Início » EVIDÊNCIAS » Baixas doses de Naltrexone [LDN] é a descoberta médica mais importante do século XX, segundo o médico Dr. Lair Ribeiro.

Baixas doses de Naltrexone [LDN] é a descoberta médica mais importante do século XX, segundo o médico Dr. Lair Ribeiro.

LOW

Em 23 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

INFORMATIVO – Contribuição Especial do Renomado Pesquisador Gustavo Molina – BUZZ.

———————————————–

Naltrexone em baixa dose, terapia denominada internacionalmente pela sigla LDN, trata de pacientes com doenças de Crohn, doença de Alzheimer, câncer de ovário, de pâncreas, fígado, autismo, e Esclerose Múltipla, dentre outras patologias graves.

A naltrexona é um antagonista opiáceo farmacologicamente ativo. Ele foi primeiramente utilizado em doses relativamente altas para o tratamento de opióide e do álcool. Mas em doses muito baixas, a naltrexona foi encontrada para ter propriedades imunomoduladoras.

LDN foi usado primeiramente como um agente terapêutico para pessoas com AIDS. Tem sido proposto para ser utilizado em pessoas com doenças malignas, esclerose múltipla, e doenças autoimunes. Uma publicação recente mostrou uma melhoria significativa na doença de Crohn em pessoas que usaram LDN.

Segundo o médico Dr. Joseph Mercola:Naltrexone em baixas doses [low dose naltrexone- LDN] é uma promessa de ajudar milhões de pessoas com câncer e doenças autoimunes. Como um antagonista opiáceo farmacologicamente ativo, LDN funciona bloqueando os receptores opióides, que por sua vez ajuda a ativar o sistema imunológico do seu corpo. Alguns dos principais especialistas acreditam que o Naltrexone em baixa dose é uma grande promessa para o tratamento de milhões de pessoas que sofrem com doenças autoimunes, distúrbios do sistema nervoso central, e até mesmo câncer e HIV/AIDS. É extremamente barato, e parece ser livre de efeitos colaterais prejudiciais.”

A médica Dra. Jacquelyn McCandless relata ter encontrado efeitos positivos em crianças com autismo, utilizando a terapia LDN.

O médico Dr. Burton M. Berkson atesta que conseguiu resultados fenomenais com baixa dose de naltrexona (LDN), em pacientes com câncer e com doenças autoimunes.

E como a LDN trata doenças autoimunes e câncer?

Várias pesquisas dos últimos 20 anos indicam que a secreção do corpo denominada endorfinas (opióide natural do corpo) desempenha um papel importante, se não central, no funcionamento do sistema imunológico.

Uma publicação de um estudo do New England Journal of Medicine 2003, declara que:

Estudos pré-clinicos indicam que os opióides alteram significativamente o desenvolvimento, diferenciação e função das células do sistema imunológico. Células  progenitoras da medula óssea, macrófagos, céluas exterminadoras naturais, timócitos imaturos e células T e células B são todas envolvidas.

O médico Dr. Mercola diz: “quando você toma LDN na hora de dormir, ele bloqueia os seus receptores opióides por algumas horas no meio da noite, e acredita-se que promove a regulação de elementos vitais do sistema imunológico aumentando a produção de endorfinas (os opióides naturais) e metenkephalin, melhorando, portanto, a função imunológica. Além do aumento da produção de endorfina, Dr. Bernard Biari (que descobriu que LDN como um agente terapêutico para a AIDS, em 1985), acredita-se que LDN tem mecanismo anti-cancer, devido ao aumento no numero e densidade de receptores de opióides nas membranas de células de tumor, tornando-as mais sensíveis aos efeitos inibidores do crescimento dos já presentes em níveis de endorfinas, os quais por sua vez, induz a apoptose (morte celular) de células cancerosas.”

Dr. Bihari tratou mais de 450 pacientes com câncer com LDN com ótimos  resultados, incluindo, cânceres de bexiga, mama, fígado, pulmão, gânglios linfáticos, cólon e reto.

Segundo o Dr. Bihari, quase um quarto de seus pacientes tiveram pelo menos uma redução de 75% do tamanho do turmo, e quase 60% de seus pacientes demonstraram estabilidade da doença

Além do câncer, LDN mostra ser uma terapia promissora para as seguintes doenças:

Neuropatias diabéticas, hepatite C, Lupus, esclerose múltipla, colite ulcerativa, doença de crohn, autismo, síndrome da fadiga crônica, doença de Alzheimer, AIDS/HIV, Tireoidite de Hashimoto, Sindrome do intestino irritável, Parkinson.

As desordens listadas acima possuem uma característica especial: todas elas o sistema imunitário desempenha um papel central, e é encontrado baixos níveis sanguíneos de endorfinas, o que contribui para as deficiências imunes associados às doenças.

———————————————————–

Algumas patologias que a terapia LDN pode ser indicada com bons resultados.

Encefalomielite disseminada aguda, Aguda leucoencefalite hemorrágica , doença de Addison, Agamaglobulinemia , Alopecia areata, Esclerose Lateral Amiotrófica, Espondilite Anquilosante, Anti-GBM/TBM Nefrite, síndrome antifosfolípide, síndrome antissintetase , asma , alergia atópica , dermatite atópica , anemia aplástica auto-imune , a cardiomiopatia auto-imune, auto-imune enteropatia, anemia hemolítica auto-imune , auto-imune a hepatite, doença auto-imune da orelha interna  a síndrome linfoproliferativa auto-imune, auto-imune pancreatite, neuropatia periférica autoimune, síndrome auto-imune polyendocrine, Progesterona dermatite auto-imune, auto-imune púrpura trombocitopênica , urticária auto-imunes, auto-imune uveíte, esclerose concêntrica doença Balo / Balo, Síndrome Bechets, doença de Berger, encefalite de Bickerstaff , síndrome Blau, penfigóide bolhoso, doença de Castleman, doença celíaca, Síndrome da Fadiga Crônica ( SFC), Crônica polineuropatia inflamatória desmielinizante, osteomielite crônica multifocal recorrente, doença Chrons (CD/ IBD ), síndrome de Churg- Strauss, penfigóide cicatricial, síndrome de Cogan, doença aglutininas a frio, Complemento 2 deficiência, arterite craniana, síndrome CREST, a doença de Crohn (componente um dos dois tipos de doença inflamatória intestinal idiopática ” IBD “), síndrome de Cushing, cutânea angiite leucocitoclástica, doença de Dego, doença de Dercum, dermatite herpetiforme, dermatomiosite, Diabetes mellitus tipo 1, esclerose sistêmica cutânea difusa.
Lúpus eritematoso discóide, síndrome de Dressler, eczema, artrite relacionada com Entesite Eosinofílica fasceíte, gastroenterite eosinofílica, Epidermólise bolhosa adquirida, eritema nodoso, crioglobulinemia mista, síndrome de Evan, Fibrodisplasia ossificante progressiva, a fibromialgia ( FB ), Fibrosing aveolitis, Gastrite Penfigóide Gastrointestinal, Giant arterite de células, glomerulonefrite, síndrome de Goodpasture, doença de Graves, a síndrome de Guillain -Barré ( SGB), anemia hemolítica, encefalite de Hashimoto, tireoidite de Hashimoto, púrpura de Henoch- Schönlein , herpes gestacional, HIV, Hipogamaglobulinemia Idiopática inflamatórias Doenças Desmielinizantes, A fibrose pulmonar idiopática, púrpura trombocitopênica idiopática (Veja púrpura trombocitopênica auto-imune ), nefropatia por IgA, miosite de corpos de inclusão Inflamatória desmielinizante polyneuopathy, cistite intersticial, artrite idiopática juvenil, Artrite reumatóide juvenil, doença de Kawasaki, Lambert -Eaton síndrome miastênica A, vasculite leucocitoclástica, líquen plano, líquen escleroso, doença linear por IgA (LAD), Doença de Lou Gehrig (esclerose Também amiotrófica lateral), lupóide hepatite, lúpus eritematoso, síndrome de Majeed, doença de Ménière, Poliangeíte microscópica, síndrome de Miller- Fisher, do tecido conjuntivo Doença mista, morféia, doença de Mucha -Habermann, esclerose múltipla (MS), encefalomielite miálgica (ME), miastenia gravis. Miosite, neuromielite óptica (Também a doença de Devic ), neuromiotonia, ocular cicatricial Penfigóide, síndrome Opsoclonia mioclonia, Ord tireoidite , reumatismo palíndromo, pandas ( desordens neuropsiquiátricas autoimunes pediátricas associado com streptococcus), Paraneoplastic degeneração cerebelar, Hemoglobinúria paroxística noturna (HPN), Parry Romberg síndrome, Pars planitis, síndrome Parsonnage – Turner, Pênfigo, pênfigo vulgar, encefalomielite perivenoso, anemia perniciosa, poemas síndrome, poliarterite nodosa, polimialgia reumática.
A polimiosite, cirrose biliar primária, colangite esclerosante primária, neuropatia inflamatória progressiva, psoríase, artrite psoriática, aplasia de células vermelhas pura, pioderma gangrenoso, encefalite de Rasmussen, fenômeno de Raynaud, síndrome de Reiter, policondrite recidivante, síndrome das pernas inquietas, fibrose retroperitoneal, artrite reumatóide, febre, sarcoidose, síndrome de Schmidt, síndrome de Schnitzler, esclerite, esclerodermia, síndrome de Sjögren, Espondiloartropatia, síndrome pessoa Stiff, doença de Still, subaguda endocardite bacteriana ( SBE) , síndrome de Susac, síndrome de Sweet, coréia de Sydenham, oftalmia simpática, arterite de Takayasu , arterite temporal (também conhecido como “”arterite de células gigantes “”), síndrome de Tolosa -Hunt , mielite transversa , colite ulcerativa (um dos dois tipos de doença inflamatória intestinal idiopática ” IBD ” ), doença indiferenciada do tecido conjuntivo, espondiloartropatia indiferenciada, vasculite, Vitiligo

Infelizmente, poucos médicos estão cientes desta terapia de baixíssimo custo. Converse com seu médico sobre a possibilidade de aplicação da terapia LDN.

Sobre a terapia do LDN sugiro que assista a aula do médico Dr. Lair Ribeiro, cardiologista e nutrólogo:

Referências:

  1. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/01/06/can-ldn-really-help-multiple-sclerosis-rheumatoid-arthritis-and-other-autoimmune-diseases.aspx
  2. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2011/09/19/one-of-the-rare-drugs-that-actually-helps-your-body-to-heal-itself.aspx
  3. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/05/26/Powerful-Breakthrough-Beats-Cancer-and-AutoImmune-Diseases.aspx
  4. Integrative Cancer Therapies September 2007;6(3):293-6
  5. Eurekalert September 2, 2011
  6. Experimental Biology and Medicine September 1 2011;236(9):1036-50
  7. http://www.lowdosenaltrexone.org/

7 Comentários

  1. Boa tarde.os exames comentados no video saude cerebrals sao muito interessantes e eu tenho interesse em fazer por ter doençaa auto imunes e por estar com bastante fraquesa..Tenho cancer de mamas,era pra eu ter ido tirar as mamas ,mas prefiro fazer esse tratamento em que é comentado no video :saude cerebral…estou com a mamografia feita deste ano e do ano passado.O hipotireoidismo sei que tenho,mas nos exames que fiz deu negativo.No face e o hotmail sao o mesmo nome:ivandiraaraguari@hotmail.com.Poderao me retornar e me passar sobre consulta e valores.Muito obrigada.

  2. Fui diagnósticoada com Síndrome de Addison ,gostaria de saber se é possível fazer uso de Naltodrexona LDN nesse caso.

    • Entre em contato com o escritório do Dr. Lair Ribeiro [11] 3889-0038 e solicite indicação de médico que aplique a terapia LDN. Em princípio, esta terapia pode surtir bons efeitos no tratamento da síndrome de Addison também, como descrito no artigo acima.

  3. Ana Luiza disse:

    Fui diagnósticada em dez de 2014 com POLICONDRITE RECIDIVANTE atualmente tomo metatextrato e predsin. posso fazer uso dessa LDN???

    • Ana Luiza, entre em contato pelo fone (11) 3889 0038, que é o escritório do Dr. Lair Ribeiro, e solicite informações de médicos de sua região que aplique a terapia LDN. Boa sorte e abraços.

  4. fabio pinheiro disse:

    tenho psoriase e tudo q ja tentei foi ineficaz para o problema estou desesperado mora no ceara meu email fabiopinheiroalaster@gmail.com não sei aqui no meu estado quem aplique essa terapia LDN

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: