Início » 2013 » dezembro (Página 3)

Arquivo mensal: dezembro 2013

Ácido málico gera melhoras significativas em pessoas com fibromialgia e síndrome de fadiga crônica

6636965GG

Em 04 de dezembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista.

Para receber atendimento ou tratamento entre em contato:

WATSAPP 35 9 8835 4802wats    –  EMAIL –juliocaleiro@hotmail.com


 

By, Dr. Júlio Caleiro

Ácido málico é uma substancia natural encontrada em frutas e legumes. Uma das mais ricas fontes de ácido málico é a maçã. Essa substancia está presente naturalmente em células do nosso corpo. Possui muitos benefícios relacionados à saúde, tais como aumentar a imunidade, estimular o metabolismo, manutenção da saúde oral, redução do risco de envenenamento por acúmulo de metais tóxicos (ex: alumínio) e promove uma pele mais lisa e firme.

Ácido málico: conexão com a síndrome da fadiga crônica e fibromialgia

Um de seus benefícios mais significativos reside na sua capacidade para estimular o metabolismo e aumentar a produção de energia. Esta ação está ligada ao importante papel que desempenha no processo conhecido como ciclo de Krebs – em homenagem ao Sir Hans Krebs, um bioquímico britânico nascido na Alemanha.

Krebs venceu o premio Nobel de Fisiologia em 1953 por descrever como ocorre a complexa série de reações bioquímicas dentro das células do corpo por transformar as proteínas, gorduras e carboidratos em água e energia. Este processo necessita de um fornecimento constante de vitaminas, enzimas, e agentes químicos, tais como o ácido málico, a fim de manter o corpo em funcionamento correto, 24 horas por dia.

O ciclo de Krebs é vital para a nossa existência e sem ele a produção de energia fica literalmente parada. Por isso, é essencial que tenha um fornecimento adequado de ácido málico, a fim de promover o funcionamento eficiente deste ciclo.

O ácido málico desempenha um papel vital na melhoria do desempenho muscular global, revertendo a fadiga muscular após o exercício, reduzindo o cansaço, níveis baixos de energia, bem como melhora a clareza mental (raciocínio – saúde cerebral). Essas ações podem tornar o ácido málico um tratamento benéfico para quem sofre de fibromialgia e síndrome da fadiga crônica (ambas essas condições envolvem dor muscular, sensibilidade articular e baixos níveis de energia). Em resumo, o ácido de malato proporciona uma melhorar o desempenho muscular, aumentar o desempenho cognitivo e aumento de estoques de glicogênio. Logo, é também indicado aos praticantes de atividade física (ex: atletas, fisioculturistas e etc). – Farmakol Toksikol. 1988 May-Jun;51(3):21-5. Links [Effect of malic acid salts on physical work capacity and its recovery after exhausting muscular activity]

Segundo o Dr. Jay Goldstein, diretor do Instituto da Síndrome da Fadiga Cronica nos Estados Unidos: “O ácido málico é seguro, barato e deve ser considerado em uma abordagem terapêutica válida para pacientes com síndrome da fadiga crônica.

Um estudo de 6 meses conduzido por cientistas do Departamento de Medicina da University of Texas Health Science Centre – EUA, examinou a eficácia de uma dosagem significativa de ácido málico e magnésio por dia, em 24 pacientes com fibromialgia. Metade dos pacientes receberam o tratamento, e outra metade apenas placebo.

No final do estudo, todos os pacientes tratados com ácido málico e magnésio experimentaram melhoras significativas nos seus sintomas, incluindo menos dor, rigidez muscular, e perspectiva mental mais positiva, sem quaisquer efeitos colaterais. Dr. Russel que liderou a pesquisa de cientistas concluiu: “os dados sugerem que o ácido málico e magnésio são seguros e podem ser benéficos no tratamento de pacientes com fibromialgia.

Ácido málico gera uma grande variedade de benefícios

Além de aumentar os níveis de energia , o ácido málico é também um efetivo quelante de metal. Isto significa que é capaz de se ligar a metais potencialmente tóxicos que podem estar acumulados no corpo, tais como o alumínio ou chumbo, e inativá-los. A sobrecarga de metais pesados tem sido associada a problemas graves, como doenças do fígado e cérebro, gerando distúrbios como a doença de Alzheimer.

O ácido málico também ajuda a manter a higiene oral. Ele estimula a produção de saliva, o que reduz o número de bactérias nocivas que circulam na boca, dentes e gengivas. Ele atua também como anti-séptico, o que também ajuda a assegurar que os gemes na boca sejam mantidos a um nível mínimo, e assim reduz consideravelmente o risco de infecções.

Para adicionar à lista de benefícios, o ácido málico também ajuda a manter a pele boa e saudável. É classificado como um ácido alfa-hidroxi, um termo bioquímico utilizado para descrever ácidos de frutas, que são utilizados em muitos produtos cosméticos devido a sua capacidade em ajudar a esfoliar a pele, e atuar como suaves peelings faciais. Isso ajuda a aparência da pele mais saudável e firme.

A suplementação de ácido málico deve ser feito com acompanhamento médico ou de nutricionista, para uma correta abordagem, eis que é necessário a conjugação de outros nutrientes para obtenção dos melhores resultados. Uma das principais fontes (na suplementação) é o malato de magnésio.

Página no facebook: https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas

Referências:

1. Russell IJ, Michalek JE, Flechas JD. J Rheumatol 1995, 22(5):953-958

2. Fernandes-Naglik L, Downes J, Shirlaw R. Oral Dis 2001, 7(5):276-280

3. Abraham G, Flechas J. J Nutr Med 1992, 3:49-59

4. Journal of Nutritional and Environmental Medicine, 1992, Vol. 3, No. 1 : Pages 49-59

5. Farmakol Toksikol. 1988 May-Jun;51(3):21-5. Links [Effect of malic acid salts on physical work capacity and its recovery after exhausting muscular activity]

6. Physiol. Res. 56: 213-220, 2007 Effects of L-Malate on Physical Stamina and Activities of Enzymes Related to the Malate-Aspartate Shuttle in Liver of Mice

7. The Influence of Supplementing Malic Acid Nutrient on Boxers’ Anti-fatigue Ability LIU Gang,FENG Mei-yun,ZHANG Ying,GAO Ying,FAN Qing-min(Beijing Sport University,Beijing 100084,China)

Correta suplementação de magnésio pode reverter 22 condições patológicas, segundo a médica Dra. Carolyn Dean

1-MAGNESIUMMIRACLE

Em 4 de dezembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531 8423.

Segundo a médica norte-americana Dra. Carolyn Dean, especialista em nutrição, e pesquisadora há vários anos sobre os benefícios do magnésio para a saúde humana, diretora da ‘Nutritional Magnesium Association’, autora de mais de 30 livros sobre saúde, de entre eles, “How To Change Your Life With Magnesium” (Como mudar sua vida com o magnésio), The Magnesium Miracle (O milagre do magnésio), chegou a seguinte conclusão:

 “A deficiência de magnésio provoca ou faz gerar as seguintes 22 condições, em que a introdução de magnésio por uma dieta rica em magnésio ou por meio de suplementação, pode aliviar as mesmas 22 condições:

 1. Ansiedade e ataques de pânico

2. Asma

3. Coágulos de sangue

4. Doença intestinal

5. Cistite

6. Depressão

7. Desintoxicação

8. diabetes e síndrome metabólica

9. fadiga

10. doença cardíaca

11. hipertensão

12. hipoglicemia

13. insônia

14. doença renal

15. doença hepática

16 enxaqueca

17. condições músculo-esqueléticas

18. problemas de nervos

19. obstetrícia e ginecologia – síndrome pré-menstrual, dismenorréia (cólicas durante a menstruação), infertilidade, contrações prematuras, pré-eclampsia, eclampsia.

20. osteoporose

21 síndrome de Raynaud

22. Cárie dentária”

 Tudo isso ocorre, pois o magnésio participa em mais de 300 funções do nosso corpo, é um maestro no correto funcionamento do organismo (http://ods.od.nih.gov/factsheets/magnesium.asp). Logo, é evidente que sua deficiência desencadeia uma série de disfunções no organismo, em que com sua correta reposição chega a ser possível reverter a maioria delas.

Alerto, todavia, que há diversas formas de magnésio. Há formas de magnésio que são pouco absorvidas pelo organismo (ex: o óxido de magnésio é absorvido em apenas 4%). É preciso avaliar a forma mais adequada para cada pessoa, de acordo com as necessidades individuais.

Muitas pessoas fazem uso de forte medicação (muitos com altos preços) para aquelas condições, e a causa pode ser simples: deficiência de magnésio. Procure um nutricionista ou médico de sua confiança e como diz a pesquisadora e médica Dra. Dean: muda a sua vida com o magnésio!

Referências:

1. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2004/08/07/miracle-magnesium.aspx

3. http://ods.od.nih.gov/factsheets/magnesium.asp

2. http://drcarolyndean.com/

PANELAS – PODE SER UM PERIGO PARA SUA SAÚDE!

By Ed. Dr. Júlio Caleiro – Nutricionista, publicado em 02 de Dezembro de 2013.

Image

O perigo pode estar na sua cozinha! Vamos falar um pouco sobre Panelas e perigos para a saúde!

As panelas antiaderentes contém ácido perfluorooctanoico ( PFOA), uma substância química sintética utilizada na produção e cria uma superfície escorregadia interna e com acabamento antiaderente.

Panelas antiaderente é um perigo!

      Uma vez aquecidas  panelas antiaderentes chegará rapidamente a temperaturas em que liberam gases tóxicos no ar. E não é preciso muito calor para fazer isso, o revestimento começa a quebrar e liberar toxinas a uma temperatura de apenas 446 °F, ou 230ºC. Não bastaria banir as tais frigideiras escorregadias para resolver o impasse. Uma infinidade de produtos — tecidos à prova d’água, produtos de limpeza, componentes eletrônicos, carros e até naves espaciais — leva Teflon® na fórmula. Fala-se muito da frigideira porque ela é, de longe, a mais temida! A explicação é simples: o utensílio vai ao fogo. “O PTFE se decompõe a partir de 342 graus Celsius”, avisa a nutricionista Késia Quintaes, autora de uma tese de doutorado sobre panelas pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).  PTFE -” Nome científico do revestimento Teflon®, marca registrada da DuPont. Trata-se de um polímero — espécie de plástico — cuja fórmula leva carbono e flúor. Bastante inerte e estável, não corrói, tem baixíssimo índice de atrito e não reage com outros produtos químicos). Nessa temperatura o material perde sua característica antiaderente e libera uma fumaça indesejável. “O PTFE parece se decompor em uma variedade de produtos, inclusive em PFOA. Não sei se a comida que entrou em contato com o material retém uma quantidade moderada de PFOA. Infelizmente não é só o PFOA que preocupa. “O superaquecimento dessas panelas gera radicais livres reativos que podem produzir muitas substâncias nocivas, contaminando os alimentos e o ar”, enfatiza João Pedro Simon Farah, professor do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP). “Os gases oriundos da degradação do PTFE são altamente tóxicos”, confirma a veterinária Silvia Neri Godoy, do Ministério do Meio Ambiente. “Em aves, causam o rompimento de pequenos vasos sangüíneos, hemorragia pulmonar e morte.” Silvia pesquisou o tema com a veterinária Marta Brito, da USP, que acrescenta: “Há trabalhos que relatam dificuldade respiratória em seres humanos após o uso contínuo de panelas de Teflon®.” E – detalhe – se a superfície antiaderente estiver com um arranhãozinho, isso tudo aconteceria mais facilmente.

Então porque é que o PFOA tão perigoso?

Em estudos com animais , o PFOA causou riscos para a saúde como:

    Alterações graves nos órgãos, incluindo o cérebro, próstata, fígado, timo, e os rins, mostrando toxicidade .
    Morte de vários filhotes de ratos, devido à exposição ao PFOA .
    Alterações na hipófise em ratos fêmea, com todas as doses. A hipófise controla o crescimento, a reprodução e muitas funções metabólicas. As alterações na dimensão da pituitária indicam toxicidade!
    PFOA tem sido associada com tumores em pelo menos quatro órgãos diferentes em testes em animais, e tem sido implicado em um aumento no câncer da próstata em trabalhadores da fábrica que expõe ao PFOA.

 A solução é usar panelas de cerâmica, livres de alúminio, flúor e outros tóxicos.

——————————————————————

Referências:

1- Dr. Mercola

2- Revista, Saúde!

As Novas diretrizes para o “tratamento” do colesterol pode dobrar o número de pessoas a usar esta droga. Mesmo que estes estejam perfeitamente saudáveis!

Image

As Novas diretrizes para o “tratamento” do colesterol pode dobrar o número de pessoas a usar esta droga. Mesmo que estes estejam perfeitamente saudáveis!

————————————————————————-

By; Ed. Dr. Júlio Caleiro – Publicado em 01 de Dezembro de 2013.

Um em cada quatro americanos com mais de 45 anos atualmente toma uma droga do tipo ‘estatinas’, apesar do fato de existirem mais de 900 estudos que comprovem seus efeitos adversos, que causam uma gama de problemas musculares até aumento do risco de câncer.  Agora as novas diretrizes de tratamento para o colesterol “elevado”  provavelmente dobrará o número de americanos que em breve usarão estas drogas.  As novas diretrizes estabelecidas no relatório de 2013 da ACC / ‘AHA Guideline’ no tratamento do colesterol no sangue para reduzir o risco cardiovascular aterosclerótica em adultos, foram emitidas pela ‘American Heart Association e pelo American College of Cardiology’ em 12 de novembro.

As diretrizes de tratamento atualizados concentram-se em fatores de riscos, em vez dos níveis reais de colesterol.

O relatório foi preparado por um painel de “especialistas” que doaram seu tempo, e é ostensivamente com base na análise de ensaios clínicos randomizados. Não surpreendentemente, os membros do painel são filiados em mais de 50 empresas de medicamentos diferentes, muitos dos quais têm um interesse financeiro no resultado destes relatórios. Um dos autores tem até estoque em uma dessas empresas de negligência médica.

De acordo com o New York Times, “vários membros do comitê acabaram abandonando este painel de investigação porque eram descontentes com os rumos que o comitê estava tomando”

Como Que as novas orientações afeta você?

Conforme explicado pela ‘American Heart Association’, as novas diretrizes aconselham os médicos olharem para certos fatores de risco a fim de determinar se um paciente deve tomar um medicamento estatina, ou se ele(a) deve simplesmente se concentrar em mudanças de estilo de vida saudáveis. O problema é que praticamente ninguém vai cair na última categoria. Se você responder “sim” a qualquer uma das quatro questões seguintes, o protocolo de tratamento exige uma droga estatina:

Você tem doença cardíaca?
Você tem diabetes? ( tipo 1 ou tipo 2 )
É o colesterol LDL acima de 190?
É o risco de um ataque cardíaco maior do que 7,5 por cento de período de 10 anos?

O cálculo para determinar o fator de risco de ataque cardíaco foi desenvolvido por um comitê presidido pelo Dr. Donald Lloyd- Jones. Ele explicou a calculadora de risco cardiovascular, a CNN:

“… Fomos capazes de gerar equações de risco muito robustas para homens brancos não-hispânicos e mulheres, bem como afro-americanos homens e mulheres. Essas equações levam em consideração idade, sexo, raça, total e HDL (“bom ” colesterol), níveis de pressão arterial, estado do tratamento da pressão arterial  bem como diabetes e tabagismo atual. Cada um desses fatores é atribuído um valor numérico e pode ser usado para determinar o percentual de risco individual usando uma calculadora online..”.

O Dr. Stephen Sinatra escreveu um artigo em profundidade em que dizima cada um destas quatro diretrizes de tratamento. De acordo com ele as novas orientações são no máximo de 20-25 por cento exato, e aqui está o porquê:
Os critérios de doenças cardíacas, embora possa ser apropriado para homens mais velhos, realmente não funciona para as mulheres. Não há dados que demonstram que os benefícios das ‘estatinas’ superam os riscos para a saúde em mulheres de riscos, que incluem diabetes e câncer de mama.

Segundo o Dr. Sinatra : ” na minha opinião as únicas mulheres que deveriam estar em uso de estatinas são aqueles com doença arterial coronariana avançada que continuam a deteriorar-se apesar de intervenções no estilo de vida serem melhores. Eu acredito que menos de um por cento das mulheres com doença arterial coronariana se enquadram nesta categoria.
Em suma, dando uma droga que provoca diabetes para alguém que já tem diabetes é absurda! Ela só pode piorar a situação! Além do mais os dados indicam que as estatinas podem causar calcificação arterial em homens diabéticos que tomam a droga! Em terceiro lugar as estatinas podem causar cataratas que é um problema comum em diabéticos! O medicamento pode  por conseguinte aumentar esses riscos.
Isto poderia ser apropriado se você tem hipercolesterolemia familiar genética, pois isso faz você ser resistente a medidas tradicionais do colesterol ser normalizado tais como dieta e exercício. Esta condição é bastante rara, afetando uma em cada 500! Na ausência desta situação genética o tratamento dos níveis elevados de LDL tem pouca validade.
Como você verá abaixo o cálculo do risco de ataque cardíaco em 10 anos foi “programado”  de tal forma a tornar todos pacientes dependente de estatina.  Além disso o Dr. Sinatra ressalta que a complexidade de estimar riscos com base em idade, raça, pressão arterial, tabagismo e outros critérios é bastante susceptível de conduzir a prescrição e excesso de zelo.

A calculadora de risco Cardiovascular que basicamente avalia quem não se qualifica de imediato por ter doença cardíaca, diabetes ou colesterol LDL elevado e parece ter algumas falhas muito significativas! E novamente não é de surpreender que as falhas são perceptíveis propositais, pois a grande maioria das pessoas acabam por ter um risco maior do que 7,5% de um ataque cardíaco nos próximos  ’10 anos’ de vida.
Uma estratégia muito inteligente de fato: cria-se um teste que praticamente garante que todo aquele que tem certa porcentagem, será um candidato para estes medicamentos caros que estão em busca de ter as pessoas cativas para o resto de suas vidas. De acordo com um artigo de 17 de novembro, no New York Times o Dr. Steven Nissen (citado anteriormente) manifestou-se contra a implementação destas diretrizes.
” Um grande embaraço para os grupos de saúde” a calculadora parece superestimar muitos riscos, tanto que ela poderia erroneamente sugerir que milhões de pessoas poderiam ser candidatas a drogas como ‘estatina’. O problema aparente levou um cardiologista líder, ex-presidente do ‘American College of Cardiology’, pedindo a suspensão da implementação das novas diretrizes.

“É impressionante “, disse … Dr. Steven Nissen … “Precisamos de uma pausa para avaliar melhor essa abordagem antes que ela seja implementada de forma generalizada. ” Estamos cercados por um verdadeiro desastre em termos de credibilidade “, disse o Dr. Peter Libby, o chefe do departamento de medicina cardiovascular ‘Brigham’ e do Hospital da Mulher.”.

As estatinas são uma péssima alternativa para a Medicina Preventiva.

Tem-se inventado uma justificativa bizarra para estas ações, tentando fazer parecer que as novas recomendações estão focadas na prevenção através de modificações no estilo de vida, juntamente com a terapia com estatina. Esta é uma má aplicação da palavra ” prevenção”, uma vez que estas drogas não podem abordar as condições subjacentes do coração ou doenças cardiovasculares. Ainda mais chocante eles aparentemente decidiram ignorar completamente a pesquisa recente mostrando que as estatinas podem efetivamente mimetizar os efeitos benéficos do exercício físico, que é uma das estratégias de prevenção de doenças cardíacas primárias!

Mas a maior ” farsa ” de tudo é que as estatinas são direcionadas como um braço da “medicina preventiva” para proteger a saúde do coração e na verdade pode realmente ter efeitos prejudiciais sobre seu coração. Por exemplo, um estudo publicado no ano passado na revista ‘Atherosclerosis’, mostrou que o uso de estatinas está associado a um aumento de 52 por cento de prevalência e extensão da placa coronária calcificada em comparação aos não -usuários. E a calcificação da artéria coronária é a principal característica da doença cardíaca potencialmente letal. Que tipo de prevenção é essa?

Estatinas anulam os benefícios dos exercícios!

Um dos principais benefícios do exercício é o impacto benéfico que tem sobre a sua saúde do coração, e exercícios físicos é uma estratégia fundamental para manter naturalmente os níveis de colesterol saudáveis. Se você tomar um medicamento estatina é provável que você perca todo e qualquer benefício para a saúde proveniente do exercício. Como relatado anteriormente pelo ‘New York Times’! Em estudos anteriores os pesquisadores demonstraram que as estatinas reduzem o risco de um ataque cardíaco em pessoas com ALTO RISCO de 10 a 20 por cento. Para cada redução dos níveis de colesterol no sangue de 1- milimols por litro (milimols mensura o número real de moléculas de colesterol na corrente sanguínea ), e isso equivalente cerca de uma gota por 40 pontos nos níveis de LDL.

Enquanto isso melhorar o seu condicionamento aeróbico até por uma pequena porcentagem através de exercícios, também foi encontrada a diminuir a probabilidade de alguém de morrer prematuramente em até 50 por cento. Mas, até o presente estudo nenhum experimento tinha explorado as interações de drogas com estatinas e exercícios. E os resultados como se vê são preocupantes.
O estudo publicado no Journal of the American College of Cardiology, descobriu que o uso de estatinas levou a reduziu drasticamente os benefícios da aptidão do exercício, e em alguns casos na verdade fazendo com que o voluntário fosse menos apto do que antes. Os resultados mostraram que: “… Em média os participantes não medicados melhorou seu condicionamento aeróbio em mais de 10 por cento após 12 semanas, supervisionados em um programa de exercícios. Atividade mitocondrial aumentou 13 por cento..”.
Os voluntários que tomam 40 mg de sinvastatina melhora a sua aptidão por um mero 1,5 por cento  em média, e alguns tinham reduzido sua capacidade aeróbia no final do programa de condicionamento físico de 12 semanas. Atividade  e a quantidade mitocondrial diminuiram uma média de 4,5 por cento.

De acordo com o autor principal do estudo John P. Thyfault professor de nutrição e fisiologia do exercício na Universidade de Missouri, ‘ aptidão aeróbica baixa é um dos melhores indicadores” de morte prematura. E se as estatinas impedirem as pessoas de elevar a sua aptidão através de exercícios, então isso é uma preocupação!”

Como as estatinas podem Desfazer os benefícios da aptidão física e piorar a saúde do coração?

A chave para entender por que as estatinas impedem que seu corpo colha os benefícios normais do exercício, consiste em compreender o que estas drogas fazem à sua mitocôndria que são a câmara de energia de suas células e responsável pela utilização da energia para todas as funções metabólicas.
O principal combustível para suas mitocôndrias é Coenzima Q10 ( CoQ10) que é um dos principais mecanismos de danos das estatinas em geral que parece estar relacionada à depleção de CoQ10. Isso também explica por que certos usuários de estatina acabam piorando seu condicionamento aeróbico após um regime de fitness estável.

É sabido desde há muitas décadas que o exercício ajuda a construir e fortalecer os músculos mas a pesquisas mais recentes revelaram que esta é apenas a ponta do iceberg quando se trata dopotencial do exercício pode desempenhar sobre a saúde. Em 2011 uma revisão publicada na ‘Applied Physiology’ e ‘Nutrition and Metabolism’ apontou que o exercício induz alterações no conteúdo das enzimas mitocondriais, e da atividade desta organela  podendo aumentar a sua produção de energia celular e assim fazendo diminuir o risco de doença crônica.

As Novas Diretrizes é uma forma astuta para promover a venda das estatinas sem o colesterol ter nehuma Culpa!

As probabilidades são maiores que 100 para 1 que, se você está tomando uma estatina você realmente não precisaria! O único subgrupo que pode se beneficiar são aqueles que nasceram com um defeito genético chamado hipercolesterolemia familiar como já dito acima, pois isso torna resistentes às medidas tradicionais do ‘colesterol’.

Advertências especiais para usuários de estatina

As estatinas são inibidores da HMG -CoA redutase o que significa que agem bloqueando a enzima no fígado que é responsável por fazer o colesterol (HMG- CoA ). Mas lembre-se  o seu corpo necessita de colesterol – é importante na produção de membranas celulares, hormônios, vitamina D e ácidos biliares que ajudam a digerir a gordura. O colesterol também ajuda a suas memórias no cérebro e é vital para a sua função neurológica! Há também fortes indícios de que ter muito pouco colesterol aumenta o risco de câncer, perda de memória, doença de Parkinson, os desequilíbrios hormonais, acidente vascular cerebral, depressão, suicídio e comportamento violento.
Como mencionei anteriormente existem mais de 900 estudos que demonstram os efeitos nocivos das estatinas! Para saber mais sobre as estatinas por favor, procure no meu blog toda as informações correlacionadas. Também é importante lembrar que as estatinas causa graves defeitos congênitos e nunca deve ser usado por uma mulher que está grávida, ou a planejar uma gravidez. Se for prescrito é simplesmente negligência médica!

Outro factor a ter em mente é que as estatinas não podem ser tomadas com outras drogas que potencialmente salvam vidas, como antibióticos. Segundo, a pesquisa canadense recente aponta pacientes – principalmente os idosos que tomam medicamentos para baixar o colesterol como o Lipitor, deve evitar a claritromicina antibióticos eritromicina. Estes antibióticos inibem o metabolismo das estatinas. Concentrações da droga aumenta no sangue e pode fazer danos aos rins e levar a morte .

Estatina drogas podem destruir sua saúde de várias maneiras

As estatinas também foram mostrados para aumentar o risco de diabetes por meio de uma série de diferentes mecanismos , por isso, se você não foi posto em uma estatinaporque você tem diabetes, você pode acabar com um diagnóstico de diabetes por cortesia da droga. Dois destes mecanismos incluem :

O aumento da resistência à insulina o que pode ser extremamente prejudicial para a sua saúde. O aumento da resistência à insulina contribui para a inflamação crônica em seu corpo e inflamação é a marca da maioria das doenças! Na verdade o aumento da resistência à insulina pode levar a doenças cardíacas o que novamente, é a principal razão para tomar uma estatina em primeiro lugar dentro do novo Painél do Colesterol. Ele também pode promove aumento da gordura da barriga, pressão alta, ataques cardíacos, fadiga crônica, a interrupção da tireóide e doenças como Parkinson, Alzheimer e câncer.
Eleva também o nível de açúcar no sangue! Quando você come uma refeição que contém amido e açúcar uma parte do excesso do açúcar vai para o seu fígado, em seguida é armazenado como colesterol e triglicérides.  As Estatinas trabalha impedindo o fígado de fazer colesterol. Como resultado seu fígado retorna o açúcar para a corrente sanguínea o que aumenta os seus níveis de açúcar no sangue.
—————————————————————————————-

Referências:

1 American Heart Association November 12, 2013
2 Journal of the American College of Cardiology November 2013 [Epub ahead of print]
3 New York Times November 12, 2013
4 American Heart Association November 12, 2013
5 American Heart Association, 2013 CV Risk Calculator
6 CNN November 13, 2013
7 Drsinatra.com November 13, 2013
8 New York Times November 17, 2013
9 New York Times November 17, 2013
10 New York Times November 17, 2013
11 American Heart Association November 12, 2013
12 Atherosclerosis August 24, 2012: 225(1):148-53
13 New York Times May 22, 2013
14 Journal of the American College of Cardiology April 10, 2013 [Epub ahead of print]
15 New York Times May 22, 2013
16 Applied Physiology, Nutrition and Metabolism 2011 Oct;36(5):598-607
17 Science Daily August 12, 2013
18 Annals of Internal Medicine 2013 Jun 18;158(12):869-76
19 New York Times November 2, 2011
20 Time magazine November 22, 2013

A alimentação é Medicina -Instituto Hipocrates!

Image

“O Instituto de Saúde Hipócrates demonstra como os alimentos podem ser usados como remédio”.

By. Ed. Dr. Júlio Caleiro – Publicado em 01 de Dezembro de 2013.

————————————————————

O Instituto de Saúde Hipócrates, situado no sul da Flórida  é um dos mais antigos centros de saúde complementares do mundo. Dr. Brian Clement começou com a organização em 1975 e assumiu a direção em 1980.
Ele também é o autor de uma série de três volumes de livros acadêmicos chamados ‘a comida é Medicina’ A evidência científica refletindo sobre o trabalho realizado no Instituto nos últimos 60 anos, combinado com a evidência científica que saem de instituições de pesquisas tais como Harvard, Oxford, Cambridge, Princeton e Stanford.

O Instituto foi fundado por uma mulher chamada Anne Wigmore que, em 1952 foi diagnosticada com câncer de cólon estágio IV. Seus médicos disseram que ela tinha cerca de três meses de vida.  “Bem, graças a Deus pela sua história, “diz o Dr. Clement: “Na Europa a sua avó era uma médica da aldeia. Ela viu sua avó uma médica singular que usava ervas e plantas. Ela adotou isso e curou-a de seu câncer”.
Após seu retorno a Boston , Massachusetts, Wigmore decidiu compartilhar sua experiência e ajudar outras pessoas que sofriam de doenças debilitantes e letais. E assim o Instituto de Saúde Hipócrates nasceu em Boston em 1956.
Hoje, seis décadas depois o Instituto está na vanguarda em termos de uso de alimentos e outras estratégias de estilo de vida como a medicina. Quando o Dr. Clement primeiro se juntou à equipe, ele foi enviado para a Europa. “Passei três anos lá, trazendo de volta a mensagem de dietas, de alimentos crus à base de plantas e correu ao centro original da vida alimentar, chamado Humlegaarden – que foi iniciada há mais de 100 anos na Dinamarca pela Dra. Kristine Nolfi MD, que reverteu o câncer de mama com a alimentação. Voltou em 1980 e assumiu a direção “.

O que você pode aprender no Instituto de Saúde Hipócrates?

Atualmente cerca da metade dos pacientes do Instituto estão interessados ​​na prevenção de doenças. A outra metade são bastante doente. As pessoas vêm de todo o mundo para aprender a melhorar e recuperar a saúde neste retiro de saúde de “estilo spa”.  Quatro abordagens nutricionais verdadeiramente poderosas ensinadas no instituto são:

Jejum intermitente alterando a captação de energia de “carboidratos para a queima das gorduras estocadas”.
Comer alimentos crus, incluindo quantidades boas de brotos
Evitar açúcares, alimentos refinados e alimentos processados​​. Evitar todos os sucos de frutas.
Mudando a proteína de má qualidade para proteína de alta qualidade.

Com relação à última da lista acima, Dr. Clement explica:

” … Cada um desses quatro aspectos acima listados, são clinicamente pesquisado e nós estabelecemos evidência  concreta sobre como eles funcionam quimicamente em nosso corpo.
“O que temos visto recentemente depois de 60 anos e trabalho com centenas de milhares de pessoas é que, quando nós reduzimos a quantidade de proteína ideal para cada indivíduo minimizamos os efeitos negativos da digestão, nosso organismo melhora a digestão das proteínas quebrando-as em aminoácidos corretamente, é justamente aí que mora a base do equilíbrio da saúde.
“Os nossos colegas da Europa mostraram uma outra dimensão de glicação, os produtos finais da glicação avançada (AGEs ). Na Alemanha eles nos mostraram que as proteínas quando digeridas com açúcares cria-se uma outra estrutura de assimilação e não os aminoácidos intactos. O que compõe uma proteína são aminoácidos, e estes devem estar em sua estrutura natural original, para uma boa digestão e funcionalidade orgânica.
Esta estrutura das proteínas digeridas com carboidratos é um enigma para a bioquímica humana, o sistema imunológico não sabe o que fazer com ela. Ela corre solta e realmente causando a morte das células produzindo radicais livres potentes. Dietas ricas em proteínas à base de grãos de soja e açúcares, não só de açúcar branco e de beterraba vermelha, mas xarope de milho também,  acaba matando células e criando radicais livres. Isso é o que se chama de Glicação –  AGE. ”

Em 1992, Johns Hopkins pesquisou maneiras naturais para destruir o  câncer. Uma dieta rica em vegetais crucíferos foi identificado como um fator que reduziu a incidência. Pesquisas adicionais identificou o brócolis como tendo algumas das atividades anti- câncer mais potentes! Desde então, quando finalmente olhou para sementes de brócolis germinadas os pesquisadores descobriram que a fitoquímica nos brotos matou dezenas de cânceres, dez vezes mais eficaz do que brócolis maduro!
A razão pela qual eles ensinam que os brotos são um alimento principal do Instituto é porque os brotos, dependendo da variedade ao todo são 10 a 30 vezes mais nutritivos do que os melhores vegetais orgânicos.
Semente de girassol e ervilha são brotos no topo da lista, em termos de seu perfil nutricional  cada um sendo tipicamente cerca de 30 vezes mais nutritivos do que os vegetais orgânicos. Enquanto você pode plantar uma variedade de feijão diferentes, as nozes, sementes e grãos, brotos em geral têm os seguintes atributos benéficos :

O suporte para a regeneração celular!

Poderosas fontes de antioxidantes, minerais, vitaminas e enzimas que protegem contra danos dos radicais livres, são alcalinizantes e possuem efeito corpo,  protege contra doenças incluindo cânceres assim como muitos tumores ácidos. Um ambiente abundantemente rico em oxigênio também pode ajudar a proteger contra o crescimento anormal de células, vírus e bactérias que não podem sobreviver em um ambiente rico em oxigênio e são exterminados instantaneamente.
Fitonutrientes encontrados em alimentos crus, como couve são a chave para reverter a doença de câncer. Esta é uma abordagem de senso comum para a saúde, mas a visão de muitas pessoas tem sido obscurecida por vida moderna.
Brotos pode de fato ser uma das soluções mais óbvias para a desnutrição e a fome em todo o mundo devido à pobreza. Eles são baratos e simples de crescer, em praticamente qualquer clima quando cultivada dentro de casa pode fornecer até 30 vezes mais nutrientes do que os vegetais cultivados organicamente! Com quase nenhum dinheiro você pode comer o mais saudável da alimentação durante todo o ano. Manter sementes para germinação é fácil. As sementes são relativamente simples para armazenar e durar por um longo tempo e geram benefícios maravilhosos, quando adequados com o jejum intermitente. O jejum intermitente pode ser feito entre 2 a 3 vezes na semana, entre 14 a 24horas consecutivos, ou somente atrasando o horário de um almoço ou jantar por 1 a 2 horas. O jejum intermitente pode promover saúde demonstrado pelo itens listados abaixo.

-Normalizar a sua sensibilidade à insulina, o que é fundamental para uma boa saúde como a resistência à insulina que é um fator de contribuição principal para quase todas as doenças crônicas, a partir do diabetes à doenças cardíacas e até câncer.
– Normalizando os níveis de grelina, também conhecido como ” hormônio da fome “.
-Promover a produção (HGH), que desempenha um papel importante na saúde, fitness e retardando o processo de envelhecimento, hormônio de crescimento humano.
-Reduzir os níveis de triglicérides
-Reduzir a inflamação e diminuir os danos dos radicais livres
—————————————————————————-
Referências:

http://www.hippocratesinst.org/
– MERCOLA