Início » 2013 » junho (Página 2)

Arquivo mensal: junho 2013

Otite Média (dor de ouvido) sendo tratada com eficácia pela HOMEOPATIA.

juliocaleiro@hotmail.com

Imagem

By Dr. Júlio Caleiro

  

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

    Um estudo de revisão mostrou que a homeopatia tem eficácia similar ou superior a tratamento com remédios convencionais, como por exemplo os analgésicos, sprays, antipiréticos, antibióticos..e outros para otite média. Os pesquisadores nestes estudos aplicaram as medicações clássicas da homeopatia para o tratamento da dor de ouvido (otite média), inflamação, infecção como por exemplo: Aconitum, Apis, Belladonna, Capsicum, Mercúrius, Chamomilla, Lachesis, PulSatilla, Sulphur, fósforo, Cálcio Carbonicum e Lycopodium. Houve reducação da dor e da inflamção num tempo de 6 horas a 12 horas de tratamento. Além da dor na Otite, outras queixas respiratórias como alergias, asma, coriza foram tratadas em conjunto com ótimos resultados. Mais um estudo, com Quatrocentos e cinqüenta e seis (456) indivíduos que foram tratados, comparando a homeopatia e o tratamento convencional, a homeopatia mostrou ser mais eficaz do que a assistência médica convencional no tratamento dos indivíduos com todos essas condições associadas à otite média relatadas acima sem os efeitos colaterais, e riscos associados ao uso de antibióticos.

                              Marque sua Consulta, Dr. Júlio Caleiro – 35 3558-1919

—————————————————
Referências:

1.Friese KH, Kruse S, Moeller H. Acute otitis media in children: Comparison between conventional and homeopathic therapy [in German]. HNO1996;44:462–466.
2. Friese KH, Kruse S, Ludtke R, Moeller H. The homoeopathic treatment of otitis media in children—comparisons with conventional therapy. Int J Clin Pharmacol Ther 1997;35, 296–301.
3.Kruse S. Otitis Media in Children [in German]. Stuttgart: Edition Forschung, Hippokrates Verlag, 1998.
4.Frei H, Thurneysen A. Homeopathy in acute otitis media in children: Treatment effect or spontaneous resolution? Br Homeopath J 2001;90: 180–182.
5.Riley D, Fischer M, Singh B, et al. Homeopathy and conventional medicine:An outcomes study comparing effectiveness in a primary care setting. J Altern Complement Med 2001;7:149–159.
6.Jacobs J, Springer DA, Crothers D. Homeopathic treatment of acute otitis media in children: A preliminary randomized placebo-controlled trial. Pediatr Infect Dis J 2001;20:177–183.
7.Haidvogl M, Riley DS, Heger M, et al. Homeopathic and conventional treatment for acute respiratory and ear complaints: A comparative study on outcome in the primary care setting. BMC Complement Alternat Med 2007:7:7.
8.Bellavite P, Ortolani R, Pontarollo F, et al. Immunology and homeopathy: 4. Clinical studies—part 2. Evid-Based Complement Alternat Med 2006;3:397–409.

Paolo Bellavite, M.D. is a professor of general pathology in the department of morphological and biomedicine science at the University of Verona, in Verona, Italy.

HOMEOPATIA NA ELIMINAÇÃO DE GLIOMAS – ( CÂNCER DE CÉREBRO)

Imagem

 

By Dr. Júlio Caleiro

  

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

  Pesquisadores testaram a homeopatia com as medicações ‘Ruta graveolens’ juntamente com (fosfato de cálcio) ambos em diluições homeopáticas, usadas em in vitro e in vivo. Dos 15 pacientes estudados, 6 pacientes apresentavam Gliomas. O uso das medicações mostraram regressão completa dos tumores. Os resultados de ambos, tanto in vivo e experimentos in vitro, mostraram que as medicações homeopática induziu a sobrevivência de células das vias de sinalização em linfócitos normais, mas induziu a morte por apoptose em células de câncer de cérebro” demonstrando diminuição dos telômeros destas e também diminuição do processo mitótico (PROLIFERAÇÃO) das células cancerígenas, resultando no desaparecimento do câncer de cérebro. “Os autores propuseram que Ruta graveolens em combinação com fosfato de cálcio em diluições homeopáticas, poderia ser usado como um tratamento eficaz para o câncer do cérebro, particularmente gliomas.
——————————————-
Referências:
-Pathak S, et al. Ruta 6 selectively indices cell death in brain cancer cells that proliferation in normal peripheral blood lymphocytes: A novel treatment for human brain cancer. Int J Onc. 2003;23:975-982.

Taurina reverte fatores associados às doenças cardiovasculares

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

Cirurgia-de-Revascularização-do-Miocárdio-foto-1

By Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório:(35) 3531-8423.

Populações com maior longevidade possuem uma coisa em comum: alta ingestão de um aminoácido chamado Taurina (Exp Clin Cardiol.2006 Summer;11(2):94-8.). A conexão entre taurina e uma vida longa é tão forte que os pequisadores batizaram taurina como: “o fator nutricional para a longevidade dos japoneses (Adv Exp Med Biol. 2009;643:13-25.)

Taurina promove a saúde cardiovascular, a sensibilidade à insulina, o equilíbrio de eletrólitos, função auditiva e modulação imunológica. Na pesquisa com animais, taurina promoveu proteção contra insuficiência cardíaca, reduzindo a mortalidade em cerca de 80% (Res Commun Chem Pathol Pharmacol. 45(2):261-70.).

Com o envelhecimento, muitas vezes o corpo não consegue produzir internamente uma quantidade ideal de taurina, sendo indispensável a realização de suplementação (Arch Latinoam Nutr. 1991 Jun;41(2):139-51).

Taurina tem efeitos poderosos sobre o coração e os vasos sanguineos. Pessoas com altos níveis de taurina tem taxas significativamente mais baixas de morrer por doença coronária (Amino Acids.2012 Dec 8).

Em uma pesquisa utilizando-se animais com hipertensão, a suplementação de taurina reduziu a pressão sanguínea por redução da resistência ao fluxo sanguíneo nas paredes dos vasos sanguineos (Am J Cardiovasc Dis. 2011;1(3):293-311; Am J Hypertens.2011 May;24(5):574-81). A suplementação oral de Taurina promove redução do espessamento e rigidez arterial características da aterosclerose, e ainda, restaura as respostas das artérias ao benefício do óxido nítrico endotelial, com redução da inflamação (Amino Acids.2012 Dec 8.; Am J Cardiovasc Dis. 2011;1(3):293-311.).

Em outro estudo com paciente que necessitavam de cirurgia de ponte (bypass) coronária, mostrou que o consumo de uma bebida contendo uma certa quantidade de taurina, combinado com carnitina, e coenzima Q10, reduziu o volume ventricular do lado esquerdo, durante a fase de repouso do coração (diástole) – Am Heart J. 2002 Jun;143(6):1092-100. Esse resultado é de EXTREMA importância, pois um volume aumentado diastólico do ventrículo esquerdo é o maior preditor de morte em pacientes que necessitam de colocação de ponte – bypas ou stent. Isso faz com que a taurina, EM DOSES CORRETAS, seja um componente vital das dietas de tais pacientes.

Além do aminoácido Taurina, é sempre importante lembrar os benefícios da vitamina K2 para a saúde do coração. Segundo o médico cardiologista, Dr. Lair Ribeiro, “a vitamina k2 é a única capaz de prevenir e reverter a aterosclerose”.

O ensaio humano mais completo revelou que altas doses de vitamina K2 reduziram eventos cardiovasculares em 57% dos casos. (A. V. da Costa. O magnésio e o que ele pode fazer por você. E. Thesaurus, 2010, Brasília, pag. 283.)

Para mais informações sobre o tratamento de doenças cardíacas, sugiro a leitura das seguintes matérias:
1. https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/05/31/magnesio-trata-de-doencas-cardiacas-incluindo-arritmias-cardiacas-insuficiencia-cardiaca-congestiva-e-placa-de-aretoma/
2. https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/04/22/tratando-o-coracao-e-a-estenose-aortica-por-doses-de-vitamina-k2/

Referências:
1. Available at: http://www.okicent.org. Accessed February 28, 2013
2. Yamori Y. Food factors for atherosclerosis prevention: Asian perspective derived from analyses of worldwide dietary biomarkers. Exp Clin Cardiol.2006 Summer;11(2):94-8.
3. Yamori Y, Liu L, Mori M, et al. Taurine as the nutritional factor for the longevity of the Japanese revealed by a world-wide epidemiological survey. Adv Exp Med Biol. 2009;643:13-25.
4. Azuma J, Takihara K, Awata N, et al. Beneficial effect of taurine on congestive heart failure induced by chronic aortic regurgitation in rabbits. Res Commun Chem Pathol Pharmacol. 45(2):261-70.
5. Yamori Y, Taguchi T, Hamada A, Kunimasa K, Mori H, Mori M. Taurine in health and diseases: consistent evidence from experimental and epidemiological studies. J Biomed Sci. 2010;17 Suppl 1:S6.
6. Murakami S. Taurine and atherosclerosis. Amino Acids.2012 Dec 8.
7. Abebe W, Mozaffari MS. Role of taurine in the vasculature: an overview of experimental and human studies.Am J Cardiovasc Dis. 2011;1(3):293-311.
8. Rahman MM, Park HM, Kim SJ, et al. Taurine prevents hypertension and increases exercise capacity in rats with fructose-induced hypertension. Am J Hypertens.2011 May;24(5):574-81.
9. Jeejeebhoy F, Keith M, Freeman M, et al. Nutritional supplementation with MyoVive repletes essential cardiac myocyte nutrients and reduces left ventricular size in patients with left ventricular dysfunction. Am Heart J. 2002 Jun;143(6):1092-100.
10. lifeextension.com

O suplemento 7-keto promove perda de peso de forma saudável

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

cirurgia-pos-emagrecimento

By Dr Júlio Caleiro, nutricionista.

Em razão de o suplemento 7-keto aumentar a taxa metabólica de repouso, é de se esperar que promova, então, a perda de peso (J Nutr Biochem. 2007 Sep;18(9):629-34.; Endocrine. 2000;13:207-12.; Curr Therap Res. 2000;61(7):435-42.). Para verificar este resultado de perda de peso, cientistas recrutaram 30 adultos saudáveis e com excesso de peso, com uma idade média de 44,5 anos, em um estudo randomizado. Foram divididos aleatoriamente em dois grupos.

Para um grupo foi dada uma certa dose de 7-keto, duas vezes ao dia, enquanto a outra metade recebeu um placebo. Ambos os grupos seguiram uma dieta de 1.800 calorias por dia e realizavam 60 minutos de exercícios físicos, três vezes por semana.

Após 8 semanas, os indivíduos que fizeram uso do suplemento “7-keto” eliminaram em média 2,87 quilos contra ume média de 0,966kg do grupo placebo. Os participantes do 7-keto também perderam 3 vezes mais gordura corporal comparados com o grupo placebo (1,8% contra 056%). Um aumento na atividade hormonal da tireóide foi observada no grupo 7-keto, que tem como alvo genes de queima de gordura no tecido adiposo (Curr Therap Res. 2000;61(7):435-42.)

Em razão de não ter existido diferenças significativas entre os dois grupos quanto a ingestão calórica total ou gasto calórico total, o estudo concluiu que 7-keto induz perda de peso.

Para mais confirmações, os pesquisadores, em seguida, realizaram outro estudo randomizado, controlado por placebo para avaliar os efeitos de uma formulação contendo 7-keto em indivíduos com sobrepeso. Foram divididos, também, em dois grupos. Um grupo utilizava uma certa dose de 7-keto, enquanto outro grupo recebia placebo. Todos os participantes foram colocados em uma dieta de 1.800 calorias por dia, e foram monitorados em um programa de exercícios. Após 8 semanas, o grupo 7-keto perdeu em média 2,14 quilos, enquanto o grupo placebo 0,716 quilos. O grupo 7-keto também diminuiu o índice de massa corporal – IMC em uma média de 0,71, contra uma média de redução de IMC de 0,01 do grupo placebo (Curr Ther Res. 2002;63:263-72.).

O uso de 7-keto foi bem tolerado e não apresenta efeitos colaterais significativos.

Como no estudo anterior, não houve diferenças significativas entre os dois grupos em termos de calorias consumidas ou gastas. Estes resultados confirmam que a suplementação com 7-keto produz, de forma saudável, perda de peso.

Agende sua consulta, e aplique os princípios da nutrição funcional em sua saúde!

Para mais informações sobre o 7-keto, sugiro a leitura desta outra matéria:
https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/06/15/7-keto-restaura-a-taxa-metabolica-de-repouso-e-promove-queima-de-gordura/

Referências:

1. Zenk JL, Frestedt JL, Kuskowski MA. HUM5007, a novel combination of thermogenic compounds, and 3-acetyl-7-oxo-dehydroepiandrosterone: each increases the resting metabolic rate of overweight adults. J Nutr Biochem. 2007 Sep;18(9):629-34.
2. Astrup A. Thermogenic drugs as a strategy for treatment of obesity. Endocrine. 2000;13:207-12.
3. Kalman DS, Colker CM, Swain MA, Torina GC, Shi Q. A randomized, double-blind, placebo-controlled study of 3-acetyl-oxo-dehydroepiandreosterone in healthy overweight adults. Curr Therap Res. 2000;61(7):435-42.
4. Zenk JL, Helmer TR, Kassen LJ, Kuskowski MA. The effect of 7-Keto NaturaleanTM on weight loss: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Curr Ther Res. 2002;63:263-72.
5. lifeextension.com

O magnésio estabiliza 350 funções diferentes no corpo humano associadas a outros minerais

enve

By. Dr. Júlio Caleiro. Fone do consultório: (35) 3531-8423.

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

O Doutor Arnoldo Velloso da Costa, médico neurologista, com especialização em nutrologia, medicina ortomolecular, e autor do livro ““Magnésio: o que ele pode fazer por você”, foi entrevistado pela Revista Longevidade em Foco, e explicou as principais funções do MAGNÉSIO na saúde humana. Veja toda entrevista abaixo:

Longevidade em Foco – O senhor relaciona a alta incidência de alguns distúrbios de saúde no Brasil, como os cardíacos, à carência de magnésio no solo e na água do país. Essa afirmação tem comprovação científica?

Arnoldo Velloso da Costa – Sim. O magnésio estabiliza 350 funções diferentes no corpo humano associadas a outros minerais, a proteínas, a enzimas... Ele é a essência da vida. E ele não é bem representado na alimentação, está mais presente na água. Em alguns locais do plane- ta, o solo é pobre em magnésio. É o caso da Finlândia. Já no Japão, o solo é rico, com uma boa relação entre magnésio e cálcio. Aqui no Brasil, 95% das pessoas sofrem de carência de magnésio. Isso é causado não apenas pela falta desse elemento no solo e na água do país, mas pelo consumo em excesso de alimentos ricos em gordura, pelo consumo de álcool e porque as pessoas não comem alimentos ricos em magnésio, como nozes e amêndoas, o que também contribui para esse déficit. Essa situação se agrava com a idade. Depois dos 65 anos, a pessoa ?ca desamparada e pode ter um infarto causado por um estresse. No Japão, isso não ocorre. O solo mais a base alimentar, ricos em cálcio e magnésio, fazem com que as pessoas tenham maior expectativa de vida.

Longevidade em Foco – De que maneira o magnésio atua no corpo humano e quais são as suas principais finalidades?

Arnoldo Velloso da Costa – O magnésio é antioxidante, anti-in?amatório, ativa as enzimas, controla o sódio, o potássio e o cálcio, elementos que são controlados por bombas iônicas que dependem do magnésio. Ele também auxilia a defesa do organismo e ativa 350 enzimas. O Brasil tem poucos vulcões e, consequentemente, pouca água rica em magnésio. Nossa média é de 15 mg de magnésio por litro de água. O ideal é que se tenha entre 70 mg/l e 90 mg/l. Algumas empresas até já produzem água rica em magnésio e cálcio. Mas é importante destacar que o magnésio não é suprido pela ali- mentação. A pessoa que tenha carência desse elemento deve fazer uso de suplementos, na maior parte das vezes, produzidos em farmácias de manipulação.

Longevidade em Foco – Qual é, exatamente, a proposta terapêutica sugerida pelo senhor com relação ao uso do magnésio?

Arnoldo Velloso da Costa – Basicamente, a reposição do magnésio ausente no organismo através de suplementos ou por via intravenosa, dependendo do caso.

Longevidade em Foco – Existem alimentos ricos em magnésio? Se sim, quais são eles?

Arnoldo Velloso da Costa – Existem, sim. Os principais são as amêndoas, nozes, chocolate, banana, alimentos calóricos e as folhas, em geral.

Longevidade em Foco – Como é feita a reposição desse elemento em pessoas que sofrem com a sua carência?

Arnoldo Velloso da Costa – Pode ser tanto por via oral, com suplementos, quanto por via intravenosa ou por uma alimentação rica em magnésio. Ou ainda através de uma combinação dessas possibilidades.

Longevidade em Foco – Quais são as patologias mais comuns associadas à carência de magnésio no organismo?

Arnoldo Velloso da Costa – A falta de magnésio acelera o envelhecimento, aumenta a tendência de morte súbita e amplia a propensão a problemas cardíacos, entre outros distúrbios. O tratamento com reposição de magnésio é indicado para combater que patologias? Em geral, patologias associadas ao diabetes e à pressão alta. Em casos de desidratação, no entanto, é preciso corrigir antes. O atleta profissional, por exemplo, às vezes perde muito magnésio pelo suor, em razão do esforço in- tenso. Se você der cálcio a ele, isso agrava a perda de magnésio e ele pode ter uma convulsão. A pessoa que pratica atividades físicas, geralmente, acha que não pre- cisa de suplementos, mas isso é um erro. Às vezes, a pessoa morre do coração por causa disso, pois precisa de uma reserva de magnésio. Nosso mecanismo de defesa atua só até os 55 anos, mantendo uma reserva óssea de magnésio. Depois dessa idade, é preciso repor. Já existe, inclusive, um tipo de reposição que previne contra o mal de Alzheimer, impedindo a perda de ligações nervosas.

Longevidade em Foco – O tratamento com magnésio pode ser ministrado a qualquer tipo de paciente ou há contraindicações?

Arnoldo Velloso da Costa – Tudo tem contraindicação. No caso do magnésio, especificamente, se o rim do paciente estiver funcionando mal, é preciso haver o controle da dosagem. Caso contrário, a pessoa poderá dormir muito. É um efeito colateral, o que ocorre quando há qualquer excesso.

Longevidade em Foco – Desde quando o senhor se interessa pelo tema ‘magnésio’ e o que motivou esse interesse?

Arnoldo Velloso da Costa – Eu sou neurologista, trabalhei durante muito tempo com tratamentos do crânio. Com o passar do tempo, resolvi fazer um curso, na Alemanha, de Medicina Ortomolecular. Isso foi há mais de 30 anos. Desde então, passei a exercer esse tipo de medicina, baseada na nutrição. Depois disso, entrei no Colégio Americano de Nutrição, onde estudei, e me liguei a pesquisadores de lá e da Alemanha. Há 34 anos, eu estudo o assunto. Tenho 83 anos, estou no meu último ato, por isso resolvi escrever um livro sobre o assunto, feito para o leigo e para o médico.

Longevidade em Foco – O senhor também argumenta que a água do Brasil, além de pobre em magnésio, está contaminada. Por quê?

Arnoldo Velloso da Costa – Nossa água está contaminada com flúor, uma substância altamente corrosiva e tóxica. Sua presença agrava o déficit de magnésio, produz calcificações patológicas, não previne cárie, como defende o Governo, provoca câncer e deteriora os ossos, entre outros problemas. As autoridades sanitárias ?zeram isso para prevenir a cárie, mas a presença de flúor na água não previne nada. Em países desenvolvidos isso foi banido. A contaminação da água com flúor está associada a câncer de bexiga, de tireoide, nos ossos, na boca e no fígado, entre outros.

Longevidade em Foco – De que maneira níveis equilibrados de magnésio no organismo contribuem para um envelhecimento mais saudável?

Arnoldo Velloso da Costa – A associação é clara. A maior prova é o Japão, que tem uma grande disponibilidade de magnésio. A maior longevidade é a do japonês, que só morre quando acaba a pilha. O magnésio é o melhor geriatra que existe. Ele ajuda a pessoa a envelhecer de forma mais lenta, uma vez que re- tarda os efeitos do envelhecimento, sem contar que ajuda a prevenir o diabetes. E ele faz parte do nosso corpo, e nós temos que ter esse elemento no corpo.

Longevidade em Foco – Quais são as novidades mais recentes sobre o assunto? Existem outros médicos com pesquisas semelhantes?

Arnoldo Velloso da Costa – No mundo inteiro, pesquisam sobre o magnésio. Alguns produtos permitem obtermos maior concentração de magnésio em pessoas de certa idade. Esses níveis mantêm os neurônios conectados e previnem contra o Alzheimer. Existem pesquisas avançadas especialmente na Itália e no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos.

Longevidade em Foco – Qual é a abordagem do seu livro, “Magnésio, e o que ele pode fazer por você”?

Arnoldo Velloso da Costa – O livro foi lançado em 18 de outubro de 2010. Ele expõe esse estudo e fala de vitaminas que complementam o tratamento. Na verdade, o magnésio é o maestro da orquestra e as vitaminas são figurantes, fazem os acompanhamentos. Sem o magnésio, há dificuldade de regeneração das células, menos energia, insuficiência cardíaca, infarto, diabetes, pressão alta e outros distúrbios de saúde.

Longevidade em Foco – Atualmente, o senhor atua como neurologista ou se dedica à Medicina Ortomolecular?

Arnaldo Velloso da Costa – Faço as duas coisas. Hoje, eu ainda sou um neurologista, mas com mais recursos. Muitas vezes aplico suplementos em vez de medicamentos sintéticos.

 

Leia também o artigo Nutrição Funcional e tratamento do Diabetes –  https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/06/04/diabetes-pode-ser-tratada-eficazmente-pelos-principios-da-nutricao-funcional/

—————————————————————

Referências:
1. http://www.drbayma.com/magnesio-um-mineral-essencial-para-o-organismo/
2. https://www.facebook.com/academialongevidadesaudavel

Tratamento a base de altas doses de vitaminas do complexo B reduz em sete vezes a atrofia cerebral

alzheimer1

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM By Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423. juliocaleiro@hotmail.com

Pesquisa científica demonstra que tratamento de vitaminas do complexo B em altas doses provoca uma diminuição de 7 (sete) vezes a atrofia cerebral em áreas de células nervosas mais vulneráveis ao processo da doença de Alzheimer, ao longo de um período de 2 anos em um grupo de idosos com maior risco de demência.

Tratamento de vitamina B reduz significativamente a perda regional da massa cinzenta. Sobre este mesmo estudo, o Doutor Ícaro Alves Alcântara, médico Homeopata e Ortomolecular, e Professor de Medicina da FACIPLAC, comenta o seguinte: “A cada dia mais me convenço que quem diz que “suplementação de vitaminas é besteira” não passa mesmo de alguém que NÃO estuda com a devida freqüência/regularidade e por isso está, no mínimo, desatualizado…Provas? Este estudo CONFIRMA que suplementação de vitaminas do Complexo B pode reduzir/lentificar (e assim ajudar a tratar) a atrofia cerebral que ocorre com a progressão da triste Doença de Alzheimer (http://mindblog.dericbownds.net/2013/06/preventing-alzheimers-associated-brain.html).”

Para mais informações sobre o tratamento de atrofia cerebral, sugiro a leitura desta outra matéria: https://nutricaobrasil.wordpress.com/2013/04/07/omega-3-dha-e-essencial-para-a-saude-cerebral

Referências: 1. http://mindblog.dericbownds.net/2013/06/preventing-alzheimers-associated-brain.html

2. http://www.pnas.org/content/110/23/9523.abstract

3. http://www.icaro.med.br 4. https://www.facebook.com/dr.icaroalves

7-keto restaura a taxa metabólica de repouso e promove queima de gordura!

metabolismo-acelerado-emagrecer

(PARA UMA ‘INDICAÇÃO EXPRESSA’, ENVIE SUA MENSAGEM PARA – JULIOCALEIRO@HOTMAIL.COM

By Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423.

Uma forma conhecida para o ganho de peso relacionado com a idade é a redução metabólica em repouso, isto é, o número de calorias queimadas quando o corpo está em repouso. Isso pode levar a um ganho de peso significativo (Am J Physiol.1990 Aug;259(2 Pt 1):E233-8.2.; Nutrition. 2010 Feb;26(2):152-5. Epub 2009 Dec 8). O envelhecimento causa uma redução na conversão de gordura corporal armazenada em energia (Biochem Mol Biol Int. 1995;37(3):475-80.) Para piorar a situação, há dietas que podem agravar o problema, pois pode levar uma maior redução metabólica em repouso (Obesity (Silver Spring). 2012 May 7; Am J Clin Nutr. 1971;24:1405-9; Fam Pract. 1999 Apr;16(2):196-201).

Pessoas obesas ou com sobrepeso tem expectativa de vida útil reduzida (N Engl J Med. Dec 2010;363(23):2211-9). Além disso, essas pessoas tem maior risco de muitas doenças, incluindo doenças cardíacas, demência, osterartrite, alergias e diabetes (Curr Clin Pharmacol. 2012 Sep 3.; J Korean Med Sci. 2012 Mar;27(3):243-9. Epub 2012 Feb 23; Am J Epidemiol. 2007 Dec 15;166(12):1374-80.; Neurology. 2008 Sep 30;71(14):1057-64.; Radiology. 2009 Sep;252(3):772-80.; J Allergy Clin Immunol. May 2009;123(5):1163-9,1169.e1-4.; Pediatr Pulmonol. 2009;44(5):472-9; Clin Chest Med. 2009 Sep;30(3):415-44,vii).

Os cientistas descobriram diversas maneiras de reverter a diminuição da taxa metabólica, que faz com que seja muito fácil acumular peso e gordura à medida que envelhecemos. Um estudo controlado por placebo, mostrou resultados desta reversão em apenas 7 dias! (J Nutr Biochem. 2007 Sep;18(9):629-34.)

Quando o corpo está em atividade utiliza apenas cerca de 30% das calorias totais, e para geração de calor no corpo requer apenas outros 10%. Os outros 60% das calorias queimadas vem de sua taxa metabólica em repouso (Nutrition. 2010 Feb;26(2):152-5. Epub 2009 Dec 8). Assim, uma solução ideal para o problema é aquele que restaura a atividade metabólica e auxilia a queima de gorduras. Com isso, os cientistas verificaram que mesmo um aumento de 2 à 3% na taxa metabólica de repouso pode vir a ter um efeito de reverter o peso relacionado à idade e ganho de gordura (Endocrine. 2000;13:207-12). O desafio foi encontrar uma forma natural de manter o peso corporal e taxa metabólica de repouso, sem os efeitos colaterais no sistema nervoso central, cardiovascular.

Bom, os pesquisadores verificaram que o composto de nome ‘3-acetil-7-oxo-dehidroepiandrosterona’, comumente denominado de ‘7-keto’, eleva a taxa metabólica e promove a queima de gorduras, aumentando a ativação de 3 enzimas termogênicas que estimulam a oxidação de ácidos gordos: Glycerol-3-phosphate dehydrogenase; Malic enzyme; Fatty acyl CoA oxidase. (Steroids. 1998 Mar; 63(3):158-65.; J Bioenerg Biomembr. 1993 June;25(3):313-21; Arch Biochem Biophys. 1997 May;341(1):122-8.; Proc Natl Acad Sci USA. 1995 July;92(14):6617-9.).

O 7-keto aumenta a produção, ainda, dos hormônios da tireóide, que estão associados com o aumento da taxa metabólica em repouso (Physiol Res. 2006;55(1):49-54. Epub 2005 Apr 26). Ademais, verificou-se que o uso diário de 7-keto em pessoas saudáveis é seguro (Clin. Invest. Med. 2000;23(5):300-10).

Cientistas demonstraram que a suplementação com 7-keto, metabólito de DHEA, pode restaurar a taxa metabólica de repouso em apenas 7 dias (J Nutr Biochem. 2007 Sep;18(9):629-34.).

Neste estudo, na fase de dieta de restrição calórica com uso de placebo, os participantes tiveram uma redução da taxa metabólica de repouso de 3,9%. No entanto, na fase do uso de 7-keto, esta suplementação reverteu essa redução de 3,9% e aumentou ainda mais a taxa metabólica de repouso em 1,4% em apenas 7 dias.

Isso representou um aumento global de 5,3% no consumo de energia, o que equivale a aproximadamente 96 calorias extras queimadas por dia. Isto indica que o 7-keto pode aumentar a taxa metabólica de repouso, dentre de um período de 7 dias.

Além disso, um rigoroso estudo comprovou que o uso de 7-keto provocou perda de peso quase três vezes mais e diminuição do percentual de gordura corporal superior a três vezes, em comparação com o grupo placebo, dentro de 8 semanas (Curr Ther Res. 2002;63:263-72). Os suplementos a base de 7-keto, neste estudo, não afetaram o sistema nervoso central ou cardiovascular, demonstrando outra vez a segurança no seu correto uso.

Alerto, todavia, para que não façam nenhuma suplementação sem orientação de um médico ou nutricionista apto a esta forma de terapia. Ademais, a dosagem correta é fator indispensável para que surjam os resultados.

Agende sua consulta!

Referências científicas:

1. Fukagawa NK, Bandini LG, Young JB. Effect of age on body composition and resting metabolic rate. Am J Physiol.1990 Aug;259(2 Pt 1):E233-8.2.
2. St-Onge MP, Gallagher D. Body composition changes with aging: the cause or the result of alterations in metabolic rate and macronutrient oxidation? Nutrition. 2010 Feb;26(2):152-5. Epub 2009 Dec 8.
3. Luhrmann PM, Edelmann-Schafer B, Neuhauser-Berthold M. Changes in resting metabolic rate in an elderly German population: cross-sectional and longitudinal data. J Nutr Health Aging. 2010 Mar;14(3):232-6.
4. Rising R, Tataranni PA, Snitker S, Ravussin E. Decreased ratio of fat to carbohydrate oxidation with increasing age in Pima Indians. J Am Coll Nutr. 1996 Jun;15(3):309-12.
5. de Jonge L, Bray GA, Smith SR, et al. Effect of diet composition and weight loss on resting energy expenditure in the pounds lost study. Obesity (Silver Spring). 2012 May 7. [Epub ahead of print].
6. Apfelbaum MJ, Bestsarron J, Lacatis D. Effect of caloric restriction and excessive caloric intake on energy expenditure. Am J Clin Nutr. 1971;24:1405-9.
7. Connolly J, Romano T, Patruno M. Selections from current literature: effects of dieting and exercise on resting metabolic rate and implications for weight management. Fam Pract. 1999 Apr;16(2):196-201.
8. Berrington de Gonzalez A, Hartge P, Cerhan JR, et al. Body-Mass Index and mortality among 1.46 million white adults. N Engl J Med. Dec 2010;363(23):2211-9.
9. Persic V. Obesity in the cardiovascular continuum. Curr Clin Pharmacol. 2012 Sep 3. [Epub ahead of print]
10. Park YS, Kim JS. Obesity phenotype and coronary heart disease risk as estimated by the Framingham risk score. J Korean Med Sci. 2012 Mar;27(3):243-9. Epub 2012 Feb 23.
11. Franco M, Orduñez P, Caballero B, et al. Impact of energy intake, physical activity, and population-wide weight loss on cardiovascular disease and diabetes mortality in Cuba, 1980-2005. Am J Epidemiol. 2007 Dec 15;166(12):1374-80.
12. Whitmer RA, Gustafson DR, Barrett-Connor E, Haan MN, Gunderson EP, Yaffe K. Central obesity and increased risk of dementia more than three decades later. Neurology. 2008 Sep 30;71(14):1057-64.
13. Roemer FW, Zhang Y, Niu J, et al. Tibiofemoral joint osteoarthritis: Risk factors for MR-depicted fast cartilage loss over a 30-month period in the Multicenter Osteoarthritis Studies. Radiology. 2009 Sep;252(3):772-80.
14. Visness CM, London SJ, Daniels JL, et al. Association of obesity with IgE levels and allergy symptoms in children and adolescents: results from the National Health and Nutrition Examination Survey 2005-2006. J Allergy Clin Immunol. May 2009;123(5):1163-9,1169.e1-4.
15. Chu YT, Chen WY, Wang TN, Tseng HI, Wu JR, Ko YC. Extreme BMI predicts higher asthma prevalence and is associated with lung function impairment in school-aged children. Pediatr Pulmonol. 2009;44(5):472-9.
16. Catenacci VA, Hill JO, Wyatt HR. The obesity epidemic. Clin Chest Med. 2009 Sep;30(3):415-44,vii.
17. Zenk JL, Frestedt JL, Kuskowski MA. HUM5007, a novel combination of thermogenic compounds, and 3-acetyl-7-oxo-dehydroepiandrosterone: each increases the resting metabolic rate of overweight adults. J Nutr Biochem. 2007 Sep;18(9):629-34.
18. Kyle UG, Genton L, Hans D, Karsegard L, Slosman DO, Pichard C. Age-related differences in fat-free mass, skeletal muscle, body cell mass and fat mass between 18 and 94 years. Eur J Clin Nutr. 2001 Aug;55(8):663-72.
19. Mazariegos M, Wang ZM, Gallagher D, et al. Differences between young and old females in the five levels of body composition and their relevance to the two-compartment chemical model. J. Gerontol. 1994;49:M201-8.
20. Perichon R, Bourre JM. Liver peroxisomal fatty acid oxidizing system during aging in control and clofibate-treated mice. Biochem Mol Biol Int. 1995;37(3):475-80.
21. Kyle UG, Genton L, Hans D, et al. Total body mass, fat mass, fat-free mass, and skeletal muscle in older people: cross-sectional differences in 60-year-old persons. J Am Geriatr Soc. 2001 Dec;49(12):1633-40.
22. Janssen I, Ross R. Linking age-related changes in skeletal muscle mass and composition with metabolism and disease. J Nutr Health Aging. 2005 Nov-Dec;9(6):408-19.
23. Astrup A. Thermogenic drugs as a strategy for treatment of obesity. Endocrine. 2000;13:207-12.
24. Davidson M, Marwah A, Sawchuk RJ, et al. Safety and pharmacokinetic study with escalating doses of 3-acetyl-7-oxo-dehydroepiandrosterone in healthy male volunteers. Clin. Invest. Med. 2000;23(5):300-10.
25. Villareal DT, Holloszy JO. Effect of DHEA on abdominal fat and insulin action in elderly women and men: a randomized controlled trial. JAMA. 2004 Nov 10;292(18):2243-8.
26. Marenich LP. Excretion of testosterone, epitestosterone, androstenedione and 7-ketodehydroepiandrostenedione in healthy men of different ages. Probl Endokrinol (Mosk). 1979 Jul;25(4): 28-31.
27. Lardy H, Kneer N, Wei Y, Partridge B, Marwah P. Ergosteroids II: Biologically active metabolites and synthetic derivatives of dehydroepiandrosterone. Steroids. 1998 Mar; 63(3):158-65.
28. Bobyleva V, Kneer N, Bellei M, Battelli D, Lardy HA. Concerning the mechanism of increased thermogenesis in rats treated with dehydroepiandrosterone. J Bioenerg Biomembr. 1993 June;25(3):313-21.
29. Bobyleva V, Bellei M, Kneer N, Lardy H. The effects of the ergosteroid 7-oxo-dehydroepiandrosterone on mitochondrial membrane potential: possible relationship to thermogenesis. Arch Biochem Biophys. 1997 May;341(1):122-8.
30. Lardy H, Partridge B, Kneer N, Wei Y. Ergosteroids: induction of thermogenic enzymes in liver of rats treated with steroids derived from dehydroepiandrosterone. Proc Natl Acad Sci USA. 1995 July;92(14):6617-9.
31. Hampl R, Sulcová J, Bílek R, Hill M. How short-term transdermal treatment of men with 7-oxo-dehydroepiandrosterone influence thyroid function. Physiol Res. 2006;55(1):49-54. Epub 2005 Apr 26.
32. Davidson M. Safety and pharmacokinetic study with escalating doses of 3-acetyl-7-oxo-dehydroepiandrosterone in healthy male volunteers. Clin Invest Med. 2000 Oct;23(5):300-10.
33. Lardy H, Henwood SM, Weeks CE. An acute oral gavage study of 3-acetoxyandrost-5-ene-7,17-dione (7-oxo-DHEA-acetate) in rats. Biochem Biophys Res Comm. 1999;254:120-3.
34. Henwood SM, Weeks CE, Lardy H. An escalating dose oral gavage study of 3-acetoxyandrost-5-ene-7,17-dione (7-oxo-DHEA-acetate) in rhesus monkeys. Biochem Biophys Res Comm. 1999;254:124-8.
35. Kalman DS, Colker CM, Swain MA, Torina GC, Shi Q. A randomized, double-blind, placebo-controlled study of 3-acetyl-oxo-dehydroepiandreosterone in healthy overweight adults. Curr Therap Res. 2000;61(7):435-42.
36. Zenk JL, Helmer TR, Kassen LJ, Kuskowski MA. The effect of 7-Keto NaturaleanTM on weight loss: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Curr Ther Res. 2002;63:263-72.
37. lifeextension.com