Início » EVIDÊNCIAS » A VITAMINA D É MAIS EFICAZ DO QUE A VACINA DA GRIPE, CONCLUIU OS PESQUISADORES! CONSELHOS DE NUTRIÇÃO (CRNs) E OUTROS SÃO CONTRA AS DOSES CITADAS!

A VITAMINA D É MAIS EFICAZ DO QUE A VACINA DA GRIPE, CONCLUIU OS PESQUISADORES! CONSELHOS DE NUTRIÇÃO (CRNs) E OUTROS SÃO CONTRA AS DOSES CITADAS!

Categorias

vitamina-d-e-a-gripe

 

By, Revisão e Edição – Júlio Caleiro  – São Sebastião do Paraíso – MG – email  – juliocaleiro@hotmail.com

Tel – 35 3531 8423

———————-

A vitamina D é mais eficaz contra a gripe do que as vacinas!

A maioria dos médicos e outros profissionais de saúde afirmam que receber uma vacina contra a gripe a cada ano, é a melhor maneira de evitar a gripe! Mas onde está a ciência apoiando essa afirmação? Se você repetidamente caiu naquelas campanhas de propaganda anual, você poderá surpreender ao descobrir que a literatura médica sugere que a vitamina D pode realmente ser uma estratégia mais eficaz, e as evidências para isso remonta pelo menos uma década! Porém as instituições médicas e de nutrição são contra as doses reais de vitamina D, eles preferem manter entre 600ui a 800ui dia para adultos. Dose esta na minha opinião irrisória!

Dr. John Cannell, fundador do Conselho Vitamina D, foi um dos primeiros a introduzir a idéia de que a deficiência de vitamina D pode realmente ser uma causa subjacente da gripe. Sua hipótese foi inicialmente publicada na revista ‘Epidemiology and Infection em 2006’. Seguiu-se posteriormente com outro estudo publicado no ‘Virology Journal’ em 2008. No ano seguinte, o maior estudo representativo nacional desse tipo até àquela data descobriu que as pessoas com os níveis mais baixos de vitamina D, realmente relataram ter significativamente mais resfriados ou casos de gripe. Em conclusão, o autor principal Dr. Adit Ginde declarou: “As conclusões do nosso estudo apoiam um papel importante para a vitamina D na prevenção de infecções respiratórias comuns, como resfriados e gripe. As pessoas com doenças pulmonares comuns, como a asma ou enfisema pode ser particularmente suscetível a infecções respiratórias por deficiência de vitamina D”.

Vitamina D funciona melhor do que vacina contra a gripe?

Desde então, vários estudos chegaram a conclusões semelhantes que sim, é melhor! Mais recentemente, uma revisão científica de 25 ensaios controlados randomizados confirmaram que a suplementação com vitamina D aumenta a imunidade e reduz as taxas de resfriado e gripe. No geral, os estudos incluíram quase 11.000 indivíduos de 12 países. Conforme relatado por Time Magazine, “… As pessoas que tomavam diariamente ou semanalmente suplementos de vitamina D eram menos propensas a relatar infecções respiratórias agudas, como a gripe ou o resfriado comum, do que aquelas que não tomavam”. Para as pessoas com deficiências de vitamina D mais significativas (níveis sanguíneos abaixo de 10 [ng / mL]), tomar um suplemento reduz o risco de infecção respiratória pela metade.

Como Cannell e outros pesquisadores acreditam que a vitamina D oferece proteção ao aumentar os peptídeos antimicrobianos nos pulmões, e que “pode ser uma das razões pelas quais os resfriados e os gripes são mais comuns no inverno, quando a exposição à luz solar Produção natural de vitamina D) está no seu nível mais baixo … “.De acordo com essa equipe de pesquisa internacional, a suplementação de vitamina D poderia prevenir mais de 3,25 milhões de casos de gripe todos os anos só na Europa.

Otimizar níveis de vitamina D no sangue pode ser sua melhor defesa contra a gripe! 

Obs- Quero ressaltar que os Conselhos de Nutrição( CRNs) são contra doses maiores que 800ui, dizem ser perigosas e seguem parâmetros diferentes!

Na minha opinião, a otimização dos níveis de vitamina D é uma das melhores estratégias de prevenção da gripe e de saúde ótima disponíveis. Sua dieta também desempenha um papel significativo, é claro, como estabelece as bases para uma boa função imunológica. Uma dieta rica em açúcar diminui a capacidade inata do seu corpo para combater infecções de todos os tipos, afetando radicalmente o funcionamento do seu sistema imunológico. Eu acredito que a exposição sensível ao sol é a maneira ideal para otimizar sua vitamina D. Tomando um suplemento de vitamina D3 só é recomendada nos casos em que você simplesmente não pode obter quantidades suficientes de exposição ao sol. Também é importante ressaltar que, ao contrário do que é relatado pela maioria dos principais meios de comunicação, a maioria das pessoas não pode otimizar seus níveis de vitamina D obtendo as 600 UI recomendadas de vitamina D de alimentos fortificados, como é sugestionado no Brasil e apoiado pelas instituições da Nutrição e da Medicina. A dose que você precisa realmente depende do seu nível sanguíneo atual de vitamina D. Se for muito baixo, você pode precisar de 8.000 a 10.000 UI de vitamina D3 por dia, afim de alcançar e manter um nível clinicamente relevante de 45 a 60 nanogramas por mililitro (ng / mL). A única maneira de saber quanto você precisa é fazer o teste pelo menos uma ou duas vezes por ano. As instituições de Nutrição e demais conselhos não APOIAM essas doses, pois seguem os parâmetros retrógrados de DRIs, RDAs e UL.

Se você suplementar por algum tempo e seus níveis ainda se manterem abaixo de 45 ng / mL, a dose deve ser maior ainda, pois se estiver usando um suplemento via oral, também certifique-se de aumentar a sua ingestão de vitamina K2 e magnésio, como esses nutrientes ajudam a otimizar os níveis de vitamina D e ativá-la de maneira correta.

Outros estudos que suportam a ligação entre a deficiência da vitamina D e a gripe!

Em um estudo publicado em 2010, 10 pesquisadores investigaram o efeito da vitamina D sobre a incidência da gripe sazonal A em escolares. O estudo randomizado, duplo cego, controlado por placebo incluiu 430 crianças, metade das quais receberam 1.200 UI de vitamina D3 por dia, enquanto a outra metade recebeu um placebo. Dose esta 2 a 3 vezes mais do que o recomendado pelas instituições de Nutrição e Medicina. No geral, as crianças no grupo de tratamento tiveram 42% menos probabilidade de contrair a gripe. Segundo os autores: “Este estudo sugere que a suplementação de vitamina D3 durante o inverno pode reduzir a incidência de influenza A, especialmente em subgrupos específicos de escolares”. Outro estudo publicado no mesmo ano, concluiu que a infecção de combate a células T precisam de ajuda de vitamina D, a fim de ativá-las. Este é mais um mecanismo que ajuda a explicar por que a vitamina D é tão eficaz contra infecções. Quando uma célula T reconhece invasores estrangeiros como bactérias ou vírus, envia sinais de ativação para o gene receptor de vitamina D (VDR). O gene VDR então começa a produzir uma proteína que se liga à vitamina D na célula T, que logo após isso há produção de proteína PLC-gamma 1, que subsequentemente permite que a célula T combata a infecção. Na época, o pesquisador principal Carsten Geisler, disse à Food Consumer: “Quando uma célula T é exposta a um patógeno estranho, ela estende um dispositivo de sinalização ou” antena “conhecido como um receptor de vitamina D, com o qual procura a vitamina D. Isto significa que a célula T deve ter vitamina D ou ativação da célula, se as células T não conseguirem encontrar o suficiente vitamina D no sangue, elas não começarão a se mobilizar “. Porém vale lembrar que a Nutrição no Brasil e suas instituições não reconhecem as doses de vitamina D acima citada, Nutricionsitas e médicos ainda preferem as doses de 600ui dia, que vale lembrar segundos análises recentes não servem para muita coisa.

Com essa compreensão, não é de admirar que vacinas contra a gripe não funcionam. Vacinas contra a gripe não fazem absolutamente nada para resolver o problema subjacente da deficiência de vitamina D , e ainda impede efetivamente impedindo seu sistema imunológico de funcionar corretamente. De fato, as vacinas contra a gripe tendem a deteriorar sua função imunológica, e seus efeitos colaterais podem ser significativos.

Estudos ‘Gold Standard’ ignorados pela maioria!

O padrão-ouro da análise científica, a chamada ‘Cochrane Database Review’, também emitiu vários relatórios entre 2006 e 2012, todos os quais dizimam a alegação de que as vacinas contra a gripe são o método de prevenção mais eficaz disponível. Em 2010, Cochrane publicou a seguinte conclusão, que foi completamente ignorada pelos meios de comunicação mainstream e pelas agências de Nutrição e Medicina: “As vacinas contra a gripe têm um efeito modesto na redução dos sintomas da gripe. Não há provas de que evitam complicações da gripe inclusive, tais como pneumonia. Esta revisão inclui 15 dos 36 ensaios financiados pela indústria (quatro não tinham financiamento declaração). Uma revisão sistemática anterior de 274 estudos de vacinas contra influenza, até 2007 encontrou estudos financiados pela indústria e que foram publicados em revistas mais prestigiadas, e não citaram outros estudos independentemente da qualidade metodológica inclusive superior. Até por que os estudos financiados por fontes públicas, foram significativamente menos propensos a relatar conclusões favoráveis às vacinas…”.

Revisões científicas mostram que a vacinação de crianças e idosos são ineficazes!

A Cochrane publicou vários relatórios sobre a eficácia das vacinas contra a gripe em lactentes e idosos – dois grupos que tendem a ser os mais direcionados pela vacina contra a gripe – e todos tiveram resultados negativos. Para crianças:

1. Uma revisão sistemática em larga escala de 51 estudos, publicados na Cochrane Database of Systematic Reviews em 2006, não encontrou evidências de que a vacina contra a gripe seja mais eficaz do que um placebo em crianças com menos de 2 anos. Os estudos envolveram 260.000 crianças, com idade entre 6 e 23 meses.

2. Em 2008, outra revisão Cochrane concluiu novamente que ” há poucas evidências disponíveis” de que a vacina contra a gripe é eficaz para crianças menores de dois anos. Ainda mais preocupante, os autores afirmam que:

“Foi surpreendente encontrar apenas um estudo de vacina em crianças menores de 2 anos, tendo em conta as recomendações atuais para vacinar crianças saudáveis a partir dos 6 meses de idade nos EUA e Canadá. Se imunização em crianças é recomendada como uma política de saúde pública, Estudos de escala que avaliam resultados importantes e comparando diretamente os tipos de vacinas são urgentemente necessários “. As instituições de saúde no Brasil apoiam o uso das vacinas, mas preferem dizer que a Vitamina D é perigosa em doses maiores do que as recomendadas, em UL , DRis e outros.

• Redução do risco de câncer de suplementação de vitamina D . Uma análise combinada mostrou que as mulheres com níveis mais elevados de vitamina D tinham taxas de incidência muito mais baixas de câncer – de uma taxa de incidência de câncer de 2% ao ano em 18 ng / mL a 0,4 por cento a 63 ng / mL. Em geral, a manutenção de um nível sérico de vitamina D de 45 a 60 ng / ml durante todo o ano pode ser uma das maneiras mais simples e eficientes de se proteger contra doenças crônicas, e infecções agudas. Quando se trata de resfriados sazonais e influenza, a taxa de proteção que você recebe da vitamina D é realmente maior do que você obteria de uma vacina contra a gripe, não precisa se preocupar com potenciais efeitos colaterais também – que no caso da vacina contra a gripe pode ser muito pior do imaginamos.

Quero ressaltar que as os Conselhos de Nutrição no Brasil (CRNs) e a medicina não apoiam o uso de vitamina D em doses maiores que 600 A 800ui, são extremamente contra o uso!

Referências:

MERCOLA 2017.

Epidemic Influenza and Vitamin D by JJ Cannell, September 15, 2006
Epidemiology and Infection 2006 Dec
Virology Journal 2008,
Archives of Internal Medicine 2009;
BMJ 2017; 356:i6583,  NPR February 16, 2017
Time February 16, 2017
BBC.com February 16, 2017
American Journal of Clinical Nutrition May 2010
Nature Immunology 2010 Apr;11(4)
Food Consumer July 3, 2010
Cochrane Database Systematic Reviews 2010 Jul 7
Cochrane Database Systematic Reviews 2006 Jan 25
Cochrane Database of Systematic Reviews 2012; Issue 8
Cochrane Database Systematic Reviews 2010 Feb 17
Vaccine December 1998, –  STAT News November 11, 2015 ,  Clinical Infectious Diseases 2014; 59 (10): 1375-1385
CIDRAP April 6, 2010,  STAT News October 29, 2015
STAT News September 28, 2016,  JAMA Internal Medicine 2013; 173(11): 1014-1016
ABC7 News February 10, 2017 ,  Orthomolecular Medicine News February 13, 2017


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: