Início » 2013 » novembro

Arquivo mensal: novembro 2013

O alho é utilizado de forma medicinal há mais de 3.000 anos antes de Cristo: saiba o porquê!

DSC_0270

Em 27 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório (35) 3531-8423.

O alho pertence a família das Liláceas (assim como a Aloe Vera) e apresenta excelentes propriedades medicinais. Há diversas variedades de alho, a mais comum é o Allium sativum. O alho é utilizado de forma medicinal desde a antiguidade. Há registro do povo babilônico (3.000 anos Antes de Cristo) terem usado o alho para tratamento de enfermidades do aparelho respiratório, infecções cutâneas, inclusive lepra, além com o fim de expelir as amebas e vermes intestinais.

Moisés (da Bíblia) menciona o alho como uma planta milagrosa. No Egito, o alho é mencionado pelo historiador Heródoto, como utilizado diariamente pelos operários. Atualmente, os egípcios tomam o alho antes das competições esportivas. Na Grécia, Aristóteles menciona o alho dizendo que “ele ajuda na cura da hidrofobia e é um bom tônico laxante”. Hipócrates (460 antes de Cristo) recomendava o alho aos desportistas que competiam nos jogos olímpicos.

Escritos chineses que datam de 2.700 antes de Cristo, descrevem alho para tratar muitas doenças e para aumentar vigor. Na Índia, a medicina ayurvédica recomenda alho para aumentar a energia e tratar resfriados e fadiga.

A pesquisadora e professora da  Tufts University School of Medicine – EUA, Dra. Carmia Borek (PhD) informa que “estudos mostram que o alho protege contra a infecção e inflamação, reduz o risco de doença cardíaca , e tem efeitos anti-cancerígenos e anti-envelhecimento.”

Uma conferência internacional ocorrida em novembro de 1998, na California – EUA, organizado pelo Instituto Nacional do Câncer e pela Universidade Estadual da Pensilvania, reuniu cerca de 200 pesquisadores e profissionais de saúde de 12 países. Na conferencia ficou claro a partir dos estudos apresentados que o extrato de alho envelhecido desodorizado foi mais eficaz que o alho fresco em grande parte por causa dos ‘compostos orgânicos’ solúveis em água, que tem uma ampla gama de ação e são altamente biodisponíveis.

Estudos em ratos mostram que o extrato de alho envelhecido e solúvel em água, impediu a lesão cerebral por isquemia e reperfusão.

Estudos em humanos confirmam estimulação imunológica por alho. Os indivíduos que receberam uma certa dose de extrato de alho envelhecido, durante três semanas, mostraram um aumento de 155,5% na atividade das células imunológicas natural killer que mata invasores e células cancerosas.

Estudos recentes mostram que o extrato de alho em pó contém substâncias que matam Heliobacter pylori, um organismo virulento que cresce no estômago e é considerado por ser causador de úlceras e câncer de estômago.

Dra. Borek PhD informa ainda:

“O efeito anti-câncer de dietas ricas em alho tem sido demonstrado em mais de 12 estudos epidemiológicos na China , Itália e Estados Unidos. As dietas ricas em alho reduziu o risco de estômago e câncer de cólon. Outros estudos com animais mostram que o extrato de alho envelhecido protege contra estágios precoces e tardios de desenvolvimento de câncer no cólon, glândulas mamárias , pele, estômago e esôfago. Entre os compostos do extrato de alho mostrando prevenção de promoção do tumor é alicina , um flavonóide que também impede a formação de prostaglandinas, substâncias semelhantes a hormônios que são ativos no aumento da inflamação, a agregação de plaquetas e o crescimento do tumor.”

O médico e pesquisador Dr. Joseph Mercola informa:

O alho parece ser eficaz contra: E. coli.; Staphylococcus aureus; Clostridium perfringens; Salmonella spp. O alho não só mata bactérias patogênicas [causadoras de doenças] mas também mata rotavírus que é responsável por muitos casos de diarréias.”

Segundo o médico cardiologista e especialista em nutrologia, membro da Academia de Ciências de Nova York, professor de medicina na Universidade Estácio de Sá e na Universidade Moderna de Lisboa, Dr. Sérgio Puppin, em seu livro “Alimentos Certos Hábitos Saudáveis”:

“…a alicina é que confere ao alho propriedades simplesmente fantásticas. Dentre inúmeras ações, destacamos:

  1. Afina o sangue, substituindo com vantagens a ação da aspirina
  2. Aumenta o bom colesterol (HDL) e diminui o mau colesterol (LDL).
  3. Ajuda a controlar a pressão arterial
  4. Previne e ajuda a tratar processos infecciosos, principalmente relacionados a fungos (sapinhos) e vírus (estados gripais)
  5. Aumenta a imunidade, ajudando pacientes no tratamento de cânceres e aqueles submetidos a quimioterapia, segundo recente pesquisa realizada em Israel.
  6. Tem ação desintoxicante
  7. Tem ação energizante, melhora a fadiga e ajuda a combater o estresse.
  8. Além de retardar o envelhecimento, é considerado afrodisíaco.

Considerando todas essas propriedades, por que excluí-lo do tratamento de saúde, ou até mesmo, da promoção de saúde (prevenção)? Reflita!

*Todo suplementação de nutrientes deve ter indicação médica ou de nutricionista, aptos a esta natureza de terapia da nutrição funcional.

Referências:

    1. Abdulllah T. et al. (1989). Enhancement of natural killer cell activity in AIDS with garlic. Onkologie 21:52-53
    2. Amagase H. (1998) Intake of garlic and its components. Nutritional and Health Benefits of Garlic as a Supplement Conference, Newport Beach CA. 4 (Abstract)
    3. Amagase, H., Schaffer, E.M.,& Milner J. (1996) Dietary components modify the ability of garlic to suppress 7, 12,-dimethyl (a anthracene induced DNA adducts. J. Nut. 126:817-824
    4. Block, E.(1985) The chemistry of garlic and onion. Sci. Am 252: 114-119
    5. Borek C. Maximize Your Healthspan with Antioxidants. 1995. Keats Publishing, New Canaan, Conn.
    6. Borek, C.(1993) Molecular mechanisms in cancer induction and prevention. Environ Health Perspectives 101: 237-245
    7. Borek, C. (1991) Free radical processes in multistage carcinogenesis. Free Rad. Res. Comm. 1991 12 745-750
    8. Brosche T. and Platt N. Knoblauch Terapie und zelullaere immunoabweher in Alter(1994). Phytoter 15: 23-24
    9. Freeman, F. & Kodera, Y. (1995) Garlic Chemistry: Stability of S-(2-Propenyl) 2-Propene-1-sulfinothioate (Allicin) in blood, solvents and simulated physiological fluids. J. Agr. and Food Chemistry 43:2332-2338
    10. Ide, N. and Lau, B.H. S. (1997) Garlic compounds protect vascular endothelial cells from oxidized low density lipoprotein-induced injury. J Pharm Pharmacol. 49: 908-911
    11. Imai, J., Ide, N., Nagae, S., Moriguchi, T.,Matsuura, H. & Itakura, Y. (1994) Antioxidants and free radical scavenge effects of aged garlic extract and its constituents. Planta Med 60: 417-420
    12. Kojima, R., Epstein, C.J. Mizui, T., Carlson, E. & Chan, P.H. (1994) Protective effects of aged garlic extracts on doxorubicin-induced cardiotoxicity in the mouse. Nutr. Cancer 22:163-173
    13. Lau, B.H. S. (1989) Detoxifying, radioprotective and phagocyte-enhancing effects of garlic. Int. Nutr. Rev. 9:27-31
    14. Lawson, L.D., Ransom, D.K. & Hughs (1992) Inhibition of whole blood platelet aggregation by compounds in garlic clove extracts and commercial garlic products. Thromb Res 65: 141-156
    15. Milner, J. A. (1996) Garlic: Its anticarcinogenic and antimutagenic properties. Nut. Rev 54: S82-S-86
    16. Moriguchi, T., Saito, H. & Nishyama, N. (1997) Anti-aging effect of aged garlic extract in the inbred brain atrophy mouse model. Clin. and Exp. Pharmachol. and Physiol. 24: 235-242
    17. Neil, H.A. et al. Garlic powder in the treatment of moderate hyperlipidemia: a controlled trial and meta-analysis.
    18. Nishino, H.,Nishino,A.,Takayasu,A., Iwashima, Y.,Itakura,y., Kodera, Y., Matsuura, H.,& Fuwa, T. (1990) Antitumor-promoting activity of Allixin, a stress compound produced by garlic. The Cancer Journal. 3:20-21
    19. Numagami, Y., sato, S., & Onishi, T. (1996) Attenuation of rat ischemic brain damage by aged garlic extracts: A possible protecting mechanism as an antioxidants. Neurochem Int. 29: 135-143
    20. Nutritional and Health Benefits of Garlic as a Supplement Conference, Newport beach CA (1998). 1-70. Abstracts
    21. Steiner, M. (1996) A double blind cross over study in moderately hypercholesterolemic men that compare the effect of Aged Garlic Extract and placebo administration on blood lipids and platelet function. Am. J. Clin. Nutr. 64:866-870
    22. Steinmetz, K.A., Kushi, L.H., Bostick, R.M., Folsom A.R & Potter, J.D. (1994) Vegetables, fruit and colon cancer in the Iowa Women’s Study. Am. J. Epidemiol. 139:1-5
    23. Wei, Z. & Lau, B.H.S. (1998) Garlic inhibits free radical generation and augments antioxidant enzyme activity in vascular endothelial cells. Nutr. Res. 18: 61-70
    24. . Oregano, Other Essential Oils Destroy Strep Pneumonia Cells
    25.  Garlic Lowers Heart Disease Risk
    26.  Garlic Keeps the Ticks Away
    27.  Garlic May Prevent Cancer
    28. Evidence Mounts For Garlic’s Antimicrobial, Cholesterol-Lowering Effects
    29. Mercola.com 
    30. Lifeextension.com

Ômega 3 reverte esteatose hepática, diz estudo.

omega1
Em 26 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.
Estudos experimentais demonstram  que a suplementação com Omega 3 previne a Esteatose hepática (Gordura no fígado) no entanto até a data existia a dúvida se a suplementação seria capaz de revertê-la.
Em modelo animal com esteatose foi administrado Ômega 3 por um período de 2 semanas com acompanhamento de ressonância magnética, histologia e cromatografia gasosa. Foi constatado redução da esteatose hepática com diminuição de inflamação lobular, fator de necrose tumoral e interleucinas e aumento da capacidade antioxidante.
Concluiu-se que o Ômega 3 é capaz de reverter as características fisiopatológicas da esteatose hepática não alcoólica.
Fonte: Medpharma
Referência científica:
Marsman HA et al.,  , Reversal of hepatic steatosis by omega-3 fatty acids measured non-invasively by (1) H-magnetic resonance spectroscopy in a rat model.J Gastroenterol Hepatol 2011 Fev; 26 (2) :356-63.

Baixas doses de Naltrexone [LDN] é a descoberta médica mais importante do século XX, segundo o médico Dr. Lair Ribeiro.

Aprenda também como evitar os infartos – infartos do miocárdio não são ocasionados por placas de gorduras no coração, entupimento arterial – Acompanhe aqui as causas reais do infarto e também a prevenção clique aqui –> ttps://www.youtube.com/watch?v=J0GrKniI8Do

TRATAMENTO PARA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA —https://nutricaobrasil.wordpress.com/2017/05/22/o-aminoacido-l-serina-retarda-a-progressao-da-esclerose-lateral-amiotrofica-e-l-a-em-humanos-e-animais/

——————————————————————-

Segue a matéria abaixo sobre LDN.

LOW

LIGUE E AGENDE SUA CONSULTA, OU RECEBA ORIENTAÇÃO EXPRESSA À DISTÂNCIA – 35 9 9195 1817

Envie emails para — > juliocaleiro@hotmail.com

INFORMATIVO – Contribuição Especial do Renomado Pesquisador Gustavo Molina – BUZZ.

———————————————–

Naltrexone em baixa dose, terapia denominada internacionalmente pela sigla LDN, trata de pacientes com doenças de Crohn, doença de Alzheimer, câncer de ovário, de pâncreas, fígado, autismo, e Esclerose Múltipla, dentre outras patologias graves.

A naltrexona é um antagonista opiáceo farmacologicamente ativo. Ele foi primeiramente utilizado em doses relativamente altas para o tratamento de opióide e do álcool. Mas em doses muito baixas, a naltrexona foi encontrada para ter propriedades imunomoduladoras.

LDN foi usado primeiramente como um agente terapêutico para pessoas com AIDS. Tem sido proposto para ser utilizado em pessoas com doenças malignas, esclerose múltipla, e doenças autoimunes. Uma publicação recente mostrou uma melhoria significativa na doença de Crohn em pessoas que usaram LDN.

Segundo o médico Dr. Joseph Mercola:Naltrexone em baixas doses [low dose naltrexone- LDN] é uma promessa de ajudar milhões de pessoas com câncer e doenças autoimunes. Como um antagonista opiáceo farmacologicamente ativo, LDN funciona bloqueando os receptores opióides, que por sua vez ajuda a ativar o sistema imunológico do seu corpo. Alguns dos principais especialistas acreditam que o Naltrexone em baixa dose é uma grande promessa para o tratamento de milhões de pessoas que sofrem com doenças autoimunes, distúrbios do sistema nervoso central, e até mesmo câncer e HIV/AIDS. É extremamente barato, e parece ser livre de efeitos colaterais prejudiciais.”

A médica Dra. Jacquelyn McCandless relata ter encontrado efeitos positivos em crianças com autismo, utilizando a terapia LDN.

O médico Dr. Burton M. Berkson atesta que conseguiu resultados fenomenais com baixa dose de naltrexona (LDN), em pacientes com câncer e com doenças autoimunes.

E como a LDN trata doenças autoimunes e câncer?

Várias pesquisas dos últimos 20 anos indicam que a secreção do corpo denominada endorfinas (opióide natural do corpo) desempenha um papel importante, se não central, no funcionamento do sistema imunológico.

Uma publicação de um estudo do New England Journal of Medicine 2003, declara que:

Estudos pré-clinicos indicam que os opióides alteram significativamente o desenvolvimento, diferenciação e função das células do sistema imunológico. Células  progenitoras da medula óssea, macrófagos, céluas exterminadoras naturais, timócitos imaturos e células T e células B são todas envolvidas.

O médico Dr. Mercola diz: “quando você toma LDN na hora de dormir, ele bloqueia os seus receptores opióides por algumas horas no meio da noite, e acredita-se que promove a regulação de elementos vitais do sistema imunológico aumentando a produção de endorfinas (os opióides naturais) e metenkephalin, melhorando, portanto, a função imunológica. Além do aumento da produção de endorfina, Dr. Bernard Biari (que descobriu que LDN como um agente terapêutico para a AIDS, em 1985), acredita-se que LDN tem mecanismo anti-cancer, devido ao aumento no numero e densidade de receptores de opióides nas membranas de células de tumor, tornando-as mais sensíveis aos efeitos inibidores do crescimento dos já presentes em níveis de endorfinas, os quais por sua vez, induz a apoptose (morte celular) de células cancerosas.”

Dr. Bihari tratou mais de 450 pacientes com câncer com LDN com ótimos  resultados, incluindo, cânceres de bexiga, mama, fígado, pulmão, gânglios linfáticos, cólon e reto.

Segundo o Dr. Bihari, quase um quarto de seus pacientes tiveram pelo menos uma redução de 75% do tamanho do turmo, e quase 60% de seus pacientes demonstraram estabilidade da doença

Além do câncer, LDN mostra ser uma terapia promissora para as seguintes doenças:

Neuropatias diabéticas, hepatite C, Lupus, esclerose múltipla, colite ulcerativa, doença de crohn, autismo, síndrome da fadiga crônica, doença de Alzheimer, AIDS/HIV, Tireoidite de Hashimoto, Sindrome do intestino irritável, Parkinson.

As desordens listadas acima possuem uma característica especial: todas elas o sistema imunitário desempenha um papel central, e é encontrado baixos níveis sanguíneos de endorfinas, o que contribui para as deficiências imunes associados às doenças.

———————————————————–

Algumas patologias que a terapia LDN pode ser indicada com bons resultados.

Encefalomielite disseminada aguda, Aguda leucoencefalite hemorrágica , doença de Addison, Agamaglobulinemia , Alopecia areata, Esclerose Lateral Amiotrófica, Espondilite Anquilosante, Anti-GBM/TBM Nefrite, síndrome antifosfolípide, síndrome antissintetase , asma , alergia atópica , dermatite atópica , anemia aplástica auto-imune , a cardiomiopatia auto-imune, auto-imune enteropatia, anemia hemolítica auto-imune , auto-imune a hepatite, doença auto-imune da orelha interna  a síndrome linfoproliferativa auto-imune, auto-imune pancreatite, neuropatia periférica autoimune, síndrome auto-imune polyendocrine, Progesterona dermatite auto-imune, auto-imune púrpura trombocitopênica , urticária auto-imunes, auto-imune uveíte, esclerose concêntrica doença Balo / Balo, Síndrome Bechets, doença de Berger, encefalite de Bickerstaff , síndrome Blau, penfigóide bolhoso, doença de Castleman, doença celíaca, Síndrome da Fadiga Crônica ( SFC), Crônica polineuropatia inflamatória desmielinizante, osteomielite crônica multifocal recorrente, doença Chrons (CD/ IBD ), síndrome de Churg- Strauss, penfigóide cicatricial, síndrome de Cogan, doença aglutininas a frio, Complemento 2 deficiência, arterite craniana, síndrome CREST, a doença de Crohn (componente um dos dois tipos de doença inflamatória intestinal idiopática ” IBD “), síndrome de Cushing, cutânea angiite leucocitoclástica, doença de Dego, doença de Dercum, dermatite herpetiforme, dermatomiosite, Diabetes mellitus tipo 1, esclerose sistêmica cutânea difusa.
Lúpus eritematoso discóide, síndrome de Dressler, eczema, artrite relacionada com Entesite Eosinofílica fasceíte, gastroenterite eosinofílica, Epidermólise bolhosa adquirida, eritema nodoso, crioglobulinemia mista, síndrome de Evan, Fibrodisplasia ossificante progressiva, a fibromialgia ( FB ), Fibrosing aveolitis, Gastrite Penfigóide Gastrointestinal, Giant arterite de células, glomerulonefrite, síndrome de Goodpasture, doença de Graves, a síndrome de Guillain -Barré ( SGB), anemia hemolítica, encefalite de Hashimoto, tireoidite de Hashimoto, púrpura de Henoch- Schönlein , herpes gestacional, HIV, Hipogamaglobulinemia Idiopática inflamatórias Doenças Desmielinizantes, A fibrose pulmonar idiopática, púrpura trombocitopênica idiopática (Veja púrpura trombocitopênica auto-imune ), nefropatia por IgA, miosite de corpos de inclusão Inflamatória desmielinizante polyneuopathy, cistite intersticial, artrite idiopática juvenil, Artrite reumatóide juvenil, doença de Kawasaki, Lambert -Eaton síndrome miastênica A, vasculite leucocitoclástica, líquen plano, líquen escleroso, doença linear por IgA (LAD), Doença de Lou Gehrig (esclerose Também amiotrófica lateral), lupóide hepatite, lúpus eritematoso, síndrome de Majeed, doença de Ménière, Poliangeíte microscópica, síndrome de Miller- Fisher, do tecido conjuntivo Doença mista, morféia, doença de Mucha -Habermann, esclerose múltipla (MS), encefalomielite miálgica (ME), miastenia gravis. Miosite, neuromielite óptica (Também a doença de Devic ), neuromiotonia, ocular cicatricial Penfigóide, síndrome Opsoclonia mioclonia, Ord tireoidite , reumatismo palíndromo, pandas ( desordens neuropsiquiátricas autoimunes pediátricas associado com streptococcus), Paraneoplastic degeneração cerebelar, Hemoglobinúria paroxística noturna (HPN), Parry Romberg síndrome, Pars planitis, síndrome Parsonnage – Turner, Pênfigo, pênfigo vulgar, encefalomielite perivenoso, anemia perniciosa, poemas síndrome, poliarterite nodosa, polimialgia reumática.
A polimiosite, cirrose biliar primária, colangite esclerosante primária, neuropatia inflamatória progressiva, psoríase, artrite psoriática, aplasia de células vermelhas pura, pioderma gangrenoso, encefalite de Rasmussen, fenômeno de Raynaud, síndrome de Reiter, policondrite recidivante, síndrome das pernas inquietas, fibrose retroperitoneal, artrite reumatóide, febre, sarcoidose, síndrome de Schmidt, síndrome de Schnitzler, esclerite, esclerodermia, síndrome de Sjögren, Espondiloartropatia, síndrome pessoa Stiff, doença de Still, subaguda endocardite bacteriana ( SBE) , síndrome de Susac, síndrome de Sweet, coréia de Sydenham, oftalmia simpática, arterite de Takayasu , arterite temporal (também conhecido como “”arterite de células gigantes “”), síndrome de Tolosa -Hunt , mielite transversa , colite ulcerativa (um dos dois tipos de doença inflamatória intestinal idiopática ” IBD ” ), doença indiferenciada do tecido conjuntivo, espondiloartropatia indiferenciada, vasculite, Vitiligo

Infelizmente, poucos médicos estão cientes desta terapia de baixíssimo custo. Converse com seu médico sobre a possibilidade de aplicação da terapia LDN.

Sobre a terapia do LDN sugiro que assista a aula do médico Dr. Lair Ribeiro, cardiologista e nutrólogo:

 

Vejam outros médicos pesquisadores falando sobre a terapia LDN:

 

 

Referências:

  1. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/01/06/can-ldn-really-help-multiple-sclerosis-rheumatoid-arthritis-and-other-autoimmune-diseases.aspx
  2. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2011/09/19/one-of-the-rare-drugs-that-actually-helps-your-body-to-heal-itself.aspx
  3. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/05/26/Powerful-Breakthrough-Beats-Cancer-and-AutoImmune-Diseases.aspx
  4. Integrative Cancer Therapies September 2007;6(3):293-6
  5. Eurekalert September 2, 2011
  6. Experimental Biology and Medicine September 1 2011;236(9):1036-50
  7. http://www.lowdosenaltrexone.org/

As doenças autoimunes nascem no intestino, segundo a médica neurologista Dra. Natasha Campbell-McBride.

ABAAAfu8AAH-1

Em 22 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 35318423.

Você tem anticorpos naturais contra praticamente todas as doenças autoimunes. A Dra. Natasha Campbell-McBride, médica neurologista russa, explica que:

 “O que as pessoas tem que entender é que todos nós, 100% dos seres humanos, temos em nossos corpos, anticorpos para lidar com a esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, artrite reumatóide, osteoartrite, lúpus ou qualquer outra condição autoimune.”

O médico Joseph Mercola diz que:

“Tudo começa no útero. Assim que o timo do bebe se desenvolve, as proteínas que flutuam próximos da corrente sanguínea, que é compartilhado entre a mãe e o bebe, começam a educar o sistema imunológico do bebe, e alocar uma célula de resposta específica para cada proteína encontrada. Doenças autoimunes se desenvolvem quando o sistema imunológico ataca tecidos próprios ou proteínas do seu corpo, porque eles foram contaminados por toxinas ou alguma outra influencia ambiental. E lembre-se esse desequilíbrio, essa influencia tóxica, se origina de seus sistema digestivo ou  na parede do intestino.”

A Dra. McBride continua informando que:

“A autoimunidade nasce no intestino, isso é de onde vem – da sua parede do intestino. Isso acontece porque a sua flora intestinal é anormal. A fim de curar QUALQUER CONDIÇÃO AUTOIMUNE, quer se trate de esclerose múltilpla, artrite reumatóide, osteroartrite, lúpus, alopecia, psoríase, ou qualquer coisa que tem um componente autoimune, você tem que se concentrar na cura e selando seu intestino alinhado com um protocolo nutricional. E você tem que se concentrar em normalizar sua flora intestinal. Você tem que expulsar os agentes patogênicos da flora intestinal e substituí-los com a flora benéfica. Em seguida, um monte de cura vai acontecer. Infelizmente, a medicina convencional é em grande parte ignorante sobre esta pesquisa, e não vê as doenças autoimunes como distúrbios digestivos.”

É sabido que metais pesados como o mercúrio simula no organismo sintomas iguais aos da Esclerose Lateral Amiotrófica. Segundo um estudo científico, verificou-se que um homem de 54 anos de idade, tinha uma síndrome semelhante a esclerose lateral amiotrófica, após uma breve, mas intensa exposição ao mercúrio elementar. A síndrome foi resolvida quando seus níveis de mercúrio urinário caíram (JAMA. 1983 05 de agosto, 250 (5) :642-3.)

Assim, verifica-se o quão importante é uma terapia nutricional visando a detoxificação do organismo, colocando em níveis ótimos o funcionamento e a saúde de todo o sistema digestivo, por meio da nutrição funcional. Por isso que um tratamento para doenças autoimunes que NÃO promova a limpeza geral do organismo de toxinas e melhora do sistema digestivo (ex: função/saúde intestinal), acaba sendo ineficiente.

Veja os depoimentos de pacientes que aplicaram a terapia nutricional para o tratamento de doenças autoimunes:

https://nutricaobrasil.wordpress.com/depoimentos-tratamento-dr-julio-caleiro/

Referências:

1. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2012/05/12/dr-campbell-mcbride-on-gaps.aspx

2. Adams CR, Ziegler DK, Lin JT.  JAMA. 1983 05 de agosto, 250 (5) :642-3.

Tatuagens podem ser cancerígenas?

Imagem

By Ed. Dr. Júlio Caleiro – NUTRICIONISTA –  Publicado em 20 de Novembro de 2013.

Eu particularmente nunca fiz tatuagem apesar da vontade e curiosidade, mas depois de pesquisar sobre algumas coisas fiquei feliz em  não ter feito! Você que fez tatuagem e naquele momento apenas pensou na parte artística,  agora é hora de ficar ciente no quesito saúde.  A pesquisa está mostrando cada vez mais que pode haver riscos de saúde envolvidos, especialmente se a sua tatuagem contém grandes áreas de tinta preta, devido a sua toxicidade!

Tatuagens pode levar ao câncer?

Tem sido dito que “a tinta da tatuagem é extremamente reativa histologicamente sem afetar outros orgãos,  apesar do uso frequente de diferentes pigmentos de pureza e fonte desconhecida pelos próprios tatuadores”.
No entanto, pesquisadores da ‘Universidade de Bradford’ utilizando um microscópio de força atômica (AFM) que lhes permite examinar a pele com tatuagens a nível ‘nano’, foi encontrado evidências que sugerem o contrário. Em um estudo preliminar (a primeira a usar um AFM para examinar tatuagens), os pesquisadores descobriram que existe uma remodelagem no colágeno da pele no processo de tatuagem, onde o colágeno é o (principal tecido conjuntivo do corpo).   Além disso as nanopartículas de tinta de tatuagens, foram encontrados tanto na rede de colágeno da pele, bem como ao redor dos vasos sanguíneos. Isto sugere que as partículas de tinta estão deixando a superfície de sua pele e viajando em outras partes de seu corpo, onde eles poderiam entrar em órgãos e outros tecidos.
Isso é problemático porque as tintas de tatuagem são em grande parte não regulamentadas, e são conhecidas por conter compostos cancerígenos! Os pesquisadores acreditam que o problema pode tornar-se uma importante questão  de saúde pública, dado o aumento em tatuagens na última década.   ” Nós precisamos fazer mais trabalho mas não há dúvida de que essas substâncias podem ser tóxicas”.

Nanopartículas em Tattoo Pode ser cancerígena!

As nanopartículas são ultramicroscópicos em tamanho, tornando-os capazes de penetrar facilmente a sua pele e viajar para os vasos sanguíneos subjacentes e sua corrente sanguínea. Evidências sugerem que algumas nanopartículas podem provocar efeitos tóxicos no cérebro e causar danos nos nervos, e alguns também podem ser cancerígenos.
Em 2011, um estudo no’ British Journal of Dermatology’ revelou que as nanopartículas são realmente encontrados em tintas de tatuagem, com pigmentos pretos contendo as menores partículas, e pigmentos brancos tinham as partículas maiores e pigmentos coloridos eram intermediários.
Com a exceção dos pigmentos brancos os investigadores observaram que “a maior parte das tintas de tatuagem testadas continham quantidades significativas de ” nanopartículas. ” Os pigmentos pretos eram NPs quase puros [ nanopartículas] ou seja, partículas com pelo menos uma dimensão <100 nm “, disseram eles .

Tatuagens de tinta preta pode ser a mais arriscada e tóxica!

A tinta preta é a cor mais frequentemente associada a potenciais efeitos adversos para a saúde, apesar de todas as tintas de tatuagem terem potencial tóxico, incluindo:

– Potencialmente carcinogênica.
-Pode causar inflamação e DNA descontrolados, mutados.
-Pode conter produtos cancerígenos como hidrocarbonetos aromáticos policíclicos ( PAHs), benzeno e pireno ( agentes cancerígeno de classe 1 de acordo com a ‘Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer’).

Desde que a tinta preta podem conter uma quantidade significativa de nanopartículas, é provável que tais toxinas podem ser encontradas fácilmente na corrente sanguínea. Escrevendo na ‘Experimental Dermatology’, pesquisadores destacou o potencial perigoso de tintas de tatuagem (principalmente preta), o que vai além das nanopartículas.

” Tintas de tatuagem preta são geralmente baseados em fuligem, não são reguladas e contém hidrocarbonetos aromáticos policíclicos perigosos (HAP). HPAs possivelmente ficará por toda a vida na pele e absorvendo a radiação UV e gerarando oxigênio singlete que podem afetar a integridade da pele. Oxigênio Single é um radical livre potente.
A Tatuagem com tintas pretas implica uma injeção de quantidades substanciais de fenol e PAHs na pele. A maioria dos PAHs ( hidrocarbonetos aromáticos policíclicos) são cancerígenos e podem adicionalmente gerar oxigênio single que é deletério no interior da derme, quando a pele é exposta à radiação UVA (radiação solar). ”

Enquanto a incidência até agora de câncer de pele tatuada foi considerado ‘coincidência’ , em grande parte é desconhecido se as tintas podem estar contribuindo para câncer ou outros problemas de saúde, e em outras partes do corpo. É sabido por exemplo que alguns pigmentos da tatuagem pode migrar de sua pele para o sistema Linfático;  segundo o ‘Dr. Samuel Epstein’, um profissional muito respeitado na prevenção do câncer. Ele diz: “… A evidência que temos acumulado até agora, é que as [nanopartículas ] entram na corrente sanguínea e atingem órgãos por todo o corpo, principalmente e vão até ao cérebro, e já temos provas reais de entrada no cérebro produzindo efeitos tóxicos  e lesões pequenas no cérebro”.

As tintas de tatuagem são regulamentadas pela ANVISA no Brasil. Nos EUA a maioria são produtos de nível industrial. (Erro nosso, feito correção).

Todas as nanopartículas são perigosas?

Por um lado as nanopartículas são um avanço incrível da tecnologia. Por exemplo, na indústria de suplementos a nanotecnologia pode encolher o tamanho das moléculas de vitamina até nanogotas microscópicas, que são muito mais fácil para o seu corpo a absorver. Por outro lado as nanopartículas são tão pequenas que podem ser facilmente inaladas ou absorvidas através da pele, e um grande cuidado deve ser tomado como que tipos de partículas são produzidos em escala nanométrica . Como escrito por ‘Sayer Ji’  fundador da GreenMedInfo.com

“Uma das consequências não intencionais adversas da nanotecnologia em geral é que, fazendo partículas substancialmente menores em tamanho do que ocorreria naturalmente, em processos de produção nanotecnologica, a substância poderia apresentar significativamente elevada toxicidade”.  Ao contrário do que os modelos de risco toxicológicos tradicionais”.
————————————————————————————————————-

Referências:
Friends of the Earth November 4, 2013
1 Tattoo Lasers October 8, 2013
2 University of Bradford, Can Tattoos Cause Harm?
3 Br J Dermatol. 2011 Dec;165(6):1210-8.
4 The Lancet Oncology, Volume 7, Issue 4, Pages 295 – 296, April 2006
5 Exp Dermatol. 2013 Jul;22(7):464-9.
6 Exp Dermatol. 2010 Aug;19(8):e275-81.
7 Lancet Oncol. 2012 Apr;13(4):e161-8.
8 US FDA, Think Before You Ink
9 US FDA, Think Before You Ink
10 Friends of the Earth November 4, 2013
11 GreenMedInfo.com March 26, 2013
12 Mercola

CANELA melhora a fertilidade em mulheres com síndrome do ovário policístico

052f5d50d7a2e19b714801c37ee503d3

Em 14 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

A dificuldade para engravidar é ocasionada geralmente pela síndrome do ovário policístico. A síndrome do ovário policístico é uma condição hormonal em que mulheres produzem quantidades excessivas de androgênios. Podem crescer cistos nos ovários, e que podem levar a desequilíbrios hormonais e dificuldades com a ovulação. Os sintomas podem incluir irregularidades menstruais, ganho de peso, calvície masculina e acne.

Recentemente, um estudo mostrou que a CANELA provoca melhoria na fertilidade em mulheres com a síndrome do ovário policístico. Esse resultado é extremo valor, já que mulheres nesta condição sofrem caros e invasivos tratamentos de fertilidade.

Canela restaura os ciclos menstruais. Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Columbia inscreveram 45 mulheres com a síndrome do ovário policístico para estudo. Dividiram em dois grupos, um grupo de mulheres recebia uma dose de extrato de canela e outro grupo apenas placebo. Depois de 6 meses, houve melhora acentuada na ciclicidade dos ciclos menstruais no grupo de mulheres que consumiram canela. Elas experiementaram quase o dobro dos ciclos menstruais (3,82 contra 2,2). Após três meses de tratamento, duas das mulheres que consumiram canela, ficaram grávidas.

Canela restaurara a sensibilidade à insulina. Não é exatamente claro o porquê de a canela ajudara restaurar a fertilidade, mas pesquisadores acreditam que isso pode ter a ver com a sua capacidade de combater a resistência à insulina. As mulheres com a síndrome são muito mais propensas a ter resistência à insulina. A resistência à insulina é normalmente associada com a diabetes, e outras doenças metabólicas, mas também pode causar desequilíbrios hormonais e contribuir para a infertilidade.

Canela ajuda a reduzir o nível de açúcar no sangue. Num importante estudo, a canela reduziu os níveis de glicose no sangue dos diabéticos tipo 2, em uma média de 29%.

Referências científicas:

  1. http://www.cdc.gov/Reproductivehealth/Infertility/.
  2. http://www.fertstert.org/article/S0015-0282(13)01593-8/fulltext.
  3.  http://clinical.diabetesjournals.org/content/21/4/154.full.pdf.
  4. Diabetologia. 2006 Oct;49(10):2437-48.
  5. Am J Clin Nutr. 2009 Mar;89(3):815-21.
  6. Diabetes Care. 2003 Dec;26(12):3215-8.
  7. http://www.asrm.org/detail.aspx?id=2322.

Venenos usados contra Dengue e outras pragas, podem ser encontrados em urina de crianças!

Informativo, Dr. Júlio Caleiro – NUTRICIONISTA – Publicado em 14-11-13.

Imagem

Venenos usados contra Dengue e outras pragas, podem ser encontrados em urina de crianças, podendo causar vários problemas de saúde, inclusive as doenças neurológicas!

—————————————————————————–

“O estudo em questão testaram amostras de urina de 779 crianças canadenses com idades entre 6-11, e os pais responderam a perguntas relacionadas com o comportamento de seus filhos. Surpreendentemente mesmo nesta idade 97% daquelas crianças tinham produtos de degradação ‘piretróides’ em sua urina, classe de venenos contra insetos. E  91% também tinham vestígios de pesticidas organofosforados.
————————————————
Referências:
1 Organicconnections.com
2 EPA.gov, Pyrethrins and Pyrethroids
3 Scientific American October 31, 2013
4 Environmental Health Perspectives DOI:10.1289/ehp.1306667
5 Environmental Health News February 26, 2010

Deficiência de vitamina D3 no organismo aumenta por volta de 20 vezes o risco em desenvolver Alzheimer, conforme estudo científico.

LettraD

Em 13 de novembro de 2013. Por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423. São Seb. do Paraíso/MG.

Apenas alguns anos atrás, a vitamina D era simplesmente conhecida como a “vitamina para os ossos”. Graças ao trabalho árduo de muitos cientistas, especialmente do médico Dr. Michael Holick, um pioneiro na investigação da vitamina D, os dados mostram que quase todos os tecidos e tipo de célula do corpo tem receptores para a vitamina D. Como resultado desta descoberta, são necessárias doses muito mais altas para o funcionamento ideal. Esta descoberta mudou radicalmente a forma como entendemos o papel da vitamina D no organismo.

A menos que o seu organismo esteja em níveis ideais, isto é, se estiver em deficiência de vitamina D, você está abrindo a porta para uma série de distúrbios, que vão desde doenças do coração e Alzheimer até ossos fracos e diabetes.

Na verdade, mesmo se você tiver açúcar no sangue em níveis normais hoje em dia, uma deficiência de vitamina D, faz 91% maior em probabilidade de progredir para a resistência à insulina, ou pré-diabetes, e mais do que duplica o risco para o diabetes tipo II.

Infelizmente, a deficiência de vitamina D é uma epidemia global. Estima-se que 1 bilhão de pessoas não tem quantidade adequada de vitamina D. Os resultados desta deficiência são catastróficas. Estudos já mostraram que a deficiência de vitamina D está associada com aumeto do risco de uma longa lista de doenças que se estendem por todos os sitemas do corpo. De fato, os baixos níveis da vitamina D aumentam o risco de demência de Alzheimer por aproximadamente 20 (vinte) vezesDement Geriatr Cogn Disord. 2011;32(4):273-8.

Em razão disso, é muito importante que seja feito a checagem dos níveis de vitamina D periodicamente, e que sejam mantidos os níveis de acordo com os estudos mais recentes, isto é, em níveis ótimos.

Referências científicas:

  1. Available at: http://www.sciencenews.org/view/generic/id/64101/description/
    Vitamin_D_is_essential_to_the_modern__indoor_lifestyle
    . Accessed May 21, 2013.
  2. Available at: http://www.scientificamerican.com/article.cfm?id=vitamin-d-deficiency-united-states. Accessed May 21, 2013.
  3. Annweiler C, Llewellyn DJ, Beauchet O. Low serum vitamin D concentrations in Alzheimer’s disease: a systematic review and meta-analysis. J Alzheimers Dis. 2013;33(3):659-74.
  4. Huang Y, Li X, Wang M, et al. Lipoprotein lipase links vitamin D, insulin resistance, and type 2 diabetes: a cross-sectional epidemiological study. Cardiovasc Diabetol. 2013;12:17.
  5. Wacker M, Holick MF. Vitamin D – effects on skeletal and extraskeletal health and the need for supplementation. Nutrients. 2013 Jan 10;5(1):111-48.
  6. Mitchell DM, Henao MP, Finkelstein JS, Burnett-Bowie SA. Prevalence and predictors of vitamin D deficiency in healthy adults. Endocr Pract. 2012 Nov-Dec;18(6):914-23.
  7. Annweiler C, Rolland Y, Schott AM, Blain H, Vellas B, Beauchet O. Serum vitamin D deficiency as a predictor of incident non-Alzheimer dementias: a 7-year longitudinal study.Dement Geriatr Cogn Disord. 2011;32(4):273-8.
  8. lifeextension.com

Você pode estar tomando uma variedade de medicamentos diariamente. Como? Através da água!

INFORMATIVO!

Imagem

Por Júlio Caleiro-  nutricionista

Existem muitas empresas irresponsáveis poluidoras da água independente do país em que vivemos, principalmente aqui no Brasil! Explico; Não existe nenhuma legislação ambiental 100% que consiga abranger tudo, há brechas na lei ou não existe lei para a indústria química em relação a água em determinadas circunstâncias.

Os metais pesados ​​são os mais comuns entre as substâncias tóxicas que chegam através da água e de resíduos industriais, resíduos da exaustão de jatos de combustíveis e uma variedade de outras fontes.  Medicamentos são comumente encontrados na água da torneira, 74% da população dos EUA tomam medicamentos prescritos regularmente. Essas drogas não metabolizam totalmente, e pequenas quantidades são excretadas via fezes e urina e não são removidas durante o processo de tratamento. O problema é que muitos medicamentos não são filtrados através do processo de filtração regular tradicional, que a maioria usam nas residências. Pequenas quantidades de drogas de quimioterapia, pílulas anticoncepcionais, antidepressivos, ansiolíticos, esteroides anabolizantes, TRH ( terapia de reposição hormonal ), medicamentos para o coração etc foram encontrados na água da torneira. Se  já não bastasse o cloro e o flúor! Isso tudo é muito prejudicial à sua saúde!

Mas existe UMA maneira eficaz que podemos driblar este problema!
———————————————————————–

Referências:

-http://www.fertileheart.com/
-Keene, I. 2008, “Natural Fertility Prescription”, Switzerland.

INFORMATIVO – Manteiga de amendoim pode dar o diagnóstico precoce para Doença de Alzheimer!

By; Ed. Dr Júlio Caleiro – NUTRICIONISTA    – CONSULTÓRIO  –  35 3531-8423 – SÃO SEBASTIÃO DO PARAÍSO MG- BR.

Publicado em 05 de Setembro de 2013 – São Sebastião do Paraíso-MG

—————————————————————————-

Assista a matéria abaixo. Clique no Link!

http://www.youtube.com/watch?v=Ls6VE3ZagUI

Imagem

(Dra. Mary Newport) 2013.

————————————————————————

Manteiga de amendoim pode dar o diagnóstico para Doença de Alzheimer!

    No momento, cerca de 5,4 milhões de americanos têm a doença de Alzheimer de acordo com a Associação de  Alzheimer, (USA). Em 2050, esta deverá saltar para 16 milhões e nos próximos 20 anos prevê-se que a doença de  Alzheimer, afetará um em cada quatro norte-americanos, rivalizando com a atual prevalência de obesidade e diabetes.  Uma vez que os tratamentos são poucos e raramente eficazes, o diagnóstico precoce e a prevenção tornam-se ainda  mais importante.  Curiosamente ferramentas simples como uma colher de sopa de manteiga de amendoim, poderia ser usado para confirmar o diagnóstico da doença em seus estágios iniciais. ‘Conforme relatado por ‘Medical News Today’,  Jennifer Stamps um estudante de graduação na Universidade da Flórida (UF ) McKnight Brain Institute Center for Olfato e Paladar e seus colegas, relataram os resultados de um pequeno estudo piloto no ‘Journal of the Neurological ciences’.
Na época, surgiu com a idéia de usar a manteiga de amendoim para testar a sensibilidade de cheiro, enquanto ela estava  trabalhando com o ‘Dr. Kenneth Heilman’, um dos melhores neurologistas comportamentais conhecido do mundo, a partir da ‘UF College of departamento de neurologia’…. A capacidade de cheiro está associado com o primeiro nervo craniano, e é frequentemente uma das primeiras coisas a ser afetada em declínio cognitivo. Ela usou a manteiga de amendoim porque segundo ele é um ” odor puro “, que só é detectado pelo nervo olfativo e é de fácil acesso.
O estudo piloto testou o cheiro em 24 pacientes diagnosticados com transtorno cognitivo leve. Para realizar o teste o paciente foi orientado a fechar os olhos e a boca, e manter uma narina fechada respirando normalmente através do outra.  Usando uma régua  o clínico mediu a distância entre a narina aberta e a manteiga de amendoim, e a marcação da distância a que o doente foi capaz de detectar o odor distinto. Depois de 90 segundos de descanso o procedimento foi repetido com a outra narina. Eles descobriram que os pacientes diagnosticados em fase precoce de Alzheimer (que foi feito por meio de outros ensaios clínicos), experimentaram uma diferença significativa na sua capacidade de detectar o odor entre as duas narinas. De acordo com o relatório destaca-se algumas características:
” A narina esquerda foi prejudicada e não detectou o cheiro, e foi usado uma média de 10 cm mais perto do nariz do que na narina direita, onde já tinha sido testado a detecção do mesmo problema em outros pacientes com doença de Alzheimer.  Isso não constata em pacientes com outros tipos de demência, e estes pacientes possuíam nenhuma diferença na detecção de odor entre narinas ou somente na narina direita.  É claro que é muito cedo para dizer se esse teste pode ser confiável o suficiente para se tornar amplamente utilizado. Mais algumas pesquisas precisam serem feitas, mas já é um passo importante de início. De acordo com o protocolo o teste pode ser utilizado para confirmar o diagnóstico, pois é fácil e barato. A equipe está planejando estudar pacientes com comprometimento cognitivo leve para avaliar se ele pode ajudar a prever um futuro diagnóstico da doença de Alzheimer.

————————————————————————-

Referências:

ARMOUR THYROID a alternativa natural para o tratamento EFICAZ do hipotireoidismo

387381

Em 07 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

Armour Thyroid (extratos de tireoide naturais) é um suplemento que contém extrato de glândula de tireóide suína. Extratos de tireóide naturais tem sido utilizados desde 1892 e aprovado pela Food and Drug Administration (FDA – semelhante a ANVISA no Brasil) desde 1939. E no Brasil, é ainda desconhecido e ignorado no tratamento de hipotireoidismo.

Armour Thyroid é preferida por muitos médicos pois pode conseguir resultados em pacientes que não respondem ao T4 sintético (ex: Puran T4 e Synthroid). Segundo um estudo científico, pacientes com hipotireoidismo mostram mais melhorias no humor e na função do cérebro quando receberam tratamento com Armour Thyroid ao invés de Syntroid (T4 sintético)Altern Med Rev. 2004 Jun;9(2):157-79.

E o que dizem os médicos pesquisadores a respeito?

O médico Dr. David Brownstein, professor clínico de Medicina da Wayne State University School of Medicine diz que:

“Quando é preciso medicação para tratar o hipotireoidismo, eu acredito que o uso regular de extratos da glândula de tireóide dessecadas (ex: Armour Thyroid, Nature-Thyroid ou Westhoid) são opções muito mais efetivas comparadas com o uso de T4. Em minha experiência clínica quando uso a tireóide dessecada [Armour Thyroid] verifico ser um produto superior comparado com as versões sintéticas do hormônio da tireóide, como Syntroid e Levothroid.

(…)

Tireoide dessecada tem T4 (semelhante ao Syntroid) mas também contém o hormônio ativo da tireoide T3 e outros componentes que permitem a conversão do T3 para o local correto no corpo.

(…)

Eu vejo muitos pacientes em minha prática que são diagnosticados com hipotireoidismo por outros médicos que indicaram a levotiroxina sódica como o Syntroid [ou Puran T4]. Embora seus exames de sangue tenham melhorado com o uso de Syntroid, muitos de seus sintomas não melhoraram. Trocando o uso do hormônio da tireóide para a versão de tireóide dessecada (Armour Thyroid) seus sintomas melhoram dramaticamente. Eu acredito que esta melhora ocorre pois o corpo é capaz de converter o hormônio dessecado de tireóide (ex: Armour) para o hormônio ativo de maneira mais eficaz.”

O médico Dr. Joseph Mercola diz:

“Quando se tem baixos níveis de T3, situação típica com uso de hormônios sintéticos, o cérebro não funciona de forma adequada. É importante o uso de uma preparação com T3, porque produz 90% do trabalho da tireóide no corpo. Assim, deve se usar uma combinação de T4 e T3, o que compensa a incapacidade do corpo em converter T4 para T3. O Armour Thyoid é tireóide dessecada que contém tanto T3 como T4.

Um estudo de 1999 publicado em uma das mais prestigiadas revistas médicas do mundo, a New England Journal of Medicine, mostrou que o produto natural, como ARMOUR, era muito melhor em controlar os problemas cerebrais comumente encontrados no hipotireoidismo. Quase todos os médicos de medicina natural tendem a usar o Armour Thyroid.”

Infelizmente, no Brasil este medicamento natural, ainda, não é comercializado. É encontrado, sob prescrição médica, nos EUA.

Assista o trecho de aula do médico Dr. Lair Ribeiro abordando o uso do Armour Thyroid:

Página no facebook: https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas

Referências:

  1. The New England Journal of Medicine 1999;340:424-429, 469-470
  2. Overcoming Thyroid Disorders, Dr. David Brownstein, 2008, p. 54, 55, 59.
  3. Altern Med Rev. 2004 Jun;9(2):157-79.
  4. http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2008/01/02/armour-thyroid.aspx
  5. Mercola.com
  6. Lifeextension.com

Cuba e a Revolução – A exportação de médicos em mais de 60 países e outras informações!

CUBA

Imagem

Ed. Dr. Júlio Caleiro – NUTRICIONISTA

http://globotv.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/v/governo-de-cuba-anuncia-fim-do-sistema-com-duas-moedas/2905615/

Cuba, da Revolução até os dias atuais, e seu Desenvolvimento!

As transformações e a experiência acumuladas desde o triunfo da Revolução em 1959 no âmbito científico, assistencial, de recursos humanos e materiais não ficam circunscritas ao país. Cuba compartilha o que tem, dentro e fora de suas fronteiras, como expressão da essência humanista da Revolução e exemplo da possibilidade de que prevaleça um mundo mais solidário e justo.

São mais de 40 mil os trabalhadores da saúde que prestam seu serviço em 68 países do mundo, em praticamente todos os continentes. Menção especial merecem as ações de colaboração dos médicos cubanos nos programas da Aliança Bolivariana para os povos de nossa América (Alba), particularmente a Operação Milagre para doentes com problemas de visão, que, desde 2004 até hoje, beneficiou mais de dois milhões de pessoas de 34 países de nossa América, considerada por muitos “o maior programa de solidariedade médica da história”; e os estudos para a identificação de doenças genéticas e deficiências, realizados também na Venezuela, na Bolívia, em São Vicente e Granadinas, no Equador e na Nicarágua, que permitem aos governos desses países brindar o atendimento que demandam as pessoas carentes de assistência médica e material.

Esse é o motivo pelo qual, apesar da topografia dos lugares onde se encontram as brigadas médicas cubanas, em geral lugares mais inacessíveis, essas mantêm entre si semelhanças e algumas diferenças, sendo o denominador comum do trabalho de médicos, enfermeiras e técnicos nos lugares onde prestam serviço, certamente, visão social e vocação irrenunciável de lutar para aliviar a dor dos mais necessitados, entrega sem limites e disposição de compartilhar, também, o saber científico com os outros, imersos no rosto triste da pobreza num mundo onde prevalece ainda a injustiça.

HIV – AIDS  E CUBA!

O HIV/ AIDS, apesar de constituir no mundo de hoje uma verdadeira ameaça à continuidade do gênero humano, em Cuba, como resultado da adoção de estratégias temporãs e com um grupo de Governo para a coordenação da resposta nacional à epidemia, conseguiu-se manter uma lenta progressão da doença, com uma prevalência de 0,03 %, catalogada como a mais baixa de América e uma das mais baixas do mundo.
O Sistema de Saúde de Cuba sofreu durante o período 1990-1996 os efeitos restritivos na disponibilidade de recursos pela crise econômica mundial e o desaparecimento da antiga URSS e dos países de Europa socialista, as conseqüências da aplicação de políticas neoliberais em América Latina

Professores, Dentistas e médicos –

Fidel Castro deu educação e saúde ao povo cubano!
Alguns índices de qualidade até melhoraram após a revolução de 1959. Mas a verdade é que Cuba já mandava bem nessas áreas

Os números não mentem: Cuba tem sistemas invejáveis de educação e saúde, com índices de eficiência dignos de país desenvolvido. Quase não há analfabetos na ilha, enquanto o número de professores, médicos e leitos de hospital por habitante é o maior da América Latina. Mas não foi a revolução de Fidel Castro, levada a cabo em 1959, que deu tudo isso ao povo cubano. Embora o regime comunista adore propagandear essas “conquistas”, Cuba já apresentava bons indicadores de desenvolvimento social e humano antes de Fidel chegar ao poder.

A revolução teve efeito positivo sobre alguns desses indicadores. O número de médicos e dentistas, por exemplo, era de 128 para cada 100 mil habitantes em 1957 (3º melhor índice da América Latina). Hoje, é de 680 (1º lugar entre os países latino-americanos). Por outro lado, algumas estatísticas são desfavoráveis para a era Fidel. Exemplo: em 1957, o consumo diário de calorias por cubano era o 3º maior da América Latina. Passadas 5 décadas de regime comunista, Cuba agora está em 11º lugar.

Dinheiro por fora

Não faltam dissidentes ou críticos de Fidel Castro apontando para a suposta falácia da educação e da saúde na ilha. Para eles, os recursos financeiros aplicados nessas duas áreas são insuficientes e tudo funciona muito mais para turistas e caciques políticos que para o cidadão cubano comum.

“O embargo econômico [imposto pelos americanos há quase 50 anos, em 1961] atrapalha, claro, mas é curioso notar como a falta de investimentos não prejudica o atendimento de saúde aos estrangeiros e à elite do Partido Comunista”, diz a antropóloga Katherine Hirschfeld, professora-assistente da Universidade de Oklahoma, nos EUA, e autora de um detalhado estudo sobre a sociedade cubana no final da década de 1990. De acordo com a neurocirurgiã e dissidente política Hilda Molina (que continua vivendo na ilha, embora seja uma das vozes mais afiadas contra o regime cubano), quem paga um dinheiro extra por baixo dos panos recebe atendimento mais rápido e eficiente. Segundo Hilda, existiria até uma tabela de preços informal para serviços que deveriam ser, além de eficientes, gratuitos para todo mundo. Furar a fila de um raio X, por exemplo, custaria entre US$ 50 e US$ 60 — uma pequena fortuna para os padrões de vida em Cuba.

—————————————

Estatísticas –

• SAÚDE
MORTALIDADE INFANTIL (mortos por 1000 nascidos)
1957 – 32 / 1º na América Latina 13º no mundo
HOJE – 5,82 / 1º na América Latina 43º no mundo

O avanço de Cuba foi enorme – redução de 82% na taxa de mortalidade.

• EDUCAÇÃO
ALFABETIZADOS (em % da população)
1957 – 76% / 3º lugar na América Latina
Hoje – 99,8% / 1º lugar na América Latina

INVESTIMENTO NA EDUCAÇÃO (em % do PIB)
1957 – 23% / 1º na América Latina
Hoje – 10% / 1º na América Latina

ANOS NA ESCOLA (em média)
1957 – 9 / 3º na América Latina
Hoje – 20,5 / 1º na América Latina

A escola é obrigatória por 9 anos, mas os cubanos passam muito mais do que isso estudando. Eles tiram notas bem mais altas em exames internacionais que os estudantes de outros países latino-americanos.

MÉDICOS E DENTISTAS (para cada 100 mil habitantes)
1957 – 128 / 3º lugar na América Latina
Hoje – 680 / 1º lugar na América Latina

Nos últimos 50 anos, o país multiplicou por 5 o número de profissionais de saúde. Nos últimos anos, o problema tem sido a exportação dos profissionais mais capacitados para trabalhar no exterior.

———————————————————————-

AGRICULTURA – EXPLORAR OS RECURSOS DA LOCALIDADE
Atualmente a agricultura urbana e suburbana em Cuba constitui um dos sete programas principais do Ministério da Agricultura, explicou para esta Agência o doutor Nelso Companioni, diretor de Agricultura Urbana e Suburbana do Instituto de Pesquisas Fundamentais na Agricultura Tropical (Inifat). “Se noutros países a agricultura urbana é tratada como ação de subsistência, cá é um programa oficial, de caráter popular, onde o objetivo principal é produzir alimentos e cuidar os recursos naturais que têm a ver com essa produção, para o fornecimento local”, ressaltou o especialista.
Recordou que o programa iniciou no fim da década de 80 do passado século, quando se organizou o Movimento Nacional do Organopônicos, tão utilizado no país que foi preciso constituir o Grupo Nacional do Organopônicos. Uma década depois foi criado o Grupo Nacional de Agricultura Urbana e Suburbana em 2009.
Sempre sobre uma base popular e com uso dos recursos das próprias localidades, terras abandonadas e lixos viraram em organopônicos, áreas semi- protegidas e terrenos familiares. O que começou com o propósito de cultivar vegetais, hortaliças e outros, se espalharam até abranger 30 subprogramas, entre eles: frutíferos, bananas, florestais, café e cacau, flores, medicinais, apicultura, sementes, capacitação, avícola e aquicultura.
Segundo Companioni o país conta com um sistema de produção de alimentos que se afasta do uso dos fertilizantes químicos, a partir do uso de abonos orgânicos que ajudam à restituição da fertilidade das terras na obtenção de produtos de alta qualidade e não poluídos.
“Esta é a agricultura do futuro no mundo. Hoje temos um forte movimento agroecológico que nos permite ir deitando fora os insumos industriais que são caros e são fatores de contaminação”, frisou.
FORTE IMPACTO SOCIAL
Hoje este programa se fortalece como fonte de emprego, com forte impacto social, pois centenas de milhares de pessoas encontram nele seu sustento, afirmou Companioni, quem é também secretário executivo do Grupo Nacional de Agricultura Urbana e Suburbana. Nos últimos 10 anos, disse, o programa da agricultura urbana gerou empregos que flutuam entre os 340 mil e 380 mil. Entretanto, disse, a suburbana prognostica finalizar o quinto ano do programa com 143 mil imóveis, modalidades que hoje se potencializam e são localizadas numa área de 10 quilômetros à redonda das capitais provinciais. Quanto às culturas, Companioni mencionou que existem oito mil e 232 hectares nas que se apanham mais de um milhão 52 mil toneladas de vegetais, hortaliças e artigos importantes do programa.
O objetivo- disse- é chegar aos 10 mil hectares e atingir um milhão 200 mil toneladas desses alimentos, visando que cada morador do país consumir 300 gramas diárias, cifra média estabelecida no mundo como a requerida para o melhor desenvolvimento humano.
Tais experiências dos especialistas cubanos são compartilhadas com vários países, no intuito de impulsionar a agricultura familiar ou sustentável em pequena escala, dentre esses países, Venezuela, Uruguai, México e nações das Antilhas Menores, enquanto se desenha um programa para o Haiti.
        O desenvolvimento e consolidação da agricultura urbana e suburbana ao longo desta ilha caribenha foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), que o destaca como um modelo para ser usado no mundo, impactado por eventos climatológicos e a adiada crise econômica e alimentar.
Contudo a ONU nomeou o ano 2014 como Ano da Agricultura Familiar, tema no que, em opinião de Companioni, Cuba pode desempenhar um papel de grande impacto.

——————————————————————————–

Referências:

( OMS, Unesco).

1-http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142011000200008&script=sci_arttext

2-www.scribd.com/doc/…/Sistema-de-saude-em-Cuba
3-www.portalmedico.org.br/revista/…/evolucien.html
4-http://embacu.cubaminrex.cu/Default.aspx?tabid=2214
5-http://blig.ig.com.br/otroglodita/2010/03/24/hospital-mazzorra-cuba-26-assassinados/

6-http://super.abril.com.br/cotidiano/fidel-castro-deu-educacao-saude-ao-povo-cubano-620289.shtml

7-http://convencao2009.blogspot.com.br/2013/08/agricultura-urbana-e-suburbana.html

Dieta da Proteína e seus GRAVES riscos à saúde

dieta

Por Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423.

A famosa dieta da proteína propagada mundialmente pelo Dr. Atkins, e agora também, pelo Dr. Pierre Dukan, tem sido indicada por muitos médicos como a salvação para a perda de peso e emagrecimento rápidos. Regra geral, a dieta retira quase todo carboidrato da alimentação ou o restringe a 10% do total de calorias consumidas.

Mas, o que os estudos científicos tem informado a respeito desta dieta? Uma pesquisa publicada em 26/06/2012 no Journal of American Medical Association, liderada pela Dra. Cara Ebbeling, nutricionista – PhD e professora em pediatria na Havard Medical School e pelo médico PhD, Dr. David Ludwig, pediatra e especialista em endocrinologia em pediatria, concluíram que a dieta Atkins (baixo consumo de carboidratos) causa inflamação e estresse (JAMA, June 27, 2012 DOI: 10.1001/jama.2012.6607). A dieta com baixo consumo de carboidratos aumentou os níveis de cortisol dos participantes, o que pode levar à resistência à insulina e doença cardiovascular. Lembre-se que a principal função da insulina é reduzir a quantidade de açúcar na corrente sanguínea. Devemos, assim, procurarmos ser sensíveis à insulina, e não resistentes a este hormônio. O organismo vindo a apresentar resistência à insulina compensa secretando uma quantidade cada vez maior desta substância. Quais as possíveis conseqüências? Com o tempo, o pâncreas não consegue atender a demanda da necessidade de alta produção de insulina, e inicia o ganho de gordura corporal, com o inevitável ganho de peso, e possível desenvolvimento de uma doença fatal: diabetes tipo 2.

No mesmo estudo, verificaram ainda que esta dieta de baixo consumo de carboidratos aumentou os níveis da proteína C-reativa, sinal de maior risco de doenças cardiovasculares e indicador sério de inflamação silenciosa corporal. Segundo o médico Dr. Mark Hyman, em seu livro Ultrametabolism, diz que:

“Exame de proteína C-reativa ultra-sensível (PCR-us) – esse é o melhor exame para diagnosticar inflamação. Ele mede seu nível geral, embora não aponte sua origem. O motivo mais comum para um índice elevado da proteína C-reativa é a síndrome metabólica, ou a resistência à insulina.”

Diversos estudos tem verificado que um processo de inflamação crônica está diretamente envolvido nas doenças do envelhecimento, incluindo: câncer, demência, acidente vascular cerebral, insuficiência hepática, e ataque cardíaco (ref.: 4-24).

Um estudo mostrou que a inflamação aumenta em cerca de 1.700% o risco de diabetes (JAMA. 18 de julho de 2001; 286(3): 327-334. Am. J. Clin. Nutr. Março de 2002; 75(3): 492-498.)

Os níveis sanguíneos ideais de proteína C-reativa são aqueles abaixo de 0,55mg/L em homens e abaixo de 1,0 mg/L em mulheres (http://www.lef.org/protocols/appendix/blood_testing_02.htm).

Doutor Hiromi Shinya, médico gastroenterologista, Chefe da Unidade de endoscopia do Beth Israel Medical Center e Professor de cirurgia no Albert Einstein College of Medicine – Nova York – EUA, em seu livro “Imunidade Natural”, sobre a dieta de baixo consumo de carboidratos explica que:

“Por outro lado, existem métodos de saúde baseados em dietas que são incorretos – regimes de beleza e métodos alimentares com efeitos perigosos. O denominador comum desses métodos é, em resumo, a idéia de se reduzir a ingestão de carboidratos. O exemplo mais típico é a dieta de Atkins, desenvolvida pelo Dr. Robert Atkins, nos Estados Unidos. Esta dieta, em minha opinião, envolve um alto risco porque induz à oxidação do sangue e leva a uma deterioração do trato intestinal. Uma pessoa pode ser capaz de perder peso temporariamente com uma dieta deste tipo, porém há uma elevada probabilidade de prejuízo à sua saúde. …Em alguns casos, uma doença chamada ceratoacidose, causada pela oxidação do sangue, pode se desenvolver. …Os alimentos de origem animal não possuem fibras alimentares e contém uma alta porcentagem de gordura e calorias, por isso, há risco do desenvolvimento de um sangue denso e da deterioração do trato intestinal. Além disso, por causa do suprimento insuficiente de oxigênio e de nutrientes às células do corpo todo, o metabolismo energético é dificultado, o que conduz ao envelhecimento das células”.

Doutor Wilson Rondó, médico ortomolecular, especializando-se em Terapias Antioxidantes pelo The Robert W. Bradford Institute, nos EUA e no Regenerations Zentrum Dr. Kleanthous Embh (Heideberg) na Alemanha, sobre a dieta de baixo consumo de carboidrato alerta que:

Contrariar a natureza tem seu preço. E os carboidratos são nossa fonte natural de energia. Sua carência causa danos celulares irreversíveis, compromete o funcionamento do cérebro e das células nervosas e estressa a bioquímica do corpo. Outro problema é a indução a um estado permanente da chamada cetose – que deprime o apetite, pode levar à desidratação e favorece a perda de cálcio.

Cria-se um círculo de danos, pois o cálcio vai acidificar o sangue, sobrecarregar os rins e fragilizar o intestino, favorecendo a ação danosa de bactérias. Além disso, há perda de músculos e aumento do ácido úrico na circulação, o que pode causar gota. O maior prejudicado, no entanto, é mesmo o sistema cardiovascular. A gordura consumida leva à sua degeneração e aumenta os níveis de dióxido de carbono no organismo, acelerando o envelhecimento. A melhor forma de emagrecer e manter a boa nutrição é o consumo equilibrado de carboidratos (40 a 50% das refeições), de proteínas 25 a 30% e gorduras boas 25 a 30%. Para controlar a insulina, os carboidratos complexos (de grãos, vegetais, massas integrais) são opções que trazem benefícios crescentes para o sistema imunológico (http://www.drrondo.com/artigo/bem-estar-menos-peso-com-mais-saude-e-energia).

Mas, e qual a solução apontada pelos pesquisadores?

Os autores concluíram que as dietas de baixo índice glicêmico, a qual possui em sua composição 40% de carboidratos do total de calorias ingeridas, apresentaram benefícios semelhantes à dieta de baixo carboidratos (Dr. Atkins/Dr. Dukan), todavia, sem os efeitos negativos mencionados.

É de se observar que este não é o primeiro estudo a respeito, demonstrando malefícios da dieta de baixo consumo de carboidratos. Em outro estudo de 2007, já havia sido verificado que a dieta com baixo consumo de carboidratos pode aumentar a perda óssea, devido ao aumento de ácido no corpo e ingestão insuficiente de minerais alcalinizantes. Além disso, foi encontrada uma porcentagem mais elevada de cálcio na urina daqueles participantes que realizaram a dieta de baixo consumo de carboidratos. Verificou-se ainda, neste mesmo estudo de 2007, um aumento nos níveis do colesterol LDL (mau colesterol), pelos seguidores da dieta Atkins ou de baixo consumo de carboidratos (Arizona State University (2007, December 17). Researchers Nix Low-carb Diet. ScienceDaily).

Um terceiro estudo científico ainda registrou que dieta de consumo baixo de carboidratos afeta NEGATIVAMENTE a memória e aprendizado (habilidades cognitivas), ou seja, afeta a saúde do cérebro (Tufts University (2008, December 15). Low-carb Diets Can Affect Dieters’ Cognition Skills).

Em mais outro estudo científico, verificaram que a dieta cetogênica produziu acidose, aumento dos níveis de colesterol, pedras nos rins, refluxo gastroesofágico – Neurol Neurochir Pol. 45.4 (2011): 370-8.

Segundo o Dr. Hyman, “os carboidratos são os mais importantes alimentos para a função e saúde em longo prazo do cérebro”(http://www.lef.org/magazine/mag2009/mar2009_Mark-Hyman-Healing-Broken-Brain-Syndrome_01.htm). Logo, é indispensável a presença deste componente [principalmente na forma de carboidratos complexos], de modo equilibrado, em uma dieta SAUDÁVEL.

A dieta cetogênica tem aplicações específicas no tratamento de algumas doenças, e deve ser feita com acompanhamento médico ou de nutricionista, e por um tempo determinado.

Faça uma alimentação equilibrada que fortaleça sua saúde, e assim, propicie o emagrecimento saudável.

Página no facebook:https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas

Referências
1. Cara B. Ebbeling et al. Effects of Dietary Composition on Energy Expenditure During Weight-Loss Maintenance.JAMA, June 27, 2012 DOI: 10.1001/jama.2012.6607
2. Imunidade Natural, Dr. Hiromi Shinya, editora Cultrix, 2012, p. 180/183.
3. http://www.sciencedaily.com/releases/2012/06/120626163801.htm
4. Chiu HM, Lin JT, Chen TH, et al. Elevation of C-reactive protein level is associated with synchronous and advanced colorectal neoplasm in men. Am J Gastroenterol. 2008 Sep;103(9):2317-25.
5. Groblewska M, Mroczko B, Wereszczynska-Siemiatkowska U, et al. Serum interleukin 6 (IL-6) and C-reactive protein (CRP) levels in colorectal adenoma and cancer patients. Clin Chem Lab Med. 2008;46(10):1423-8.
6. Caruso C, Lio D, Cavallone L, Franceschi C. Aging, longevity, inflammation, and cancer. Ann NY Acad Sci. 2004 Dec;1028:1-13.
7. Paganelli R, Di IA, Patricelli L, et al. Proinflammatory cytokines in sera of elderly patients with dementia: levels in vascular injury are higher than those of mild-moderate Alzheimer’s disease patients. Exp Gerontol. 2002 Jan;37(2-3):257-63.
8. Zuliani G, Ranzini M, Guerra G, et al. Plasma cytokines profile in older subjects with late onset Alzheimer’s disease or vascular dementia. J Psychiatr Res. 2007 Oct;41(8):686-93.
9. Yaffe K, Kanaya A, Lindquist K, et al. The metabolic syndrome, inflammation, and risk of cognitive decline. JAMA. 2004 Nov 10;292(18):2237-42.
10. Di Napoli M, Papa F, Bocola V. C-reactive protein in ischemic stroke: an independent prognostic factor. Stroke. 2001 Apr;32(4):917-24.
11. Shantikumar S, Grant PJ, Catto AJ, Bamford JM, Carter AM. Elevated C-Reactive Protein and Long-Term Mortality After Ischaemic Stroke. Relationship With Markers of Endothelial Cell and Platelet Activation. Stroke. 2009 Jan 22.
12. Sabatine MS, Morrow DA, Jablonski KA, et al. Prognostic significance of the Centers for Disease Control/American Heart Association high-sensitivity C-reactive protein cut points for cardiovascular and other outcomes in patients with stable coronary artery disease. Circulation. 2007 Mar 27;115(12):1528-36.
13. Boekhoorn SS, Vingerling JR, Witteman JC, Hofman A, de Jong PT. C-reactive protein level and risk of aging macula disorder: The Rotterdam Study. Arch Ophthalmol. 2007 Oct;125(10):1396-401.
14. Seddon JM, Gensler G, Milton RC, Klein ML, Rifai N. Association between C-reactive protein and age-related macular degeneration. JAMA. 2004 Feb 11;291(6):704-10.
15. Joosten LA, Netea MG, Kim SH, et al. IL-32, a proinflammatory cytokine in rheumatoid arthritis. Proc Natl Acad Sci USA. 2006 Feb 28;103(9):3298-303.
16. Mosaad YM, Metwally SS, Auf FA, et al. Proinflammatory cytokines (IL-12 and IL-18) in immune rheumatic diseases: relation with disease activity and autoantibodies production. Egypt J Immunol. 2003;10(2):19-26.
17. Kiecolt-Glaser JK, Preacher KJ, MacCallum RC, et al. Chronic stress and age-related increases in the proinflammatory cytokine IL-6. Proc Natl Acad Sci USA. 2003 Jul 22;100(15):9090-5.
18. Antoniades CG, Berry PA, Wendon JA, Vergani D. The importance of immune dysfunction in determining outcome in acute liver failure. J Hepatol. 2008 Nov;49(5):845-61.
19. Mani AR, Montagnese S, Jackson CD, et al. Decreased heart rate variability in patients with cirrhosis relates to the presence and degree of hepatic encephalopathy. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2009 Feb;296(2):G330-8.
20. Jialal I, Devaraj S. Inflammation and atherosclerosis: the value of the high-sensitivity C-reactive protein assay as a risk marker. Am J Clin Pathol. 2001 Dec;116(Suppl):S108-15.
21. Kuch B, von Scheidt W, Kling B, et al. Differential impact of admission C-reactive protein levels on 28-day mortality risk in patients with ST-elevation versus non-ST-elevation myocardial infarction (from the Monitoring Trends and Determinants on Cardiovascular Diseases [MONICA]/Cooperative Health Research in the Region of Augsburg [KORA] Augsburg Myocardial Infarction Registry). Am J Cardiol. 2008 Nov 1;102(9):1125-30.
22. Jeppesen J, Hansen TW, Olsen MH, et al. C-reactive protein, insulin resistance and risk of cardiovascular disease: a population-based study. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil. 2008 Oct;15(5):594-8.
23. Mach F. Inflammation is a crucial feature of atherosclerosis and a potential target to reduce cardiovascular events. Handb Exp Pharmacol. 2005;(170):697-722.
24. Kanda T. C-reactive protein (CRP) in the cardiovascular system. Rinsho Byori. 2001 Apr;49(4):395-401.
25. http://www.drrondo.com/artigo/bem-estar-menos-peso-com-mais-saude-e-energia
26. lifeextension.com
27. http://www.sciencedaily.com/releases/2012/06/120626163801.htm
28. Ultrametabolism: The Simple Plan for Automatic Weight Loss. Mark Hyman. M.D.
29. https://asunews.asu.edu/20071214_lowcarb
30. Danci et al. Low-carbohydrate weight-loss diets. Effects on cognition and mood. Appetite, 2009; 52 (1): 96 DOI: 10.1016/j.appet.2008.08.009

31. Neurol Neurochir Pol. 2011 Jul-Aug;45(4):370-8.

A Canela potencializa a atividade da insulina em mais de três vezes, segundo estudo científico de Beltsville.

CANELA

Em 05 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório (35) 3531-8423. 

O consumo regular de canela pode promover o metabolismo saudável da glicose. A canela tem sido usada por milhares de anos em sistemas médicos Ayurveda e Greco-européia tradicionais. Um estudo realizado no Departamento de Beltsville Human Nutrition Research Center de Agricultura, verificaram que a cancela minora ou impede a intolerância à glicose e diabetes (J Agric Food Chem. 2004 Jan 14;52(1):65-70.) Além disso, os cientistas da Iowa State University determinaram que a canela regulam a expressão de genes envolvidos na ativação de receptores de insulina na membrana celular, aumentando assim a absorção de glicose e diminuição dos níveis de glicose no sangue (Horm Res. 1998 Sep;50(3):177-82.).

Os estudos em animais, confirmaram o controle de glicose até mesmo em animais que consumiram uma dieta com alto teor de frutose (um açúcar simples), o que sugere que a utilização precoce de canela pode prevenir o desenvolvimento de resistência à insulina em pessoas que consomem açúcar (frutose) abundantemente (Diabetes Res Clin Pract. 2003 Dec;62(3):139-48; Horm Metab Res. 2004 Feb;36(2):119-25).

Devido à incidência de aumento em até quatro vezes de doença cardiovascular em diabéticos tipo II, os investigadores tem procurado nutrientes que podem simultaneamente, aumentar o metabolismo de glicose e os níveis de lipídeos. Num estudo,publicado no Diabetes Care, a canela provou ser um agente com esta dupla ação. Sessenta adultos (30 homens e 30 mulheres) com diabetes tipo II foram divididos em seis grupos. Três grupos consumiram um, três e seis gramas de canela, e outros três grupos doses equivalentes de placebo. Após o período de inicial de 40 dias, todos os três níveis de canela reduziu níveis séricos (jejum) de glicose entre 18 à 29%. A dose de um grama reduziu os níveis de triglicérides em 18%, colesterol LDL em 7%, e o colesterol total em 12%. As doses mais altas de canela as reduções foram ainda maiores de triglicerídeos, LDL e colesterol total (Diabetes Care. 2003 Dec;26(12):3215-8.).

Canela demonstra ser um dos mais poderosos nutrientes disponíveis para melhorar o metabolismo da glicose. Pesquisadores da USDA no centro de Beltsville estudaram 49 ervas, especiarias e extratos de plantas medicinais quanto ao efeito na glicose nas células de glicose em ratos. Eles descobriram que a canela era o produto mais bioativo, seguido de hamamélis, chás verde e preto, e pimenta da Jamaica (J Agric Food Chem. 2000 Mar;48(3):849-52). Um outro estudo descobriu que a canela potencializa a atividade da insulina em mais de três vezes –  Biol Trace Elem Res. 1990 Mar;24(3):183-8).

Sobre mais benefícios da canela, sugiro que assistam a entrevista com a Dra. Eliana Tagaliari, nutricionista:

http://www.youtube.com/watch?v=kN3prMwmcO4

Todas as referências científicas estão citadas no corpo do texto.

Lifeextension.com

Técnicas avançadas para o tratamento de varizes por nutracêuticos, segundo o médico Dr. Ariel Soffer

clv_ilustracc2a6c2baac2a6c3a2o-varizes

Em 04 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423.

Dr. Ariel Soffer, é médico norte-americano, especialista em Cardiologia, é membro do American College of Cardiology, e dedica toda sua carreira relacionados a problemas de circulação, e com anos de experiência no tratamento de uma ampla gama de doenças venosas. Foi nomeado Chefe de Medicina de Hollywood Medical Center e tornou-se o médico oficial e cardiologista do Florida Panthers da NHL 2004-2008. Dr. Soffer foi chefe de Cardiologista da Jackson North Medicam Center (Jackson Health). É um dos primeiros cardiologistas para se tornar proficiente no novo tratamento a laser de varizes, um problema vascular muitas vezes não diagnosticado que assola homens e mulheres de todas as idades.

Abaixo, colho importantes trechos do artigo publicado pelo médico Dr. Ariel Soffer, sobre técnicas avançadas para o tratamento de varizes.

Diz o médico Dr. Ariel Soffer:

“Varizes, de fato, representam um problema no componente vascular do sistema cardiovascular.

O que são varizes? Veias são os vasos sanguíneos encarregados de levar o sangue do corpo para os pulmões e coração. O grande movimento dos músculos das pernas é responsável para bombear o sangue através das veias. Em condições normais, as válvulas nestas veias lutam contra a gravidade e empurram o sangue em direção ao coração. Quando há o mal funcionamento de válvulas, há um recolhimento de sangue nas veias, criando um aumento da pressão e faz a protuberância nas veias. As veias, em seguida, tornam-se enfraquecidas, e ficam torcidas. Para alguns pacientes, as varizes podem levar a graves problemas circulatórios.

As causas das varizes

As varizes tendem a se desenvolver a partir de válvulas defeituosas nas veias, e por paredes enfraquecidas nas veias, que podem causar o inchamento. Algumas pessoas são mais propensas a desenvolver varizes e vasinhos (veias vermelhas ou azuis mais delicadas que podem aparecer na superfície da pele), por causa de características herdadas, o processo de envelhecimento ou alterações hormonais.

Fatores hormonais também podem afetar a doença, e é comum mulheres grávidas desenvolverem varizes no primeiro trimestre. Gravidez provoca um aumento do nível de progesterona e volume de sangue, o que causa o aumento da veia. Além disso, o útero alargado coloca aumento de pressão sobre as veias. Na maioria dos casos de gravidez, as varizes melhoram dentro de três meses após o parto.

As veias varicosas também podem resultar de condições de aumento de pressão sobre as veias das pernas. Estas incluem o envelhecimento, ocupações que envolvem a ficar em pé, obesidade, e ferimentos na pele. Há uma variedade de maneiras de tratar veias varicosas, incluindo abordagens da medicina e nutracêuticos.

Tratamento nutracêuticos para varizes

Uma das abordagens de nutraceuticos mais utilizadas para varizes é o EXTRATO DE SEMENTE DE CASTANHA DE CAVALO (Aesculus Hippocastanum, também chamado de CASTANHA DA ÍNDIA). Este extrato é amplamente utilizado na Europa para insuficiência venosa crônica, uma síndrome que pode incluir varizes, inchaço nas pernas, dor nas pernas, prurido e úlceras de pele.

Insuficiência venosa crônica ocorre quando as veias das pernas são incapazes de bombear sangue de maneira suficiente para o coração, por causa de condições como a elevação da pressão arterial nas pernas, trombose venosa profunda ou flebite.

O extrato de semente de castanha demonstra eficácia impressionante no alivio dos sintomas de insuficiência venosa crônica, reduzindo efetivamente o volume da perna, aliviando a dor nas pernas, melhorando o edema e comichão. O ingrediente ativo das sementes de castanha de cavalo é a substancia química chamada ESCINA, que em estudos clínicos tem sido relatado por aumentar a circulação sanguínea.

Estudos mais recentes indicam que ESCINA (extraído das sementes da castanha de cavalo) também podem possuir propriedades anti-inflamatórias útil na redução do edema, inchaço e hemorróidas. Como aplicação tópica, ESCINA é também popular na Europa para o tratamento de entorses.

Assim ao adquirir extrato de castanha das sementes de castanha de cavalo (ou castanha da índia) é importante verificar a concentração de ESCINA por cada dose.

 Outro agente que apresenta promessa contra varizes é a RUTINA. A flavonóide de origem vegetal, rutina, foi demonstrada para ajudar a aliviar os sintomas de varizes no final da gravidez (as mulheres grávidas devem sempre consultar um médico  antes de consumir suplementos alimentares).

Oferecendo ainda mais o potencial contra varizes são as proantocianidinas. Estes complexos flavonóides são poderosos antioxidantes que se encontram em sementes de uva, e na sua pele, extrato de casca de pinheiro e de outras fontes. Estudos clínicos mostram que as proantocianidinas são eficazes contra a insuficiência venosa crônica e úlceras venosas, sugerindo que podem ser potencialmente úteis contra varizes.

Os resultados preliminares sugerem que a vitamina K2 [MK-7] pode ser promissora na luta contra as varizes, ativando a proteína K2 – dependente crucial para manter saudáveis os vasos sanguíneos.”

Antes de consumir um suplemento alimentar, especialmente em tratamento de saúde, procure orientação de um médico ou de nutricionista aptos a esta terapia da nutrição funcional.

Referências:

1. Bielanski TE, Piotrowski ZH. Horse-chestnut seed extract for chronic venous insufficiency. J Fam Pract. 1999 Mar;48(3):171-2.

2. Diehm C, Trampisch HJ, Lange S, Schmidt C. Comparison of leg compression stocking and oral horse-chestnut seed extract therapy in patients with chronic venous insufficiency. Lancet. 1996 Feb 3;347(8997):292-4.

3. Diehm C, Vollbrecht D, Amendt K, Comberg HU. Medical edema protection—clinical benefit in patients with chronic deep vein incompetence. A placebo controlled double blind study. Vasa. 1992;21(2):188-92.

4. Ernst E. Herbal medications for common ailments in the elderly. Drugs Aging. 1999 Dec;15(6):423-8.

5. Ernst E, Pittler MH, Stevinson C. Complementary/alternative medicine in dermatology: evidence-assessed efficacy of two diseases and two treatments. Am J Clin Dermatol. 2002;3(5):341-8.

6. Ottillinger B, Greeske K. Rational therapy of chronic venous insufficiency–chances and limits of the therapeutic use of horse-chestnut seeds extract. BMC Cardiovasc Disord. 2001;1:5.

7. Pittler MH, Ernst E. Horse chestnut seed extract for chronic venous insufficiency. Cochrane Database Syst Rev. 2006 Jan 25;(1):CD003230.

8. Pittler MH, Ernst E. Horse chestnut seed extract for chronic venous

insufficiency. Cochrane Database Syst Rev. 2002;(1):CD003230.

9. Rehn D, Unkauf M, Klein P, Jost V, Lucker PW. Comparative clinical efficacy and tolerability of oxerutins and horse chestnut extract in patients with chronic venous insufficiency. Arzneimittelforschung. 1996 May;46(5):483-7.

10. Siebert U, Brach M, Sroczynski G, Berla K. Efficacy, routine effectiveness, and safety of horsechestnut seed extract in the treatment of chronic venous insufficiency. A meta-analysis of randomized controlled trials and large observational studies. Int Angiol. 2002 Dec;21(4):305-15.

11. Bassler D, Okpanyi S, Schrodter A, Loew D, Schurer M, Schulz HU. Bioavailability of beta-escin from horse chestnut seed extract: comparative clinical studies of two Galenic formulations. Adv Ther. 2003 Sep-Oct;20(5):295-304.

12. Annoni F, Mauri A, Marincola F, Resele LF. Venotonic activity of escin on the human saphenous vein. Arzneimittelforschung. 1979;29(4):672-5.

13. Sirtori CR. Escin: pharmacology, pharmacokinetics and therapeutic profile. Pharmacol Res. 2001 Sep;44(3):183-93.

14. Guillaume M, Padioleau F. Veinotonic effect, vascular protection, antiinflammatory and free radical scavenging properties of horse chestnut extract. Arzneimittelforschung. 1994 Jan;44(1):25-35.

15. Bamigboye AA, Smyth R. Interventions for varicose veins and leg oedema in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. Cochrane Database Syst Rev. 2007 Jan 24;(1):CD001066.

16. Bamigboye AA, Hofmeyr GJ. Interventions for leg edema and varicosities in pregnancy. What evidence? Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2006 Nov;129(1):3-8.

17. Cesarone MR, Belcaro G, Rohdewald P, et al. Comparison of Pycnogenol and Daflon in treating chronic venous insufficiency: a prospective, controlled study. Clin Appl Thromb Hemost. 2006 Apr;12(2):205-12.

18. Belcaro G, Cesarone MR, Errichi BM, et al. Venous ulcers: microcirculatory improvement and faster healing with local use of Pycnogenol. Angiology. 2005 Nov-Dec;56(6):699-705.

19. Schurgers LJ, Dissel PE, Spronk HM, et al. Role of vitamin K and vitamin K-dependent proteins in vascular calcification. Z Kardiol. 2001;90 Suppl 3:57-63.

20. Cario-Toumaniantz C, Boularan C, Schurgers LJ, et al. Identification of differentially expressed genes in human varicose veins: involvement of matrix gla protein in extracellular matrix remodeling. J Vasc Res. 2007;44(6):444-59.

21. Mantle D, Wilkins RM, Preedy V. A novel therapeutic strategy for Ehlers-Danlos syndrome based on nutritional supplements. Med Hypotheses. 2005;64(2):279-83.

Lifeextension.com

TRATAMENTO DE CANAL PODE SER PERIGOSO À SUA SAÚDE!

Imagem

Assista ao vídeo aqui —> http://www.youtube.com/watch?v=oYbOvx54OOs#t=70

———————————————————————————-
By; Ed Dr. Júlio Caleiro –                                                                            Íntegra – DR. MERCOLA

Você sofre de uma doença degenerativa crônica ?
Bem, isso provavelmente não está muito longe da realidade, a principal causa de sua doença pode estar em sua boca!

Há um procedimento odontológico muito comum que a maioria dos dentistas vão dizer que é seguro, apesar do fato dos cientistas virem alertando sobre os perigos a mais de 100 anos. Todos os dias apenas nos EUA ,  são realizadas 41.000 de tais procedimentos em pacientes que acreditam que eles são seguros.

-Qual é o procedimento dentário? Endodontia e tratamento de canal.

Neste país, realizou mais de 25 milhões de canais radiculares a cada ano.
Os canais radiculares dos dentes são, essencialmente “mortos”, que pode tornar-se incubadoras de silenciosas bactérias anaeróbias altamente tóxicas, que podem sob certas condições alcançar a corrente sanguínea e causar uma série de problemas de saúde muito graves, muitas das quais passaram a existir em décadas mais recentes.
Infelizmente, a grande maioria dos dentistas não estão cientes dos sérios riscos de saúde a que estão expondo seus pacientes, os riscos são para o resto da vida do paciente. A ‘American Dental Association’ afirma que tem sido demonstrado que canais radiculares são seguros, mas não têm qualquer informação publicada e pesquisas para apoiar esta reivindicação.

Felizmente, eu tive alguns mentores como o Dr. ‘Tom Stone e Dr. Douglas Cook’,  na qual fui abordar pessoalmente esta questão. Se não fosse por um dentista brilhante em mais de um século atrás, o ‘tratamento’ de canais radiculares e as doenças associadas, trazendo como causa primordial teria permanecido oculta até agora! O nome deste dentista é Weston Prince, ele foi considerado por muitos como o melhor dentista!

O Melhor Dentista do Mundo!

A maioria dos dentistas estariam fazendo um grande serviço para a saúde pública, se eles estivessem familiarizados com o trabalho do Dr. Weston Price. Infelizmente o seu trabalho continua reprimido e ignorado por muitos profissionais de saúde, médicos e odontólogos.

Dr. Price era um dentista e pesquisador que viajou por todo o mundo para estudar os dentes, ossos e do tipo de alimentação das populações nativas que vivem sem os “benefícios” de alimentação moderna. Até o ano de 1900, os procedimentos de ‘canal’ realizado por ele, estavam causando infecções persistentes nos canais radiculares e então ele começou a suspeitar que sempre acabaria com infecções endodônticas, apesar do tratamento preventivo que fora realizado. Então ele recomendou uma mulher que tinha seis anos de cadeira de rodas retirar o canal, embora parecia estar em “perfeitas” condições.
Ela concordou, e posteriormente ele implantou sob a pele de um coelho. Surpreendentemente o coelho desenvolveu  o mesmo tipo de artrite que a mulher sofreu, e morreu de uma infecção por 10 dias mais tarde. E a mulher ficou livre de dentes tóxicos e imediatamente recuperou da artrite e conseguia andar sem o auxílio de uma bengala.

Price descobriu que é mecanicamente impossível esterilizar um canal da raiz do dente (por exemplo, emplastros).

Em seguida, ele continuou mostrando que muitas doenças crônico-degenerativas resultam da prática da endodontia, as doenças mais comuns foram doenças cardíacas e circulatórias. Na verdade ele descobriu 16 agentes bacterianos diferentes causando essas doenças. Mas havia também uma forte correlação entre os dentes e doenças articulares, cerebrais e nervosas. Dr. Price passou a escrever dois livros revolucionários, em 1922, detalhando sua pesquisa sobre a relação entre doenças bucais e doenças crônicas. Infelizmente, o seu trabalho foi deliberadamente enterrado por 70 anos, até que finalmente um endodontista chamado ‘George Meining’ reconheceu a importância do trabalho do Dr. Price e tentou expor a verdade.

Dr. Meining e o trabalho de melhoria do Dr. Price.

Dr. Meining um nativo de Chicago, era um capitão do Exército dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial, antes de se mudar para Hollywood para se tornar o dentista das ‘estrelas’. Ele se tornou um dos membros fundadores da Associação Americana de Endodontia (especialistas de canal radicular).

Na década de 1990, ele passou 18 meses imerso na investigação do Dr. Price. Em junho de 1993 o Dr. Meining publicou um livro chamado ” Root Canal Cover- up”, que ainda é a melhor referência sobre o assunto até o momento. Você pode encomendar o seu exemplar diretamente do – Pottenger Fundação.

O que dentistas não sabem sobre a anatomia dos seus dentes!

Os dentes são feitos da substâncias mais complicada do corpo. No meio de cada dente existe a câmara pulpar, uma estrutura interna macia que abriga os vasos sanguíneos e os nervos. Em torno da câmara fica a dentina, que é feita de células vivas que segregam uma substância mineral dura. A camada mais externa do dente é o esmalte branco, a dentina delimitadora.
A cada raíz dos dentes acopla a mandíbula e são realizadas pelo ligamento periodontal. Na escola, os dentistas são ensinados que cada dente tem de 1-4 canais principais. No entanto existem canais adicionais, e nunca são mencionados.

Como o corpo que têm grandes vasos sanguíneos que se ramificam em pequenos vasos capilares, cada um de seus dentes tem muitos pequenos túbulos , eles podem se estender a três milhas. ‘Weston Price’ identificou 75 canais adicionais em um único incisivo central (dente da frente). Para uma explicação mais detalhada, consulte o artigo de Huggins , DDS, MS , no site da Fundação Weston A. Price.

Normalmente , os microrganismos microscópicos se movem dentro e em torno destes túbulos, como micróbios em túneis subterrâneos.

Quando o dentista realiza procedimento e um canal de raiz, ele(a) faz um buraco no dente e em seguida preenche essa lacuna com uma substância (chamado guta percha), que corta do dente o fornecimento de sangue, de modo que o líquido já não pode circular através do dente. Mas pequenos túbulos permanecem lá. E bactérias que tiravam sua fonte de alimento se escondem nos túneis, onde eles ficam muito protegidos de antibióticos e as defesas imunes do seu próprio corpo.

Aí começa principal causa de muitas doenças!

Sob o estresse causado pela falta de oxigênio e privação de nutrientes, esses organismos amigáveis ​​transforma em algo mais forte, que produz uma variedade de toxinas poderosas. O que antes eram bactérias comuns e amigáveis, agora se tornam patógenos altamente tóxicos que se escondem nos túbulos do dente morto, apenas esperando por uma oportunidade para se espalhar.
Qualquer número de esterilização que tenha sido eficaz a fim de alcançar estes túbulos,  verificou-se que quase todos os dentes endodonticamente tenha sido colonizado por estas bactérias, especialmente em torno da ponta e do ligamento periodontal. Por vezes, a infecção se estende ao maxilar onde as áreas de tecido necrosado, causando cavitação no osso da mandíbula .

Cavitação são áreas ósseas muitas vezes acompanhados de bolsas infectadas e gangrena dos tecidos. Por vezes formam logo depois da extracção do dente (como extrair os dentes do siso), mas podem também formar depois um canal radicular. De acordo com a ‘Weston Price Foundation’, há registros de 5000 procedimentos de limpeza de cavitação e só encontrei dois (2) que tinham sido curado.

E tudo isso ocorre acompanhado por poucos ou nenhum sintoma. Isso quer dizer você pode ter um abscesso no dente morto e nem sequer sabe. Esta infecção focal na área de endodontia é ruim o suficiente, mas o estrago não para por aí.

A gengivite pode levar infecção ao coração, rins, ossos e cérebro

Enquanto o sistema imunológico permanece forte, todas as bactérias que esteja no dente infectado é capturado e destruído. Mas se o seu sistema imunológico está enfraquecido devido a um acidente, doença ou trauma, seu sistema imunológico pode ser incapaz de manter a infecção sob controle.
Estas bactérias podem sair dos tecidos e vai para a corrente sanguínea, onde são transportados em novos locais. Estes novos locais pode ser qualquer órgão, glândula ou tecido.
Dr. Price foi capaz de transmitir doenças e as abrigou por seres humanos para coelhos, para implementar fragmentos de dentes endodônticos, como já referi em cima. Ele descobriu que quando o coelho recebeu os fragmentos de dentes de uma pessoa que teve um ataque cardíaco, fez com que o coração do coelho tivesse o mesmo problema em algumas semanas.

Ele achou que poderia passar ao coelho doenças cardíacas em 100% . Outras doenças eram mais do que 80% transferível usando este método. Quase todas as doenças crônico-degenerativas têm sido relacionados com endodontia, incluindo:

doença cardíaca
doenças renais
Artrite, doenças reumáticas e articulares
Doenças neurológicas ( incluindo ALS e MS – ESCLEROSE MÚLTIPLA E ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA, ALZHEIMER)
Auto-imune ( lúpus e muito mais)

Poderia também ser uma ligação com o câncer?  Dr. Robert Jones pesquisador da relação entre os canais radiculares e câncer de mama, descobriu uma correlação muito alta entre os canais radiculares e câncer de mama.  Ele diz as seguintes correlações encontradas em um estudo que durou cinco anos, mais de 300 casos de câncer de mama:

Com 93%  das mulheres com câncer de mama tinham sofrido um tratamento de canal.
7 por cento tinham outra patologia dental.
Os tumores, na maior parte dos casos foram do mesmo lado do corpo em que se praticava o “tratamento” de canal radicular ou outra patologia.

Dra. Jones afirma que as toxinas das bactérias em um dente infectado ou mandíbula, são capazes de inibir as proteínas que inibem o desenvolvimento do tumor. Um médico alemão relatou resultados similares. Dr. ‘Josef Issels’ relatou que em seus 40 anos lidando com pacientes com câncer “Terminal” , 97 por cento dos pacientes com câncer tinha sofrido um tratamento de canal. Se esses médicos estão certos a cura para o câncer poderia ser tão simples como extrair um dente, e em seguida reforçar o seu sistema imunológico.

Bactérias boas viram ruins!

Como essas bactérias mutantes orais relacionam à doenças cardíaca ou artrite? A ADA e a EPA afirmam que é um “mito” de que as bactérias encontradas dentro e ao redor de um dente com tratamento de canal, possa causar doenças.  Mas eles baseiam esta afirmação na mesma suposição equivocada de que, as bactérias nesses pacientes e que estão nos dentes, seriam as MESMAS bactérias normalmente encontradas em suas bocas e claramente, NÃO É.

Atualmente as bactérias podem ser identificadas por análise do DNA, sejam elas vivas ou mortas e vestígios de indicadores de DNA.

Como continuação do trabalho do ‘Dr. Price’, a Fundação de Pesquisa de elementos tóxicos ( FRET por sua sigla em Inglês ), sob análise de DNA usado para examinar um dente com tratamento de canal e contaminação bacteriana, foram encontrados em 100 por cento das amostras analisadas as seguintes cepas: Identificado 42 espécies diferentes de bactérias anaeróbicas em 43 amostras. Na cavitação, identificou 67 diferentes bactérias analisadas em 85 amostras, e com amostras individuais abrigavam entre 19 e 53 tipos de bactérias. As bactérias que foram encontrados incluem os seguintes tipos :

– Capnocytophagaochracea
– Fusobacterium nucleatum
– Gemellamor billorum
– Leptotrichia buccalis
– Porphyromonas gingivalis

Estes são apenasbactérias benignas e comum? Claro que não! Quatro destas podem danificar o coração, as 3 iniciais podem danificar os nervos, tanto pode danificar os rins, as duas ultimas podem danificar o cérebro e podem danificar as cavidades nasais … então todos não são amigáveis​​. ( Convido você a rever as referências no rodapé deste texto e confirmar isso).

Encontra-se aproximadamente 400 por cento mais bactérias no sangue em torno do canal da raiz do dente “tratado”, do que é encontrado no mesmo dente não lesionado. Verificou-se que o osso ao redor do dente em questão tem ainda mais bactérias o que não é uma surpresa, já que o osso é um buffet virtual de nutrientes para as bactérias agora.

Nenhum outro procedimento médico  permite deixar uma parte de um corpo morto, dentro de seu corpo. Quando o apêndice morre, é removido. Se você tiver um congelamento ou algum dedo do pé sob grangrena, este é amputado. Se um bebê morre no útero, geralmente o corpo lança um aborto.
Seu sistema imunológico não se preocupa com substâncias mortas e a mera presença de tecido morto pode fazer com que seu sistema imunológico lançe um ataque, o que é outra razão pela qual você deve evitar canais radiculares, e deixando um dente morto dentro da sua boca.

A infecção, bem como a reação de rejeição imunológica provoca mais bactérias e estas se acumulam no tecido morto. Canais radiculares fornece as bactérias a oportunidade de entrar na corrente sangüínea cada vez que você morde.

Porque Dentistas acreditam de que ‘tratamento’ de canais radiculares são seguros?

A ADA rejeita a evidência do Dr. Price, alegando que canais radiculares são seguros mas ainda não foram publicados ou pesquisas reais para apoiar a sua reivindicação! A American Heart Association recomenda uma dose de antibióticos antes do procedimento odontológico de rotina, a fim de prevenir endocardite infecciosa (EI), se você tem problemas de coração que predispõem a esse tipo de infecção.
Assim por um lado, a ADA reconheceu que as bactérias orais podem obter infecção partir de sua boca  ao seu coração e causar infecções fatais.
Mas, ao mesmo tempo a indústria nega veementemente qualquer possibilidade de que essas mesmas cepas de bactérias tóxicas, conhecidas por serem patogênicas aos seres humanos, poderiam se esconder no dente afetado para ser liberado em sua corrente sanguínea cada vez que você mastiga, onde podem causar sérios danos à sua saúde em muitas maneiras diferentes.

Será que isso realmente é um grande salto? Poderia haver uma outra razão pela qual muitos dentistas e ADA e EPA em recusar-se a admitir que os canais radiculares são perigosos ? Bem, sim de fato se houver. A Endodontia é o procedimento odontológico mais rentável!

O que você precisa saber para evitar uma Endodontia

Eu recomendo fortemente que um tratamento de canal não seja praticado! Arriscar a sua saúde para salvar um dente só não faz sentido. Infelizmente muitas pessoas já fizeram um procedimento desses! Se este for o caso, você deve considerar que irá remover o dente mesmo que não se sinta bem. Lembre-se, assim que seu sistema imunológico está comprometido e o risco de desenvolver sérios problemas de saúde aumenta, e os ataques do sistema imune são muito comuns no mundo de hoje.

Se você tem um dente extraído há algumas opções disponíveis para você .

Prótese parcial : É uma prótese removível, que é muitas vezes chamado de “parcial”. É o mais simples e menos dispendioso.
Ponte : Este é um elemento permanente, como um dente real mas é um pouco mais complicado e dispendioso.
Implante : Este é um dente artificial permanente, geralmente titânio implantados nas gengivas e mandíbula . Esse método tem alguns problemas, por causa das reacções aos metais utilizados.  O Zircônio é um novo material que tem sido mostrado ter menos complicações.

Mas a simples remoção do dente e colocar algum tipo de substituto artificial não é suficiente!

Os dentistas são ensinados a removere o dente mas em deixar o ligamento periodontal. Como sabemos este ligamento pode ser usado para alimentar as bactérias mortais. A maioria dos especialistas que estudaram isso recomendam que também deve remover esse ligamento, juntamente com um milímetro de cavidade óssea a fim de reduzir drasticamente o risco de desenvolver uma infecção dos tecidos infectados com bactérias que foram deixadas.

Eu recomendo fortemente que você consulte um dentista biológico, porque eles são os únicos que foram devidamente treinados para fazer esse tipo de extração com ação correta e segura, eles também são especialistas em remoção de obturações de mercúrio, ( amálgamas) se necessário. Sua abordagem para o atendimento odontológico é muito mais holística e considera o impacto sobre todo o seu corpo, não só em sua boca.

Para encontrar um dentista biológico em sua área eu recomendo visitar toxicteeth.org, uma fonte patrocinada por consumidores para a escolha Dental . Esta organização liderada por ‘Charlie Brown’, é uma organização de renome que tem lutado para proteger e educar os consumidores a tomar decisões mais informadas, sobre o seu atendimento odontológico.

 


————————————————————————-
Referências:

[ I] A. Weston Price Foundation

[ Ii ] Preço- Pottenger Foundation

[III ] Weston A. Price Foundation 25 de junho de 2010

[IV] Quantum Câncer de Gestão

[V] Associação Americana de Endodontistas

[ Vi ] Journal of Clinical Microbiology , Fevereiro de 2007

[ vii], Journal of Clinical Microbiology , julho de 2003

[ Viii ] Clinical Infectious Diseases junho 1996

[ Ix ] Science Daily 04 de janeiro de 2011

[X] O dentista rico 12 jul 2011

[ Xi ] ToxicTeeth.org

Fontes: transcrição da entrevista

“A causa mais comum de cistos nos seios ou doença fibrocística da mama é a deficiência de iodo”, diz o médico Dr. David Brownstein.

mama

Em 03 de novembro de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531 8423. São Seb. Paraíso-MG.

Dr. David Brownsteinmédico norte-americano, autor do livro ‘Iodine: Why You Need It, Why You Can’t Live Without It’ (Iodo: por que você precisa e por que não pode viver sem), é graduado pela Universidade de Michigan e Wayne State University School of Medicine. É professor clínico de Medicina da Wayne State University School of Medicine. É membro da Academia de Médicos de Família, da Academia Americana de Medicina Preventiva e da Sociedade de Acupuntura de Michigan e da Academia Americana de Acupuntura Médica.

Sobre o IODO, este médico e professor de medicina ensina que:

 A ligação entre a deficiência de iodo e cistos nos seios tem sido escrito por mais de 70 anos. Sempre que vejo alguém com cistos no tecido glandular, incluindo, tireóide, ovários, útero, seios e próstata, investigo sobre a sua suficiência de iodo. Minha experiência tem demonstrado que a doença de cisto nos seios geralmente não é tão difícil de tratar, uma vez que os níveis de iodo sejam otimizados no paciente. Iodo concentra-se em todo o tecido glandular, incluindo os tecidos mencionados acima. O trabalho principal do iodo é manter a arquitetura normal do tecido glandular. O primeiro sinal da deficiência de iodo é a formação cística no tecido glandular. Se a deficiência de iodo permanece, os cistos tornam-se difíceis e criam nódulos. Ao longo do tempo, o tecido é submetido a hiperplasia glandular. Isto conduz para a última etapa, que a formação de câncer. Esta é a má notícia. A boa notícia é que a suplementação de iodo tem sido demonstrado para impedir essa progressão e, em muitos pacientes, em revertê-la. Raramente, vi a terapia com iodo não conseguir tratar eficazmente a doença fibrocística da mama.”

Referência:

http://blog.drbrownstein.com/iodione-and-fibrocystic-breasts/

DÊ SEMPRE PREFERÊNCIA ÀS HORTALIÇAS, VERDURAS E TOMATES ORGÂNICOS!

Imagem      

By; Dr Júlio Caleiro – NUTRICIONISTA – TEL CONSULTÓRIO – 35- 3558-8423

      Dê sempre preferência aos TOMATES e demais vegetais e frutas, que sejam orgânicos! São mais ricos em nutrientes e sem nenhum agrotóxico. Frutas e vegetais orgânicos contém até 40 por cento mais antioxidantes. Produtos orgânicos apresentaram maiores níveis de minerais benéficos, como ferro, magnésio e zinco. Os químicos agrícolas tais como fertilizantes sintéticos, herbicidas e pesticidas, podem causar uma grande variedade de problemas de saúde, incluindo:

        -Neurotoxicidade
        -Rompimento de seu sistema endócrino
        -Câncer
        -Supressão do sistema imunológico
        -Infertilidade masculina e abortos espontâneos em mulheres

Os tomates são ricos em flavonoides e outros fito-químicos que possuem propriedades anti cancerígenas . Eles são também uma excelente fonte de luteína, zeaxantina,  vitamina C,  maiores concentrações da substância gelatinosa que envolve as sementes, bem como as vitaminas A , E e complexo B,  também minerais como por exemplo: potássio, manganês e fósforo. Outros fito nutrientes menos conhecidos encontrados no tomate incluem:

        Flavonóis : rutina, kaempferol, a quercetina
        Flavononas : naringenina, chalconaringenina
        Hidroxicinâmicos ácidos : ácido cafeico , o ácido ferúlico, ácido cumárico
        Glicosídeos : esculeoside A
        Derivados de ácidos gordos : ácido 9-oxo- octadecadienóico
————————————————
Referências:

1 – PLoS ONE February 20, 2013 8(2): e56354
2 – Journal of Agricultural and Food Chemistry 2003 Feb 26;51(5):1237-41
3 – PLoS ONE 5(9): e12346. doi:10.1371/journal.pone.0012346
4 – The Organic Center, AAAS Session 2009 — “Living Soil, Food Quality and the Future of Food”, February 2009
5 – Neurology October 9, 2012 vol. 79 no. 15 1540-1547
6 – MedlinePlus Supplements: Lycopene
7 – J Agric Food Chem. 2004 Dec 29;52(26):8017-20.
8 – J Agric Food Chem. 2002 May 8;50(10):3010-4.