Início » EVIDÊNCIAS » ‘Enxaquecas’ como enfrentar e tratar de forma eficaz?

‘Enxaquecas’ como enfrentar e tratar de forma eficaz?

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

PARA UMA ‘ORIENTAÇÃO EXPRESSA’ ENVIE EMAIL PARA: juliocaleiro@hotmail.com

Imagem

By Dr. Júlio Caleiro  – Postado dia 23 de Agosto de 2013.

Enxaquecas como enfrentar e tratar de forma eficaz?

—————————————————————————————–
    A enxaqueca é um dos problemas de saúde mais comuns em todo o mundo e mais prevalente do que o diabetes, epilepsia e asma todos juntos.  É também uma das 20 maiores causas de incapacidade entre os adultos. Mais de 37 milhões de americanos sofrem de enxaquecas, quase 5 milhões deles vivendo pelo menos um ataque de enxaqueca por mês. Ao todo, cerca de 13% da população do mundo sofrem com enxaquecas, em maior ou menor grau.  A condição é mais prevalente entre as mulheres, com cerca de 15-18% em todo mundo, em comparação com 6 a 7% dos homens. Cerca de 60% das mulheres afetadas têm enxaqueca menstrual relacionados, ou seja, elas tendem a coincidir com o seu ciclo menstrual.
    Apesar de sua prevalência, a enxaqueca ainda é uma das doenças mais mal compreendidas pelos médicos.
    Além de latejante, “queimante”, que pode ou não, ser unilateral, algumas apresentam “auras” antes do início, enquanto outros não o tem. Também pode haver náuseas, vômitos, febre, calafrios, sudorese, e / ou sensibilidade à luz, som e cheiro. Aqueles que nunca tiveram uma enxaqueca antes pode ficar bastante assustado com os sintomas neurológicos, que podem simular um acidente vascular cerebral, onde você começa a ter perturbações da visão, e até mesmo a perda de curto prazo visual e / “enxergando” manchas ou linhas onduladas, e / ou formigamento no braço ou perna.

Enxaqueca pode estar relacionada com a estrutura do vaso sanguíneo anormal

    Uma teoria de longa data era de que a enxaqueca é causada por alterações vasculares no cérebro, de constrição inicial dos vasos sanguíneos e uma queda no fluxo de sangue, seguido por dilatação e alongamento dos vasos sanguíneos, o que ativa os neurônios de dor sob sinalização.
    Pesquisas mais recentes têm negado essa teoria, no entanto alguns pesquisadores eventualmente determinam que a enxaqueca não são precedidas por constrição e diminuição do fluxo sanguíneo, mas sim por um aumento do fluxo sanguíneo de quase 300%. Apesar disso, a circulação parece normal, ou até mesmo um pouco menor uma vez que o ataque está em pleno andamento.  Mais recentemente, um pequeno estudo observacional descobriu que indivíduos que tem enxaqueca, tendem a ter uma estrutura de vasos sanguíneos diferente em seus cérebros em comparação com aqueles que não tem enxaquecas.
    Três tipos de sujeitos de ensaio foram incluídos no estudo. Dos 170 pacientes, 56 tinham enxaqueca com aura, 61 tinham enxaqueca sem aura, e 53 foram incluídos como controles.
    Usando a angiografia por ressonância magnética, os pesquisadores examinaram a estrutura dos vasos sanguíneos e as mudanças no fluxo sanguíneo cerebral, com foco em um sistema de artérias que fornecem sangue ao cérebro chamado de “círculo de Willis.”  Eles descobriram que um círculo incompleto de ‘Willis’ era significativamente mais comum em pessoas que tem a enxaqueca, com ou sem aura, em comparação com o grupo de controle (73% e 67% versus 51%, respectivamente).  Como resultado, em comparação com aqueles com um círculo completo de Willis os que tiveram um círculo incompleto apresentaram maior assimetria do fluxo sanguíneo cerebral hemisférica. De acordo com um dos autores do estudo, Dr. John Detre, MD, professor de neurologia e radiologia ele diz:

        “Anormalidades em círculo de Willis e o fluxo de sangue eram mais proeminentes na parte de trás do cérebro, onde o córtex visual está localizado. Isso pode ajudar a explicar por que as auras de enxaqueca mais comuns consistem em sintomas visuais, como distorções de visão, manchas ou linhas onduladas “.

Outras hipóteses

    Há outras hipóteses. Por exemplo, uma meta-análise de 29 estudos de associação do genoma recentemente identificadas, 5 regiões genéticas ligadas ao aparecimento da enxaqueca, e outras 12 regiões de susceptibilidade genéticas relacionadas com a enxaqueca. Além disso, eles também descobriram um colossal  de 134 regiões genéticas que aparecem para aumentar a susceptibilidade da enxaqueca.

    Outra estudo publicado este ano sugere que a cauterização, dor latejante que é a sensação de um tipo enxaqueca pode ser devido a hiperatividade da dor e sinalização de neurônios sensoriais no cérebro.
    A terceira hipótese é que a enxaqueca surge como resultado de um distúrbio do sistema nervoso, provavelmente em no cérebro, embora a maioria das regiões do cérebro não registra ou transmiti sinais de dor, uma rede de nervos chamado  ‘sistema nervo trigêmeo’ pode ser a causa. A dor é transmitida através da rede trigeminal para uma área em seu tronco cerebral chamado núcleo trigemial.
    De lá, ela é transmitida para o córtex sensorial no cérebro, que está envolvida na consciência da dor e outros sentidos. O primeiro, ativa os nervos trigêmeo, desencadeando a enxaqueca. No entanto ainda está em debate, mas alguns pesquisadores acreditam que a onda de liberação de neurotransmissores através da córtex, pode estimular diretamente os nervos trigêmeos, desencadeando a reação em cadeia que termina com a transmissão dos sinais de dor. Nenhuma hipótese ainda surgiu para explicar a ocorrência de enxaqueca em todos os doentes. Além dos já mencionados, outras teorias incluem:
        Mudanças na serotonina. Quando os níveis de queda, os vasos sanguíneos incluindo aqueles no cérebro tornam-se inchado e inflamado, o que pode levar a dor da enxaqueca.
        A interrupção das energias sutis que circulam por todo o corpo, juntamente com as questões emocionais não resolvidas que se manifestam em seu corpo, como dores de cabeça.
        A deficiência de vitamina B. Num estudo, os suplementos de vitamina B6, B12 e ácido fólico foram encontrados para produzir uma redução de duas vezes na enxaqueca durante um período de seis meses. Estudos anteriores, como um estudo de 2004 no ‘European Journal of Neurology’, também têm relatado que altas doses de B2 (riboflavina) pode ajudar a prevenir ataques de enxaqueca.

Enxaqueca comum!

    Os fatores ambientais parecem desempenhar um papel importante no desencadeamento de uma crise de enxaqueca. Embora existam muitos gatilhos potenciais e que desencadeia a enxaqueca, a seguir estão alguns dos mais comumente relatados:
    Comida e Bebida: Muitas pessoas experimentam a enxaqueca quando ingerem certos alimentos, especialmente: trigo, laticínios, açúcar, conservantes ou aditivos químicos artificiais, curado ou carnes processadas, bebidas alcoólicas (especialmente o vinho tinto e cerveja), aspartame, cafeína, e MSG. A cafeína também podem desencadear um ataque – e, por vezes alterações e excesso de sono passando do horário de se levantar, e insônia: Ambos, falta de sono e excesso de sono pode desencadear uma enxaqueca.
     Hormônios: Algumas mulheres têm enxaqueca antes ou durante a menstruação, durante a gravidez ou durante a menopausa. Outros podem começar a enxaqueca por medicamentos hormonais, como pílulas anticoncepcionais ou terapia de reposição hormonal.
    Alergias: Incluindo alergias alimentares e sensibilidades alimentares e sensibilidades químicas Estresse / Pós-stress: Qualquer tipo de trauma emocional podem desencadear a enxaqueca, mesmo após o estresse.
    Estímulos externos: Luzes brilhantes, luzes fluorescentes, barulhos e cheiros fortes (mesmo queridos ou agradável) pode desencadear uma enxaqueca.
    Desidratação e / ou fome: Saltar refeições ou em jejum prolongado também são desencadeadores comuns, além esforço físico: exercício extremamente intenso ou mesmo sexo intenso,  foi relacionado por trazer enxaquecas, mudanças climáticas, e / ou mudanças de altitude.

São alergias alimentares causando sua enxaqueca?

    Pesquisando na literatura médica no ‘PubMed.gov’ utilizando os termos de busca “enxaqueca” e “alergias alimentares”  forneceu quase 160 diferentes estudos, deste tipo, então não descarte essa conexão potencial! Um estudo randomizado, ‘duplo cross-over’ publicado em 2010 descobriu que seis semanas de restrição ao longo da dieta produziu uma redução estatisticamente significativa na enxaquecas em pessoas diagnosticadas, com enxaqueca sem aura. Alguns dos melhores alimentos indutores de enxaqueca identificadas incluem:
    Leite de vaca, trigo e glúten (incluindo iogurte e sorvete) alguns cereais, Açúcar de cana
    Levedura de milho, e cerveja.
    Aspartame e MSG – (Glutamato monossódico), presente em muitos produtos de panificação.    

    Eu aconselho evitar tantos alimentos processados ​​quanto possível, pois eles contêm uma variedade de corantes, aromatizantes, conservantes e outros aditivos que possam promover dores de cabeça e enxaquecas, além de outros sintomas de alergia alimentar. Perguntas que podem ajudá-lo a determinar se você pode ou não ter uma sensibilidade ou alergia alimentar:

        Você experimenta inchaço após as refeições, gases, arrotos freqüentes, ou qualquer tipo de problemas digestivos?
        Você tem prisão de ventre crônica ou diarreia?
        Você tem um nariz entupido após as refeições?
        Tem baixo nível de energia ou se sente sonolento depois de comer?

    Se você responder sim a qualquer destas perguntas, você deve investigar mais. Manter um diário alimentar detalhado é o caminho mais fácil para começar a rastrear os alimentos potencialmente indutoras de enxaqueca, procure seu Nutricionista para que possa adequar um cardápio específico. Tenha em mente que a dieta de eliminação e enxaqueca não é o único benefício para a saúde que você pode adquirir, mas também identificar alergias ou sensibilidades. A eliminação de antígenos de alimentos também é fundamental para a saúde do intestino. Tenho escrito muito sobre este tema, como a ciência médica está agora começando a perceber o quão importante o seu intestino é, não apenas para a saúde física e digestiva, a ciência Nutricional ou especificamente os Nutricionistas já o praticam a anos dieta específicas para regularizar as funções complexas do intestino, além disso a saúde emocional e psicológica também são fatores importantes.

    Uma das melhores coisas que você pode fazer se acha que está sofrendo de uma alergia alimentar é fazer um desafio de eliminação. Basta remover todos os alimentos que contêm ou que você acredita que é alérgico e veja se os seus sintomas melhoram ao longo dos próximos dias. Se você não tem uma ideia de quais alimentos você é alérgico, poderá sugerir ao seu médico pedir exames para detectá-los. Tenha em mente que, dependendo da sua frequência de enxaqueca comum, você pode precisar de evitar o alimento suspeito (s) por algumas semanas, afim de avaliar se aquele alimento teve um efeito ou não.

    Para confirmar os resultados, você deverá reintroduzir o alimento ou a bebida (com o estômago vazio). Se o alimento suspeito é o culpado geralmente você vai ser capaz de sentir os sintomas da alergia voltar dentro de uma hora, embora a enxaqueca às vezes pode ter um intervalo de tempo mais longo do que o inchaço ou sonolência.

Cuidado com aspartame e MSG – GLUTAMATO MONOSSÓDICO – PRESENTE NOS PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO!

    Ambos, aspartame e MSG são conhecidos por causar dores de cabeça e provocar a enxaqueca. O aspartame pode também desencadear outro sintoma neurológico, tais como distúrbios visuais e formigamento nas extremidades. Eu realmente diagnostico com facilidade sob consulta nutricional, através de uma anamnese clínica detalhada.
    Um dos principais problemas com aspartame é o metanol  que se forma no corpo. O Metanol age como um cavalo de Tróia, que está sendo realizado em tecidos sensíveis no organismo, como o cérebro, onde uma enzima chamada álcool desidrogenase (ADH) converte em formaldeído. Este por sua vez, pode causar estragos com proteínas sensíveis ao DNA.
    Todos os outros animais têm um mecanismo de proteção que permite o metanol ser decomposto em ácido fórmico inofensivo, mas de acordo com aspartame o especialista ‘Dr. Woodrow Monte’, diz: “… há um grande problema bioquímico com metanol em seres humanos, porque os seres humanos simplesmente não têm esse mecanismo metabólico de proteção…”.  Provavelmente o organismo vai reconhecer de forma sintomática o envenenamento por metanol, que incluem dor de cabeça, enxaqueca latejante, zumbido nos ouvidos, tonturas, náuseas, distúrbios gastrointestinais, fraqueza, vertigem, calafrios, lapsos de memória, dormência e tiro as dores nas extremidades, distúrbios de comportamento, e neurite.

Dieta para alívio da enxaqueca

    Um grande número de pessoas têm se livrado das dores de cabeça pela dieta Paleo, que podem ser resumidas como “qualquer alimento que pode ser comido sem ser processado.” Isso significa que não há grãos, pão ou massa,  é sem leite pasteurizado, mas inclui muitas frutas e vegetais frescos, algumas nozes e óleos, juntamente com pescado selvagem, aves orgânicas e carnes magras alimentados com capim. Eu aplico a dieta Paleo em meu consultório já a alguns anos, com resultados surpreendentes em várias questões de saúde.
    Eu acredito que colocar o ser humano com um retorno à “comida de verdade” é uma das intervenções mais profundas para o século 21. Nós temos estado tão longe dos alimentos que somos projetados a ficarmos doentes por motivos variados. Voltar ao básico e orientar-se à dieta verdadeira de alimentos frescos, inteiros e não transformados, ou seja obter a alimentação “real” pode apresentar melhoras sobre a saúde, independentemente de quais problemas de saúde que você vem enfrentando. Você pode facilmente moldar sua dieta em torno dos princípios da dieta ‘Paleo’, seguindo o meu plano de nutrição aplicado em consulta.

 Dicas naturais para aliviar a enxaqueca

    Prevenção de enxaquecas começa por evitar os gatilhos para esta. Na maioria das vezes, isso significa comer alimentos integrais saudáveis ​​(evitando os mais industrializados) e equilibrar o seu stress de forma eficaz. Seguindo meu plano de alimentação parece reduzir enxaquecas em cerca de 80% segundo relatos. É uma mudança de estilo de vida, não uma solução rápida e fácil. Evitando trigo, grãos, açúcar refinado, gorduras trans-saturadas.

    O exercício regular também pode ajudar a manter a enxaqueca distante, melhorando a sua resposta ao estresse, juntamente com as condições inflamatórias subjacentes que podem desencadear enxaquecas. Idealmente, essas são as coisas poderá focar de modo que possa reduzir as enxaquecas completamente, além de fomentar o uso de no mínimo 2,4 LITROS de água alcalina por dia. Além disso você poderá fazer algumas estratégias alternativas tais como:
    Estimular a capacidade analgésico natural do seu corpo. Ao colocar pressão sobre um nervo apenas sob sua sobrancelha, você pode fazer com que a glândula pituitária libere endorfinas analgésicas imediatamente . Os recém-chegados em consulta no meu consultório eu  utilizo em processo simples que por si só alcançam o alívio de 50% a 80% por cento do tempo e, em muitos casos a redução é completa e permanente.
    Tome um par de colheres de chá de pimenta caiena em um copo de água. As endorfinas são liberadas pelo cérebro quando o ‘Cayenne’ atinge o seu estômago. Outra alternativa é a engolir um bocado de pasta de ‘wasabi’ cheiro verde de maçã. Um estudo descobriu que o cheiro alivia significativamente a dor da enxaqueca. Isso também pode alternar com outros aromas que você gosta, a consulta com um aromaterapeuta pode ser benéfico.
    Quente / Frio compressa: Alternate compressas quentes e frias em sua testa e / ou atrás do pescoço. Massagem nas orelhas, os lóbulos das orelhas, e a “coroa” de sua cabeça – o anel de músculos que circundam sua cabeça é bem proveitoso.
——————————————————————————————
Referências:
    1 The Migraine Trust
    2 Migraine.com
    3 PLoS One 8(7): e71007
    4 Huffington Post July 26, 2013
    5 Nature Genetics 45, 912–917
    6 Huffington Post June 24, 2013
    7 Huffington Post April 22, 2013
    8 Scientific American July 21, 2013
    9 NutraIngredients.com April 2, 2009
    10 European Journal of Neurology 2004 Jul;11(7):475-7
    11 http://www.ncbi.nlm.nih.gov
    12 Cephalalgia 2010 Jul;30(7):829-37
    13 Lancet 1979 May 5;1(8123):966-9
    14 Sun Sentinel June 18, 2013

MERCOLA


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: