Início » EVIDÊNCIAS » ANTIBIÓTICOS ENGORDAM! É O QUE DIZ ALGUNS ESTUDOS RECENTES!

ANTIBIÓTICOS ENGORDAM! É O QUE DIZ ALGUNS ESTUDOS RECENTES!

By Ed Dr. Júlio Caleiro – Nutricionista – São Sebastião do Paraíso -MG – São Sebastião do Paraíso- MG

Para uma orientação expressa envie emails para – juliocaleiro@hotmail.com

antibióticos

ANTIBIÓTICOS ENGORDAM! É O QUE DIZ ALGUNS ESTUDOS RECENTES!

Embora os antibióticos são indicados em combater bactérias responsável por alguma doença, estes medicamentos indiscriminadamente matam também bactérias benéficas no intestino, bem como altera drasticamente seu microbioma intestinal.As Bactérias do intestinais, tem um extenso repertório de funções no corpo. Elas até mesmo desempenham um papel na obesidade! E enquanto o microbioma muda rapidamente com base em alguma dieta, a exposição a antibióticos nos primeiros anos de vida pode ter sérias conseqüências a longo prazo e por toda a vida. De acordo com pesquisas recentes, crianças que receberam penicilina estão em maior risco de obesidade tardia devido alterações precoce da sua flora intestinal. De acordo com o The Guardian: “As descobertas surgiram a partir de uma série de experimentos, e encontrou em crianças que receberam antibióticos antes dos seis meses de idade, e concluíram que eram mais propensos a ter excesso de peso.

” E evidente que os antibióticos têm um custo biológico”, disse Martin Blaser, um microbiologista que liderou o estudo na Universidade de Nova Iorque. “Nosso estudo mostra que pode haver conseqüências permanentes”.

O rompimento precoce da flora intestinal pode ter consequências a longo prazo!

Uma pesquisa publicada na revista Cell, quando mudanças o microbioma intestinal, podemos sofrer um impacto sério e de longo prazo sobre o metabolismo do seu corpo.Em um estudo recente, que analisou dados de mais de cinco milhões de pessoas com idade superior a 16, cada aumento de 4 kilos no peso corporal foi associado com um risco aumentado para 10 tipos de câncer, incluindo leucemia, útero, vesícula, rins, colo do útero e câncer de tireóide. Voltando ao estudo, os pesquisadores identificaram quatro espécies específicas de bactérias do intestino que pareciam ser de particularmente importante no que diz respeito ao metabolismo: Lactobacillus, Allobaculum, Rikenelleceae; Erradicar essas espécies de bactérias desencadeou mudanças metabólicas que levaram à obesidade. O problema decorre do fato de que quando você mata certas bactérias, ele permite que outras proliferem em maiores quantidades.

Vários estudos têm documentado diferenças na composição das bactérias intestinais em obesos, mas o que é interessante aqui é que quando essa alteração ocorreu no início da vida, acabou por ter um impacto permanente! De acordo com o autor principal, Dr. Martin Blaser: “Nós descobrimos que quatro semanas de antibióticos foi suficiente para perturbar o microbioma. Pesquisa com animais antes por Dr. Blaser, também mostrou que ratos alimentados com antibióticos (em doses semelhantes às dadas a crianças para infecções de garganta ou ouvido) tiveram aumentos significativos na gordura corporal, apesar de suas dietas serem normais, ou o mesmo tipo antes de iniciar com os antibióticos.

Os antibióticos também afetam Hormônios

Em 2011, o Dr. Blaser co-autor de um estudo concluiu que os antibióticos tinham efeitos sobre a grelina e leptina e dois hormônios da fome. Ambos grelina e leptina são encontrados nas membranas mucosas do estômago. Os pesquisadores queriam ver se grelina e leptina podiam ser afetadas quando erradicassem H. pylori com antibióticos, uma bactéria que causa úlcera duodenal. Curiosamente, eles descobriram que 18 meses após o uso de antibióticos usados ​​para a erradicação de H. pylori, houve algumas mudanças relacionadas abaixo:

Aumento de 6 vezes na liberação de grelina (o “hormônio da fome”) após uma refeição!
20% de aumento em níveis de leptina (leptina é um hormônio produzido pelo tecido adiposo).
5% de aumento do IMC.
Os níveis de grelina devem cair normalmente após uma refeição. Essa queda na grelina sinaliza seu cérebro que você está satisfeito!Um aumento, por outro lado, diz a seu cérebro para continuar a comendo, o que tenderá a levar ao ganho de peso devido a excessos! Então, simplesmente alterando o microbioma intestinal com antibióticos (no caso para erradicar H. pylori), estes dois hormônios da fome foram drasticamente afetados também. O aumento dos níveis de leptina é particularmente preocupante porque a exposição excessiva e altos níveis do hormônio, pode levar à resistência à leptina, o que significa que seu corpo não é capaz de ouvir corretamente os sinais da leptina.

A forma como nosso corpo armazena gordura é um processo altamente regulado, e que, é controlado principalmente pela leptina! Se você ganhou peso, a gordura adicional produz leptina extra que deve alertar o seu cérebro de que seu corpo está armazenando demasiadamente gorduras, e precisaria então queimar o excesso.Para fazer isso, os sinais são enviados para o cérebro inibindo então o apetite. Quando você se torna resistentes à leptina, o seu corpo já não pode ouvir essas mensagens, por isso continua com fome e armazena mais gorduras! É importante perceber que, enquanto antibióticos certamente perturbam o seu microbioma, também poderá se tornar facilmente resistente à leptina, fazendo com que o indivíduo alimente-se de uma dieta cheia de açúcar (especialmente frutose), cereais refinados e alimentos processados, e estes alimentos também vão perturbar o equilíbrio das bactérias no intestino. A melhor maneira de otimizar sua flora intestinal é através de sua dieta. A maioria das pessoas precisa reduzir drasticamente grãos e açúcar! Evite ingredientes geneticamente modificados, alimentos processados, alimentos pasteurizados e água clorada. Alimentos pasteurizados podem prejudicar as boas bactérias e o açúcar promove o crescimento de levedura patogênicas e outros fungos! Os grãos que contêm glúten são particularmente prejudicais para a sua microflora saudável, e cloro na água de torneira não só mata bactérias patogénicas na água, mas as bactérias benéficas no seu intestino.

Uma dieta boa para o intestino é aquela rica em, não processaods, alimentos sem açúcar refinados, acrescentado assim alimentos fermentados ou cultivadas tradicionalmente. Exemplos de alimentos fermentados saudáveis ​​incluem chucrute, kimchee, e outros vegetais fermentados; produtos lácteos fermentados, como iogurte e kefir feito a partir de matéria-(não pasteurizado) usando leite orgânico; também o missô; tempeh; e azeitonas. Os alimentos fermentados também são um componente-chave para evitar aumento da permeabilidade intestinal, uma dieta para curar e selar seu intestino. Como mencionado anteriormente, uma série de estudos têm mostrado que as pessoas obesas têm diferentes bactérias intestinais do que as pessoas magras, e que alterar o equilíbrio microbiano em seu intestino pode influenciar o seu peso.

——————————————————————————————————–

Referências:

Dr. Mercola –


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: