Início » EVIDÊNCIAS » Diabetes pode ser tratada eficazmente pelos princípios da nutrição funcional

Diabetes pode ser tratada eficazmente pelos princípios da nutrição funcional

diabetes

By Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: (35) 3531-8423. São Seb. do Paraíso/MG.
PARA UMA ORIENTAÇÃO EXPRESSA SOBRE TRATAMENTO ENVIA email  PARA- juliocaleiro@hotmail.com

A diabetes é causada pelo metabolismo anormal da glicose, justamente porque o corpo não produz insulina suficiente ou porque as células tornam-se insensíveis aos efeitos da insulina.  Na verdade estudos vem mostrando que a diabetes tipo 1 é causada  por uma reação auto-imune que destrói as células produtoras de insulina no pâncreas. A diabetes Tipo 2 é causada por diminuição da sensibilidade à insulina. Pessoas com diabetes tipo 2 leve à moderada, devem evitar medicamentos e terapias que aumentam os níveis de insulina. A doença é caracterizada por níveis elevados de insulina e de glicose. Em suma, a terapia deve se concentrar em estratégias para aumentar a sensibilidade à insulina e não a quantidade desta.

As possíveis complicações na diabetes surgem danos às enzimas e aos vasos sanguíneos. A diminuição do fluxo sanguíneo posterior, com aumento da vulnerabilidade ao estresse oxidativo e diminuição da capacidade antioxidante interagem para produção de lesão a ‘órgão-alvo’, como por exemplo, os olhos, tecido nervoso, rins e sistema cardiovascular.

A terapia de reposição de insulina não soluciona o problema, pois não age em sua causa. Para tratar esta patologia é preciso verificar a causa, e a nutrição funcional faz isso por meio de dieta funcional e suplementação adequada. Vejamos ALGUNS suplementos que poderão ser utilizados na terapia [todos embasados em estudos científicos e apliacados pelo Dr. Júlio Caleiro – Nutricionista, em consulta, pois as doses devem ser mensuradas e dosadas individualmente, levando em consideração peso, idade, altura, tempo da patologia co-morbidades, exames laboratoriais…etc..para que os efeitos positivos aconteçam.

1. Ácido Lipóico: como um poderoso efeito antioxidante, o ácido lipóico afeta positivamente aspectos importantes do diabetes, incluindo o controle do açúcar no sangue e o desenvolvimento de complicações a longo prazo, tais como doenças no coração, rins, e vasos sanguíneos. O ácido lipóico na forma oral ou intravenosa reduz os sintomas da neuropatia periférica diabética. Em um grande estudo, diabéticos apresentaram significativas melhoras, com regressão dos sintomas, por meio de uma dose diária de ácido lipóico (Arzneimittelforschung. 1995 Aug;45(8):872–4; Free Radic Biol Med. 1999 Aug;27(3-4):309–14; Biochem Biophys Res Commun. 1994 Aug 30;203(1):99–104; J Am Soc Nephrol. 2002 Jan;13(1):108–16; Diabetes Care. 1995 Aug;18(8):1160–7)

2. Carnosina: A carnosina é um inibidor da glicação e apresenta efeitos protetores contra a nefropatia diabética. Carnosina reduz níveis elevados de açúcar no sangue, põe limites ao estresse oxidativo e inflamação elevada. Além disso, carnosina funciona “nos bastidores” para oferecer proteção (para diabéticos) contra a destruição fisiológica causada por níveis elevados de açúcar no sangue, da seguinte forma:
a) diminui a incidência de aterosclerose gerada pela diabetes;
b) reduz o risco de cataratas (complicação comum em diabetes;
c) previne danos aos vasos sanguíneos que gera a retinopatia diabética, a principal causa de cegueira nos diabéticos.
(Diabetes. 2005 Aug;54(8):2320–7; Biochim Biophys Acta. 2005 Jun 30;1741(1-2):120–6; Cesk Fysiol. 2003 May;52(2):51-65; Mech Ageing Dev. 2001 Sep 15;122(13):1431-45; Mech Ageing Dev. 2005 Oct;126(10):1034-9; Exp Biol Med (Maywood). 2003 Nov;228(10):1138-45; Biofactors. 2005;24(1-4):77-87); Eur J Pharmacol. 2005 Apr 18;513(1-2):145-50; FEBS Lett. 2007 Mar 6;581(5):1067-70; Cell Physiol Biochem. 2011;28(1):125-36)
3. Cromo: é um mineral essencial que desempenha papel significativo no metabolismo do açúcar. Suplementação de cromo ajuda a controlar os níveis de açúcar no sangue em diabéticos tipo 2, e melhora o metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídios (Saudi Med J. 2000 Sep;21(9):831; J Nutr Biochem. 2002 Nov;13(11):690–7; J Trace Elem Med Biol. 1999;12:91–7; Diabetes. 1997 Nov;46(11):1786–91; Int J Diab Dev Ctries. 2010 Jul-Sep;30(3):153-61)

4. Vitamina D3:

As alterações inflamatórias em animais diabéticos, como em humanos, levam a um aumento da gordura no fígado, uma condição conhecida como doença hepática gordurosa não alcoólica. Quando diabéticos humanos com marcadores inflamatórios elevados foram suplementados com vitamina D diariamente, a inflamação reduziu substancialmente(Hepatology. 2012 Apr;55(4):1103-11; Diabetes Metab Res Rev. 2012 Jul;28(5):424-30.).

Uma notável notícia é que a vitamina D diminui a progressão do pré-diabetes ao diabetes (Am J Clin Nutr. 2011 Aug;94(2):486-94.).

A suplementação de vitamina D também beneficia aqueles que já tem o diabetes. Os diabéticos que receberam uma importante dose de vitamina D no iogurte apresentaram quedas significativas no nível de açúcar no sangue em jejum, na resistência à insulina, na circunferência da cintura, e índice de massa corporal, em comparação com o grupo do controle (que não recebeu a vitamina D) – Am J Clin Nutr. 2011 Apr;93(4):764-71.)

Evidentemente, mais importante que a suplementação é a mudança dos hábitos de vida para hábitos saudáveis, e níveis ótimos de vitamina D no sangue. A aplicação de uma dieta funcional, a prática regular de uma atividade física saudável, ingestão correta de água e o controle do estresse são fundamentais para uma regressão desta patologia.

Obs: Não tome nenhum suplemento acima citado, sem orientação do profissional, principalmente a vitamina D3.

Agende sua consulta e aplique os fundamentos da nutrição avançada em seu tratamento de saúde.

Referências:
1. Jacob S, Henriksen EJ, et al. Enhancement of glucose disposal in patients with type 2 diabetes by alpha-lipoic acid. Arzneimittelforschung. 1995 Aug;45(8):872–4.
2. Jacob S, Ruus P, et al. Oral administration of RAC-alpha-lipoic acid modulates insulin sensitivity in patients with type-2 diabetes mellitus: A placebo-controlled pilot trial. Free Radic Biol Med. 1999 Aug;27(3-4):309–14.
3. Kawabata T, Packer L. Alpha-lipoate can protect against glycation of serum albumin, but not low density lipoprotein. Biochem Biophys Res Commun. 1994 Aug 30;203(1):99–104.
4. Melhem MF, Craven PA, et al. Alpha-lipoic acid attenuates hyperglycemia and prevents glomerular mesangial matrix expansion in diabetes. J Am Soc Nephrol. 2002 Jan;13(1):108–16.
5. Nagamatsu M, Nickander KK, et al. Lipoic acid improves nerve blood flow, reduces oxidative stress, and improves distal nerve conduction in experimental diabetic neuropathy. Diabetes Care. 1995 Aug;18(8):1160–7.
6. Song KH, Lee WJ, et al. Alpha-lipoic acid prevents diabetes mellitus in diabetes-prone obese rats. Biochem Biophys Res Commun. 2005 Jan 7;326(1):197–202.
7. Ametov AS, Barinov A, et al. The sensory symptoms of diabetic polyneuropathy are improved with alpha-lipoic acid: The SYDNEY trial. Diabetes Care. 2003 Mar;26(3):770–6.
8. Ziegler D, Gries FA. Alpha-lipoic acid in the treatment of diabetic peripheral and cardiac autonomic neuropathy. Diabetes. 1997a Sep;46 Suppl 2:S62–S66.
9. Ziegler D, Schatz H, et al. Effects of treatment with the antioxidant alpha-lipoic acid on cardiac autonomic neuropathy in NIDDM patients: A 4-month randomized controlled multicenter trial (DEKAN Study). Deutsche Kardiale Autonome Neuropathie. Diabetes Care. 1997b Mar;20(3):369–73.
10. Janssen B, Hohendel D, et al. Carnosine as a protective factor in diabetic nephropathy: Association with a leucine repeat of the carnosinase gene CNDP1. Diabetes. 2005 Aug;54(8):2320–7.
11. Yan H, Harding JJ. Carnosine protects against the inactivation of esterase induced by glycation and a steroid. Biochim Biophys Acta. 2005 Jun 30;1741(1-2):120–6.
12. Jakus V. The role of nonenzymatic glycation and glyco-oxidation in the development of diabetic vascular complications.Cesk Fysiol. 2003 May;52(2):51-65.
13. Hipkiss AR, Brownson C, Carrier MJ. Carnosine, the anti-ageing, anti-oxidant dipeptide, may react with protein carbonyl groups. Mech Ageing Dev. 2001 Sep 15;122(13):1431-45.
14. Hipkiss AR. Glycation, ageing and carnosine: are carnivorous diets beneficial? Mech Ageing Dev. 2005 Oct;126(10):1034-9.
15. Nagai K, Niijima A, Yamano T, et al. Possible role of L-carnosine in the regulation of blood glucose through controlling autonomic nerves. Exp Biol Med (Maywood). 2003 Nov;228(10):1138-45.
16. Aldini G, Facino RM, Beretta G, Carini M. Carnosine and related dipeptides as quenchers of reactive carbonyl species: from structural studies to therapeutic perspectives. Biofactors. 2005;24(1-4):77-87
17. Lee YT, Hsu CC, Lin MH, Liu KS, Yin MC. Histidine and carnosine delay diabetic deterioration in mice and protect human low density lipoprotein against oxidation and glycation. Eur J Pharmacol. 2005 Apr 18;513(1-2):145-50.
18. Rashid I, van Reyk DM, Davies MJ. Carnosine and its constituents inhibit glycation of low-density lipoproteins that promotes foam cell formation in vitro. FEBS Lett. 2007 Mar 6;581(5):1067-70.
19. Pfister F, Riedl E, Wang Q, et al. Oral carnosine supplementation prevents vascular damage in experimental diabetic retinopathy. Cell Physiol Biochem. 2011;28(1):125-36.
20. Bahijiri SM, Mira SA, et al. The effects of inorganic chromium and brewer’s yeast supplementation on glucose tolerance, serum lipids and drug dosage in individuals with type 2 diabetes. Saudi Med J. 2000 Sep;21(9):831–7.
21. Ghosh D, Bhattacharya B, et al. Role of chromium supplementation in Indians with type 2 diabetes mellitus. J Nutr Biochem. 2002 Nov;13(11):690–7.
22. Jovanovic L, Gutierrez M, et al. Chromium supplementation for women with gestational diabetes mellitus. J Trace Elem Med Biol. 1999;12:91–7.
23. Anderson RA, Cheng N, et al. Elevated intakes of supplemental chromium improve glucose and insulin variables in individuals with type 2 diabetes. Diabetes. 1997 Nov;46(11):1786–91.
24. Bhattacharyya S, Pal D, Ghosal S, et al. Effects of adjunct therapy of a proprietary herbo-chromium supplement in type 2 diabetes: A randomized clinical trial. Int J Diab Dev Ctries. 2010 Jul-Sep;30(3):153-61.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: