Início » EVIDÊNCIAS » Quais os mais novos nutrientes essenciais e de ação rápida no tratamento da artrite?

Quais os mais novos nutrientes essenciais e de ação rápida no tratamento da artrite?

ombro-congelado Em 11 de fevereiro de 2015, por Dr. Júlio Caleiro. Nutricionista.

Nos últimos anos, os adultos procuram cada vez mais alívio para a dor incapacitante proveniente da artrite. Embora suplementos como glucosamina e sulfato de condroitina melhoram os sintomas e funcionalidade conjunta, ambos podem levar até meses para os benefícios começarem a aparecer. Todavia, quem sente fortes dores, é compreensível que necessite de algo que funcione mais rápido.

Felizmente, novos compostos foram identificados em fornecer um alívio da dor mais rapidamente e promover uma cura também mais rápida. Estes compostos além de fornecerem um alívio para a dor imediata, trabalham em conjunto com os tradicionais nutrientes para o tratamento da artrite.

Estes novos compostos nutrem os fluidos e tecidos articulares ao mesmo tempo que melhoram a dor nas articulações em apenas algumas horas ou dias. Os nutrientes são:

1. Queratina: que estimula novos tecidos da articulação e confere poderosa proteção antioxidante. 2. Ácido hialurônico: um importante componente do tecido conjuntivo anteriormente disponível apenas na forma injetável a ser aplicado diretamente nas articulações. 3. Angélica coreana: atua sobre o sistema nervoso central para combater a dor, sem afetar o trato gastrointestinal ou efeitos adversos cardiovasculares, como visto nos medicamentos convencionais. Estes agentes trabalham através de vários mecanismos para restaurar a função da articulação saudável, aliviar a inflamação e proporcionar o alívio imediato da dor. São nutrientes complementares aos suplementos tradicionais, como a glucosamina, condroitina e MSM.

A artrite, na maioria das vezes, se manifesta nos joelhos, quadris, coluna e mãos. Também chamada de doença degenerativa das articulações, osteoartrite é a forma mais comum de artrite. A osteoartrite afeta principalmente a cartilagem das articulações. A camada superficial da cartilagem começa a degenerar, produzindo dor, inchaço e perda da mobilidade articular.

A artrite reumatoide, a segunda forma mais comum da doença, é caracterizada por inchaço doloroso e inflamação das articulações. É considerada doença autoimune, em que o sistema imune gera anticorpos anormais que atacam as células e os tecidos do próprio corpo.

Vamos abordar resumidamente alguns dos nutrientes e seus estudos comprovando os diversos benefícios.

1. Queratina Queratina beneficia a saúde da articulação por: a) fornecer blocos de construção essenciais para a reparação conjunta; b) estimular potentes enzimas antioxidantes; c) possui atividade naturalmente antioxidante. Encontrada em muito tecido conjuntivo do corpo (incluindo a pele, cabelo e os dentes), a queratina, é, na verade, uma classe de proteína fundamental que contem um teor alto do aminoácido cisteína. Cisteína é uma fonte rica de moléculas de enxofre, que compoe o tecido articular. As articulações doentes são caracterizadas pelo metabolismo ruim do enxofre (J Rheumatol. 1994 Jul;21(7):1192-6). Quando as articulações já não são capazes de incorporar o enxofre de forma eficiente, sua estrutura se deteriora, causando dor e rigidez. Ao fornecer uma fonte rica em enxofre (cisteína), a queratina pode contribuir para a síntese de proteoglicanos na cartilagem, responsável para o amortecimento da articulação.

A queratina auxilia a saúde das articulações, portanto, em dois modos: ao estimular a síntese de proteoglicanos e promovendo a produção de antioxidantes (http://www.keratec.co.nz/keratec/cynatineflx/) 2. Ácido hialurônico

É essencial na lubrificação para amortecer as articulações. O movimento da articulação confortável depende da presença de fluido sinovial nas cavidades das articulações. O ácido hialurônico é o principal polimeor natural composto no liquido sinovial das articulações. Na osteoartrite, o ácido hialurônico no fluido sinovial diminui a concentração. Garantir níveis ótimos deste ácido é crucial para a função articular saudável.

Reconhecendo a importância do ácido hialurônico, o Colégio Americano de Reumatologia publicou diretrizes recomendando o uso de preparações de ácido hialurônico injetável diariamente nos espaços sinoviais de articulações afetadas pela artrite – Moskowitz RW. Hyaluronic acid supplementation. Curr Rheumatol Rep. 2000 Dec;2(6):466-71.

Enquanto o ácido hialurônico foi já observado em oferecer apenas o alívio sintomático da artrite, nos ultimos anos os médicos tem notado que ele pode efetivamente tratar aspectos fundamentais da doença. Além de melhorar a lubrificação das articulações, o ácido hialurônico parece estimular a geração do corpo de novo ácido hialuronico, aliviando a dor e a inflamação (Altman RD. Status of hyaluronan supplementation therapy in osteoarthritis. Curr Rheumatol Rep. 2003 Feb;5(1):7-14).

Em um estudo duplo-cego, randomizado, com pacientes com osteoartrite de joelho, verificou que a suplementação oral de ácido hialurônico melhorou em 33% nas pontuações de dor, contra apenas 6% do grupo controle. Nutr J. 2008 Jan 21;7:3.

3. Angélica coreana (angelica gigas nakai):

É analgésico de ação rápida e anti-inflamatória. Estudos mostram que este agente tem ação imediata no corpo, diminuindo a dor e com efeitos anti inflamatórios (Biol Pharm Bull. 2003 Sep;26(9):1283-8). Verificou-se que Angélica Coreana inibe a ativação do ‘fator nucleal kappa B (NF-kB), um fator de transcrição do DNA que ativa em vários estados inflamatórios e doenças, incluindo câncer. (Mol Pharmacol. 2006 Jun;69(6):1783-90.). Além disso, angélica coreana previne e trata:

a) câncer de próstata e outros cânceres – (Jiang C, Lee HJ, Li GX, et al. Potent antiandrogen and androgen receptor activities of an Angelica gigas-containing herbal formulation: identification of decursin as a novel and active compound with implications for prevention and treatment of prostate cancer. Cancer Res. 2006 Jan 1;66(1):453-63.; Arch Pharm Res. 2003 Sep;26(9):727-30.) b) Protege o cérebro e previne a doença de Alzheimer. J Nat Prod. 2005 Jan;68(1):56-9.; Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 2004 Jan;28(1):25-30.)


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: