Início » EVIDÊNCIAS » Uso de estatinas promove um agravamento da insuficiência cardíaca causando a disfunção diastólica.

Uso de estatinas promove um agravamento da insuficiência cardíaca causando a disfunção diastólica.

estatinas

By Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório (35) 3558-1919.

Para uma ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’ envie EMAIL PARA: juliocaleiro@hotmail.com
—————————————-

Todos os medicamentos de estatina bloqueiam a biossíntese de colesterol e coenzima Q10, o que explica os efeitos secundários comuns das estatinas de fadiga, dor muscular e fraqueza muscular, e um agravamento da insuficiência cardíaca (veja esta figura: http://www.lef.org/magazine/mag2008/images/feb2008_reports_coenzymeq_05big.jpg).

Quando os níveis da coenzima Q10 são reduzidos por terapia a base de estatinas, uma das primeiras alterações é o enfraquecimento da função do músculo cardíaco, conhecida como disfunção diastólica. Isso não tem nada a ver com a pressão arterial diastólica, mas sim representa prejuízo na fase de relaxamento ou de enchimento do ciclo cardíaco.

Em 2004, um estudo publicado no ‘American Journal of Cardiology’ mostrou que a disfunção diastólica (fraqueza do músculo cardíaco) ocorreu em 70% dos pacientes previamente normais tratados com 20mg por dia de Lipitor por seis meses (Am J Cardiol. 2004 Nov 15;94(10):1306-10). Esta disfunção do músculo cardíaco era reversível com uma CORRETA suplementação com coenzima Q10. A insuficiência cardíaca que se desenvolve após anos de terapia com estatinas pode denominada de ‘estatina cardiomiopatia’.

Ademais, estudos sugerem que as estatinas são cancerígenas ( J Am Coll Cardiol. 2007 Jul 31;50(5):409-18; JAMA. 1996 Jan 3;275(1):55-60.); prejudicam a saúde ou função mental (Arch Neurol. 2001 Jul;58(7):1169-70; Ann Pharmacother. 2006 Oct;40(10):1880-3.) enfraquece os músculos do coração e esquelético (Am J Cardiol. 2004 Nov 15;94(10):1306-10. Ann Intern Med. 2002 Oct 1;137(7):581-5.)

Um estudo avaliou 50 novos pacientes que inicialmente fizeram uso de estatinas e interromperam para passar a usar o suplemento Coenzima Q10. Os pacientes foram acompanhados por um período de 28 meses, com as seguintes observações na prevalência de efeitos adversos:

1. A alta prevalência de dor músculo-esquelético e fraqueza reduziu de 64% para 6%;
2. Fadiga diminuiu de 84% para 16%;
3. Falta de ar passou de 58% para 12%;
4. A perda de memória foi reduzida de 8% para 4%;
5. A neuropatia periférica diminuiu de 10% para 2%.

No geral, observou-se que houve uma melhora na função do músculo cardíaco com a descontinuação da terapia com estatinas e adição do suplemento de coenzima Q10.

Sobre a tese de ingerir medicamentos para baixar colesterol, sugiro que assista esta aula do médico cardiologista e nutrólogo Dr. Lair Ribeiro:

http://juliocaleiro.blogspot.com.br/2013/08/dr-lair-ribeiro-phd-cardiologista-e.html

Agende sua consulta!

(Este artigo tem por base texto escrito pelo médico cardiologista, Dr. Peter H. Langsjoen – American College of Cardiology – Fellow)

Para mais informações sobre o uso de estatinas, sugiro a leitura desta matéria:
1. https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/03/24/900-novecentos-estudos-provam-os-perigos-de-estatinas/

2. https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/07/06/o-perigo-das-estatinas-o-colesterol-esta-longe-de-causar-problemas-cardiacos/

Página no facebook: https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas

—————————————————-
Referências:
1. Silver MA, Langsjoen PH, Szabo S, Patil H, Zelinger A. Effect of atorvastatin on left ventricular diastolic function and ability of coenzyme Q10 to reverse that dysfunction. Am J Cardiol. 2004 Nov 15;94(10):1306-10.
2. Hindler K, Cleeland CS, Rivera E, Collard CD. The role of statins in cancer therapy. Oncologist. 2006 Mar;11(3):306-15.
3. Alsheikh-Ali AA, Maddukuri PV, Han H, Karas RH. Effect of the magnitude of lipid lowering on risk of elevated liver enzymes, rhabdomyolysis, and cancer: insights from large randomized statin trials. J Am Coll Cardiol. 2007 Jul 31;50(5):409-18.
4. Newman TB, Hulley SB. Carcinogenicity of lipid-lowering drugs. JAMA. 1996 Jan 3;275(1):55-60.
5. Li G, Larson EB, Sonnen JA, et al. Statin therapy is associated with reduced neuropathologic changes of Alzheimer disease. Neurology. 2007 Aug 28;69(9):878-85.
6. Golomb BA, Jaworski B. Statins and dementia. Arch Neurol. 2001 Jul;58(7):1169-70.
7. Padala KP, Padala PR, Potter JF. Simvastatin-induced decline in cognition. Ann Pharmacother. 2006 Oct;40(10):1880-3.
8. Phillips PS, Haas RH, Bannykh S, et al. Statin-associated myopathy with normal creatine kinase levels. Ann Intern Med. 2002 Oct 1;137(7):581-5.
9. Langsjoen PH, Langsjoen JO, Langsjoen AM, Lucas LA. Treatment of statin adverse effects with supplemental Coenzyme Q10 and statin drug discontinuation. Biofactors. 2005;25(1-4):147-52.
10. http://www.lef.org/magazine/mag2008/feb2008_Alleviating-Congestive-Heart-Failure-With-Coenzyme-Q10_01.htm


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: