Início » EVIDÊNCIAS » Lactobacillus rhamnosus trata de infecções urinárias e do trato vaginal (vaginite recorrente/vaginose bacteriana)

Lactobacillus rhamnosus trata de infecções urinárias e do trato vaginal (vaginite recorrente/vaginose bacteriana)

371

By Dr. Júlio Caleiro, nutricionista. Fone do consultório: 35-3531-8423.

Lactobacillus rhamnosus – é um microorganismo encontrado tanto no intestino delgado quanto no trato vaginal. Já se comprovou eficaz na inibição e tratamento das infecções do trato vaginal (vaginite recorrente e vaginose bacteriana) e urinário e na produção de imunidade contra vírus e bactérias patogênicas.

O L. rhamnosus é muito prolífico, tem alta resistência aos sais biliares, adere à mucosa intestinal e protege o trato intestinal contra a invasão e atividades de microorganismos nocivos. Reduz a intolerância à lactose, as reações hipersensitivas e as inflamações intestinais de pacientes com eczema atópica e alergia alimentar.
O L. rhamnosus não apenas coloniza, acidifica e protege o intestino delgado, mas pode rapidamente se estabelecer no intestino grosso, inibindo o crescimento de Streptococci e Clostridia . Ele também cria condições favoráveis para a implantação de bifidobactérias e produz o biologicamente desejável ácido láctico L(+).

Referências:
1. Armuzzi, A.; Cremonini, F.; Ojetti, V.; Bartolozzi, F.; Canducci, F.; Candelli, M.; Santarelli, L.; Cammarota, G.; De Lorenzo, A.; Pola, P.; Gasbarrini, G.; Gasbarrini, A. Effect of Lactobacillus GG supplementation on antibiotic-associated gastrointestinal side effects during Helicobacter pylori erradication therapy: a pilot study. Digestion, v. 63, p. 1-7, 2001.
2. McFarland, L.V. Normal flora: diversity and functions. Microb. Ecol. Health Dis., v. 12, p. 193-207, 2000.
3. Savage, D.C. Microbial ecology of the gastrointestinal tract. Annu. Rev. Microbiol., v. 31, p. 107-133, 1977.
4. Vaughan, E.E.; Schut, F.; Heilig, H.G.H.J.; Zoetendal, E.G.; De Vos, W.M.; Akkermans, A.D.L. A molecular view of the intestinal ecosystem. Curr. Issues Intest. Microbiol., v. 1, p. 1-12, 2000.
5. FEMS Immunol Med Microbiol 2001 Feb;30(1):49-52


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: