Início » Artigos publicados por Dr. Júlio Caleiro (Página 4)

Arquivo do autor:Dr. Júlio Caleiro

Lugol 7% trata câncer de pele, segundo o oncologista Dr. Tullio Simoncini

10592663_1018002764892084_8797615135727971328_n

Em 10 de dezembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

“Dr. Tullio Simoncini [Médico Oncologista] afirma:

“Todo tumor da pele [câncer de pele] pode ser completamente removido com tintura de iodo a 7% [LUGOL 7%], pincelando várias vezes (10-20x), uma vez por dia. Ao ser formada a crosta, não retirá-la, tratar de forma contínua e esperar até que caia sem qualquer outra intervenção, exceto a tintura de iodo. Quando a crosta cair pela terceira vez, o paciente está curado.”

O Lugol somente pode ser usado sob prescrição médica ou indicação de nutricionista. Procure um profissional de saúde de sua confiança para avaliar a possibilidade de utilizar o iodo em seu tratamento. Não faça nenhum procedimento terapêutico sem orientação de um profissional de saúde competente. Apresente esta terapia ao seu médico e solicite orientações para eventual aplicação.


Referência:

E-Book: Treatment Essentials, Dr. Mark Sircus, p.480

Esclerose lateral amiotrófica e naltrexona em baixas doses

cerebro6-250x203
Em 09 de dezembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.
Dois pacientes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) avançada experimentaram significante melhora da respiração, comprovada pelo aumento da capacidade vital forçada. Um dos pacientes melhorou 25% dos seus sintomas em dois meses e o outro melhorou 11% dos sintomas. A dose que funcionou melhor foi de 4,5 mg ao deitar e a melhoria da capacidade respiratória continuou estável.
Apresente esta terapia ao seu médico, e solicite orientação médica para que seja aplicada em seu tratamento de saúde.
Referência:
Bihari B First Annual low dose naltrexone conference at the New York Academy of Sciences; June 11, 2005

Progesterona apresenta diversos benefícios à saúde cerebral

Em 04 de dezembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

Doutor Donald Stein, neurocientista – PhD, informa que: “claramente, um dos efeitos mais benéficos da progesterona está no edema cerebral. Mais um dos grandes benefícios da progesterona que lhe permite trabalhar em ferimentos no cérebro é que ele atua em uma série de mecanismos diferentes na lesão”.

A progesterona atua não só sobre um receptor específico no núcleo da célula, mas também em diferentes receptores da membrana celular para conseguir diferentes efeitos benefícios na lesão cerebral (Ann Emerg Med. 2007 Apr;49(4):391-402; Brain Res Rev. 2008 Mar;57(2):386-97.Brain Res Rev. 2008 Mar;57(2):493-505.). Em resposta ao dano, as células gliais (são fundamentais para a normal função cerebral) liberam compostos de proteínas conhecidas como citocinas inflamatórias. Isso provoca inflamação, que conduz ao edema, que por sua vez faz com que todo o cérebro inche e funcione de forma anormal.

A progesterona “reduz drasticamente a expressão de genes que desencadeiam células que liberam estas citocinas inflamatórias”, diz Dr. Stein. Estudos em animais demonstraram a progesterona e o seu metabólico alopregnanolona, aumentaram a produção de uma proteína que inibe a reação molecular em cadeia conduzindo ao inchação cerebral (Neurosci Lett. 2007 Sep 25;425(2):94-8.)

Além disso, progesterona regula a proteína chamada ‘aquaporin’ no tecido cerebral lesionado, que auxilia na drenagem do excesso de fluído surgido na região do ferimento (Exp Neurol. 2006 Apr;198(2):469-78.) Ainda, progesterona regula positivamente a expressão de genes que inibem a morte celular, contribuindo para evitar a morte de células cerebrais lesionadas (Brain Res Rev. 2008 Mar;57(2):386-97).

Ademais, as propriedades neuroprotetores e até regenerativas da progesterona incluem seus efeitos sobre a MIELINA (Pharmacol Ther. 2007 Oct;116(1):77-106.). A mielina é um revestimento de proteção ao longo das fibras nervosas, que pode ser lesionada em processos de doenças, como Esclerose Múltipla. Dr. Stein informa que: “no sistema nervoso, a progesterona também estimula as células da medula espinhal e do cérebro a fazer mais mielina. Esta é uma das razões pelas quais os derivados de progesterona estão sendo testados em estudos clínicos na França e Itália para tratar ESCLEROSE MÚLTIPLA (uma doença em que a mielina está danificada ou sua produção é interrompida).

As mulheres com esclerose múltipla que se engravidam tem uma redução acentuada de seus sintomas, que pioram novamente quando a progesterona cai na natalidade. É possível que os sintomas regridem durante a gravidez pois a progesterona estimula a expressão de genes a produzir mais mielina”, diz Dr. Stein.

Informo que a progesterona a ser considerada em uso no tratamento acima, é a progesterona BIOIDÊNTICA (PROGESTERONA BASE), via cremes de ultra-absorção, por meio de PRESCRIÇÃO MÉDICA. Procure um médico de sua confiança que seja especialista em modulação hormonal bioidêntica.

Veja aqui a relação de alguns médicos que aplicam a terapia hormonal bioidêntica:

https://nutricaobrasil.wordpress.com/medicos-terapia-hormonal-bioidentica/

Lifeextension.com

BENEFÍCIOS DA ÁGUA ALCALINA IONIZADA

Em 29 de novembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

agua

No Central Hospital in Jilin Cangchun, na China, foi realizado um estudo com 65 pacientes com diabetes e 50 pacientes com dislipidemia que tomaram 2 litros de água alcalina ionizada por 2 meses. Houve uma diminuição significativa da glicemia em 89% dos pacientes com diabetes. Além disso, houve diminuição significativa do triglicerídeo e colesterol total em 92% dos pacientes.

Foi realizado um estudo duplo cego na Universidade de Hiroshima, entre Novembro de 2008 e Setembro de 2009, com 100 pessoas que tomaram 2litros de água alcalina diariamente. Foi encontrado melhora dos níveis de glicose, pressão arterial, colesterol total, LDL e melhora significativa nos níveis de leptina e melhora da constipação.

De janeiro de 1996 a janeiro de 1999 foi conduzido um estudo duplo cego sobre o efeito da água alcalina ionizada em pacientes com sintomas de azia, distensão abdominal, diarreia crônica e constipação. O número de pacientes no grupo da água alcalina ionizada foi de 84 e 79 no grupo de água purificada. Os pacientes tomavam por 2 semanas água com pH de 9,5 ou água purificada. Demonstrou-se que no grupo da água alcalina houve uma melhora significativamente maior nos sintomas do que na água purificada. No grupo de diarreia crônica a melhora no grupo da água alcalina foi de 94,1% enquanto na água purificada foi de 64,7%.

Estudos clínicos sugerem que a água alcalina reduzida melhora o estresse oxidativo relacionado a doenças. Shirahata e Cols demonstraram que a água reduzida diminui os radicais livres e inibem o dano in vitro da lesão do Radical Livre no DNA.

Referências científicas:

1. Gadek, Z., Li, Y., & Shirahata, S. (2006). Influence of natural reduced water on relevant tests parameters and reactive oxygen species concentration in blood of 320 diabetes patients in the prospective observation procedure. In S. Iijima, & K.I. Nishijima (Eds.), Animal cell technology: Basic & applied aspects, Vol. 14 (pp. 377e385).Dordrecht: Springer.

2. Osada, K., Li, Y. P., Hamasaki, T., Abe, M., Nakamichi, N., Teruya, K., et al. (2010). Anti-diabetes effects of Hita Tenryosui water, a natural reduced water. In K. Ikura, et al. (Eds.), Animal cell technology: Basic & applied aspect s, Vol. 15 (pp. 307e313). Dordrecht: Springer

3. Higashikawa, F., Kuriya, T., Noda, M, & Sugiyama, M. (2009). Verification of improving action of mineral water on lipid metabolism in clinical trials. In Abstract book of the 7th meeting of the Japanese

Society of Preventive Medicine (pp. 20).

4. Tashiro, H., Kitahora, T., Fujiyama, Y., & Banba, T. (2000). Clinical evaluation of alkali-ionized water for chronic diarrhea e placebocontrolled double-blind study. Digestion & Absorption, 23, 52 e 56.

5. Hayashi, H.,& Kawamura, M. (2002). Clinical application of electrolyzed-reduced water. In S.Shirahata, et al. (Eds.), Animal cell technology: Basic & applied aspects, Vol. 12 (pp. 31e36).Dordrecht:

Kluwer Academic Publishers.

6. Shirahata, S., Kabayama, S., Nakano, M.,Miura, T., Kusumoto, K.,Gotoh, M., et al. (1997).Electrolyzed-reduced water scavenges active oxygen species and protects DNA from oxidative damage.Biochemical and Biophysical Research Communications, 234,269e274.

Fonte: http://www.psiquiatrianutricional.com.br/site/Artigo%20revis%C3%A3o%20%C3%A1gua%20alcalina.pdf

Complexo B pode reduzir o encolhimento do cérebro por até 90 por cento, conclui estudo.

cerebro

Em 27 de novembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

A doença de Alzheimer tem tomado proporções epidêmicas. Só nos EUA, há 5,4 milhões de pessoas com Alzheimer. Uma em cada 8 pessoas com idade acima de 65 anos vivem com a doença. Em 2050, espera-se que esse número salte para 16 milhões, e nos próximos 20 anos, há expectativa de que a doença de Alzheimer afete um em cada quatro americanos.

Apesar de a causa ainda ser um mistério, está cada dia mais claro que o que você come, ou não come, influencia o risco bem como a taxa da progressão da doença. Vitaminas do complexo B, e em particular ácido fólico e vitamina B6 e B12, oferecem poderosa prevenção na doença de Alzheimer.

As vitaminas do complexo B podem reduzir o encolhimento do cérebro em até 90%. Os níveis elevados de homocisteína estão ligados ao encolhimento do cérebro e um aumento no risco de Alzheimer. Vitaminas do complexo B são conhecidas por suprimir a homocisteína. Um estudo com elevadas doses do complexo B, verificaram que o grupo que recebeu as elevadas doses do complexo B teve um encolhimento significativamente menor em comparação com o grupo placebo.

O estudo verificou ainda que além de as vitaminas do Complexo B retardar o encolhimento do cérebro, pode lentificar o encolhimento em até 7 vezes em regiões cerebrais, especificamente conhecidas como os mais afetados pela doença de Alzheimer. – Proceedings of the National Academy of Sciences May 20, 2013

Entre os participantes que tomaram altas doses de ácido fólico, vitaminas B6 e B12, os níveis de homocisteína no sangue foram reduzidos, e apresentaram uma redução do encolhimento cerebral em 90%.

Assim, é incompreensível deixar estes nutrientes fora do tratamento do tratamento de pacientes com doenças neurológicas, em que a atrofia cerebral e encolhimento cerebrais são consequências da patologia. Os benefícios perdidos pelos pacientes custam-lhes a própria vida.

Referências científicas:

Estudo científico conclui que protocolo DEANNA pode melhorar qualidade de vida de pacientes com ELA

neuroniogde

Em 21 de novembro de 2014, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

Um estudo de 2014, concluiu que PROTOCOLO DEANNA para Esclerose Lateral Amiotrófica pode prolongar a sobrevida e melhorar a qualidade de vida de pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica. Neste protocolo, dieta cetogênica e o suplemento AAKG se destacaram no estudo em sua importância.

Outro nutriente de muita importância no tratamento de pacientes com ELA, é a creatina. Em modelos animais experimentais, a creatina mostrou-se mais eficaz do que o RILUZOL (medicamento tradicional para ELA). – Nature Medicine March 1999;5:347-350.

Destaco ainda que o protocolo pode ser mais efetivo com a terapia de altas doses de vitamina D, já que há também estudos demonstrando os benefícios da vitamina D (altas doses) em pacientes com ELA – Med Hypotheses. 2011 May;76(5):643-5.

Referência científica:

PLoS One. 2014 Jul 25;9(7):e103526.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25061944

Seria câncer de Tireoide realmente, ou um falso diagnóstico médico?

Publicado em 20 de novembro de 2014 – São Sebastião do Paraíso  MG. Consultório – 35 3531 -8423

Para uma orientação expressa entre em contato pelo email -juliocaleiro@hotmail.com

erros

By Ed. Dr. Júlio Caleiro

Seria câncer de Tireoide realmente? Ou um falso diagnóstico médico? 

O câncer de tireoide parece estar em ascensão em muitas áreas do mundo, embora pesquisas recentes sugerem que este fato pode estar mais evidente devido ao excesso de diagnósticos, não a um aumento real na incidência do câncer. Nos EUA, a taxa de câncer de tireoide dobrou desde 1994, e na Coreia do Sul, tornou-se o tipo mais comum de diagnostico de câncer, tendo aumentado 15 vezes nos últimos 20 anos. Estranho! No entanto, alguns especialistas em câncer mostram que a situação na Coreia do Sul, existe provavelmente devido a um aumento da triagem de diagnóstico errôneos, de tumores inofensivos. Como foi observado no artigo em destaque abaixo.

“Os sul-coreanos abraçaram a triagem usual cerca de 15 anos atrás, quando o governo iniciou um programa nacional para uma variedade de tipos de câncer – de mama, colo do útero, cólon, estômago e fígado.
Médicos e hospitais frequentemente incluem ecografias para o câncer de tireoide por uma taxa adicional de US $ 30 a US $ 50. Apesar dos cânceres mais pequenos da tireoide que estão sendo encontradas, a taxa de mortalidade manteve-se firme e baixa. Se a detecção precoce estivessem realmente salvando vidas, as taxas de mortes deveriam ter caído. Esse correlação entre ‘mais cânceres detectados e tratados’, mas nenhuma mudança na taxa de mortalidade pode ser falsa. “Os pesquisadores dizem que muitos dos cânceres que estão sendo encontrados e tratados não eram perigosos”.

Os riscos do excesso de diagnósticos médicos!

Encontrar tumores benignos minúsculos que realmente não precisam de tratamento, é conhecido como over-diagnóstico, um fenômeno que também é comum em outros tipos de rastreio do câncer, especialmente câncer da mama. É emocionalmente difícil tomar uma abordagem de “esperar e ver” uma vez que um tumor foi observado em um teste ou digitalizado por imagem, mas tratá-lo pode fazer muito mais mal do que bem, se este câncer for benigno. Deixar sozinho, um tumor benigno de crescimento lento, o tumor nunca pode causar um problema de fato. 1/3 das pessoas que morrem com tumores da tiroide pequenas, permaneceram sem serem detectados ao longo de suas vidas, e o câncer não chega a ser, a causa direta da morte.

A remoção e tratamento de tumores inofensivos, no entanto, pode levar a uma série de problemas de saúde em cascata. Por exemplo, a remoção cirúrgica de sua tireoide necessitará reposição de hormônios da tireoide para o resto de sua vida. Aí começa então o grande problema! A deficiência crônica de hormônio, leva a depressão e outros sintomas por baixa função da tireoide, e pode se tornar companheiros ao longo da vida. A remoção cirúrgica da tireoide também pode resultar em danos acidentais para as cordas vocais e / ou glândulas paratireoides. Na Coreia do Sul, 2/3 dos pacientes sofrem paralisia das cordas vocais, e 11% acabam com hipoparatireoidismo como resultado de danos às glândulas paratireoides, e por último dos quais afetam negativamente a regulação do cálcio no organismo precipitando assim doenças ósseas e outras mais sérias.

Especialistas pedem moderação em rastreamento para o câncer de tireoide.

Alguns especialistas em câncer dizem que é simplesmente simples reduzir a triagem que encontra estes minúsculos cânceres, inofensivos! Um dos autores sul-coreanos vai mais longe, a ponto de propor o rastreio do câncer da tiroide deveria ser proibido. Como observou o New York Times:

“especialistas em cancer disseram que a situação na Coreia do Sul deve ser uma mensagem para o resto do mundo, sobre as graves consequências que a triagem em larga escala de pessoas saudáveis podem ter.

“Um outro alerta para nós, é preciso ter muito cuidado na nossa defesa da triagem”, disse o Dr. Otis Brawley, diretor médico da American Cancer Society. “Precisamos ser muito específicos sobre onde temos realmente bons dados que salva vidas.”.. Esses pequenos cânceres, chamados cânceres de tireóide papilar, é o tipo mais comum, e é o tipo normalmente encontrado com a triagem. Eles são conhecidos por ser o menos agressivo. A epidemia não foi causada por uma toxina ambiental ou agente infeccioso, disse o Dr. H. Gilbert Welch de Dartmouth, um dos autores do ‘paper’ sob referência abaixo. “Uma epidemia de doenças verdadeiras, seria esperado em produzir um aumento dramático no número de mortes por doenças”, disse ele. “Em vez disso, vemos uma epidemia de diagnóstico, um aumento dramático no diagnóstico e nenhuma mudança na morte.”

… ” A lição da Coreia do Sul atualmente devem ser atendida, disse Dr. Barnett S. Kramer, diretor da divisão de prevenção de cânceres do Instituto Nacional do Câncer. “A mensagem que apredemos por tanto tempo é que a detecção precoce é sempre melhor”, disse ele. “..Mas este ‘conto gritante’ de triagem que deu errado “deve então agora aumentar a conscientização sobre as consequências de agir sobre a intuição.”

Uma em cada oito mulheres tem a doença de tiroide

Embora a incidência real de câncer de tireoide pode não estar em alta, doenças da tireoide tem se tornado muito comum no mundo de hoje, isso devido ao um número de diferentes fatores de estilos errados de vida. De acordo com Dr. Christiane Northrup, MD, um em cada oito mulheres com idade entre 35-65 anos, tem alguma forma de doença da tireoide, a hipoatividade da tireóide é o mais comum. Mais de um quarto das mulheres na perimenopausa é diagnosticada com hipotireoidismo, com quantidades insuficientes de hormônios da tireoide.

Os Hormônios tireoidianos são utilizados por todas as células do corpo, é por isso que os sintomas podem variar tão amplamente. Por exemplo, os hormônios da tireóide regulam o metabolismo e o peso, controlando a queima de gordura para obter energia e calor. Os hormônios da tireoide também são necessários para o crescimento e desenvolvimento em crianças.

Os sintomas severos do hipotiroidismo podem estar associados, mas geralmente estão limitados ao seguinte sintomas:

Fadiga, perda de energia e letargia geral, Intolerância ao frio.
Dor Muscular e / ou dores nas articulações, transpiração diminuída.
Depressão e Inchaços.
O ganho de peso é maior, pele e cabelos secos.
Apnéia do sono, perda de sono.
Síndrome do túnel Carpal, Esquecimento, memória prejudicada e incapacidade de se concentrar.
Distúrbios menstruais e Diminuição do apetite.
Constipação e infertilidade.
Plenitude, e sensação de plenitude na garganta e rouquidão, aumentado de doença cardíaca.
Aumento do colesterol (LDL) Fraqueza nas extremidades.
Instabilidade emocional, Visão turva.
Deficiência mental diminuição da audição
Bradicardia (diminuição da freqüência cardíaca)
O efeito da doença de tiróide, em Saúde Mental.

Depressão e outros problemas de saúde mental são, talvez, os sintomas particularmente notáveis de disfunção tireoidiana, nada mais, porque isso é um efeito colateral comum que é facilmente esquecido e, portanto, diagnosticado. Se a depressão é devido a uma disfunção da tiroide, claramente a resposta para o problema não é um antidepressivo, mas sim abordar a função da tiride … Como foi explicado pelo Dr. Northrup:

“A tireóide é uma glândula em forma de borboleta localizada na região do pescoço, logo abaixo do pomo de Adão. É uma parte do sistema endócrino, e segrega hormônios tiroxina (T4) e triiodothyroxine (T3), que regulam a taxa metabólica do corpo. A função da tireóide é muito complexa e exerce um efeito profundo sobre a função de quase todos os outros órgãos no corpo. Portanto, o bom funcionamento da química geral do corpo depende da saúde da glândula tireóide. Não é incomum para as mulheres com problemas de tireóide a sofrer de depressão. Uma explicação para isto é que a forma mais biologicamente ativa do hormônio da tiróide, T3, é, na verdade um neurotransmissor ‘bona fide’ que regula a ação da serotonina, noradrenalina e GABA (ácido gama-aminobutírico), um neurotransmissor inibitório que é importante para reprimir a ansiedade.” É importante perceber que a disfunção da tireóide é uma questão complexa, com muitas variáveis. Como observado por Dr. Northrup, o hipotireoidismo de meia-idade pode estar relacionado com a dominância de estrogênio subjacente, caso em que tomar hormônio da tireoide não consegue resolver a raiz do problema. Medicamentos também podem perturbar a função da tiróide, caso em que a solução mais adequada pode não ser adicionar o hormônio da tireoide.

Drogas perturbadoras da tireoide conhecidos incluem esteroides, barbitúricos, medicamentos para baixar o colesterol, o medicamento anti-epiléptico Dilantin, e beta-bloqueadores. Toxicidade de metais pesados é outro fator que pode ser parte do problema. Por último, mas não menos importante, Dr. Northrup também aponta que doenças da tireóide muitas vezes, tem um componente emocional. – Para um tratamento específico para seu caso sugiro entrar em contato por email – júliocaleiro@hotmail.com

Só mais uma coisa, distúrbios da tireoide também estão relacionados com a nossa relação com o tempo. A tireóide é adversamente afetada, e a sensação é como se a pessoa ‘nunca tivesse tempo suficiente’ ou que esteja correndo contra atrás do tempo. Este sentimento também resulta em esgotamento adrenal (que está relacionada com distúrbios da tireóide). A relação de nossa cultura com o tempo é muito desequilibrada. Um ponto de partida aqui, é perceber que você tem todo o tempo que existe! Literalmente. E todo o tempo que alguém tem-24 horas em um dia.

Tratar tireoide hiperativa ( Hipertireoidismo).

A condição inversa, em que excesso de hormônio tireoidiano é produzido, é chamado de hipertireoidismo. Embora muito menos comum, pode ser uma condição muito séria. Para piorar as coisas, as opções de tratamento convencionais geralmente envolvem o uso de iodo radioativo, que é um desastre, ou cirurgia. De acordo com o Dr. Jonathan Wright, pode haver algo muito melhor e mais seguro como opção: uma combinação de iodo e lítio por exemplo. Este tratamento originou no Walter Reed Army Medical Center (WRAMC), em seu departamento de tireoide. Eles tiveram número suficiente de pessoas com hipertireoidismo lá que eles foram capazes de dividi-los em quatro grupos de tratamento, recebendo ou:
O uso correto do Lítio e Lugol para Hipertireoidismo.

O grupo que começou com Lugol e terminou com lítio foi significativamente melhor do que todos os outros grupos, em obter o hipertireoidismo sob controle rápido! Mais de duas décadas atrás, a Clínica Mayo também publicou um artigo sobre o tratamento do hipertireoidismo usando lítio. Aqui, eles utilizaram sozinhos lítio, e também foram capazes de trazer os números anormalmente elevados de T3 e T4 para baixo, ao normal no prazo de uma semana a 10 dias. ( para uma orientação expressa entre em contato com juliocaleiro@hotmail.com).

De acordo com o Dr. Wright, sistema de Walter Reed é profundamente eficaz. De todas as pessoas tratadas por hipertireoidismo na clínica do Dr. Wright, no montante de cerca de 40, houve apenas dois casos em que o protocolo falhou. Os níveis normais pode muitas vezes ser conseguido em menos de duas semanas.
A Importância do iodo para a função tiroideia

O iodo é a chave para uma tireóide saudável e metabolismo eficiente. Até mesmo os nomes das diferentes formas de hormônio da tireóide refletem o número de moléculas de iodo ligado – T4, e possui quatro moléculas de iodo conectados. O T3 (a forma biologicamente ativa do hormônio) tem três moléculas de iodo – mostrando o que é uma boa parte de iodo desempenha na tireóide. Para um tratamento específico para casos de HIPERTIREOIDISMO E HIPOTIREDOIDISMO – ENTRE EM CONTATO COM – ( juliocaleiro@hotmailcom).
Como o organismo não pode produzir seu próprio iodo, ele deve ser obtido a partir de sua dieta. O iodo é sequestrado em sua glândula tireoide, onde é incorporado nos hormônios tireoidianos tiroxina (T4) ou triiodotironina (T3). Em indivíduos saudáveis estes hormônios são precisamente regulamentados pelo(TSH), e são exigidos por todas as células metabolicamente ativas em nosso corpo. Infelizmente, a deficiência de iodo é extremamente comum nos dias de hoje, enquanto a exposição tóxica desempenha um papel importante na doença da tireóide, essa deficiência nutricional é um fator importante que contribui para problemas maiores.

No Japão, a dose diária de iodo obtido a partir das médias de dieta em torno de 2.000 a 3.000 microgramas (mcg) ou 2-3 miligramas (mg), chegando a 20.000 mcg dia, e não há razão para acreditar que este pode ser um valor muito errado ou exagerado, é mais adequado do que os EUA e BRASIL onde a dose diária recomendada (RDA) de 150 mcg a 120mcg, desencadeando uma epidemia de hipotireoidismo sub clínico, gerando sintomas diversos, levando a prescrição de Syntroid e outros que são particularmente perigosos à saúde da tireoide, levando a formação crônica de T3 reverso e por fim nódulos e baixa função do órgão.
——————————————————-

Dr. Mercola MD.

Referências:
1-NYT 6, 2014
2-NYT, November 6, 2014
3-NTY, November 6, 2014
4-New England Journal of Medicine 2014;
5-New England Journal of Medicine 2014;
6-Drnorthrup.com Thyroid Disease
7-Todayifoundout.com, April 2014
8-Drnorthrup.com Thyroid Disease
9-Caldwell KL, Miller GA, Wang RY, et al. 2008. Iodine status of the U.S. population, National Health and Nutrition Examination Survey 2003-2004.
10-Medicinenet.com May 26, 2014
11-Jeffrey Dach MD, Synthetic vs Bioidentical Thyroid Hormones

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 155 outros seguidores