Início » 2015 » fevereiro

Arquivo mensal: fevereiro 2015

Como restaurar um metabolismo celular jovem?

Senior woman flexing muscles, smiling, portra

Em 25 de fevereiro de 2015. Por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com


 

By, Júlio Caleiro

Matéria baseada no artigo do médico Dr. William Faloow.

Estamos próximos a uma grande mudança. Os médicos [e nutricionistas] começarão a recomendar que praticamente todos os pacientes impulsionem uma enzima celular, a fim de retardar ou reverter um envelhecimento patológico. A enzima de nossas células chamada AMPK, quando é ativada, induz efeitos significativos no anti-envelhecimento. AMPK é encontrada em todas as células do nosso corpo. – J Proteome Res. 2011 Apr 1;10(4):1690-7.

AMPK determina a composição da gordura corporal e quanto tempo a pessoa irá viver. AMPK quando ativada imita muitos dos efeitos benéficos da restrição calórica, incluindo a perda de gordura. – Future Oncol. 2010 Mar;6(3):457-70. AMPK quanto ativada desencadeia a utilização de energia a partir de gorduras, aumenta a remoção de gorduras e açúcar no sangue, aumenta a produção de mitocôndrias e reduz a inflamação celular.

AMPK é considerada a ‘chave mestra’ que de alguma forma controla como as nossas células se comportam. – Am J Physiol. 1999 Jul;277(1 Pt 1):E1-10.

Em estudos pré-clínicos, observou-se que a atividade AMPK reforçada tem sido associada a um aumento de 20 à 30% da expectativa de vida! – Ageing Res Rev. 2012 Apr;11(2):230-41; Cell Metab. 2013 Jan 8;17(1):101-12.; Ulgherait M, Rana A, Rera M, Graniel J, Walker DW. AMPK modulates tissue and organismal aging in a non-cell-autonomous manner. Cell Rep. 2014 Sep 3.

O aumento da ativação da AMPK reduz o armazenamento de gordura, aumenta a sensibilidade à insulina, reduz o colesterol, triglicérides, e suprime a inflamação crônica. – Circ Res. 2007 Feb 16;100(3):328-41.

AMPK promove a criação de novas mitocôndrias. Basic Res Cardiol. 2013 May;108(3):329. Para suportar toda este aumento de queima de gorduras, as células passam a fabricar novas mitocôndrias em um processo chamado de biogênesis mitocondrial. Estas novas mitocôndrias queimam o combustível de forma mais limpa e eficiente do que as mitocôndrias mais velhas, resultando uma produção de energia mais elevada para todo o corpo. Genes Dev. 2006 Nov 1;20(21):2913-21.; Annu Rev Pathol. 2010 5:253-95.

Estudos da UCLA demonstrou que quando AMPK é atividade em alguma parte do organismo, há uma desaceleração sistêmica do envelhecimento por todo o corpo, incluindo o cérebro. AMPK quando é ativada permite que as células desfaçam de componentes celulares danificados/velhos através de um processo chamado de ‘autofagia’, que protege contra o envelhecimento.

AMPK ativada facilita a remoção eficiente de restos celulares que os cientistas acreditam ser umas das causas de doenças neurodegenerativas e outras doenças relacionadas com a idade.

O que faz eficazmente aumentar e ativar a enzima AMPK em nossas células?

O medicamento METFORMINA (Glifage XR) pode ser considerado um dos compostos mais eficaz hoje para combater doença degenerativa. Seu mecanismo principal é a ativar a enzima AMPK. – Circ Res. 2007 100(3):328–41; Diabetes. 2002 Aug;51(8):2420-5.; Biol Pharm Bull. 2010 33(6):963-70.

A Equipe de médicos e pesquisadores da “Life Extension” publicou dezenas de artigos mostrando que a metformina (Glifage XR) pode prevenir e tratar certos tipos de cânceres, além de ajudar na resistência à insulina e excesso de gordura abdominal.

Metabolismo celular jovem resulta em glicose e ácidos graxos sendo convertidos em energia, ao invés de armazenados como gordura corporal. Permite também que as células eliminem o lixo celular, que contribui para a inflamação.

Câncer ‘odeia’ a metformina por proporcionar melhor eficiência energética. Isso porque no processo de aumento da atividade metabólica celular, há atividade de genes que ajudam a destruir tumores malignos.

Assim, é muito mais simples do que se imagina realizar uma terapia antienvelhecimento eficaz que promove um funcionamento do organismo de forma mais saudável possível. Evidentemente, esse medicamento deve fazer parte de todo um conjunto de medidas, como adoção de hábitos saudáveis (ex: reeducação alimentar, prática de atividade física, boa ingestão de água, sono regular e etc).

Referências:

1. http://www.lef.org/Magazine/2014/SS/Restore-Youthful-Cellular-Metabolism/Page-01
2. http://www.lef.org/Magazine/2012/CE/Metformin-Makes-Headline-News/Page-01
3. http://www.lef.org//Magazine/2015/2/Major-Advance-In-Slowing-Aging/Page-01

Paciente recupera-se do câncer em estado terminal

 

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com

Cancer-definition

Em 22 de fevereiro de 2015, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

 

Estudo científico registra paciente diagnosticado com câncer de pâncreas no ano de 2002, em ESTADO TERMINAL (com pouca esperança para sua sobrevivência), que ao iniciar o tratamento com ácido alfa lipóico injetável e baixas doses de naltrexona (terapia LDN), em um centro de oncologia, ficou livre de sintomas, voltou ao trabalho e sem progressão significativa da malignidade da doença. Anotaram os cientistas que: “hoje, janeiro de 2006, ele está de volta ao trabalho, livre de sintomas e sem progressão significativa de sua malignidade. O protocolo descrito neste artigo pode ter a possibilidade de estender a vida de um paciente que seria normalmente considerado terminal”.

Sobre esta terapia, assista o video abaixo:

Referência científica:
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16484716

O intestino intoxicado por glúten e aglutinina de gérmen de trigo (WGA), podem ser a causa de várias doenças neurológicas e psíquicas!

Publicado em 20 de Fevereiro de 2015. –  São Sebastião do Paraíso – MG –

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com

 

gut-bacteria-11

By Ed. Dr. Júlio Caleiro – Nutricionista –

O intestino mal nutrido pode precipitar várias doenças neurológicas e psíquicas!

“…O intestino e o cérebro são realmente sintetizados, a partir do mesmo tipo de tecido. Durante o desenvolvimento fetal, uma parte se transforma em sistema nervoso central, enquanto o outro se desenvolve como ‘sistema nervoso entérico’. Estes dois sistemas são conectados através do nervo vago, o décimo nervo craniano que se estende desde o tronco cerebral para baixo, até o abdômen. Isto é o que liga os “dois cérebros”, e explica vários fenômenos como por exemplo ‘borboletas‘ no estômago quando nervoso(a), irritado e outros sentimentos…”.

“..Conforme explicado pela Dra. Natasha Campbell-McBride, uma médica com pós-graduação em neurologia, explicando a toxicidade do intestino disseminando por todo o corpo e pelo cérebro, causando sintomas de autismo, TDAH, dislexia, dispraxia, depressão, esquizofrenia e outras perturbações mentais e neurológicas”. Uma das substâncias que explicaria esses fenômenos deletérios, não é somente o glúten mas também a aglutinina de gérmen de trigo, “alimento” este dado como benéfico em meios informativos convencionais de saúde. Segundo a Dra. Natasha Campbell-McBride isso não procede, a susbstância é noviva e faz muito mal a saúde.

Referência:
https://www.youtube.com/watch?v=BnzYqOn3VkY

Quais os mais novos nutrientes essenciais e de ação rápida no tratamento da artrite?

ombro-congelado

Em 11 de fevereiro de 2015, por Dr. Júlio Caleiro. Nutricionista.

 

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com


 

By, Júlio Caleiro

Nos últimos anos, os adultos procuram cada vez mais alívio para a dor incapacitante proveniente da artrite. Embora suplementos como glucosamina e sulfato de condroitina melhoram os sintomas e funcionalidade conjunta, ambos podem levar até meses para os benefícios começarem a aparecer. Todavia, quem sente fortes dores, é compreensível que necessite de algo que funcione mais rápido.

Felizmente, novos compostos foram identificados em fornecer um alívio da dor mais rapidamente e promover uma cura também mais rápida. Estes compostos além de fornecerem um alívio para a dor imediata, trabalham em conjunto com os tradicionais nutrientes para o tratamento da artrite.

Estes novos compostos nutrem os fluidos e tecidos articulares ao mesmo tempo que melhoram a dor nas articulações em apenas algumas horas ou dias. Os nutrientes são:

1. Queratina: que estimula novos tecidos da articulação e confere poderosa proteção antioxidante. 2. Ácido hialurônico: um importante componente do tecido conjuntivo anteriormente disponível apenas na forma injetável a ser aplicado diretamente nas articulações. 3. Angélica coreana: atua sobre o sistema nervoso central para combater a dor, sem afetar o trato gastrointestinal ou efeitos adversos cardiovasculares, como visto nos medicamentos convencionais. Estes agentes trabalham através de vários mecanismos para restaurar a função da articulação saudável, aliviar a inflamação e proporcionar o alívio imediato da dor. São nutrientes complementares aos suplementos tradicionais, como a glucosamina, condroitina e MSM.

A artrite, na maioria das vezes, se manifesta nos joelhos, quadris, coluna e mãos. Também chamada de doença degenerativa das articulações, osteoartrite é a forma mais comum de artrite. A osteoartrite afeta principalmente a cartilagem das articulações. A camada superficial da cartilagem começa a degenerar, produzindo dor, inchaço e perda da mobilidade articular.

A artrite reumatoide, a segunda forma mais comum da doença, é caracterizada por inchaço doloroso e inflamação das articulações. É considerada doença autoimune, em que o sistema imune gera anticorpos anormais que atacam as células e os tecidos do próprio corpo.

Vamos abordar resumidamente alguns dos nutrientes e seus estudos comprovando os diversos benefícios.

1. Queratina Queratina beneficia a saúde da articulação por: a) fornecer blocos de construção essenciais para a reparação conjunta; b) estimular potentes enzimas antioxidantes; c) possui atividade naturalmente antioxidante. Encontrada em muito tecido conjuntivo do corpo (incluindo a pele, cabelo e os dentes), a queratina, é, na verade, uma classe de proteína fundamental que contem um teor alto do aminoácido cisteína. Cisteína é uma fonte rica de moléculas de enxofre, que compoe o tecido articular. As articulações doentes são caracterizadas pelo metabolismo ruim do enxofre (J Rheumatol. 1994 Jul;21(7):1192-6). Quando as articulações já não são capazes de incorporar o enxofre de forma eficiente, sua estrutura se deteriora, causando dor e rigidez. Ao fornecer uma fonte rica em enxofre (cisteína), a queratina pode contribuir para a síntese de proteoglicanos na cartilagem, responsável para o amortecimento da articulação.

A queratina auxilia a saúde das articulações, portanto, em dois modos: ao estimular a síntese de proteoglicanos e promovendo a produção de antioxidantes (http://www.keratec.co.nz/keratec/cynatineflx/) 2. Ácido hialurônico

É essencial na lubrificação para amortecer as articulações. O movimento da articulação confortável depende da presença de fluido sinovial nas cavidades das articulações. O ácido hialurônico é o principal polimeor natural composto no liquido sinovial das articulações. Na osteoartrite, o ácido hialurônico no fluido sinovial diminui a concentração. Garantir níveis ótimos deste ácido é crucial para a função articular saudável.

Reconhecendo a importância do ácido hialurônico, o Colégio Americano de Reumatologia publicou diretrizes recomendando o uso de preparações de ácido hialurônico injetável diariamente nos espaços sinoviais de articulações afetadas pela artrite – Moskowitz RW. Hyaluronic acid supplementation. Curr Rheumatol Rep. 2000 Dec;2(6):466-71.

Enquanto o ácido hialurônico foi já observado em oferecer apenas o alívio sintomático da artrite, nos ultimos anos os médicos tem notado que ele pode efetivamente tratar aspectos fundamentais da doença. Além de melhorar a lubrificação das articulações, o ácido hialurônico parece estimular a geração do corpo de novo ácido hialuronico, aliviando a dor e a inflamação (Altman RD. Status of hyaluronan supplementation therapy in osteoarthritis. Curr Rheumatol Rep. 2003 Feb;5(1):7-14).

Em um estudo duplo-cego, randomizado, com pacientes com osteoartrite de joelho, verificou que a suplementação oral de ácido hialurônico melhorou em 33% nas pontuações de dor, contra apenas 6% do grupo controle. Nutr J. 2008 Jan 21;7:3.

3. Angélica coreana (angelica gigas nakai):

É analgésico de ação rápida e anti-inflamatória. Estudos mostram que este agente tem ação imediata no corpo, diminuindo a dor e com efeitos anti inflamatórios (Biol Pharm Bull. 2003 Sep;26(9):1283-8). Verificou-se que Angélica Coreana inibe a ativação do ‘fator nucleal kappa B (NF-kB), um fator de transcrição do DNA que ativa em vários estados inflamatórios e doenças, incluindo câncer. (Mol Pharmacol. 2006 Jun;69(6):1783-90.). Além disso, angélica coreana previne e trata:

a) câncer de próstata e outros cânceres – (Jiang C, Lee HJ, Li GX, et al. Potent antiandrogen and androgen receptor activities of an Angelica gigas-containing herbal formulation: identification of decursin as a novel and active compound with implications for prevention and treatment of prostate cancer. Cancer Res. 2006 Jan 1;66(1):453-63.; Arch Pharm Res. 2003 Sep;26(9):727-30.) b) Protege o cérebro e previne a doença de Alzheimer. J Nat Prod. 2005 Jan;68(1):56-9.; Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry. 2004 Jan;28(1):25-30.)

Benefícios significativos que a maconha (THC medicinal) tem no tratamento em pacientes com E.L.A (Esclerose Lateral Amiotrófica)

Como a marijuana (maconha), pelo ativo THC pode ajudar os pacientes acometidos de ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA?

ECS_retrograde_Slide_13

Benefícios significativos que a maconha medicinal tem no tratamento de ELA.

By Ed. Dr. Júlio Caleiro – Nutricionista – 08 de Fevereiro de 2015  -São Sebastião do Paraíso

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com

———————————————————————————————

O sistema endocanabinóide nos ajuda a “comer, dormir, relaxar, esquecer, e proteger.” Este artigo é sobre como o sistema endocanabinóide pode ser estimulado para “proteger” os neurônios motores, e os nervos que controlam o movimento do corpo (Abood 2001).

A doença (esclerose lateral amiotrófica ou ELA) ou ainda a ‘Lou Gehrig’ é uma doença fatal que afeta e degrada os neurônios que controlam o movimento. A doença tem uma rápida progressão de fraqueza e paralisia, e a morte pode ocorrer dentro de 3-5 anos na maioria dos casos, e a função cerebral êpermanece intacta (Rowland 2001). As causas exatas da patogênese de ELA é pouco compreendida, e ao mesmo tempo a indústria farmacêutica tem alcançado opções de tratamento disponíveis, mas nenhum destes tratamentos previne a progressão da doença e a morte. Mas agora a boa notícia!

Os estudos clínicos em humanos com o THC ou somente a Cannabis são limitados pelo tamanho das amostras. Regulamentos de pesquisas para uso clínico de THC também dificultam a recrutar pacientes com ELA, em tempo hábil para um estudo controlado. Apesar destes obstáculos significativos, dois estudos em humanos foram realizados! Um estudo piloto investigou a segurança e tolerabilidade de THC em pacientes com ELA (Gelinas / abood 2002). Este estudo clínico confirmou benefícios sintomáticos para o apetite, insônia e espasticidade. O segundo estudo foi realizado foi de forma anônima em 80 países, e 131 inquéritos foram concluídos e a média de idade foram 54 anos. Os participantes relataram que a Cannabis ajudou a proporcionar alívio de salivação excessiva, fala e dificuldade de deglutição, perda de apetite, fraqueza, falta de ar, espasticidade ( fasciculações), depressão e dor (Amtmann D 2004). Em animais com ELA, o THC administrado quer antes ou após o aparecimento da doença, retardou a deficiência motora e sobrevivência foi bem prolongada. Além disso, o THC reduz os efeitos oxidativos, danos na medula espinhal in vitro (Raman et al., 2004). Os efeitos protetores dos canabinóides e seus efeitos anti-espástica em MS(Esclerose Múltipla) já eram bem conhecidos (Carter, 2001). Além disso, os receptores de canabinóides são regulados no tecido humano durante a progressão da doença, tornando-os um alvo para o tratamento. Os animais de laboratório de investigação básica sugere que o THC pode ser a primeira (e única ocorrência natural não-tóxica, anti-oxidante para reduzir a velocidade na progressão da doença significativamente. Além de atrasar a progressão da doença o tratamento com canabinóides aumenta o tempo de vida, e pode oferecer outras vantagens que incluem a indução do sono, estimulação do apetite, redução da saliva, a broncodilatação, analgesia e o relaxamento muscular.
————————————————————–

Referências

0-http://www.safeaccessnow.org/

1-Drug Metab Lett. 2012 Jun 1;6(2):102-8.
Single-dose pharmacokinetics and tolerability of oral delta-9- tetrahydrocannabinol in patients with amyotrophic lateral sclerosis.

2-Abood ME, Rizvi G, Sallapudi N, McAllister SD. 2001. Activation of the CB1 cannabinoid receptor protects cultured mouse spinal neurons against excitotoxicity. Neurosci Lett 309:197-201.

3-Amtmann D, Weydt P, Johnson KL, Jensen MP, Carter GT. 2004. Survey of cannabis use in patients with amyotrophic lateral sclerosis. Am J Hosp Palliat Care 21:95-104.

4-Carter GT, Rosen BS. 2001. Marijuana in the management of amyotrophic lateral sclerosis. Am J Hosp Palliat Care 18:264-70.

5-Gelinas DM, R; Abood, M. 2002. A pilot study of safety and tolerability of Delta 9-THC (Marinol) treatment for ALS. Amyotrophic lateral Sclerosis and Motor neuron Disorders 3.

6-Raman C, McAllister SD, Rizvi G, Patel SG, Moore DH, Abood ME. 2004. Amyotrophic lateral sclerosis: delayed disease progression in mice by treatment with a cannabinoid. Amyotroph Lateral Scler Other Motor Neuron Disord 5:33-9.

7-Rowland LP, Shneider NA. 2001. Amyotrophic lateral sclerosis. N Engl J Med 344:1688-700.

Cromo pode rejuvenescer o cérebro!

esclerose-500x261

Em 06 de fevereiro de 2015, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

 

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:  

WATSAPP 35 9 8835 4802wats

 EMAIL – juliocaleiro@hotmail.com


 

By, Júlio Caleiro

Alguns anos atrás, um cientista afirmou que o envelhecimento está associado com a diminuição da atividade da insulina no cérebro. Essa tese, inclusive, está em sintonia com a nova teoria sobre a doença de Alzheimer, que pode ser considerada como uma forma de diabetes, o diabetes tipo 3.

Assim, nesta hipótese pressupõe-se que melhorando a eficácia da insulina, o hipotálamo, um importante centro de controle do cérebro, deve permanecer mais funcionalmente jovem. Foi verificado que a suplementação de cromo poderia muito bem rejuvenescer o hipotálamo dos indivíduos mais velhos. – Med Hypotheses. 1994 Oct;43(4):253-65.

Mais recentemente, outros pesquisadores verificaram que o cromo pode ter um efeito antidepressivo. Cientistas da Universidade de Oxford (Inglaterra) demonstraram em animais de laboratório que a suplementação de cromo aumenta a atividade de neurotransmissores associados ao controle do humor. Concluíram os investigadores que o cromo facilita o transporte de determianados aminoácidos dentro do cérebro e do sistema nervoso central. – Pharmacopsychiatry. 2003 Sep;36(5):176-80.

Das diversas formas de cromo existentes sugiro a Polinicotinato de cromo (cromo ligado à niacina), que é a forma ligada a uma maior longevidade/expectativa de vida. As doses são terapêuticas, logo necessita de acompanhamento médico ou de nutricionista.

Referências científicas:
1. McCarty MF. Longevity effect of chromium picolinate – ‘rejuvenation’ of hypothalamic function? Med Hypotheses. 1994 Oct;43(4):253-65.

2. Franklin M, Odontiadis J. Effects of treat- ment with chromium picolinate on peripheral amino acid availability and brain monoamine function in the rat. Pharmacopsychiatry. 2003 Sep;36(5):176-80.

3. http://www.drrondo.com/sera-a-doenca-de-alzheimer-o-diabetes-tipo-3/

4. https://nutricaobrasil.wordpress.com/2014/06/26/cromo-ligado-a-niacina-pode-aumentar-significativamente-a-expectativa-de-vida/