Início » EVIDÊNCIAS » Ácido aspártico e Zinco restauram níveis de testosterona, concluem estudos.

Ácido aspártico e Zinco restauram níveis de testosterona, concluem estudos.

testosterona

 

Em 17 de dezembro de 2013, por Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

O Ácido D-aspártico é um aminoácido presente no organismo humano sua formação ocorre pela conversão do Ácido L-aspártico em Ácido D-aspártico mediado pela enzima ‘racemase D-aspartato. A ingestão deste suplemento ajuda na estimulação dos níveis de testosterona de forma fisiológica, que ocorre por atuação do hormônio luteinizante.

Tem sido empregado para:

•  Ajuda a restaurar os níveis de testosterona; 

•  Ganho de força muscular; 

•  Tratar a fadiga crônica;

•  Melhora da infertilidade masculina

Além do ácido aspártico, o zinco também tem sido demonstrado em restaurar os níveis de testosterona. Em um estudo, verificou-se que o zinco provocou aumento acentuado nos níveis de testosterona após 6 semanas, em homens com níveis baixos deste hormônio (Arch Androl. 1981 Aug;7(1):69-73.). Da mesma forma, outra pesquisa mostrou que a restrição do zinco levou a diminuição significativa nos níveis de testosterona, enquanto que a suplementação produziu um importante aumento (Nutrition. 1996 May;12(5):344-8.). Neste estudo, concluíram que o zinco desempenha um importante papel na modulação dos níveis de testosterona em homens.

Em mais estudos, verificou-se que o zinco está envolvido em todos os aspectos da reprodução masculina, incluindo o metabolismo da testosterona, a formação do esperma e a motilidade espermática (J Coll Physicians Surg Pak. Nov 2005;15(11):671-3.) Outro exemplo da utilidade do zinco foi comprovado em um estudo com 37 homens inférteis com diminuição dos níveis da testosterona e baixas contagens de espermatozóides. Os homens receberam uma alta dose de zinco por dia, durante 45 à 50 dias. Na quase totalidade dos pacientes, os níveis de testosterona aumentaram bastante, e a contagem de esperma aumentou entre 8 à 20 milhões (Arch Androl. 1981 Aug;7(1):69-73).

Todavia, as dosagens devem ser indicadas por um nutricionista ou médico, que compreenda a terapia acima.

Referências:

1. Topo, A.; Soricelli,  et al., The role and molecular mechanism
of D-aspartic acid in the release and synthesis of LH and testosterone in humans and rats. Reprodutive Biology and Endocrinology; 7:120; 2009.

2.  Ann Intern Med. 1996 Jul 15;125(2):142-4

3. Arch Androl. 1981 Aug;7(1):69-73
4. Nutrition. 1996 May;12(5):344-8.
5. J Coll Physicians Surg Pak. Nov 2005;15(11):671-3.
6. Arch Androl. 1981 Aug;7(1):69-73
7. Harvard, School Med, 2000

 


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: