de tratamento ideal?

Estimativa de projeções do Alzheimer afetará cerca de metade da população seniores na próxima geração. A predisposição genética desempenha um papel importante na doença. Cerca de 75 milhões de americanos têm o único alelo para Apolipoproteína E epsilon 4 (ApoE4). Aqueles que são positivos para ApoE4 têm um risco de morte de 30% de desenvolver a doença. Aproximadamente 7 milhões têm duas cópias do gene, o que os coloca com um risco vitalício de 50%.

Dito isto, porque mesmo que você tenha uma ou duas cópias desse gene, a pessoa pode evitar que a doença de Alzheimer se desenvolva. Mas o indivíduo precisa ser pró-ativo. Um dos mecanismos da doença que a equipe de Bredesen descobriu, envolve proteína precursora de amilóide (APP) e receptores de dependência, identificados pela primeira vez em 1993. O Dr. Bredesen explica:

“Estes são receptores que realmente criam estados de dependência de fatores tróficos [e] hormônios … Se eles não obtiverem os fatores apropriados, eles induzem a morte celular programada. Eles induzem a retirada de neurites [nota do editor: uma neurite refere-se a uma projeção do corpo celular do neurônio] e coisas assim. A surpresa foi que a APP realmente parece um receptor de dependência. Começamos a olhar para isso [e encontrado] … essa APP é realmente um integrador.

Nem toda a doença de Alzheimer é a mesma!

Em sua pesquisa, Bredesen determinou que existem vários subtipos de Alzheimer. Dois deles na verdade não são uma doença, por si só. Eles são desvios de programação estratégica da densidade sináptica com base em uma incompatibilidade de vários insumos diferentes, mas essencialmente não são doenças. Se você implementar as recomendações da Bredesen, você pode reverter esses problemas. Bredesen explica:

“Você pode pensar sobre isso de maneira simples. Na osteoporose o paciente tem atividade osteoblástica e uma atividade osteoclástica um constrói ossos outro destroi. É um desequilíbrio naqueles dois em nossa via que leva à osteoporose. O que estamos vendo [nesses subtipos de Alzheimer] não é diferente. Percebemos que esta é sinaptoporose. Há atividade sinaptoblástica, e há dezenas de sinais que alimentam a atividade sinaptoblástica [e há atividade sinaptoclástica] “. Isso pode levar ao Alzheimer.

Para esclarecimentos, a capacidade do cérebro de falar, aprender e tomar decisões requer conexões entre células cerebrais. Você tem cerca de 100 bilhões de neurônios, e cada neurônio tem, em média, cerca de 10.000 conexões, chamadas sinapses. Essas sinapses são críticas para funções cognitivas, como armazenamento de memória e tomada de decisões.

No Alzheimer, inicialmente perde a função da sinapse e finalmente, a estrutura da sinapse. Eventualmente as próprias células cerebrais começam a morrer. Este processo é o que causa os sintomas do Alzheimer. Para funcionar corretamente, a atividade sinaptoblástica e sinaptoclástica no cérebro precisa ser equilibrada.

“O que descobrimos é que todos com Alzheimer estão no lado errado do saldo. Em outras palavras, sua atividade sinaptoblástica é muito baixa, e / ou sua atividade sinaptoclástica é muito alta. Queremos ir atrás de todas essas coisas diferentes. Agora, quando começamos a medir isso, percebemos que devemos medir coisas que não são medidas na prática clínica médica. Este tem sido o grande problema! As pessoas dizem que a doença de Alzheimer é misteriosa; Não há nada que você possa fazer sobre isso. Isso porque eles não olharam para esses conjuntos de dados maiores. Isso é parte do novo medicamento … Agora argumentamos que você pode, pela primeira vez, prevenir e reverter o declínio cognitivo. Na verdade, publicamos o primeiro artigo que mostrou reversão do declínio cognitivo.  

Subtipos de Alzheimer

Embora essas classificações ainda não tenham sido amplamente aceitas, Bredesen publicou dois artigos sobre os subtipos de Alzheimer, com base no perfil metabólico. 4 Estes incluem:

1. Tipo 1, inflamatório (“quente”) Alzheimer: os pacientes apresentam sintomas predominantemente inflamatórios. Eles possuem proteína C-reativa de alta sensibilidade, interleucina 6 e fator de necrose tumoral alfa, refletindo um estado inflamatório crônico. Quando a parte NF-ĸB da inflamação é ativada, ela também altera a transcrição do gene. Dois dos genes ativados são “beta” e beta-secretasa e gama-secretasa, o último dos quais limpa a APP, promovendo processos sinaptoclásticos.

2. Tipo 1.5, glicotóxico (açúcar-tóxico, “doce”), um subtipo misto: Este é um subtipo intermediário que envolve processos de inflamação e atrofia, devido à resistência à insulina e à inflamação induzida pela glicose.

3. Tipo 2, Alzheimer atrófico ou “frio”: este é classificado como um paciente com resposta atrófica. Enquanto um mecanismo completamente diferente da inflamação, ele produz o mesmo resultado final – empurra a APP na direção da criação de placas amilóides e sinalização celular de Alzheimer.

Quando você retira o fator de crescimento nervoso, o fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), o estradiol, a testosteronaou a vitamina D – qualquer composto que ofereça suporte atrófico – seu cérebro responde bloqueando a sinaptogênese. Como resultado, sua capacidade de reter e aprender novas coisas é reduzida.

4. Tipo 3, tóxico (“vil”) Alzheimer: são pacientes com exposição tóxica. Muitos terão marcadores de síndrome de resposta inflamatória crônica (CIRS), embora a maioria não corresponda aos critérios oficiais para CIRS. “Eles agem como pacientes CIRS (em seus laboratórios, não necessariamente sintomas) com demência”, explica Bredesen.

Geralmente, eles terão alto componente transformador de crescimento beta e complemento componente 4  A; Hormônio estimulante de melanócitos baixo; Metallopeptidase-9 de matriz elevada; Qs relacionados com antígenos de antigénio de leucócitos humanos (associados à sensibilidade à toxina biológica), mas raramente apresentam queixas pulmonares, erupções cutâneas, fibromialgia e fadiga crônica normalmente associadas ao CIRS. “Quando você trata esses, então eles ficam melhores. Sem tratá-los, eles continuam a piorar “, diz Bredesen.

E sobre a influência genética?

Quanto ao componente genético, Bredesen observa:

“Com relação à genética e a doença de Alzheimer, cerca de 95% dos casos de Alzheimer não são  de Alzheimer” familiar ou genética”. São relativamente incomuns! Na verdade, as mutações na própria APP são muito raras, para causar a doença de Alzheimer. Tende a ser muito claramente agrupados em famílias.  Os sintomas começam cedo.

No entanto, cerca de dois terços das pessoas que têm Alzheimer têm uma ou duas cópias de ApoE4. Nesse caso, a genética do risco para a doença de Alzheimer é muito importante. O ApoE4 aumenta seu risco para o tipo 1. Ele aumenta seu risco para o tipo 2. Mas, na verdade, parece diminuir seu risco para o tipo 3, o subtipo [subtipo] associado a toxina, o que é muito interessante porque … ApoE4 [foi direcionado para ser ] Protetora em relação à demência associada ao um parasita …

Na verdade, o ApoE4 protege certas coisas. É um estado mais pró-inflamatório, muito bom para lidar com coisas como micróbios. Não é tão bom para o envelhecimento, portanto, um caso do que se chama pleiotropia antagonista … Isso lhe dá vantagens quando você é jovem, mas é responsável em relação à doença crônica quando somos mais velhos”.

Se você é ApoE4 Positivo, o jejum está fortemente indicado para evitar a doença de Alzheimer!

Curiosamente, o ApoE4 é realmente um gene bastante útil, pois ajuda seu corpo a sobreviver à fome. Concedido, a falta de comida é uma situação rara na maioria das nações desenvolvidas, a maioria sofre problemas de saúde por uma superabundância de alimentos – mas, assim que ouvi isso, suspeitei que este gene pudesse ser uma forte indicação clínica que precisamos fazer de forma jejum intermitente ou jejuns mais longos de forma regular para evitar a doença de Alzheimer. Bredesen confirma minha isso e apoia o jejum intermitente ou outros jejuns.

A disfunção mitocondrial é o centro da doença de Alzheimer

Bredesen identificou mais de quatro dúzias de variáveis ​​que podem ter uma influência significativa sobre a doença de Alzheimer, mas o centro de tudo é a disfunção mitocondrial. Isso faz sentido lógico quando você considera que suas mitocôndrias são fundamentais para produzir a moeda de energia em nosso corpo e, sem energia nada funcionará corretamente. As mitocôndrias também são onde a maioria dos radicais livres são gerados, então, quando nossas escolhas de estilo de vida produzem maiores quantidades de radicais livres, as disfunções nas mitocôndrias são de se esperar. O acúmulo de mutações no DNA mitocondrial também é um principal motor de declínio relacionado à idade.

RECODE

Enquanto o ReCODE examina todos os fatores contribuintes, restaurar a função mitocondrial é uma pedra angular do tratamento de Alzheimer bem-sucedido. Uma das maneiras mais poderosas para otimizar a função mitocondrial é a cetose pulsada ou cíclica, aqui é que é o foco principal. O Dr. Júlio Caleiro faz a aplicação do tratamento completo. Entre em contato no email ou telefone acima.

Não surpreendentemente, o protocolo ReCODE de Bredesen faz uso de cetose nutricional , e ele também está se familiarizando com a cetose cíclica. Normalmente, os pacientes são convidados a obter um medidor de cetona e a manter um estado ligeiramente cetogênico específico. Não façam por conta!

O protocolo ReCODE avalia 150 variáveis ​​diferentes, incluindo bioquímica, genética e imagens históricas, para determinar quais fatores são mais prováveis ​​regredir a doença. Um algoritmo gera uma porcentagem para cada subtipo. Embora a maioria dos pacientes tenha um tipo dominante, outros subtipos tipicamente contribuem para a doença. Com isso,  um protocolo de tratamento personalizado deve ser respeitado. Por exemplo, se o indivíduo tem resistência à insulina que na maioria tem, devemos melhorar sua sensibilidade à insulina. Se você tem inflamação, então deve trabalhar na remoção da fonte do efeito pró-inflamatório. Muitas vezes, precisamos eliminar toxinas e / ou administrar o intestino com um microbioma de intestino sub-óptimo . Curiosamente, eles também colocam grande foco no microbioma rinocerínico, os micróbios que residem no nariz e nos seios. De acordo com Bredesen, o microbioma rinossinal pode ter uma influência significativa sobre esta doença. Muitos pacientes de Alzheimer têm níveis elevados de vários patógenos diferentes, especialmente bactérias orais, como P. gingivalis e Herpes simplex virus-1.

Bredesen Diz: . “Recomendamos que todo mundo com mais de 45 anos obtenha o que chamamos de” cognoscopia “… É muito simples. Você vai olhar essas coisas de forma diferentes no seu sangue. Você vai olhar para a sua genética … Em seguida, adote o programa apropriado para a prevenção. Se você já começou a ser sintomático, obtenha um programa apropriado para reversão. Quanto mais cedo, melhor!”

A seguir está uma lista de testes de triagem sugeridos.

Testes de triagem de Alzheimer

Teste Escala recomendada- Serão todos analisados em consulta – Descarte as recomendações laboratoriais tradicionais – As recomendações aqui são para otimização não para diagnóstico.
Ferritina
GGT
25-hidroxi vitamina D
CRP de alta sensibilidade
Insulina em jejum
Índice de Omega-3 e Omega 6: 3
TNF alfa
TSH
T3 livre
Reverso T3
T4 livre
Coeficiente sérico de cobre e zinco
Selênio de soro
Glutationa
Vitamina E (alfa-tocoferol)
Índice de massa corporal (que você pode calcular você mesmo)
ApoE4 (teste de DNA)
Vitamina B12
Hemoglobina A1c
Homocisteína

Estratégias básicas de tratamento

Bredesen recomenda a cetose leve e uma dieta principalmente baseada em plantas para todos os seus pacientes. A dieta específica recomendada em seu protocolo é chamada de KetoFlex 12/3, que envolve um período diário de jejum específico Para pacientes positivos para ApoE4, recomenda-se horários mais prolongados com a suplementação já ativa. ( O Dr. Júlio Caleiro faz a aplicação completa do tratamento com as solicitações dos exames propostos).

Ele também recomenda o exercício, para aumentar o BDNF; Redução do estresse ; Otimizando seu sono, o que é crítico para a função cognitiva e suporte nutricional. Os nutrientes importantes incluem omega-3 baseado em animais , magnésio, vitamina D e fibras e mais uma dezenas de outros. Todos esses nutrientes precisam ser otimizados e dosados individualmente.

Os paciente também deve seguir trabalho de Michael Hamblin sobre fotobiomodulação , que usa luz de infravermelho próximo e luz vermelha entre 660 e 830 nanômetros para o tratamento da doença de Alzheimer. Dr. Lew Lim desenvolveu um dispositivo chamado Vielight, que emprega diodos emissores de luz a essas frequências. Os pacientes de Alzheimer que usam o dispositivo por 20 minutos por dia relatam resultados notavelmente positivos, surpreendentes. São aplicados em consultório aos pacientes.

A Bredesen também concorda que as exposições eletromagnéticas a partir de tecnologias sem fio são um componente crucial que precisa ser abordado, pois esse tipo de radiação ativa os canais de cálcio com voltagem (VGCCs) em suas células e a maior densidade de VGCCs no cérebro. Pacemaker do seu coração e testículos masculinos. Creio que a exposição excessiva ao microondas e o glifosato, que interrompe a barreira hematoencefálica, são dois dos fatores mais significativos que contribuem para a doença de Alzheimer.

Mais Informações

Para saber mais entre em contato com o Dr. Júlio Caleiro onde ele detalhará todas as diferentes avaliações recomendadas no seu protocolo ReCODE.

Conforme observado por Bredesen:

“A esperança é que quando todos trabalharmos juntos, podemos causar um grande impacto e reduzir a prevalência de Alzheimer. Como eu disse, deveria ser uma doença rara. Essa é a verdade. Deve ser uma doença rara se fizermos as coisas certas … Estamos no meio de uma revolução. Esta é uma grande mudança na medicina e principalmente da nutrição. Estamos agora a observar como o organismo humano realmente funciona. Podemos, pela primeira vez, fazer essencialmente o que Jonathan Wright chama de bioquímica humana.

 Estamos morrendo de doenças complexas, como doenças cardiovasculares, câncer e doença de Alzheimer. Esta é uma verdadeira revolução da maneira que pensamos.

Minha fervorosa esperança é que veremos mais isso nas escolas de medicina e nutrição e em nossas universidades – começando a olhar para o que realmente está dirigindo essas doenças, em vez da abordagem antiquada de “Vamos escrever uma receita com remédios”, devíamos orientar sob nossos hábitos e nutrição.


Referências:

  • MPI Cognition, The Bredesen Protocol
  • Aging 2014 Sep; 6(9): 707–717
  • Reversal of Cognitive Decline in Alzheimer’s Disease, PowerPoint Presentation
  • Aging 2015 Aug;7(8):595-600
Anúncios

REVERTENDO O CÂNCER DE PÂNCREAS!

 

Para receber o tratamento entre em contato no email – juliocaleiro@hotmail.com

ou no telefone – 35 3531 8423

Publicado em 15 de Agosto de 2016 – São Sebastião do Paraíso -MG – Brasil.

PANCREAS

By, Ed. Júlio Caleiro – Nutricionista  –

O embriologista Dr. John Beard propôs em 1906 que as enzimas digestivas proteolíticas pancreáticas representam a principal defesa do corpo contra o câncer, e que a terapia enzimática seria útil como tratamento para todos os tipos de câncer, principalmente o de pâncreas. Particularmente durante as duas primeiras décadas do século XX, a tese do Dr. Beard atraiu alguma atenção nos círculos acadêmicos, e vários relatos de casos na literatura médica documentaram a regressão tumoral e até a remissão em pacientes com câncer terminal tratados com enzimas proteolíticas.  Em 1911, o Dr. Beard publicou uma monografia intitulada The Enzyme Therapy of Cancer and His Scientific Basis , que resumiu sua terapia e as evidências de apoio científico.

Após a morte do Dr. Beard em 1923, a terapia enzimática foi em grande parte esquecida. Periodicamente, outros profissionais redescobriram o trabalho do Dr. Beard e usaram enzimas proteolíticas pancreáticas sob DOSES ALTAS E ESPECÍFICAS ( não façam por conta) como um tratamento alternativo contra o câncer.

Dr. Beard acreditava que as enzimas tinham que ser injetadas, para evitar a destruição pelo ácido clorídrico no estômago. No entanto, evidências recentes demonstram que as enzimas proteolíticas pancreáticas ingeridas oralmente são estáveis ​​em ácido (9), passam intactas no intestino delgado e são absorvidas através da mucosa intestinal na corrente sanguínea como parte de um processo de reciclagem enteropancreática, atuando assim no câncer. Comecei a pesquisar o uso da terapia com enzimas proteolíticas pancreáticas orais como tratamento para o câncer de pâncreas, ainda na vida acadêmica em Nutrição.

“Em resumo, o PPE (enzima pancreática porcina) é o primeiro agente provado experimentalmente e clinicamente para o tratamento efetivo do PC (câncer de pâncreas). As vantagens significativas do PPE em relação a quaisquer outras modalidades terapêuticas atualmente disponíveis incluem seus efeitos sobre a condição física, nutrição sem toxicidade”. Além do apoio financeiro da Nestlé, de 1995 a 1998, a Procter & Gamble investiu recursos consideráveis ​​ajudando-nos a refinar essa terapia. Você pode rever as declarações de apoio de Pierre Guesry, MD, ex-vice-presidente de pesquisa da Nestlé, e JP Jones, Ph.D., vice-presidente aposentado de cuidados de saúde da P & G. Em janeiro de 2007, foi publicado um extenso artigo sobre os resultados desses estudos na revista Revista “Terapias Alternativas em Saúde e Medicina, ali o Dr. Gonzalez discutiu 36 pacientes diagnosticados com uma variedade de câncer de prognóstico avançado e fracos que responderam ao seu tratamento com sobrevivência excepcional e, em muitos casos evidência de redução de tumor e cura. Estes casos e mais outros já foram publicados nas duas séries de livros de volume, Vencendo o câncer .

Embora sua pesquisa publicada trate de câncer de pâncreas, em seu escritório ele tratou pacientes com todos os tipos de câncer. Ele também tratou pacientes com uma variedade de outros problemas, que vão desde a síndrome da fadiga crônica até a esclerose múltipla. Cada protocolo de tratamento foi individualizado para cada paciente, independentemente do problema subjacente. O próprio Protocolo González é bastante complexo, mas basicamente envolve três componentes: dieta, suplementação agressiva com nutrientes e produto do pâncreas (contendo enzimas que ocorrem naturalmente) e desintoxicação. Os protocolos são individualizados e cada paciente recebe uma dieta projetada para suas necessidades específicas. As dietas são bastante variáveis, variando de um programa vegetariano puro a uma dieta que exige carne vermelha gorda 2-3 vezes por dia. Para receber o protocolo de tratamento com todos os suplementos em doses corretas entre em contato no email  do nutricionista Júlio Caleiro,  juliocaleiro@hotmail.com

Os regimes de suplementos também são individualizados e intensos: cada paciente com câncer consome entre 130 e 175 cápsulas por dia. Pacientes não cancerígenos exigirão consideravelmente menos suplementos por dia. Os regimes de suplementos incluem uma variedade de vitaminas, minerais, oligoelementos, antioxidantes e produtos glandulares animais, prescritos de acordo com as necessidades específicas do paciente e tipo de câncer. Esses nutrientes não têm um efeito anticancerígeno direto, mas sim servem para melhorar a função metabólica geral e eliminar o câncer pelo próprio sistema imune. Além desses suplementos, todo paciente com câncer leva grandes quantidades de produto de pâncreas em forma de cápsula PPE, que é a principal ação anticâncer, principalmente do câncer de pâncreas onde ele demonstrou curar vários com a terapia já bem documentada e descrito na literatura.

Os enemas do café foram discutidos na literatura médica ortodoxa durante a maior parte deste século. Muitos textos de enfermagem rotineiramente recomendaram enemas de café , e o Merck Manual defendeu enemas de café como estimulante em todas as edições desde o primeiro de 1898 até 1977. Durante a década de 1920 e 30, os enemas de café foram prescritos para uma variedade de condições de saúde, e câncer.

 

Para receber o protocolo de tratamento com todos os suplementos em doses corretas entre em contato no email  do nutricionista Júlio Caleiro,  juliocaleiro@hotmail.com


 

Referências:

As referências abaixo, com exceção das referências 7 e 8 (que são livros), estão disponíveis através da Fundação Educacional e Educacional Nutricional .

1. Beard J. A ação da tripsina sobre as células vivas do tumor de mouse de Jensen. Br Med J 4, 140-141, 1906.

2. Campbell JT. Tratamento de tripsina de um caso de doença maligna. JAMA 48, 225-226, 1907.

3. Cutfield A. Tratamento de tripsina em doença maligna. Br Med J 5, 525, 1907.

4. Goeth RA. Tratamento pancreático do câncer, com relato de uma cura. JAMA 48, 1030, 1907.

5. Little WL. Um caso de tumor maligno, com tratamento. JAMA 50, 1724, 1908.

6. Wiggin FH. Caso de fibrossarcoma múltiplo da língua, com observações sobre o uso de tripsina e amilopsina no tratamento de doenças malignas. JAMA 47, 2003-2008, 1906.

7. Beard J: The Enzyme Treatment of Cancer . Londres: Chatto e Windus, 1911.

8. Shively FL: terapia de enzimas protéolíticas múltiplas de câncer . Dayton: Johnson-Watson, 1969.

9. Moskvichyov BV, Komarov EV, Ivanova GP. Estudo do processo de termodenaturização da tripsina. Enzyme Microb Tech 8, 498-502, 1986.

10. Gotze H, Rothman SS. Circulação enteropancreática das enzimas digestivas como mecanismo conservador. Nature 257 (5527), 607-609, 1975.

11. Liebow C, Rothman SS. Circulação enteropancreática de enzimas digestivas. Science 189 (4201), 472-474, 1975.

12. Gonzalez NJ, Isaacs LL. Avaliação do tratamento enzimático proteolítico pancreático do adenocarcinoma do pâncreas, com suporte nutricional e desintoxicante. Nutr Cancer 33 (2), 117-124, 1999.

13. Saruc M, Standop S, Standop J, Nozawa F, Itami A, Pandey KK, Batra SK, Gonzalez NJ, Guesry P, Pour PM. O extrato enzimático pancreático melhora a sobrevivência no câncer pancreático murino. Pâncreas 28 (4), 401-412, 2004.

14. Gonzalez NJ, Isaacs LL. A terapia de González e câncer: uma coleção de relatos de casos. Altern Ther Health Med 13 (1), 46-55, 2007.

15. McClain ME: Princípios Científicos em Enfermagem . St. Louis: CV Mosby Company, 1950, p.168.

16. Bastedo WA. Arroz do cólon. NEJM 199 (18), 865-866, 1928.

17. Bastedo WA. Arroz do cólon. JAMA 98 (9), 734-36, 1932.

18. Friedenwald J, Morrison, S. Valor, indicações, limitações e técnicas de irrigação do cólon. Med Clin of N Am , p. 1611-1629, 1935.

19. Marshall JK, Thompson CE. Irrigação do cólon no tratamento de doenças mentais. NEJM 207 (10), 454-457, 1932.

20. Snyder RG. O valor das irrigações colônicas na neutralização da auto-intoxicação de origem intestinal. Med Clin N Am , p.781-88, 1939.

21. Garbat AL, Jacobi HG. Secreção da bile em resposta a instalações retais. Arch Int Med 44, 455-462, 1929.

Dr. Nicholas Gozalez.

 

LANÇAMENTO DO LIVRO SOBRE O TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

cover_front_big

Com muita felicidade, venho informar a publicação do meu primeiro livro, feito em parceria com Luciano Caleiro Pimenta Jr, sobre o tratamento da ESCLEROSE MÚLTIPLA, com o título: NUTRIENTES ESSENCIAIS NO TRATAMENTO DA ESCLEROSE MÚLTIPLA.

O livro aborda formas de tratamentos que podem ser fundamentais ao paciente diagnosticado com esclerose múltipla, revelando, assim, como uma nova esperança para uma melhor qualidade de vida para essas pessoas. Relata o uso de nutrientes, dentre eles, a vitamina D3 como uma das principais ferramentas para o tratamento de doenças autoimunes. O livro é rico em dados científicos e em opiniões de médicos pesquisadores  para que o leitor possa até mesmo aprofundar seus conhecimentos. É um livro informativo para ser levado ao médico de confiança do paciente, e juntos (médico e paciente) discutirem novas formas de terapia com o devido respaldo científico.

“Uma das principais metas dos médicos é educar as massas a não tomar medicamentos” – Dr. William Osler, médico e pesquisador. 1849-1919 – Pai da Medicina Moderna.

LINK PARA ADQUIRIR O LIVRO (CLIQUE AQUI)

 

Trate qualquer câncer com Terapias Alternativas! 

Publicado em 31 de Julho de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG – EMAIL  – juliocaleiro@hotmail.com

 

Para receber um tratamento entre em contato no email acima ou ligue para:

35 3531 8423.


 

Trate qualquer câncer com Terapias Alternativas! 

By,  Ed. Júlio Caleiro – Nutricionista –

Dr. Lee Cowden diz que a maioria das pessoas não morrem de câncer; Eles morrem dos efeitos colaterais do “tratamento”. Enquanto a “guerra contra o câncer” está se movendo em direção a tratamentos mais personalizados e chamados de “medicina de precisão”, o antigo modelo de corte o “envenenamento e queimadura” a via cirúrgica a quimioterapia e radiação, ainda é amplamente utilizado, e considerado como o Padrão ouro de cuidados para muitos casos de câncer.

Um dos principais problemas com a quimioterapia é a sua toxicidade indiscriminada, que envenena seu organismo sistematicamente na tentativa de eliminar as células cancerígenas. Há grandes sinais científicos de que este modelo tem falhas fatais e pode causar mais danos do que bem. No caso do medicamento para quimioterapia contra o câncer de mama, o tamoxifeno, por exemplo, os pacientes devem trocar um risco por outro, pois, embora possa reduzir o câncer de mama, ele duplica mais o risco de câncer uterino nas mulheres. Os efeitos colaterais sérios, às vezes fatais da quimioterapia são comuns, assim como os graves efeitos imprevistos que podem tornar seu prognóstico do câncer pior em vez de melhor. Escrevendo na revista ‘Science Translational Medicine’, pesquisadores do Albert Einstein College of Medicine revelaram que dar quimioterapia antes da cirurgia para câncer de mama, pode promover a metástase da doença, ou o crescimento e propagação do câncer para outras áreas do corpo. Isso, por sua vez, aumenta consideravelmente o risco de uma mulher morrer da doença.

A quimioterapia pode tornar o câncer de mama mais agressivo e provavelmente se espalhar! A quimioterapia pré-operatória, conhecida como quimioterapia neoadjuvante, muitas vezes é oferecida às mulheres porque pode ajudar a diminuir os tumores, o que aumenta a probabilidade das mulheres receberem cirurgia de tumorectomia em vez de uma mastectomia completa. Após a realização de testes em camundongos e tecido humano no entanto, os pesquisadores descobriram que fazê-lo pode aumentar a probabilidade de metástase, aumentando o que são conhecidos como “microambientes tumorais de metástases”.

Pesquisas separadas revelaram que, de quase 2.000 pacientes que receberam quimioterapia, 161 óbitos ocorreram dentro de 30 dias após o tratamento. Quase 8% delas foram classificados como relacionados à quimioterapia (e outros quase 16% não foram classificados devido à informação insuficiente). Além disso, como mencionado, a quimioterapia pode aumentar o risco de câncer subsequente, como a leucemia mielóide aguda relacionada à terapia (TAML), “uma complicação rara mas altamente fatal da quimioterapia citotóxica”. Os pesquisadores observaram que os casos de TAML ocorrem quase cinco vezes mais freqüentemente em adultos tratados com quimioterapia do que na população em geral. Os oncologistas convencionais não são susceptíveis de explicar as muitas opções de tratamento, ao receber um diagnóstico de câncer, muitas pessoas assumem que suas únicas opções de tratamento são quimioterapia, cirurgia ou radiação. Somente você e sua equipe médica, podem tomar a decisão sobre como seguir melhor o tratamento, mas você deve saber que os provedores convencionais provavelmente não irão pensar “fora da caixa”!

Uma abordagem abrangente de luta contra o câncer natural seria tornar seu corpo tão saudável quanto possível, usando desintoxicação, e estratégias para aumentar sua função imune, mudanças na dieta e outras terapias específicas, dependendo de suas necessidades. Por exemplo, Annie Brandt – um sobrevivente de câncer ha 16 anos e autor de “The Healing Platform: Build Your Own Cure!” – afirma que os produtos que são úteis contra as células de câncer metastático incluem:

Berberina / metformina
Vitamina intravenosa C
Sulforafano (vegetais crucíferos)
Curcumina (açafrão)
Brotos de brócolis
Glucorapanina
Myrosinase
Chá Essiac
Raiz de bardana
Olmo escorregadio
Ruibarbo
Sorrel de carneiro
Soja fermentada
Óleo de peixe
Pectina citrina modificada (PectaSol-C)
Heparina
vitamina D altas doses

O objetivo é que existem muitas estratégias anti-câncer esquecidas pela medicina convencional. Muitos deles também funcionam além do tratamento convencional. Por exemplo, a vitamina C em combinação com cetose nutricional e jejum antes da administração de quimioterapia melhora radicalmente a eficácia da quimioterapia. Os oncologistas na Turquia, que não estão sob as mesmas restrições dos EUA, também estão usando um protocolo de tratamento cetogênico mostrando resultados chocantes em muitos pacientes com câncer no estágio 4. O protocolo de tratamento no Centro de Oncologia ChemoThermia no Peru inclui:

-Quimioterapia com suporte metabólico (aplicando quimioterapia com uma variedade de intervenções para melhorar os efeitos.
-Hipertermia.
-Oxigenoterapia hiperbárica.
-Inibidores de glicólise, especialmente 2-desoxiglucose (2-DG) e dicloroacetato (DCA).
-Dieta cetogênica com suplementos fitofarmacêuticos.
-No centro, todos os pacientes oncológicos são colocados em uma dieta cetogênica, o que cria aumenta o estresse metabólico nas células cancerígenas. Então, antes de administrar a quimioterapia, o paciente fará um jejum de 14 horas, o que aumenta ainda mais o estresse metabólico nas células cancerosas.


Para receber tratamentos baseado em todas as terapias alternativas acima descritas, com ou sem quimioterapia, entre em contato com o Dr. Júlio Caleiro, juliocaleiro@hotmail.com e receba seu tratamento completo.


Referências:

Como eliminar a HALITOSE (mau hálito) de maneira natural?

.halitose
Por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.
O mau hálito pode ser um sinal de deterioração da saúde oral. A boca possui mais de 10 bilhões de bactérias, que lutam constantemente para sobrevivência em cada parte da boca. Nesta constante disputa por território, as bactérias produzem substancias que são como armas naturais contra suas concorrentes, e uma das substancias foi dado o nome de BLIS, que é molécula de proteína capaz de matar as bactérias nocivas causadoras de halitose. A bactéria de nome Streptococcus Salivarius (bactéria saudável presente na boca) gera a molécula BLIS, e com isso mostra efeitos muito positivos contra o mau hálito, promovendo a boa saúde da boca, gengiva, dentes, nariz, e ouvidos.
A flora bacteriana do dorso da língua de pessoas que tem mau hálito é diferente daquela de pessoas que não tem mau hálito. Por exemplo, o Strep. Salivarius é uma bactéria típica de pessoas que NÃO tem mau hálito (hálito normal), e é raramente encontrada em pessoas que tem mau hálito.
Isso faz sentido para os dentistas, que sabem que o melhor tratamento para halitose é a diminuição de populações bacterianas, especialmente aquelas sob a língua, mas o problema é que os germes crescem rapidamente após o tratamento padrão. Um grupo de pesquisa liderado pelo Dr. Tagg (bacteriologista) e seu colega Jeremy P. Burton em “BLIS Technologies Centro de Inovação” na Nova Zelândia conseguiu resultados impressionantes usando BLIS na forma de pastilhas. Os pesquisadores estudaram 23 pacientes com halitose, dando-lhes todo um programa de três dias usando um produto antibacteriano seguido pelas pastilhas de BLIS e outro grupo com placebo. Mediram os compostos produtores de odor de enxofre no hálito dos pacientes uma semana mais tarde, encontrando que 85% do grupo de BLIS experimentaram reduções substanciais dos químicos nocivos causadores de halitose, contra 30% do grupo de placebo. O grupo BLIS também apresentavam contagens mais baixas de bactérias implicados em halitose comparados com os que receberam placebo. Burton e os investigadores concluíram que “a molécula BLIS pode fornecer uma estratégia eficaz para reduzir a gravidade da halitose.”
Logo, observa-se que é um típico caso de disbiose (desequilíbrio entre microorganismos benéficos e patogênicos). A disbiose não é apenas intestinal, mas pode afetar também as vias áreas respiratórias, causador de várias patologias, como otite, faringites, halitose, e etc. Equilibrando a população de bactérias nessa região, é possível prevenir essas patologias e também revertê-las naturalmente.
Referências:
1. Oral Dis. 2005;11(Suppl 1):29-31.
2. Burton JP, Chilcott CN, Moore CJ, Speiser G, Tagg JR. A Preliminary Study of the Effect of ProbioticStreptococcus salivarius K12 on Oral Malodour Parameters. Journal of Applied Microbiology, Volume 100, Number 4, April 2006, pp 754-764.
3. Burton JP, Wescombe PA, Moore CJ, Chilcott CN,Tagg JR. Safety Assessment of the Oral Cavity ProbioticStreptococcus SalivariusK12. Applied and Environmental Microbiology, Volume 72, Number 4, April 2006 pp 3050-3053
4. Oral Microbiol Immunol. 2009 Apr;24(2):152-61.
5. VERA FANTINATO DAMETTO. Streptococcus Salivarius: Deteccao de Cepas Produtoras de Substancias Semelhantes A Bacteriocina Contra Algumas Bacterias Bucais.. 1987. Tese – Universidade de São Paulo, . Orientador: Flavio Zelante.

EGCG TRATA E EVITA A MORTE DO NEURÔNIO MOTOR NA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA – ELA.

Publicado em 23 de Julho de 2017 – São Sebastião do Paraíso -MG

Para receber o tratamento correto e completo, entre em contato no email –

juliocaleiro@hotmail.com


CHA VERDE

By, Júlio Caleiro

Tendo em vista a performance promissora de epigalocatequina-3-galato (EGCG) em estudos de neuroproteção, o presente estudo teve como objetivo verificar se o EGCG protege os neurônios motores em um modelo de Esclerose Lateral Amiotrófica e se ele tem algum efeito no metabolismo do ferro usando o modelo ELISA e Western Blot . Os resultados demonstraram que o EGCG, diminuiu o estresse oxidativo e os neurônios motores ficaram protegidos na cultura organotípica da medula espinhal, podendo assim evitar a progressão da Esclerose Lateral Amiotrófica.  

O EGCG é um componente NATURAL importante de polifenóis como chá verde e outros, porém no chá as doses são muito pequenas para tratamento de pacientes, as doses via cápsulas são ajustadas para melhores efeitos, conforme a análise em questão. Foi demonstrado em vários estudos que o EGCG e mega-dosagens apresenta potenciais propriedades anti cancerígenas e de neuroproteção. Aqui mostramos que o EGCG atua na proteção do neurônio motor e está associada à regulação também do nível de glutamato na cultura organotípica da medula espinhal. O EGCG bloqueou a excitotoxicidade do glutamato causada pelo treohidroxaspartato, um inibidor do transportador de glutamato, esta propriedade da EGCG pode ser devido à sua atividade intrínseca, na qual  nenhum outro antioxidante pôde regular o nível de glutamato na mesma condição demonstrando assim benefícios contra E.LA, ( Esclerose Lateral Amiotrófica).

Os pacientes portadores de ELA pode se beneficiar muito com o uso do suplementos supracitado, em doses elevadas que são prescritas pelo profissional habilitado que conheça de terapias naturais alternativas para ELA.

CONCLUSÃO

Em conclusão, EGCG atua na diminuição do glutamato cerebral e leva a uma diminuição dos níveis de estresse oxidativo, levando à proteção do neurônio motor na cultura organotípica de uma medula espinhal, apesar do EGCG atuar sem alterar a regulação da expressão da proteína do metabolismo do ferro.


Referências:

FEBS Lett. 2010 Jul.

Mol Med Rep. 2017 Jul 5


 

Para receber informações, tratamento e atendimento entre em contato no email: juliocaleiro@hotmail.com ou pelo telefone do consultório.

Dr. Júlio Caleiro – 353531-8423


 

 

 

REGREDINDO A DOENÇA DE CROHN COM OMEGA 3 e COMPLEXO ANTIOXIDANTE em altas doses!

 

Júlio Caleiro – Nutricionista – Publicado em 06 de Julho de 2017 – São Sebastião do Paraíso-MG.

Tel consultório – 35 3531 8423

 

SOLICITE SEU TRATAMENTO – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM


cron

By, Júlio Caleiro – Nutricionista

 

      Num estudo randomizado, duplo-cego controlado por placebo, os pacientes com DOENÇA DE CROHN receberam ácidos com placebo, ou megadoses de antioxidantes, e também antioxidante com omega 3, por 3 meses além de uma dieta regular específica aos pacientes ( PARA RECEBER O TRATAMENTO ENTRE EM CONTATO NO EMAIL juliocaleiro@hotmail.com). Ao todo, os pacientes com CD 25/37 completaram o estudo. O estado de antioxidantes foi avaliado por parâmetros bioquímicos no sangue.

      Foi realizada uma análise estatística por protocolo específico das concentrações séricas de selênio, Vitamina C e vitamina E, a atividade de superóxido dismutase e o estado antioxidante total, que foram significativamente aumentados após suplementação. Além disso, em comparação com os pacientes controles, as concentrações séricas de beta-caroteno, selênio e vitamina C e a atividade da glutationa peroxidase (GPx) foram significativamente menores antes da suplementação; No entanto, após a suplementação Antioxidantes, esses níveis não foram significativamente diferentes dos controles (exceto GPx).

           Os ácido omega 3, mais a suplementação de Antioxidantes diminuíram a proporção dos ácido araquidônico ( inflamatório que gera dor) e aumentaram a proporção de ácido eicosapentanoico e ácido docosahexanóico em ambos os fosfolípidos plasmáticos e tecido adiposo. Além do que, a suplementação com ácidos graxos n-3 e antioxidantes alterou significativamente o perfil do precursor de eicosanoides, o que pôde levar à produção de eicosanóides com atividade pró-inflamatória atenuada, regredindo portanto a dor.

CONCLUSÃO:

Este estudo indica que uma fórmula imunomoduladora contendo ácidos graxos OMEGA3 em altas doses de EPA e DHA / ou ANTIOXIDANTES em altas doses, apresentaram o potencial de desempenhar um papel no tratamento do DOENÇA DE CROHN melhorando e regredindo sintomas e trazendo melhor qualidade de vida aos pacientes.

 

Para receber um tratamento completo à base de antioxidantes e omega nas doses corretas do estudo entre em contato no email: juliocaleiro@hotmail.com


 

Referências:

Inflamm Bowel Dis.