Início » 2013 » agosto

Arquivo mensal: agosto 2013

Anúncios

TAURINA auxilia pacientes com EPILEPSIA

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

epilepsia1

Em 29 de agosto de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

Segundo o médico neurologista, com especialização em nutrologia e medicina ortomolecular, Dr. Arnaldo Velloso da Costa, em seu livro “Magnésio: o que ele pode fazer por você”, o aminoácido TAURINA: “constitui quase 50% dos aminoácidos livres nas células do miocárdio e é capaz de exercer um poderoso efeito de recuperação em sérias complicações cardíacas. Regula o fluxo de cálcio e exerce efeito de corrigia arritmias cardíacas e regular a pressão arterial.

Pode ser usada como tratamento auxiliar de hipertensão arterial e de CRISES EPILÉTICAS, inclusive uma forma rara, a EPILEPSIA AUDIOGÊNICA”. (Batuev A. S., Bragina T.A., Aleksandrov A. S., Riabinskaia E. A. “Audiogenic epilepsy: a morphofunctional analysis”. Zh Vyssh Nerv Deiat Im I P Pavlova 1997 Mar-Apr; 47(2) 431-8.)

É evidente que as doses terapêuticas de taurina necessita de um acompanhamento médico ou de nutricionista.

Anúncios

Curcumina alivia a inflamação do cérebro e estimula novas células cerebrais

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

14634169

Em 28 de agosto de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. F: (35) 3531-8423.

PARA UMA ORIENTAÇÃO EXPRESSA – ENVIE EMAILS PARA: juliocaleiro@hotmail.com
———————————–

A curcumina funciona de forma semelhante ao agente anti-depressivo, em que estimula a produção de neurotransmissores, como serotonina e dopamina, as quais são muitas vezes desequilibradas na depressão (Scientific World Journal. 2009 Nov 1;9:1233-41).

Além disso, a curcumina alivia a inflamação do cérebro, e estimula a neurogênese, isto é, a formação de novas células no cérebro (Mol Ther. 2011 Oct;19(10):1769-79.; Brain Res. 2007 Aug 8;1162:9-18.). Essa função da curcumina é, sem dúvida alguma, extremamente importante em diversas doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer, e doenças auto-imunes, Esclerose Múltipla, e ainda, em casos de depressão (Neurosci Lett. 2010 Nov 5;484(3):201-5.; Nature. 2011 Aug 3;476(7361):458-61; Int Immunopharmacol 9.5 (2009): 575-81; Adv Exp Med Biol. 2007;595:425-51; Adv Exp Med Biol. 2007;595:197-212; J Alzheimers Dis. 2006 Sep;10(1):1-7).

Tempos atrás, acreditavam que o cérebro humano não seria capaz de formar novos neurônios na vida adulta. No entanto, novas pesquisas e estudos desde então, tem refutado essa idéia. Os adultos podem desenvolver novos neurônios em uma região do cérebro chamada hipocampo,onde as memórias são armazenadas. Essa renovação de células cerebrais beneficiam a saúde cerebral em diversos aspectos, podendo reverter estados patológicos graves, como algumas mencionadas no parágrafo anterior.

As doses de curcumina para fins terapêuticos (para tratamento e prevenção de doenças) devem ser avaliadas caso a caso, por meio de um rigoroso acompanhamento médico ou de nutricionista apto a esta natureza de terapia.

*As Referências científicas já constam no corpo do texto.

Como é possível um aumento de 4000% no Transtorno Bipolar? Seria realmente Transtorno Bipolar seu diagnóstico?

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

Como é possível um aumento de 4000% no Transtorno Bipolar? Seria realmente Transtorno Bipolar seu diagnóstico?

Imagem

———————————————————–

(fone do consultório: (35) 3531-8423) – Postado em 27 de Agosto de 2013

A desordem bipolar em crianças americanas aumentou 40 vezes ao longo da última década. Mas agora muitos psiquiatras estão afastando o diagnóstico! Muitos temem que milhares de crianças podem ter sido erroneamente diagnosticadas com o transtorno, e sendo tratadas de forma equivocada! Médicos com excesso de zelo, peculiaridades do sistema de seguro de saúde e de marketing por empresas farmacêuticas, contribuíram para a explosão de diagnósticos bipolares.

De acordo com o ‘Star Tribune’

“As pesquisas novas na área da saúde podem ajudar a próxima geração de crianças problemáticas, mas também levantam questões sobre os danos causados às crianças que não deveriam ter recebido o diagnóstico ou os medicamentos potentes usados para tratá-las”.
—————————————————————————-

By Ed. Dr. Júlio Caleiro

Notícia como essa acima, fica muito claro pra mim que a assustadora prática de “rotina” de prescrever medicamentos antipsicóticos potentes para crianças e na maioria dos casos, um golpe mal concebido de origem  da indústria farmacêutica.  Neste caso, uma reação contra os falsos diagnósticos de transtorno bipolar em crianças pode ser uma das melhores coisas que poderiam acontecer.

No entanto não são apenas as crianças problemáticas que não recebem tratamento adequado e eficaz por um verdadeiro diagnóstico, mas as terapias com drogas prescritas estão agravando ainda mais os seus problemas de saúde levando a outros tipos de doenças.

A ascensão surpreendente do diagnóstico bipolar em crianças!

É por isso que as estatísticas podem ser tão importante: O fato de que o número de crianças americanas com diagnóstico de transtorno bipolar aumentaram em 4.000% em apenas um período de 10 anos (1994-2003), nos leva a perceber que algo deve estar errado.
A possibilidade de um aumento tão radical assim e sendo realmente válido é perto de zero! Outro sinal de que a ‘Big Pharma’ está por trás de grande parte desses crescimentos, é o fato de que quatro vezes mais, o número de crianças abrangidas pelo ‘Medicaid’ recebe medicamentos antipsicóticos em comparação à crianças cujos pais têm seguro de saúde privado. Uma das razões para isso é porque pode ser difícil encontrar um psiquiatra no ‘Medicaid’.[Medicaid também chamado de (Assistência Médica) que é um programa em conjunto aos governos federal e estadual dos EUA, que ajuda a pagar os custos médicos de algumas pessoas e famílias que têm renda e recursos limitados].

Como resultado, muitas dessas crianças recebem a medicação de um pediatra ou médico de família, que pode ou não ser totalmente qualificados para fazer uma avaliação psiquiátrica adequada. Tudo o que está acontecendo é por que eles foram informados por representantes farmacêuticos, ou seja os vendedores e isso não se restringe somente ao EUA, mas também no Brasil.  Acontece na maioria dos países norte e sul americanos!
É o vício de medicar por causa dos “custos” embora os “problemas das crianças” vão muito além de dólares e centavos! Por exemplo, de acordo com o Star Tribune, o custo do tratamento de crianças com drogas anti-psicóticas ultrapassa 6 milhões dólares anualmente só no estado de Minnesota sozinho! Imagina no restante do país!

Novo modelo de tratamento está sendo Definido!

Tornou-se bastante evidente que o diagnóstico de transtorno bipolar é muito mal utilizado, e que muitos indivíduos e  crianças estão sendo erroneamente e posteriormente drogados, sem cumprir os critérios para o diagnóstico. Como mencionado no artigo em destaque, este aumento nos diagnósticos errôneos está sendo atribuída a uma combinação de:

Médicos com excesso de zelo ( protecionista).
Pais desesperados
O sistema de seguro (um médico ou hospital não pode faturar sem um código de diagnóstico, o que exige um diagnóstico de algum tipo de doença já estabelecida).
Agressividade de marketing (e às vezes ilegal) por empresas farmacêuticas.

Esses fatores conspiraram para criar o que o ‘Dr. Stephen Setterberg’, psiquiatra infantil chama de, “Modismo de diagnóstico”, e infelizmente esta é um “moda” que tem a capacidade de destruir vidas”.
Uma dificuldade principal aqui é o fato de que os diagnósticos psiquiátricos são mais completamente subjetivos, com base em um conjunto de sintomas comportamentais. No entanto o perfil bipolar encontradas no ‘Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM)’, foi escrito para adultos e não crianças. Os sintomas de (adulto) bipolar incluem longas crises de depressão e mania, delírios, hipersexualidade e outros comportamentos de risco que impactam suas vidas de trabalho e sociais.

De acordo com a Aliança Nacional da Doença Mental (NAMI), cerca de 7% de todas as crianças atendidas em hospitais psiquiátricos se ajustam aos critérios de transtorno bipolar (muito do que se originou a partir do Dr. Biederman em Harvard, cuja influência sobre esta “epidemia” que irei falar posteriormente.

A reação contra o excesso de diagnóstico de transtorno bipolar já levou a profissão psiquiátrica a reconsiderar os critérios diagnósticos. De acordo com o ‘Star Tribune’, um novo diagnóstico será em breve ‘testadas em campo “, que pode substituir o ‘bipolar’ em muitos outros casos. O novo diagnóstico, chamado ‘Transtorno Dysregulation Mood disruptiva’, se aplicaria a essas “crianças de primeiro grau que sofrem ‘explosões emocionais’ frequentes e em mais de um local, e também ficam irritados entre manifestações.”
Acredito firmemente que não vamos obter uma âncora sobre estes problemas de saúde mental, até fazer um esforço concentrado para fazer as terapias com drogas como último recurso. Isso vai exigir uma mente aberta que é raro hoje em dia. E isso vai exigir uma mudança drástica de estilo de vida, na maioria dos casos.

Infelizmente, o diagnóstico de Transtorno de ‘Humor Dysregulation disruptiva’ provavelmente será classificado como um transtorno “afetivo”, o que significa que tem uma origem biológica, e como tal, inevitavelmente, “exige” um tratamento medicamentoso. É muito lamentável mas a medicina convencional ainda luta contra a idéia de que o corpo é capaz de ‘auto-cura’ e bom funcionamento, dado a um ambiente adequado (boa nutrição, exercício e limitada exposição a toxinas).

Os efeitos secundários perigosos de drogas antipsicóticas

As drogas dadas a crianças com diagnóstico de transtorno bipolar são tipicamente:

Lítio
Os anticonvulsivos (por exemplo, os produtos de valproato Depakote ou outros)
Neurolépticos atípicos (por exemplo, a risperidona, a olanzapina, a ziprasidona, o aripiprazol, quetiapina).

Mesmo que os neurolépticos atípicos são aprovados apenas para adultos, a taxa de crianças tratadas com antipsicóticos atípicos estão crescendo dramaticamente mais rápido do que para adultos. Se nem sequer advogam dar às crianças xarope para tosse, Tylenol ou antibióticos, já que estes por si só são altamente prejudiciais quanto mais os antipsicóticos ou eles misturados! Mas quando você está falando de poderosos psicotrópicos que alteram a mente pelas drogas, estamos entrando em uma história completamente diferente, talvez pior que os antibióticos.

Além do risco iminente de morte, outro problema grave e generalizado causada por essas drogas é o ganho de peso excessivo e problemas metabólicos como diabetes. O efeito varia de acordo com drogas, mas as crianças normalmente ganham duas vezes mais peso nos primeiros seis meses sobre esses medicamentos como deveriam, através do crescimento anormal, adicionando uma média de dois a três centímetros à sua cintura. Muito disso é a gordura abdominal, o que também aumenta o risco de diabetes e doenças cardíacas. Adultos geralmente podem perder peso, podendo entrar talvez em desnutrição.

Alguns especialistas afirmam que o ganho de peso e problemas metabólicos causados pelas drogas, torna difícil concluir que os medicamentos realmente melhoram a vida das crianças a longo prazo.

-Efeitos colaterais muitas vezes levam a polifarmácia e Riscos para a Saúde!

Enquanto alguns especialistas acreditam que os benefícios dos antipsicóticos superam os riscos de saúde para aqueles que realmente são bipolares, podem destruir a vida de quem os recebe desnecessariamente o que não são poucos!
Além disso, a prática da prescrição de dois ou mais fármacos em combinação tem um aumento duplo. As crianças podem receber diferentes medicamentos para tratar uma grande quantidade de sintomas físico, mentais e comportamentais. Muitas vezes, as drogas são adicionados com o surgimento de cada novo-sintoma, sintomas que são interpretados como sinais de um problema de piora ou adicional. No entanto, muitos deles podem ser realmente efeitos secundários da droga em si.

Dr. Carrie Borchardt, um psiquiatra infantil com hospitais infantis e Clínicas de Minnesota estados do artigo em destaque:

“Um número significativo dessas crianças, se você retirar a medicação o  problema e os sintomas desaparecem … e então eles então não serão bipolares, o que na verdade só tinham um problema induzido pela medicação.”

A influência indevida de empresas farmacêuticas no diagnósticos psiquiátricos!

O ‘Dr. Joseph Biederman’, da ‘Harvard Medical School’ é um psiquiatra infantil de renome mundial, cujo trabalho ajudou a impulsionar a explosão do uso de drogas antipsicóticas em crianças. Entre 2000 e 2007, ele ganhou pelo menos US $ 1,6 milhão em taxas de consultoria de fabricantes de medicamentos. No entanto, ele não relatou que uma grande parcela desta renda  era para funcionários da universidade.
O Dr. Biederman e outros pesquisadores podem ter violado regras de pesquisa federais e universitários destinados a policiar os potenciais, e conflitos de interesse. Seus arranjos de consultoria com os fabricantes de medicamentos também eram controversos por causa de sua defesa de usos não aprovados de medicamentos psiquiátricos em crianças. Mas pode ser ainda pior do que isso. De acordo com o ‘Star Tribune’:

“Os documentos produzidos em processos judiciais do Estado contra as empresas farmacêuticas, sugeriram que ele prometeu um estudo positivo – antes de fazer a pesquisa a ‘Johnson & Johnson’, em relação ao uso de seu antipsicótico Risperidal (risperidona), em crianças pré-escolares.” [Grifo meu]

Na última década, o Dr. Biederman e seus colegas promoviam diagnóstico agressivo e tratamento medicamentoso do transtorno bipolar na infância, afirmando que “foi diagnosticado ainda quando crianças e é tratável com drogas assim”. Eu diria que eles tiveram sucesso em sua missão, considerando-se que houve um aumento de 40 vezes no diagnóstico bipolar. Mas a ética questionável do Dr. Biederman só reforça minha suspeita de que esse aumento no diagnóstico decorre mais da ganância que qualquer aumento real no transtorno bipolar na infância.

As drogas não são a resposta aos problemas comportamentais das crianças! E quais seriam então?

Eu percebo que muitos pais decidem colocar seus filhos em uma droga psicotrópica, pois eles acreditam que irá ajudá-los e que eles não teriam outra escolha. De maneira nenhuma! Posso subestimar os desafios que muitos pais passam, ou o tormento que tantas crianças sofrem com problemas emocionais. No entanto, até mesmo os especialistas não conseguem chegar ao acordo sobre a maneira correta de diagnosticar crianças com transtorno bipolar e outros transtornos mentais, o que significa que as chances da criança ser diagnosticada e, posteriormente prejudicada por essas drogas potentes são elevados.

Infelizmente, a questão é ainda mais complicada pelo fato de que pode haver também extrema pressão para dar a seus filhos prescrição de drogas. Em alguns casos, os pais ainda foram acusados de abuso infantil quando eles resistem a drogar seus filhos, e os pais que tentam resistir a esta loucura em suas próprias casas, pode até ter seus filhos retirados pela “justiça”.

Então, pode ser bastante complicado e não há respostas duras e rápidas que serão aplicadas em cada caso.

No entanto, eu sinceramente acredito que o que estamos vendo em muitas dessas crianças “problemáticos” são os efeitos da nutrição inadequada ou deficiente, combinados com toxicidade das fontes de que são inúmeras, hoje, a partir de campos eletromagnéticos para aditivos alimentares e vacinas excessiva, só para citar alguns. Dr. Mercola diz: “..Eu tratei de muitas centenas de crianças com níveis de problemas comportamentais e distúrbios diferentes e tenho visto constantemente melhorarem, uma vez que os efeitos tóxicos subjacentes e as mudanças alimentares foram abordados”.

Assim aos pais, eu acredito que há esperança!

Corrigindo problemas comportamentais sem drogas

Problemas comportamentais em crianças, incluindo o que pode parecer ser sério transtornos mentais, são muito frequentemente relacionada à dieta inadequada, distúrbios emocionais e exposição a toxinas. A maioria das pessoas não conseguem perceber que seu intestino é literalmente o seu segundo cérebro, e realmente tem a capacidade de influenciar significativamente a sua mente, humor e comportamento. Portanto, é lógico que o apoio a saúde do intestino é extremamente importante quando você está tentando resolver qualquer tipo de transtorno mental ou de humor.
Dr. Mercola diz: “..Um dos melhores livros que já li sobre este assunto é ” Síndrome de Psicologia” pela Dra. Natasha Campbell-McBride. Recentemente entrevistei sobre este tema e recomendo fortemente o livro ser leitura obrigatória para qualquer pessoa interessada neste tema, como eu nunca vi uma melhor descrição do problema, e mais importante, estratégias globais para corrigi-lo”.

Aqui estão algumas orientações adicionais para ajudá-lo a responder a estas toxinas subjacentes em seu filho, antes mesmo de você recorrer às drogas:

Limitar ou eliminar a frutose da dieta do seu filho como açúcar / frutose tem sido associada a problemas de saúde mental, como depressão e esquizofrenia.
Evite dar ao seu filho todos os alimentos processados, especialmente aqueles que contêm corantes, aromatizantes e conservantes. Isso inclui carnes vermelha principalmente e cachorros-quentes, que são alimentos básicos comuns em muitos lares.
Substitua refrigerantes, sucos de frutas e leite pasteurizado com água pura. Estes tem uma enorme  quantidade de tóxicos desde o xarope de milho de alto nível de frutose a qual é a principal fonte de calorias em crianças, inclusive para adultos.
Eliminando os açúcares e alimentos processados, também é fundamental suplementar seu filho está com grandes doses regulares de bactérias saudáveis,  com alta qualidade de alimentação sob fermentação, alimentos orgânicos e / ou suplementos probióticos de alta qualidade. O Dr. Júlio Caleiro explica em consulta!
Dê a sua criança alta qualidade, de gorduras omega-3 animal e óleo de krill. Além disso, certifique-se de equilibrar a ingestão de seu filho de ômega-3 e ômega-6 balanceando as duas,  limitando simultaneamente o consumo de óleos vegetais. O Dr. Júlio Caleiro prescreve em consulta.
Incluir o maior número de alimentos orgânicos inteiros, possível na dieta do seu filho tanto para reduzir a exposição a substâncias químicas e aumentar o teor de nutrientes de cada refeição.
Também reduzir ou eliminar os grãos da dieta do seu filho. Sim, mesmo saudáveis grãos integrais orgânicos podem causar problemas como eles também se dividem em açúcares.

Além disso, o trigo, em particular contém altas quantidades de aglutinina de gérmen de trigo (WGA), que podem ter efeitos adversos sobre a saúde mental, devido às suas ações neurotóxicas. Trigo também inibe a produção de serotonina. Neurotransmissores como a serotonina pode ser encontrada não apenas em seu cérebro, mas a maior concentração de serotonina, está envolvido no controle do humor, depressão e agressividade é realmente encontrado em seus intestinos, e não o cérebro. Tente eliminá-los primeiro para 1-2 semanas e veja como se sentirá a melhoreia é radical e surpreendente no seu comportamento ou do seu filho. O Dr. Júlio Caleiro, aplica a dieta fundamentada neste sentindo!
Evite adoçantes artificiais de todos os tipos.
Certifique-se que seu filho divirta-se através de exercícios e brincadeiras ao ar livre. O Adulto também.
Colocá-los no sol para ajudar a manter os níveis ideais de vitamina D, portanto sem as roupas. Os cientistas agora estão começando a perceber a vitamina D está envolvida na manutenção da saúde do seu cérebro, pois descobriu-se recentemente receptores de vitamina D no cérebro, medula espinhal e sistema nervoso central. Há ainda evidências que indicam a vitamina D melhora o processo de desintoxicação do seu cérebro. Para as crianças e mulheres grávidas, recebendo quantidade suficiente de vitamina D é especialmente importante, já que pode desempenhar um papel importante em proteger o cérebro dos bebês de autismo; um verdadeiro remédio para doenças mentais e NEUROLÓGICAS!
Se a exposição ao sol natural não é possível, por qualquer motivo, você pode usar uma cama de bronzeamento seguro ou um suplemento oral de vitamina D3 que o Dr. Júlio Caleiro aplica também em consulta com acompanhamento de exames laboratoriais.
Dê ao seu filho uma forma de abordar as suas emoções. Mesmo as crianças podem se beneficiar da Emotional Freedom Technique (EFT), que você ou um praticante de EFT pode ensiná-los a usar.
Evitar a exposição a metais tóxicos e químicos, substituindo produtos de higiene pessoal, detergentes e produtos de limpeza com todas as variedades naturais. Metais como alumínio, cádmio, chumbo e mercúrio são comumente encontrados em milhares de diferentes produtos alimentares, produtos domésticos, produtos pessoais e um número incontável de produtos industriais e produtos químicos. A presença de metais tóxicos no corpo de seu filho é muito importante por que eles são capazes de causar sérios problemas de saúde, por interferir com o funcionamento biológico normal. Os efeitos sobre a saúde vão desde doenças físicas menores para crônica
———————————————
Referências:

Star Tribune June 23, 2011
The Washington Post March 12, 2012
1 The Washington Post March 12, 2012
2 FDA Atypical Antipsychotic Drugs Information
3 60-Minutes February 11, 2009
4 Citizens Commission on Human Rights International, Pharma-Funded Psychiatrists Behind Bogus Child ‘Bi-Polar’ Epidemic, July 21, 2011
5 The New York Times March 19, 2009
6 MedTV, Abilify side effects
7 US Department of Justice Press Release, January 15, 2009

Evite as estatinas: novos estudos mostram que colesterol não faz nenhum mal!

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

estatina-670xXx80

Em 26 de agosto de 2013, por Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone (35) 3531-8423.

Se você tem níveis elevados de colesterol, você deve fazer uso de estatina? Esse é o mantra promovido pela medicina convencional. De fato, as estatinas tem se tornado a classe mais rentável de medicamentos vendidos pela grande indústria farmacêutica. Tenho visto inúmeros pacientes relatando que seus médicos alegam que se não tomarem estatina, eles estarão se colocando em risco de ataque cardíaco. No entanto, não é isso que a pesquisa encontrou. O médico Dr. David Brownstein informa:

“Você sabia que:
1. Não há nenhuma indicação para tomar uma estatina, se você não teve um evento cardíaco.
2. Se você for homem e teve um evento cardíaco, o melhor que as estatinas pode prometer é uma redução aproximada de apenas 1 à 5% na prevenção de ataques cardíacos não-fatais.
3. As estatinas nunca foi provada para prolongar a vida
4. Nas mulheres não há estudos sólidos que demonstram que a estatina é benéfica para qualquer finalidade.”
The Cochrane Collaboration, um grupo independente que não está associado à Grande Indústria Farmacêutica, declarou que: as estatinas não tem um benefício a saúde comprovada em populações de prevenção primária, quando usado nessas circunstâncias não representam uma boa solução nos recursos escassos de saúde” – Therapeutics Letter 77/ March-April 2010.

Um recente estudo de 2013, descobriu que níveis ELEVADOS de colesterol e níveis de LDL em indivíduos com mais de 50 anos foi associado com REDUÇÃO de mortalidade por todas as causas. Comparando dois grupos, um com colesterol abaixo de 190 mg/dl, com idade de 60-70 anos, e outro com colesterol a partir de 190 à 230 mg/dl, este último com nível maior de colesterol apresentou uma REDUÇÃO de 32% na taxa de mortalidade. Aqueles com um nível de colesterol a partir de 230 à 308 mg/dL teve uma taxa de mortalidade REDUZIDA em 33%. Para indivíduos do sexo masculino com colesterol acima de 308 mg/dL, houve um INSIGNIFICANTE aumento de 2% (dois por cento) de risco de mortalidade por qualquer causa.

As mulheres se saíram melhor. Vejamos os resultados:

Em comparação com aqueles com colesterol inferior a 190 mg/dL, as mulheres com com colesterol de 190 à 308 mg/DL tiveram uma REDUÇÃO de 41 à 43% em todas as causas de mortalidade. Da mesma forma que os homens, os níveis de colesterol acima de 308 mg/dL teve um aumento insignificante de 2% em todas as causas de mortalidade (Scandinavian J. of Primary Health Care. 2013;31:172-80).

O médico norte americano Dr. David Brownstein, comentando esse estudo diz:

“Gente, estudo não é nada novo. Baixos níveis de colesterol estão associados com um risco maior de câncer, distúrbios neurológicos e distúrbios musculares. Há muitos estudos que mostram aumento da longevidade em idosos (acima de 59 anos) em quem tem níveis elevados de colesterol. Tenha em mente que o colesterol é necessário para todas as células do corpo a funcionar de forma otimizada. Eu disse em meu livro “Drugs that Don’t Work and Natural Therapies That Do”: você não pode bloquear uma enzima crucial e esperar um bom resultado em longo prazo”. Estatinas bloqueiam a enzima crucial para o corpo HMG-CoA redutase. O resultado deste bloqueio é desastroso, a conseqüência química é a redução do colesterol associado com distúrbios dos sistemas neurológicos e musculares. Marque minhas palavras: o uso generalizado de estatinas será visto como um grande erro na medicina.

Dr. Lair Ribeiro, médico PhD – cardiologista e nutrólogo, lecionando para outros médicos sobre esse assunto diz que:

* Este texto tem como fonte o artigo do médico Dr. David Brownstein, disponível no link:
http://blog.drbrownstein.com/another-nail-in-the-statin-coffin/

Referências:
(1) Therapeutics Letter 77/ March-April 2010
(2) Scandinavian J. of Primary Health Care. 2013;31:172-80

Mamografia pode danificar 10 vezes mais mulheres do que ajudar! PARTE 2

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

PARA UMA “ORIENTAÇÃO EXPRESSA” ENVIA EMAIL PARA: julio caleiro@hotmail.com

Imagem

By; Ed. Dr. Júlio Caleiro

Quase dois milhões de americanos são diagnosticados com câncer a cada ano, e um em cada três irá enfrentar um diagnóstico de câncer em algum momento de suas vidas. No entanto, apesar dos enormes avanços tecnológicos ao longo do último meio século, a medicina ocidental ainda está totalmente perdida para saber como controlar sua prevalência.    Neste momento, está se tornando cada vez mais claro que muitas das estratégias convencionais, do diagnóstico ao tratamento estão cheias de suposições erradas e abordagens que em muitos casos, faz mais mal do que bem.  O que é pior, praticamente nenhuma das estratégias convencionais de fato resolve a raiz do problema.

O Câncer deve ser redefinido?

A ‘NPR’ recentemente entrevistou o Dr. Otis Brawley, diretor médico da ‘American Cancer Society’ sobre a sugestão do ‘Instituto Nacional do Câncer- USA’ para mudar a definição de “câncer.” A razão para isso é porque as publicações de pesquisas mostram que muitos tumores inofensivos estão sendo um tratados como ofensivos, assim causando muito mais mal do que bem.

Conforme relatado por NPR

“Nenhum tratamento é necessário para a maioria dos cânceres, e é por isso que o Instituto Nacional do Câncer recomendou recentemente que a definição de câncer deve ser mudado … Sua nova definição de câncer seria mais estreito do que os padrões atuais”.  O Instituto espera que se manter a palavra ‘câncer’ para alguns diagnósticos iria minimizar tratamentos desnecessários e ajudar na ansiedade e depressão que o paciente adquire.’… Essencialmente, o que tem acontecido é que as nossas tecnologias ficaram tão boas que podemos encontrar alguns “cânceres”, ou coisas que se parecem com câncer, que sabemos agora se deixados sozinhos nunca iria crescer, se espalhar e prejudicar o paciente, tanto no que tange à ser “benigno ou maligno”. Então, nós estamos realmente a tratar algumas lesões que somente parecem câncer, e atuamos desnecessariamente, «[Dr. Brawley diz.]. ‘O que estamos tentando fazer é poupar algumas pessoas aos danos associados com o tratamento DESNECESSÁRIO … ”

De acordo com o Dr. Brawley, estratégias sobre o câncer começaram a mudar como resultado de novas informações. “Por exemplo, cerca de 50-60% dos casos de câncer de próstata provavelmente seria melhor estar sendo observado em vez de tratado. O mesmo vale para o câncer de tireoide e pulmão, onde 20-30% e cerca de 10%, respectivamente devem ser observados ao invés de “tratado”! No caso do câncer de mama, cerca de um terço das mulheres atualmente diagnosticadas com câncer de mama têm tumores inofensivos que não representam ameaça à sua vida.     Conforme descrito pelo ‘New York Times’ escritor Peggy Orenstein.
———————————————-
“…O Câncer de mama não irá matá-la, a doença torna-se mortal quando há metástase espalhando-se para outros órgãos ou os ossos. A detecção precoce é baseado nesta teoria ainda, que remonta ao final do século 19″.  Assim a doença progride de forma consistente a partir de uma única célula, crescendo sequencialmente e em algum ponto invariável até dar um salto mortal. A estratégia é curá-la e em seguida assumir uma forma de encontrar e impedir o desenvolvimento de um tumor, antes que a metástase aconteça. O problema é que não havia provas de que o tamanho de um tumor necessariamente previsse se iria espalhar ou não”;  Um texto extraído de: ‘Robert Aronowitz’, professor de história e sociologia da ciência na Universidade da Pensilvânia e autor de “Unnatural History: “Câncer de mama e da American Society’. “..Médicos endossaram essa ideia de qualquer maneira, em parte por um desejo desesperado de “fazer algo” às pessoas, em parar um flagelo contra o qual se sentiam desamparados e impotentes”.

Apesar dos casos de câncer que são detectados, as taxas de mortalidade permanecem estáveis! A mamografia foi anunciada como a resposta real, e que poderia detectar tumores numa fase muito mais cedo, e assim as mamografias anuais tornaram-se a norma nos EUA e no mundo, porém mais casos de câncer foram detectados na verdade, mesmo que as taxas de mulheres que morrem da doença mantém-se praticamente inalterada. Como Orenstein ressalta, “que deveria ter sido um sinal positivo de que algum aspecto sob tal teoria de ‘detecção precoce’ e diminuição de mortes estatisticamente provadas, mas não, as taxas continuam as mesmas”. Em vez disso, suposições erradas foram flagradas em teorias erradas, e o pensamento geral que permaneceu na detecção do câncer ‘precoce’, ainda continua sendo usada ‘para salvar vidas’.
Assim, muito do foco sobre o câncer e “prevenção” tem sido desviado para detecção precoce,  ignorando uma pergunta  óbvia, que seria: Como podemos evitar a formação de tumores letais em primeiro lugar?
Para todas essas falhas, pesquisas sobreo câncer determinam que a doença é mais complexa do que se pensava anteriormente. Por exemplo: o câncer não necessariamente progride de uma maneira consistente e uniforme. Eles descobriram também que há uma série de tipos geneticamente distintos de câncer de mama, cada um dos quais podem ter diferentes disparadores e respondem de forma diferente aos tratamentos atuais. Estas incluem:

Estrogênio-dependente luminal A e luminal B
HER2-positivo, que produz uma proteína chamada ‘receptor do fator de crescimento epidérmico humano’
Basal-like ou “triplo negativo”, que é a forma mais agressiva de câncer de mama. Seu crescimento não está relacionado com os biomarcadores mais comuns para o câncer de mama (estrogênio, progesterona e HER2), daí a designação de “triplo negativo”.

Análise de 30 Anos de Triagem de câncer de mama Mostram Mamografias faz mais mal do que bem!

No ano passado, o ‘New England Journal of Medicine’  publicou uma análise dos efeitos de rastreio do câncer de mama  nos EUA ao longo dos últimos 30 anos, que constatou que 1,3 milhões de mulheres foram diagnosticadas e tratadas como resultado de exames regulares de mamografias durante esse período de tempo. Além disso, enquanto a detecção de câncer de mama em estágio inicial dobrou desde o advento da mamografia, a incidência de câncer em estágio avançado diminuiu apenas 8% no mesmo período de tempo, sugerindo que a captura e tratamento de tumores mais cedo não elimina automaticamente os casos “mais graves” de câncer de mama.

De acordo com os autores do estudo:

“… O desequilíbrio sugere que há um ‘overdiagnosis’, respondendo por quase um terço de todos os cânceres de mama diagnosticados, e que a triagem é ter na melhor das hipóteses, apenas um pequeno efeito sobre a taxa de morte por câncer de mama.” Como você pode ver, há uma diferença crucial entre as lesões não-malignas / tumores e câncer invasivo. No entanto, no momento é feito pouca diferença entre os dois. Ou é normalmente entregue e recebido como uma sentença de morte! É isso que o ‘Instituto Nacional do Câncer’ propõe uma redesignação de “câncer”.  Eu, pelo menos acredito que pode ser bastante útil! No momento, cerca de 50 mil mulheres americanas são transformados de mulheres saudáveis ​​com lesões não-letais, “sobreviventes” desta  teoria e pensamento científico errado’ que sobreviverão a um encontro com a morte, tiveram que atravessar um ‘Inferno’, sem motivos.

O que essas estatísticas esmagadoras nos mostram é que: não é por que você foi submetido ao um tratamento para o câncer que significa que você tinha um, ou até mesmo uma “sobrevivente do câncer” realmente, O SLOGAN da industria farmacêutica!  Na verdade, se você realmente não tinha câncer e teve um suposto diagnóstico, então você seria realmente apenas uma (“sobrevivente do ‘TRATAMENTO’ do câncer”) e não do próprio em si, meramente um jogo de estatística e marketing. “No entanto todas as mulheres tratadas de câncer que sobrevivem tornam-se parte do tal ‘slogan comercial’, “sobrevivente de câncer”,  estatística esta que é então utilizada para justificar a eficácia do atual sistema de diagnóstico e tratamentos, mesmo que este seja totalmente ultrapassado segundo os estudos atuais!

Mais cuidadosamente a distinção entre nódulos inofensivos e tumores malignos que percorre a um longo caminho, e causa um trauma emocional e físico desnecessário associado com excesso de diagnóstico e tratamento excessivo. Provavelmente, seria também viável ajudar a determinar a eficácia real de vários tratamentos para outros cânceres.

As mulheres precisam se informar melhor!

O dilema agora está em convencer um público petrificado e ignorante, completamente saturado com a “consciência” das consequências letais de câncer, que pode ser de seu interesse a abandonar alguns dos testes de diagnósticos e tratamentos. Este é provável que seja um desafio, porque poucos se atrevem a tomar uma rota menos agressiva quando sua vida pode estar em jogo. Como afirmado por Dr. ‘Orenstein’:
“…Ter medo do câncer é legítimo: como gerimos esse medo, eu percebi que as nossas respostas a ele, nossas emoções em torno dele podem ser manipulados, embalados, comercializados e vendidos, por vezes as mesmas forças que pretendem nos apoiar. Isso pode ludibriar  toda as nossas percepções de triagem para a nossa compreensão do risco pessoal, e de nossas escolhas no tratamento…”.

Mais uma vez, o Dr. Orenstein discute os resultados de outros estudos da seguinte forma:

“Por mais improvável que pareça, estudos têm sugerido que cerca de um quarto dos detectados de ‘câncer de mama’   ‘microscópico câncer’ poderia ter desaparecido por por conta própria sem uso nenhum de tratamento. Explico: Para uma mulher individual em seus 50 anos que já fez todas as mamografias anuais, ainda pode adquirir câncer de mama segundo uma variedade de estudos, e também apenas reduzir o risco de morrer da doença num prazo máximo de 10 anos, ou seja,  por apenas 0,07% : – de 0,53% para 0,46%. Reduções para as mulheres na faixa dos 40 são ainda menores, de 0,35% para 0,3 %, *chega a ser patético. *”[Grifo meu]”.
Afim de tomar decisões melhores informadas, mas também tomar decisões que são menos invasivos pelo medo,  as mulheres precisam ser informadas com todas as suas opções de triagem, incluindo os seus pontos fortes e fracos, os benefícios e riscos! Hoje, as mulheres raramente são informados sobre o fato de que a radiação ionizante é um dos principais contribuintes para o câncer por exemplo, ou seja, que o próprio teste de rotina podem aumentar o risco de câncer de mama, e aí sim, do tipo realmente Letal!

Este é um ponto extremamente importante, considerando a introdução da mamografia 3D, que aumentam exponencialmente a sua exposição à radiação prejudicial que pode levar ao câncer mais tarde. Para saber mais sobre este assunto, consulte o meu artigo anterior sobre mamografias e câncer neste blog.

Resultados de outros estudos avaliando a eficácia da mamografia

O ‘Archives of Internal Medicine’ publicou uma meta-análise de 117 estudos de mamografia, randomizados e controlados. Entre as conclusões foram: as taxas de resultados falso-positivos são altas (20% a 56% após 10 mamografias), e “apesar de algumas mulheres de 50 anos de idade ou mais velhas terem maiores chances de câncer devido às mamografias, isso supera os benefícios e as evidências desta metanálise sugere que mais de 40 mulheres deste grupo até 49 anos de idade, têm esses riscos.”
Um estudo publicado no ‘British Medical Journal’ em dezembro de 2011, confirmou que o rastreamento do câncer de mama pode causar danos as mulheres, especialmente durante os primeiros anos depois de começar a triagem. Este dano é em grande parte devido a cirurgias, como lumpectomias e mastectomias, e outras intervenções (muitas vezes desnecessárias). O estudo destaca as perdas na qualidade de vida de resultados falsos positivos e tratamento desnecessário.
Em setembro de 2010, o ‘New England Journal of Medicine’ publicou o primeiro estudo após anos  examinando a eficácia da mamografia. Seus resultados estão muito longe do que a maioria das autoridades de saúde pública nos querem fazer crer! A linha inferior é que as mamografias parecem ter reduzido as taxas de mortalidade por câncer de apenas 0,4% de mortes por 1.000 mulheres, uma quantidade tão pequena que poderia muito bem ser zero! Dito de outra forma; 2500 mulheres teriam de ser rastreada ao longo de 10 anos, para uma única morte por câncer de mama ou para ser evitado! Conclui-se que o exame de rotina nada mais é do meramente desnecessário e com finalidades comerciais.

Quais as causas de câncer que são atualmente ignorado?

Você realmente tem uma quantidade enorme de controle sobre como suas características genéticas. Seus genes podem expressar ou suprimir dados genéticos, dependendo do ambiente em que se encontra, ou seja, a presença ou ausência de nutrientes adequados, toxinas e até mesmo seus pensamentos e sentimentos que desencadeiam hormônios e outras substâncias químicas em seu corpo. Dra. ‘Susan Love’, uma cirurgiã do câncer de mama e presidente da Fundação de Pesquisa, a Dra. Susan Love comentou sobre essa volta da investigação em 2009, dizendo:
“É emocionante. O que significa que, se todo este material ambiental é certo,  devemos ser capazes de reverter o câncer sem ter que matar as células. Isso poderia abrir toda uma nova maneira de pensar sobre o câncer que seria muito menos agressivo e que na realidade o é”.

A investigação sobre a saúde de nossos ancestrais, também sugere que o câncer é de fato uma doença artificial . Cada vez mais fatores ambientais e de estilo de vida estão sendo apontados como os culpados, e é minha convicção pessoal que o nosso problema do câncer é o resultado de muitas pessoas sendo regularmente expostos a muitos desses fatores tóxicos, que incluem:
Pesticidas e outras exposições químicas sintéticas; “predominância de açúcares e grãos o que provoca o corpo a queimar açúcar em vez de gordura como combustível primário; Tecnologias sem fio, eletricidade suja, e exposição à radiação de diagnóstico médico;  As drogas farmacêuticas; Obesidade, estresse e maus hábitos de sono; A falta de exposição ao sol ( VITAMINA D) e uso de protetores solares, que além de não prevenir câncer de pele, ele pode é gerar um câncer. É altamente improvável que apenas um deles é o único responsável. Pelo contrário, é provavelmente uma combinação de vários deles. Isto significa que o que precisa ser feito é uma revisão completa da maioria das indústrias que nos fornecem tudo, desde alimentos e roupas para produtos de cuidados pessoais, móveis e muito mais. Sim, o que eu estou sugerindo é dramático, e talvez seja por isso que ninguém quer tomar por a “cara a tapa” mas é necessário se quisermos realmente abordar a ascensão meteórica não só contra o câncer, mas muitas outras doenças modernas. Virtualmente, cada coisa que você colocar em sua boca em seu corpo, e em sua casa e empresa precisa ser avaliada pelo seu potencial tóxico”.

Estratégias de Prevenção do Câncer All-Natural! Agora a parte boa!

Minha recomendação para você é não esperar que o sistema mude, mas tomar o assunto em suas próprias mãos, agora! É importante perceber que o rastreio do câncer de qualquer maneira não equivale a prevenção do câncer, e que, embora a detecção precoce é importante, uma série de métodos de rastreio populares foram mostrados causar mais mal do que bem, mamografia em particular.
Na maior revisão de pesquisas sobre estilo de vida e câncer de mama, o Instituto Americano de Pesquisa do Câncer estima que cerca de 40%  dos casos de câncer de mama poderiam ser evitadas se as pessoas fizessem escolhas mais sábias de estilo de vida.  Acredito que essas estimativas são muito baixos, e é mais provável que 75% a 90% dos cânceres da mama podem ser evitados através da aplicação estritamente as recomendações abaixo NUTRICIONAL, OU PARTE DA NUTRIGENÔMICA.

Melhorar a sensibilidade do receptor de insulina. A melhor maneira de fazer isso é evitando açúcar e grãos e certificando-se de que você esteja exercitando o tempo necessário, especialmente com aptidão FÍSICA!
Abordar o preparo de alimentos. Coma pelo menos um terço de alimentos crús. Evite fritar ou grelhar! A fervura, escaldar ou vapor aos seus alimentos é a melhor escolha, com água livre de cloro e flúor. Considere a adição ao combate ao câncer alimentos integrais, ervas, especiarias e suplementos à sua dieta, tais como brócolis , curcumina e resveratrol . Para saber mais sobre a forma como estes alimentos anti-angiogênicas contra o câncer, consulte seu Nutricionista, aqui o Dr. Júlio Caleiro deixa exposto seus contatos: Dramaticamente o tratamento aplicado pelo Dr. Júlio Caleiro,  é eficaz pela alimentação natural pois mata de fome o Câncer e acaba com a obesidade.
Evite carboidratos e açúcar. Reduzir ou eliminar alimentos processados, açúcar / frutose e alimentos à base de grãos de sua dieta. Isso se aplica a todo grãos orgânicos não transformados, eles tendem a quebrar-se rapidamente e elevar seu nível de insulina. A prova é bastante clara que se você quiser evitar o câncer, ou se você tem atualmente o câncer, é absolutamente necessário evitar todas as formas de açúcar, especialmente frutose, que alimenta as células cancerosas e promove o seu crescimento.
Reduzir o aumento de gorduras trans e de proteína. Considere reduzindo os níveis de proteína para um grama por quilograma de peso corporal magro. Seria incomum para a maioria dos adultos precisar de mais de 100 gramas de proteínas e provavelmente perto da metade desse montante. Substitua o excesso de proteínas com gorduras de alta qualidade , tais como ovos orgânicos de galinhas com gema, carnes de pasto de alta qualidade, abacate e óleo de coco.
Beba meio para um litro de suco de vegetais verde orgânico diária. Reveja as minhas instruções em Consulta.
Evite OGM. Evite alimentos geneticamente modificados como eles são normalmente tratados com herbicidas como o Roundup (glifosato), que são susceptíveis de ser cancerígeno a Soja mundial toda ela contaminada pelo Glifosato inclusive no Brasil. Uma equipe de pesquisadores franceses que estudou extensivamente Roundup concluiu que é tóxico para as células humanas, e provavelmente cancerígeno para os seres humanos. Escolha, de preferência localmente alimentos de crescimento frescos e orgânicos.
Evite produtos de soja:  a soja não fermentado é rica em estrógenos vegetais, ou fitoestrógenos, também conhecidos como isoflavonas. Em alguns estudos a soja parece funcionar em conjunto com estrogênio humano para aumentar a proliferação de células da mama, o que aumenta as possibilidades de mutações e células cancerosas.
Normalizar o ômega-3 e ômega-6  em suas proporções de gorduras. Normalizar o seu índice de ômega-3 e ômega-6 de gorduras boas, tomando por exemplo ‘óleo de krill’ de alta qualidade e reduzindo o consumo de óleos vegetais processados.
Otimize sua flora intestinal. Otimizando sua flora intestinal irá reduzir a inflamação e fortalecer a sua resposta imunológica. Pesquisadores descobriram um mecanismo micróbio-dependente através do qual alguns tipos de câncer montam uma resposta inflamatória que alimenta o seu desenvolvimento e crescimento. Eles sugerem que as citocinas inflamatórias inibem e pode retardar a progressão do câncer e melhorar a resposta à quimioterapia se for o que você aceitou.
Adicionando alimento fermentado naturalmente à sua dieta diária é uma maneira fácil de prevenir o câncer ou acelerar a recuperação. Você sempre pode adicionar um suplemento probiótico de alta qualidade, mas os alimentos naturalmente fermentados são os melhores. Natô por exemplo! O Dr. Júlio Caleiro explica como adquirir em consulta!
Exercite-se regularmente. Exercício reduz os níveis de insulina, o que cria um ambiente de baixo teor de açúcar que desestimula o crescimento e disseminação das células cancerosas. Em um estudo de três meses, o exercício foi encontrado para alterar as células imunes em uma forma de combate a doença, em sobreviventes do câncer que tinham acabado de completar a quimioterapia.

Os investigadores e organizações de câncer cada vez mais recomendam fazer o exercício regular, uma prioridade a fim de reduzir o risco de câncer e ajudar a melhorar os resultados do tratamento do câncer. A pesquisa também encontrou evidências sugerindo o exercício pode ajudar a desencadear a apoptose (morte celular programada) em células cancerosas. Idealmente, o seu programa de exercícios deve incluir o equilíbrio, força, flexibilidade, treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT). O Dr. Júlio Caleiro explica em consulta.
Aqui está a principal CHAVE para evitar qualquer tipo de câncer! Otimize o seu nível de vitamina D. Há evidências científicas de que você pode diminuir o risco de câncer em mais da metade simplesmente otimizando seus níveis de vitamina D com a exposição solar adequada e principalmente SUPLEMENTAÇÃO. Seu nível sérico deve manter-se estável em 50-70 ng / ml, mas se você está sendo tratado de câncer, deve FICAR mais perto de 80-90 ng / ml OU BEM MAIS, para o benefício máximo. Isso exige acompanhamento profissional que o Dr. Júlio Caleiro aplica desde 2011.

Se você tomar vitamina D por via oral e tiver câncer, seria muito prudente monitorizar os seus níveis de vitamina D no sangue regularmente, assim como complementando a sua vitamina K2. A deficiência de D3 e K2 é epidêmica. Para saber mais, consulte o meu artigo no blog sobre vitamina D3 e k2: O que você precisa saber sobre a vitamina K2, D e cálcio .
Ter em abundância a vitamina A de forma natural. Há evidências de que a vitamina A desempenha também um papel em ajudar a prevenir o câncer de mama. É melhor obtê-lo a partir de vitamina A em alimentos ricos, ao invés de um suplemento. Suas melhores fontes são as gemas de ovos orgânicos, manteiga crua, leite cru e carne ou fígado de galinha.
Considere Curcumina. Isto é o ingrediente ativo no açafrão e em concentrações elevadas pode ser muito útil em auxiliar o tratamento do câncer de mama e outros. Ela mostra um imenso potencial terapêutico na prevenção de metástases de câncer de mama. É importante saber que a curcumina geralmente não é absorvida tão bem, então eu forneço corretamente as dicas através de Consulta.
Otimize o seu sono. Certifique-se de que você está recebendo o sono restaurador suficiente.  Um sono inadequado pode interferir com a sua produção de melatonina, que está associada com um risco aumentado de resistência à insulina e ganho de peso, ambos os quais contribuem para a virilidade do câncer. O uso da metalonina também é outro fator muito importante. Contrário do que muitos pensam a melatonina não é proibida no Brasil, ela só não é comercializada, portanto adquirir em sites estrangeiros não lhe causará problemas. Mas é importante a consulta com profissional que entenda de dosagens. O Dr. Júlio Caleiro explicita a dose em consulta.
Limitar sua exposição a toxinas. Reduzir sua exposição a toxinas ambientais como pesticidas, herbicidas , produtos de limpeza químicos domésticos, purificadores de ar sintético e cosméticos tóxicos . Evite BPA, ftalatos e outros xenoestrogenos. Estes são estrogênio-like compostos que têm sido associados ao aumento do câncer de mama.
Limitar a sua exposição à radiação. Limite a sua exposição e se proteger de radiação produzida pelos celulares , torres, estações de base e estações Wi-Fi, bem como minimizando sua exposição a partir de exames médicos baseados em radiação, incluindo raios-x dentários, CT digitaliza e mamografias .
Evite a terapia de reposição hormonal sintética. Câncer de mama é um câncer estrógeno-relacionados, e de acordo com um estudo publicado no Journal of the National Cancer Institute, as taxas de câncer de mama para as mulheres caíram em conjunto com a diminuição do uso de terapia de reposição hormonal . (Existem riscos semelhantes para mulheres jovens que usam anticoncepcionais orais. Pílulas anticoncepcionais, que também são compostos de hormônios sintéticos, têm sido associados ao câncer do colo do útero e de mama.) Faça reposição do HORMÔNIOS BIOIDÊNTICOS, com aplicação nutricional juntamente!
Certifique-se de que você não é deficiente de iodo, como há evidência convincente da deficiência de iodo e câncer de mama. Dr. David Brownstein,autor do livro “..Iodo Por que Você Precisa, Por que você não pode viver sem ele..”, é um defensor de iodo CONTRA o câncer de mama. Na verdade, tem propriedades anticancerígenas potentes e tem sido demonstrado que provoca a morte celular em células cancerígenas da mama e da tiróide.

Para mais informações, recomendo a leitura do livro de Dr. Brownstein. Eu tenho pesquisado iodo por algum tempo e eu acredito que a maior parte do que ele diz está é real e verdadeiro.
Stress Management. Estresse por todas as causas é um grande contribuinte para a doença. Mesmo o CDC indica que 85% da doença é influenciada por fatores emocionais. É provável que o estresse e problemas emocionais não resolvidos podem ser mais importantes do que as físicas, por isso certifique-se esta é dirigida. Minha ferramenta favorita para a resolução de desafios emocionais é Emotional Freedom Techniques (EFT)  e psicoterapia. O Dr. Júlio Aplica o EFT em consulta clínica.

O que fazer se você já tem Câncer?

Sem dúvida, a mais poderosa estratégia essencial que conheço para tratar o câncer é matar de fome as células por privá-los de sua fonte de alimento. Ao contrário de suas células do corpo, que pode queimar carboidratos ou gordura para o combustível, as células cancerosas tenham perdido essa flexibilidade metabólica. Dr. Otto Warburg mereceu realmente dado um Prêmio Nobel com mais de 75 anos em descobrir isso, mas praticamente nenhum oncologista realmente usa esta informação. O Dr. Júlio Caleiro aplica o tratamento para matar as células cancerosas de FOME! Consequentemente o câncer, SE É QUE REALMENTE VOCÊ TENHA UM!

Além do tratamento acima, o IODO pode extirpar um tumor, na mama, acompanhe no link abaixo –>

https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/05/19/iodo-em-doses-corretas-trata-e-previne-doencas-relacionadas-a-mama/

——————————————————————————–

Referências:
1 NPR.org 07 de agosto de 2013
2 New York Times, 25 de abril de 2013
3 N Engl J Med 2012; 367:1998-2005
4 New York Times, 25 de abril de 2013
5 Cochrane Database of Systematic Reviews 19 de janeiro de 2011, (1): CD001877
6 New York Times 25 de abril de 2013
7 Ann Intern Med. 03 de abril de 2007, 146 (7) :516-526
8 British Medical Journal, 8 de dezembro de 2011: 343; d7627
9 N Engl J. Med 23 de setembro de 2010: 363 (13); 1203-1210
10 NBC News 29 de dezembro de 2009
11 Nature Reviews Cancer 10, 728-733 (Outubro de 2010)
12 American Institute for Cancer Research, Press Release 01 de setembro de 2009
13 Instituto Americano para Pesquisa do Câncer, Alimentação, Nutrição, Atividade Física e Prevenção do Câncer: uma Perspectiva Global (PDF)
14 Journal of the National Cancer Institute, 2005; 97 (1): 1
15 Investigação do cancro da mama 2003, 5 (3): R59-64
16 Clinical Cancer Research outubro 15, 2005: 11; 7490
17 Dr. Brownstein – Holostic familt Medicina

DR.PhD Mercola

Mamografia pode danificar 10 vezes mais mulheres do que ajudar!

 
 
INFORMATIVO DR. JÚLIO CALEIRO – Imagem

De acordo com recentes descobertas pelo ‘Centro Nordic Cochrane’; Apenas uma (1) em cada 2.000 mulheres rastreadas regularmente durante 10 anos vão realmente beneficiar da triagem para à detecção “precoce” do câncer de mama. Enquanto isso, 10 mulheres saudáveis (de 2000 selecionadas em uma década) vão ser diagnosticada como pacientes de câncer, e serão tratadas desnecessariamente. Em números maiores isso é um desastre!
Estas mulheres terão uma parte do seu peito ou a totalidade da mama removida, e, tipicamente, irão receber a radioterapia e / ou quimioterapia. Este tratamento (para um câncer que era inexistente) aumenta, posteriormente seu risco de morrer de complicações da terapia e / ou de outras doenças relacionadas com a radiação e quimioterapia ( oportunistas), tais como doenças cardíacas e câncer.

Só para ficar anotado a estatística:
2.000 mulheres devem ser rastreadas por 10 anos
200 mulheres terão falsos positivos
10 receberão a cirurgia e / ou quimioterapia, embora elas realmente não tenham câncer.

A TERMOGRAFIA É O EXAME SEGURO NA DETECÇÃO DE ALGUM SUPOSTO CÂNCER!
—————————————————

Referências:

1 NPR.org August 7, 2013
2 New York Times April 25, 2013
3 N Engl J Med 2012; 367:1998-2005
4 New York Times April 25, 2013
5 Cochrane Database of Systematic Reviews January 19, 2011;(1):CD001877
6 New York Times April 25, 2013
7 Ann Intern Med. 3 April 2007;146(7):516-526
8 British Medical Journal, December 8, 2011: 343; d7627
9 N Engl J. Med September 23, 2010: 363(13); 1203-10
10 NBC News December 29, 2009
11 Nature Reviews Cancer 10, 728-733 (October 2010)
12 American Institute for Cancer Research, Press Release September 1, 2009
13 American Institute for Cancer Research, Food, Nutrition, Physical Activity, and the Prevention of Cancer: a Global Perspective (PDF)
14 Journal of the National Cancer Institute 2005; 97(1): 1
15 Breast Cancer Research 2003;5(3):R59-64
16 Clinical Cancer Research October 15, 2005: 11; 7490
17 Dr. Brownstein – Holostic Familt Medicine

EXERCÍCIOS DE LONGA DURAÇÃO E LESÃO CARDÍACA! ALTA INTENSIDADE DE TREINOS E MORTE SÚBITA!

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
——————————————————————–

PARA UMA ‘ORIENTAÇÃO EXPRESSA’ ENVIE EMAIL PARA:  juliocaleiro@hotmail.com

Imagem

By. Dr. Ed. Júlio Caleiro

Exercício de resistência extrema: Este tipo de exercício, pode ser prejudicial a sua Coração!
       Você passa várias horas na academia ou no clube fazendo atividade física? Ou você evita o trabalho da atividade por completo, porque você simplesmente não tem tempo? Então o que eu estou prestes a te dizer a você será como música para os seus ouvidos: Quando se trata de exercício, menos é melhor! Sim, vou explicar o por quê!
    Está se tornando cada vez mais claro a partir da recente enxurrada de estudos científicos que uma overdose de exercício pode ter efeitos prejudiciais sobre a saúde. Muito exercício, particularmente longas atividade que exige um cardiorrespiratório excelente, como maratona e triatlo, pode fazer mais mal do que bem particularmente para o coração.
    Enquanto a maioria dos americanos estaria bem servido exercitando-se mais, não há nenhuma necessidade de trabalhar por mais de 45 minutos a uma hora, e se você exercer de forma eficaz os treinos devem ser ainda mais curto. Vou mostrar neste artigo leia.

   Colocando o seu coração a bombear sangue com exercícios regulares,  isso proporciona vários benefícios. Conforme a frequência cardíaca aumenta:

        Seu coração bombeia de forma mais eficiente
        A quantidade de oxigênio em seu sangue aumenta
        Capacidade do seu corpo para desintoxicar melhora
        Seu sistema imunológico é ativado
        Aumento de endorfinas, elevando o seu humor e aumenta a quantidade de mitocôndrias, organela responsável pela formação de energia.
        
        Esta é apenas a ponta do iceberg quando se trata dos benefícios do exercício, mas não há ainda um ponto de corte,  do qual o exercício pode realmente prejudicar o seu corpo! Está enganado agora sim, tem!
    Estudos recentes estão nos dando uma melhor compreensão da fisiologia do exercício, e muitas das nossas noções do passado foram viradas de cabeça para baixo.

Uma overdose de exercício pode sair pela culatra!

    Exercício em excesso ou incorretamente realizado pode se voltar contra a sua saúde, de várias de maneiras. Por exemplo, isso pode ocorrer quando você se exercita muito ou muito intenso.  Seu corpo pode entrar em um estado catabólico, no qual os tecidos quebram para formar energia.   O excesso de cortisol (hormônio do estresse) pode ser liberado, o que não só contribui para o catabolismo, mas também para doenças crônicas.  Você pode desenvolver lesões microscópicas em suas fibras musculares (que pode não curar, se você continuar no excesso de exercício), e risco aumentado de lesões.  Seu sistema imunológico pode ser enfraquecido;  Você pode desenvolver insônia, especialmente se o seu treino é no período da tarde ou à noite. No entanto, o risco mais grave envolve danificar o seu coração, ou pior ainda, de morte súbita cardíaca que será o foco deste artigo.

Você está correndo o risco de morte súbita?

    Você foi, sem dúvida atordoado com a notícia ocasional de um atleta de elite, de repente caiu morto! Estas contas não são tão raros assim como se poderia esperar, e ciência está finalmente mostrando alguma luz sobre a causa. Maratonistas e triatletas têm sido tradicionalmente visto como a imagem perfeita de fitness, a inveja de “hobby” e atletas profissionais iguais. Correr uma maratona é em muitos “Bucket-List”!
    Mas são as exigências físicas deste tipo de treinamento realmente saudável ou mesmo seguro? A última pesquisa sugere que não! O treinamento de alta resistência coloca estresse extraordinário em seu coração. Claro que o músculo geralmente tem que se tornar mais forte, mas em extremo elevado de estresse pode ter o efeito oposto e seu músculo cardíaco não é exceção disso.
    Corrida de longa distância leva a altos níveis de estresse oxidativo, inflamação e danos aos seus tecidos do coração, produzindo respostas fisiológicas agudas que podem desencadear um evento cardíaco.  O risco parece ser maior se você é um homem de meia-idade, devido às diferenças de gênero e mudanças que normalmente acompanham o envelhecimento. Os homens são duas a três vezes mais propensos de sofrer uma parada cardíaca súbita, em questão do exercício. Em 1984 a ‘NEJM’ publicou um estudo e descobriu que você tem sete vezes mais probabilidade de ter um acidente cardíaco durante o exercício do que parado. Então, vamos dar uma olhada para a enxurrada de estudos emergentes ao longo dos últimos anos, e a relação de lesão cardíaca relacionada ao exercício.

Oito estudos científicos que você deve levar em consideração!

    1. De acordo com um estudo apresentado no Congresso Cardiovascular Canadense 2010, em Montreal, o exercício regular reduz o risco cardiovascular por um fator de 2 a 3, mas o exercício vigoroso estendido realizada durante uma maratona por exemplo aumenta o risco cardíaco (7 -sete vezes)!
    2. Em um estudo de 2011 publicado no ‘Journal of Applied Physiology’, os pesquisadores recrutaram um grupo de homens mais velhos e todos os membros do ‘Maratona Clube 100’ (tendo eles completado um mínimo de 100 maratonas). Metade dos homens mostraram o músculo cardíaco cicatrizes como um resultado desta execução. Especificamente também a metade destes homens tinham completado o mais longo circuito resistência. Se correr maratonas fosse benefício ao sistema cardiovascular, este grupo teria os corações mais saudáveis e portanto não foi isso que exames posteriores mostraram!
    3. Um estudo em ratos 2011, publicado na revista ‘Circulation’ foi projetado para imitar a carga de exercício extenuante diário de maratonistas ao longo de 10 anos. Todos os ratos tinham corações normais e saudáveis ​​no início do estudo, mas, no final, a maioria deles tinha desenvolvido “difusas cicatrizes e algumas mudanças estruturais, semelhantes às mudanças observadas nos atletas de endurance em humanos”. E continua não para por aí!
    4. Um estudo de 2012 no ‘European Heart Journal’ descobriu que atletas de resistência a longo prazo sofrem de diminuição da função do ventrículo direito do coração e aumento das enzimas cardíacas (marcadores de lesão cardíaca), após a corrida de resistência, o que pode ativar a formação de plaquetas e coagulação súbita. Doze por cento -12%,  dos atletas tinha cicatrizes detectáveis em seu músculo cardíaco uma semana de após.
    5. Um estudo de 2010 apresentado pelo ‘American College of Cardiology’ mostrou que corredores de endurance têm placas mais calcificadas nas artérias (o que também aumenta o risco de demência e acidente vascular cerebral) do que aqueles que não têm resistência de atletas.
    6. Um estudo alemão 2011 revelou uma incidência muito alta de aterosclerose carotídea e periférica entre maratonistas masculino.
    7. Um estudo de 2006 selecionou 60 participantes não-elite das Maratonas de Boston de 2004 e 2005, utilizando ecocardiografia e marcadores biológicos. Os investigadores encontraram diminuição da função sistólica do ventrículo direito nos corredores, causado por um aumento na inflamação e uma diminuição no fluxo de sangue.
    8. Uma pesquisa feita por ‘Dr. Arthur Siegel’, diretor de Medicina Interna no ‘Hospital McLean da Universidade de Harvard’, também descobriu que a corrida de longa distância leva o atleta a altos níveis de inflamação que pode desencadear eventos cardíacos.

Débito cardíaco elevado pode ‘rasgar’ Seu tecido cardíaco!

    Como você pode ver a partir dos estudos acima, a pesquisa está convergindo em torno dos riscos consideráveis ​​que os exercícios do tipo ‘cárdio’ de alta resistência representam para o seu coração. Quando você se envolver neste tipo de treinamento, o seu coração não tem muito o que fazer já que ele simplesmente responde a sinais bioquímicos de seu corpo a rampa até o débito cardíaco, a fim de manter-se com o seu nível de esforço gerado. Você não pode “sentir a dor” como sinal e é nesse ponto que pode ser uma situação de risco de vida.
    Exercício extremo faz com que seu coração aumente maciçamente o débito cardíaco, o que pode ter de sustentar por várias horas, dependendo da duração e intensidade da sua atividade.
    Seu coração bombeia cerca de cinco litros de sangue por minuto quando você está sentado. Mas quando você está correndo, sobe para 25 e 30, e ele não foi projetado para fazer isso por horas a fio, dia após dia. Ele entra em um estado de “sobrecarga de volume” que se estende as paredes do músculo do coração, literalmente quebram as fibras separadas.

    O problema é que muitos atletas de endurance não permitem que seus corpos parem para se recuperar totalmente entre as sessões. Eles costumam viver em um estado pós-treino perpétuo, que basicamente se assemelha ao stress crônico e oxidativo, danos de repetição ao músculo do coração aumenta a inflamação, o que leva a um aumento da formação de placa, pois a placa é o curativo que o corpo faz ou seja reveste as artérias por substâncias inflamatórias.    Com o tempo, à medida que mais dano é causado, o alargamento do coração (hipertrofia), e formas cicatrizes (fibrose cardíaca) serão disseminadas. Exames de ressonância magnética de maratonistas de longa resistência,  revelam abundante cicatrizes por todo o seu coração. Os cientistas também mediram os níveis de enzimas cardíacas elevadas após o exercício extremo, exatamente após um ataque cardíaco, o que só pode significar uma coisa: este tipo de exercício é prejudicial coração das pessoas!

O treinamento de resistência pode produzir arritmias perigosas, fibrose do miocárdio, hipertrofia e Aterosclerose!

    Embora os pesquisadores ainda não compreendem todos os fatores neste processo, eles têm teorizado que a alta de exercício de resistência leva à fadiga cardíaca, em seguida, uma enxurrada de catecolaminas e adrenalina, que então aciona arritmias (ritmos cardíacos anormais). Uma arritmia comum é a fibrilação atrial, comumente conhecido como “A-fib.” A-fib é epidemia entre os atletas de resistência, o que os configura para  um grande aumento no risco de acidente vascular cerebral. Maratonistas acima de 50 anos de idade têm um aumento de cinco vezes na A-fib.
    Arritmias podem evoluir para uma parada cardíaca completa. De acordo com o Dr. James O’Keefe, o cardiologista pesquisa ex-atletas de elite, 50%  das mortes ocorrem em maratona justamente no final da corrida, provavelmente devido a este estresse acumulado no coração. Dr. O’Keefe resume o fenômeno inteiro bem na sua Mayo Clinic e relata:

        “Dados recentes sugerem que o treinamento crônico, competindo em provas de resistência extremas, como maratonas, ultramaratonas, triatlos distância ironman, e corridas de bicicleta de muito longa distância, pode causar sobrecarga transitória aguda de volume do átrio e ventrículo direito, com reduções temporárias no ventrículo direito de fração de ejeção, elevação de biomarcadores cardíacos, os quais retornam ao normal dentro de 1 semana.  Ao longo de meses a anos de ferimentos repetitivos, este processo em alguns indivíduos pode conduzir a fibrose do miocárdio desigual, particularmente nas aurículas do septo interventricular, e do ventrículo direito, a criação de um substrato para as arritmias atriais e ventriculares. Além disso, o exercício sustentado em excesso de longo prazo, pode estar associado a calcificação da artéria coronária, disfunção diastólica, e enrijecimento da parede de grandes artérias “.

Nossos antepassados ​​não corriam mais de 20 milhas por vez.

    Nossos antepassados ​​na era ‘Paleolítica’ fazia caminhada, com sprints ocasionais, mas não estendia a execução. Corriam o tempo suficiente para escapar das garras de um tigre, mas não houve maratonas acontecendo em todo o cerrado Africano. Um novo estudo dá mais credibilidade para os benefícios da caminhada contra a corrida, achando que o exercício de intensidade moderada (caminhada) produz benefícios iguais de saúde com exercício de intensidade vigorosa (em execução), com reduções de risco semelhantes para hipertensão, hipercolesterolemia, diabetes e doença arterial coronariana.
    Nos últimos 30 anos, o número de pessoas correndo maratonas aumentou 20 vezes, enquanto a obesidade triplicou. Phidippides foi o primeiro “maratonista”, um mensageiro grego que morreu repentinamente após a execução de mais de 175 milhas em dois dias, 280km. As mudanças que estão sendo observados no tecido cardíaco de corredores de longa distância, especialmente em seus ventrículos direito e ambos os átrios, levaram alguns médicos a chamar a condição de “Phidippides Cardiomiopatia”.

    Eu quero ser perfeitamente claro que não sou completamente contra a execução. Se isso for feito de forma adequada, pode ser uma parte efetiva de seu plano de condicionamento físico geral e pode até mesmo ajudá-lo a viver melhor. Mas você deve mantê-lo moderado, e encontrar a sua própria “zona de segurança” com seu Professor de Educação física, e exames médico, Cardiologista.

    Dr. O’Keefe recomenda a execução não mais de 20 km por semana, distribuídos por três a quatro dias, a uma velocidade de cerca de cinco quilômetros por hora. Se você correr mais longe ou mais rápido do que isso, você pode perder todos os benefícios e os riscos de saúde podem subir para a magnitude baixa, literalmente de acordo com a ciência. A declaração escrita por Hipócrates há 2.500 anos acertou com precisão na cabeça:

      “A quantidade certa de nutrição e exercício físico, não muito pouco, nem exagerado é o caminho mais seguro para a saúde”.

O uso de suplementos são viáveis como: Coenzima Q10 na sua forma ativa, Creatina, amino BCAA, Whey Protein, Vitamina D, cálcio, iodo, manganês,  glutamina, vitaminas com complexo B na sua melhor forma, vitamina C,  magnésio, zinco, fósforo, Ferro. E sem dúvida uma alimentação adequada e balanceada pelo seu(a) Nutricionista Esportivo.

Evitar uso de medicações, para dor e ou inflamação. Não tomar medicação sem orientação do seu médico.
——————————————————————————————-
Referências:

    1 NIH
    2 Bloomberg June 21, 2013
    3 J Appl Physiol June 2011
    4 Circulation 2011
    5 European Heart Journal 2012
    6 American College of Cardiology 59th Annual Scientific Sessions March 2010
    7 Med Sci Sports Exerc July 2011
    8 Circulation 2006
    9 Am J Cardiol October 2001
    10 Today Health December 2012
    11 Intern Emerg Med 2006
    12 American Heart Association AFib
    13 Mark’s Daily Apple July 9, 2013
    14 Mayo Clinic Proceedings 2012
    15 Arterioscler Thromb Vasc Biol May 2013
    16 Clin Cardiol February 2012
    17 University of Queensland Australia School of Medicine July 2012
    18 IMMDA March 2010