Início » 2013 » janeiro (Página 2)

Arquivo mensal: janeiro 2013

COGUMELOS REISHI CONTRA- DIABETES, ALZHEIMER, ALERGIAS, ARTRITE E CÂNCER

CONTATO CONSULTÓRIO DR. JÚLIO CALEIRO 35-3551-8423 –  ATENÇÃO NÃO TOME MEDICAÇÃO FITOTERÁPICA OU SUPLEMENTAÇÃO SEM ORIENTAÇÃO MÉDICA OU DE NUTRICIONISTA – PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.

nhistor4

COGUMELOS REISHI CONTRA- DIABETES, ALZHEIMER, ALERGIAS, ARTRITE E CÂNCER

Ed. By. Dr. Júlio Caleiro

Ao longo das últimas décadas, as pesquisas científicas tem se intensificado e focado na análise de centenas de compostos bio-ativos encontrados na Cogumelo Reishi medicinal. Só este ano, três novos compostos foram descobertos no Reishi.

Existe agora uma riqueza de dados impressionantes que demonstram que o Reishi aumenta a expectativa de vida além da sua capacidade significativa para estimular os neurônios cerebrais, em destruir células de câncer e impedir o desenvolvimento de novas células de gordura em indivíduos obesos, além de efeitos contra a asma, alergias diversas, doenças auto-imunes e principalmente a doença de ALZHEIMER, PARKINSON, DIABETES, VÁRIAS DOENÇAS HEPÁTICAS. O Reishi apresenta complexos e compostos bioativos com um amplo espectro de fatores deletérios do envelhecimento. Os Cogumelos Reishi têm sido usadas para fins medicinais há pelo menos 2.000 anos, e eram conhecidos dos antigos como “o cogumelo da imortalidade” e tudo isso por uma boa razão! Eles tinham a reputação de promover a saúde e longevidade, impulsionar o sistema imunológico e reduzir o risco de encurtamento da vida tais como: doenças cardiovasculares e câncer e agora cientistas estão validando então esta sabedoria tradicional. Os cogumelos Reishi eram raros e caros, mas agora os avanços nas técnicas de cultivo têm feito estes cogumelos medicinais mais disponíveis, o que levou a uma explosão de pesquisas sobre suas propriedades e componentes bioativos. Estudos têm mostrado que os cogumelos Reishi pode contribuir para uma vida mais longa, ajudando a controlar algumas condições preocupantes relacionados à idade, incluindo doenças auto-imunes, doenças neurodegenerativas, diabetes, doenças do fígado, câncer, e muito mais.

Como é que este cogumelo simples pode ter efeitos tão amplos de saúde? Tenha em mente que não existe uma única causa do envelhecimento e da doença, na verdade vários fatores contribuem para estas condições o que significa que para combatê-los, é preciso combatê-los a partir de uma abordagem multi-alvo! Isso é exatamente o que faz os tão poderosos cogumelos Reishi . O próprio cogumelo contém centenas de moléculas biologicamente ativas que trabalham em conjunto para ter uma saúde de amplo alcance. Os investigadores identificaram três compostos específicos que são essenciais para que o Reishi seja um poderoso antioxidante e com efeitos antienvelhecimento. que são:

1 Polissacarídeos característicos: Possuem efeitos anticancerígenos com base na capacidade de prevenir a formação de vasos sanguíneos anormais, e de estimular o sistema imunitário a funcionar de forma correta.

2.Triterpenos: Protege o fígado, pressão arterial e níveis de colesterol, previne a agregação plaquetária que leva a ataque cardíaco e ao acidente vascular cerebral. Combate as reações alérgicas desencadeadas pela histamina, e também possuem atividade anti-câncer.

3.Ganoderma lucidum: É um peptídeo que tem características antioxidantes notavelmente potentes que ainda estão sendo investigados e como o mecanismo deste peptídeo age no corpo humano.

Os cogumelos Reishi traz benéfico para muitos e variados aspectos da saúde. As ações desencadeadas por cogumelos Reishi produz mudanças importantes que podem contribuir para a promoção da longevidade. Os Extratos Reishi são conhecidos por:

• proteger danos contra do DNA celular, com ação contra os oxidantes que provocam o envelhecimento e câncer.
• Proteje o DNA mitocondrial e as mitocôndrias do dano oxidativo.
• Aumenta os níveis de atividades de um grande conjunto de moléculas antioxidantes naturais intracelulares, resultando em redução na oxidação das membranas das células e organelas que levariam ao envelhecimento.
• Proteje as células tubulares renais do dano oxidativo que pode lesar os rins.
• Aumento da expressão de um gene essencial e longevidade.
Vários estudos têm mostrado que o Reishi é um dos cogumelos mais poderosos quanto à atividade antioxidante dos cogumelos Reish aumenta a capacidade antioxidante total.

Num estudo com humanos, os cogumelos Reishi foram dados aos voluntários saudáveis em dose única 1.100 mg dose ao dia. O resultado foi que a capacidade antioxidante do plasma subiu rapidamente com um pico aos 90 minutos apenas, enquanto a capacidade antioxidante da urina aumentou em 29 % após 3 horas. Nenhum estudo mostrou qualquer evidência de toxicidade. Isso pode contribuir contra doenças renais de infecção moderada a grave.

Cogumelos Reishi e Prevenção do Câncer

Novos compostos estão sendo descobertos dentro de extratos de Reishi em uma base regular, pelo menos três foram identificados no final de 2012. Estas descobertas estão lançando luz sobre extratos Reishi com notáveis propriedades anti-câncer. O mais intrigante são achados que contribuem para o nosso conhecimento sobre o Reishi é a do fenômeno da vigilância imunológica. Novas células cancerosas aparecem no organismo todos os dias em indivíduos, mas o sistema imunológico saudável, normalmente procura eliminar estas células ativando células assassinas para destruir tumores em desenvolvimento antes que possam formar tumores maiores e malignos. O Reishi ajuda nesta ação do sistema imune em pessoas com sistema debilitado, incrementando-o. O avanço da idade, juntamente com o surgimento de outras doenças crônicas, e exposição a toxinas ambientais diversas (e até mesmo alguns medicamentos), diminui a capacidade do sistema imunológico de realizar a vigilância imunológica adequada fazendo com que células cancerígenas escape da detecção e destruição, que poderá vir a desenvolver um tumor maligno com uma rapidez tremenda.

Meta-análise realizada em Reishi para tratamento de câncer

Uma avaliação de todos os ensaios clínicos disponíveis sobre o uso de Reishi no tratamento do câncer foi publicada em junho de 2012. Enquanto não havia dados suficientes para demonstrar a eficácia deste cogumelo, o Reishi foi dado aos pacientes juntamente com a radioterapia e / ou quimioterapia, mostrando uma eficácia de 50% a mais quando pacientes que não usavam o Reish junto com a radioterapia e ou quimioterapia, e os resultados nesses pacientes recebendo Reishi mostrou melhorar a resposta contra o tumor e estimulação para destruir o câncer.

Há uma abundância de dados sobre as formas em que os extratos de Reishi aumentam a vigilância imunológica e aumenta a detecção e eliminação de células cancerosas. No final de 2012, vários novos estudos revelaram que estes cogumelos têm mecanismos substancialmente mais profundos e mais avançados do que tinha sido previamente suspeitado. Os mecanismos de como Reishi identifica e então ataca as células cancerosas são extremamente sofisticado e eficazes. O Reishi extrai células cancerosas a “força” constatando a seus marcadores e indicadores séricos imunes, sinalizando-os para a destruição pelas células NK por exemplo. Ao mesmo tempo, os extratos de Reishi induz a produção de moléculas específicas que o sistema imunológico precisa, para completar a destruição completa! Em ultima análise, o Reishi incrementa a morte de células cancerosas pelas células assassinas normais do sistema imunológico, e reduz a quantidade de medicamentos de quimioterapia em que o paciente poderia vir a usar.

Além de suas impressionantes propriedades imuno vigilantes os extratos de Reishi tem muitas outras maneiras de atacar o câncer:

• O Reishi, em particular os “triterpenos e os polissacarídeos”, diminui a taxa de crescimento de tumores bloqueando os ciclos anormais de reprodução de cancro.
• Alguns destes compostos são diretamente tóxicos para as células cancerosas, poupando as células saudáveis
• O Reishi também inibe processos metastáticos e diminuem a expressão de genes envolvidos na sobrevivência de células cancerosas, a proliferação, invasão de metástases. O Reishi também induz a morte celular programada chamado de apoptose, que geralmente fica reprimido em num câncer maligno.
Em conjunto, todos estes efeitos dos cogumelos Reishi são mostrados também reduzir o tamanho e as taxas de crescimento de tumores humanos, tanto em animais como em ensaios clínicos humanos. O impacto mais dramático foi mostrado no câncer colo-retal, que é a segunda maior causa de morte por câncer entre cânceres que afetam homens e mulheres. Os estudos clínicos demonstram que os extractos de Reishi suprimi o desenvolvimento de adenomas, que são células pré-malignas encontradas no intestino.

Benefícios notáveis de Reishi!

• Estudos recentes mostram que os cogumelos Reishi tem centenas de componentes em três classes distintas de moléculas bioativas como já mencionado acima, tornando-os ideais para combater as doenças multifatoriais e complexos que enfrentamos com o avanço da idade. São eles:

• O extrato de Reishi prolonga a expectativa de vida em experiências com animais por 9 mêses a mais correspondendo a 20% de vida.
• O Reishi aumenta a vigilância do sistema imunitário contra as células cancerosas, reduzindo potencialmente o risco de desenvolver um tumor detectável e mortal.
• Também suprimi uma resposta muito vigorosa do sistema imunológico, ajudando a acabar com os sintomas de alergias, asma e doenças auto-imunes.
• Independente de seus efeitos imuno-moduladores, moléculas ativas de Reishi ‘estão mostrando a promessa na batalha contra as doenças neurodegenerativas, obesidade e diabetes, e doenças hepáticas.
• Se há um composto suplementar “ideal”, capaz de atacar várias doenças complexas cada uma com múltiplos fatores causais, os cogumelos Reishi são certamente o melhor biativo.

Reishi Equilibra o Sistema Imunológico

Cogumelos Reishi tem capacidade de modular beneficamente a imunidade. Esta capacidade dos ‘cogumelos Reish’, para aumentar a imunidade é resultado de suas propriedades avançadas contra o câncer e infecção. Cogumelos Reishi demonstraram a capacidade de modular o delicado equilíbrio necessário para um sistema imunitário saudável podendo por exemplo reduzir a resposta imune ‘overactive’, que ocorre em condições tais como alergias, asma, e doenças auto-imunes. Os polissacáridos e triterpenos encontrados em cogumelos Reishi actuam em alvos múltiplos na cascata de eventos que levam à inflamação e uma resposta excessivamente forte. O Extracto Reishi inibi a libertação súbita de histamina a partir de células imunitárias especializadas denominadas “mastócitos.” Eles têm a capacidade de reduzir a atividade dos nervos que transmitem a sensação de dor para o cérebro evitando liberação súbita de histamina por estas células, quando o indivíduo tem uma picada de abelha por exemplo.

Em modelos animais, os extractos de Reishi foram capazes de reduzir significativamente os sintomas associados a alergias, tais como rinite (coriza, prurido). Estudos também mostram que os extractos de Reishi podem reduzir a “hiper-responsividade das vias aéreas”, respostas musculares lisas nos brônquios pulmonares que desencadeiam um ataque de asma por exemplo, além disso o Reishi “Promove Neuroprotecção em Alzheimer e Parkinson” por mecanismos muitos sofisticados reduzindo como por exemplo proteinas tais como: Beta amilóide e ou AlfaB (prevenção e Tratamento), melhorando níveis de energia celular por incrementar a produção via mitocôndrial. Melhora também o paciente que foi vítima de “Derrame cerebral” limitando o tamanho da lesão evitando inclusive a manifestão funcional e comportamental melhorando o fluxo de oxigênio e dimiuindo as chances de um novo derrame.

O extrato Reish foram recrutados para estimular a produção do factor de crescimento de nervos, o que por sua vez suporta o rápido desenvolvimento de neurônios saudáveis, aumentando e melhorando sua funçao.
Poderosos antioxidantes do Reishi e propriedades anti-inflamatórias faz destes cogumelos candidatos atraentes para a prevenção de doenças neurodegenerativas, tais como Alzheimer e Parkinson como já mencionado. Ambas doenças são movidos por stress oxidativo e inflamação.

Reishi, obesidade e diabetes!

A obesidade é um perigo para a saúde varrendo o globo em proporções epidêmicas e a pior complicação pode ser a a diabetes tipo II. As condições são tão frequentes entre obesidade e diabetes que os pesquisadores se referem a elas como uma única doença chamada “diabesidade.” Cogumelos Reishi” são especialmente importantes na luta contra esta epidemia, porque eles foram mostrados tendo benefícios em todo o aspecto de “diabesidade”. Estudos de laboratório mostram que os polissacarídeos e triterpenos em extratos de Reishi podem impedir o desenvolvimento de novas células de gordura de pré-adipócitos, ajudando a limitar o armazenamento de gordura excessiva visto em pessoas obesas.

O Reishi também baixa as quantidades excessivas de açúcar no sangue por vários mecanismos diferentes inibindo a função da alfa-glucosidase, a enzima responsável principal para quebrar o amido em açúcares menores. Isso evita que o pico pós-refeição acentuada de glicose que é tão perigoso. Estudos têm demonstrado que a redução de açúcar no sangue e a glicação com suplementos Reishi reduz consequências diabéticas tais como a filtração renal. O Reishi melhora também a velocidade de cicatrização em indivíduos diabéticos.

Procure seu Nutricionista para uma prescrição adequada. Não tome remédios sem orientação profissional.

Júlio Caleiro – Nutricionista -> 35-3531-8423

Referências:

1. Muszkat ME. Greenbaum A. Ben-Yehuda M, et al. Local and systemic immune response in nursing-home elderly following intranasal or intramuscular immunization with inactivated influenza vaccine. Vaccine. 2003 21:(11–12);1180–6.

2. Ginaldi L, Loreto MF, Corsi MP, Modesti M, de MartinisM. Immunosenescence and infectious diseases. Microbes and Infection. 2001 3; (10):851–7.

3. Sanodiya BS, Thakur GS, Baghel RK, Prasad GB, Bisen PS. Ganoderma lucidum: a potent pharmacological macrofungus. Curr Pharm Biotechnol. 2009 Dec;10(8):717-42.

4. Wu Z, Zhang Y, Tan N, Zhao C, Yang J, Zhu J-S. ReishiMax extends the lifespan of mice: A preliminary report. The FASEB Journal. 2011 April;25(601.2).

5. Chuang MH, Chiou SH, Huang CH, Yang WB, Wong CH. The lifespan-promoting effect of acetic acid and Reishi polysaccharide. Bioorg Med Chem. 2009 Nov 15;17(22):7831-40.

6. Pfister G, Savino W. Can the immune system still be efficient in the elderly? An immunological and immunoendocrine therapeutic perspective. Neuroimmunomodulation. 2008;15(4-6):351-64.

7. Alonso-Fernandez P, De la Fuente M. Role of the immune system in aging and longevity. Curr Aging Sci. 2011 Jul;4(2):78-100.

8. Cannizzo ES, Clement CC, Sahu R, Follo C, Santambrogio L. Oxidative stress, inflammaging and immunosenescence. J Proteomics. 2011 Oct 19;74(11):2313-23.

9. Ostan R, Bucci L, Capri M, et al. Immunosenescence and immunogenetics of human longevity. Neuroimmunomodulation. 2008;15(4-6):224-40.

10. Bao X, Liu C, Fang J, Li X. Structural and immunological studies of a major polysaccharide from spores of Ganoderma lucidum (Fr.) Karst. Carbohydr Res. 2001 May 8;332(1):67-74.

11. Xu Z, Chen X, Zhong Z, Chen L, Wang Y. Ganoderma lucidum polysaccharides: immunomodulation and potential anti-tumor activities. Am J Chin Med. 2011;39(1):15-27.

12. Yeh CH, Chen HC, Yang JJ, Chuang WI, Sheu F. Polysaccharides PS-G and protein LZ-8 from Reishi (Ganoderma lucidum) exhibit diverse functions in regulating murine macrophages and T lymphocytes. J Agric Food Chem. 2010 Aug 11;58(15):8535-44.

13. Cao LZ, Lin ZB. Regulation on maturation and function of dendritic cells by Ganoderma lucidum polysaccharides. Immunol Lett. 2002 Oct 1;83(3):163-9.

14. Lai CY, Hung JT, Lin HH, et al. Immunomodulatory and adjuvant activities of a polysaccharide extract of Ganoderma lucidum in vivo and in vitro. Vaccine. 2010 Jul 12;28(31):4945-54.

15. Jan RH, Lin TY, Hsu YC, et al. Immuno-modulatory activity of Ganoderma lucidum-derived polysacharide on human monocytoid dendritic cells pulsed with Der p 1 allergen. BMC Immunol. 2011;12:31.

16. Ji Z, Tang Q, Zhang J, Yang Y, Liu Y, Pan YJ. Immunomodulation of bone marrow macrophages by GLIS, a proteoglycan fraction from Lingzhi or Reishi medicinal mushroom Ganoderma lucidium (W.Curt.:Fr.) P. Karst. Int J Med Mushrooms.2011;13(5):441-8.

17. Chan WK, Lam DT, Law HK, et al. Ganoderma lucidum mycelium and spore extracts as natural adjuvants for immunotherapy. J Altern Complement Med. 2005 Dec;11(6):1047-57.

18. Chu CL, Chen Dz C, Lin CC. A novel adjuvant Ling Zhi-8 for cancer DNA vaccines. Hum Vaccin. 2011 Nov;7(11):1161-4.

19. Lin CC, Yu YL, Shih CC, et al. A novel adjuvant Ling Zhi-8 enhances the efficacy of DNA cancer vaccine by activating dendritic cells. Cancer Immunol Immunother. 2011 Jul;60(7): 1019-27.

20. Zhu XL, Liu JH, Li WD, Lin ZB. Promotion of myelopoiesis in myelosuppressed mice by Ganoderma lucidum polysaccharides. Front Pharmacol. 2012;3:20.

21. Zhu XL, Chen AF, Lin ZB. Ganoderma lucidum polysaccharides enhance the function of immunological effector cells in immunosuppressed mice. J Ethnopharmacol. 2007 May 4;111(2):219-26.

22. Wang PY, Zhu XL, Lin ZB. Antitumor and immunomodulatory effects of polysaccharides from broken-spore of Ganoderma lucidum. Front Pharmacol. 2012;3:135.

23. Jeurink PV, Noguera CL, Savelkoul HF, Wichers HJ. Immunomodulatory capacity of fungal proteins on the cytokine production of human peripheral blood mononuclear cells. Int Immunopharmacol. 2008 Aug;8(8):1124-33.

24. Kohda H, Tokumoto W, Sakamoto K, et al. The biologically active constituents of Ganoderma lucidum (Fr.) Karst. Histamine release-inhibitory triterpenes. Chem Pharm Bull (Tokyo). 1985 Apr;33(4):1367- 74.

25. Ho YW, Yeung JS, Chiu PK, et al. Ganoderma lucidum polysaccharide peptide reduced the production of proinflammatory cytokines in activated rheumatoid synovial fibroblast. Mol Cell Biochem. 2007 Jul;301(1-2):173-9.

26. Ko HH, Hung CF, Wang JP, Lin CN. Antiinflammatory triterpenoids and steroids from Ganoderma lucidum and G. tsugae. Phytochemistry. 2008 Jan;69(1):234-9.

27. Xi Bao Y, Kwok Wong C, Kwok Ming Li E, et al. Immunomodulatory effects of lingzhi and san-miao-san supplementation on patients with rheumatoid arthritis. Immunopharmacol Immunotoxicol. 2006;28(2):197-200.

28. Dudhgaonkar S, Thyagarajan A, Sliva D. Suppression of the inflammatory response by triterpenes isolated from the mushroom Ganoderma lucidum. Int Immunopharmacol. 2009 Oct;9(11):1272-80.

29. Mizutani N, Nabe T, Shimazu M, Yoshino S, Kohno S. Effect of Ganoderma lucidum on pollen-induced biphasic nasal blockage in a guinea pig model of allergic rhinitis. Phytother Res. 2012 Mar;26(3):325- 32.

30. Ho YW, Yeung JS, et al. Ganoderma lucidum polysaccharide peptide reduced the production of proinflammatory cytokines in activated rheumatoid synovial fibroblast. Mol Cell Biochem. 2007 Jul;301(1-2):173-9.

31. Qi G, Hua H, Gao Y, Lin Q, Yu GY. Effects of Ganoderma lucidum spores on sialoadenitis of nonobese diabetic mice. Chin Med J (Engl). 2009 Mar 5;122(5):556-60.

32. Zhang J, Tang Q, Zhou C, et al. GLIS, a bioactive proteoglycan fraction from Ganoderma lucidum, displays anti-tumour activity by increasing both humoral and cellular immune response. Life Sci. 2010 Nov 20;87(19-22):628-37.

33. Chen HS, Tsai YF, Lin S, et al. Studies on the immuno-modulating and anti-tumor activities of Ganoderma lucidum (Reishi) polysaccharides. Bioorg Med Chem. 2004 Nov 1;12(21):5595-601.

34. Yue GG, Fung KP, Tse GM, Leung PC, Lau CB. Comparative studies of various ganoderma species and their different parts with regard to their antitumor and immunomodulating activities in vitro. J Altern Complement Med. 2006 Oct;12(8):777-89.

35. Pang X, Chen Z, Gao X, et al. Potential of a novel polysaccharide preparation (GLPP) from Anhui-grown Ganoderma lucidum in tumor treatment and immunostimulation. J Food Sci. 2007 Aug;72(6):S435-42.

36. Cheuk W, Chan JK, Nuovo G, Chan MK, Fok M. Regression of gastric large B-Cell lymphoma accompanied by a florid lymphoma-like T-cell reaction: immunomodulatory effect of Ganoderma lucidum (Lingzhi)? Int J Surg Pathol. 2007 Apr;15(2):180-6.

37. Wang SY, Hsu ML, Hsu HC, et al. The anti-tumor effect of Ganoderma lucidum is mediated by cytokines released from activated macrophages and T lymphocytes. Int J Cancer. 1997 Mar 17;70(6):699-705.

38. Ooi VE, Liu F. Immunomodulation and anti-cancer activity of polysaccharide-protein complexes. Curr Med Chem. 2000 Jul;7(7):715-29.

39. Gao Y, Zhou S, Jiang W, Huang M, Dai X. Effects of ganopoly (a Ganoderma lucidum polysaccharide extract) on the immune functions in advanced-stage cancer patients. Immunol Invest. 2003 Aug;32(3):201-15.

40. Lu H, Kyo E, Uesaka T, Katoh O, Watanabe H. A water-soluble extract from cultured medium of Ganoderma lucidum (Rei-shi) mycelia suppresses azoxymethane-induction of colon cancers in male F344 rats. Oncol Rep. 2003 Mar-Apr;10(2):375-9.

41. Chen NH, Liu JW, Zhong JJ. Ganoderic acid T inhibits tumor invasion in vitro and in vivo through inhibition of MMP expression. Pharmacol Rep. 2010 Jan-Feb;62(1):150-63.

42. Jang KJ, Son IS, Shin DY, Yoon HM, Choi YH. Anti-invasive activity of ethanol extracts of Ganoderma lucidum through tightening of tight junctions and inhibition of matrix metalloproteinase activities in human gastric carcinoma cells. J Acupunct Meridian Stud. 2011 Dec;4(4):225-35.

43. Shang D, Li Y, Wang C, Wang X, Yu Z, Fu X. A novel polysaccharide from Se-enriched Ganoderma lucidum induces apoptosis of human breast cancer cells. Oncol Rep. 2011 Jan;25(1):267-72.

44. Lu H, Song J, Jia XB, Feng L. Antihepatoma activity of the acid and neutral components from Ganoderma lucidum. Phytother Res. 2012 Jan 25.

45. Wu GS, Lu JJ, Guo JJ, et al. Ganoderic acid DM, a natural triterpenoid, induces DNA damage, G1 cell cycle arrest and apoptosis in human breast cancer cells. Fitoterapia. 2012 Mar;83(2):408-14.

46. Liu J, Shimizu K, Konishi F, Kumamoto S, Kondo R. The anti-androgen effect of ganoderol B isolated from the fruiting body of Ganoderma lucidum. Bioorg Med Chem. 2007 Jul 15;15(14): 4966-72.

47. Zaidman BZ, Wasser SP, Nevo E, Mahajna J. Androgen receptor- dependent and -independent mechanisms mediate Ganoderma lucidum activities in LNCaP prostate cancer cells. Int J Oncol. 2007 Oct;31(4):959-67.

48. Muller CI, Kumagai T, O’Kelly J, Seeram NP, Heber D, Koeffler HP. Ganoderma lucidum causes apoptosis in leukemia, lymphoma and multiple myeloma cells. Leuk Res. 2006 Jul;30(7):841-8.

49. Lu H, Uesaka T, Katoh O, Kyo E, Watanabe H. Prevention of the development of preneoplastic lesions, aberrant crypt foci, by a water-soluble extract from cultured medium of Ganoderma lucidum (Rei-shi) mycelia in male F344 rats. Oncol Rep. 2001 Nov-Dec;8(6):1341-5.

50. Lu H, Kyo E, Uesaka T, Katoh O, Watanabe H. Prevention of development of N,N’-dimethylhydrazine-induced colon tumors by a water-soluble extract from cultured medium of Ganoderma lucidum (Rei-shi) mycelia in male ICR mice. Int J Mol Med. 2002 Feb;9(2):113-7.

51. Oka S, Tanaka S, Yoshida S, et al. A water-soluble extract from culture medium of Ganoderma lucidum mycelia suppresses the development of colorectal adenomas. Hiroshima J Med Sci. 2010 Mar;59(1):1-6.

52. Joseph S, Sabulal B, George V, Antony KR, Janardhanan KK. Antitumor and anti-inflammatory activities of polysaccharides isolated from Ganoderma lucidum. Acta Pharm. 2011 Sep 1;61(3):335-42.

53. Karaman M, Jovin E, Malbasa R, Matavuly M, Popovic M. Medicinal and edible lignicolous fungi as natural sources of antioxidative and antibacterial agents. Phytother Res. 2010 Oct;24(10):1473-81.

54. Iwatsuki K, Akihisa T, Tokuda H, et al. Lucidenic acids P and Q, methyl lucidenate P, and other triterpenoids from the fungus Ganoderma lucidum and their inhibitory effects on Epstein-Barr virus activation. J Nat Prod. 2003 Dec;66(12):1582-5.

55. Li Z, Liu J, Zhao Y. Possible mechanism underlying the antiherpetic activity of a proteoglycan isolated from the mycelia of Ganoderma lucidum in vitro. J Biochem Mol Biol. 2005 Jan 31;38(1):34-40.

56. Yoon SY, Eo SK, Kim YS, Lee CK, Han SS. Antimicrobial activity of Ganoderma lucidum extract alone and in combination with some antibiotics. Arch Pharm Res. 1994 Dec;17(6):438-42.

57. Eo SK, Kim YS, Lee CK, Han SS. Antiviral activities of various water and methanol soluble substances isolated from Ganoderma lucidum. J Ethnopharmacol. 1999 Dec 15;68(1-3):129-36.

58. Li YQ, Wang SF. Anti-hepatitis B activities of ganoderic acid from Ganoderma lucidum. Biotechnol Lett. 2006 Jun;28(11):837-41.

59. el-Mekkawy S, Meselhy MR, Nakamura N, et al. Anti-HIV-1 and anti- HIV-1-protease substances from Ganoderma lucidum. Phytochemistry. 1998 Nov;49(6):1651-7.

60. Eo SK, Kim YS, Lee CK, Han SS. Antiherpetic activities of various protein bound polysaccharides isolated from Ganoderma lucidum. J Ethnopharmacol. 1999 Dec 15;68(1-3):175-81.

61. Eo SK, Kim YS, Lee CK, Han SS. Possible mode of antiviral activity of acidic protein bound polysaccharide isolated from Ganoderma lucidum on herpes simplex viruses. J Ethnopharmacol. 2000 Oct;72(3):475-81.

62. Oh KW, Lee CK, Kim YS, Eo SK, Han SS. Antiherpetic activities of acidic protein bound polysacchride isolated from Ganoderma lucidum alone and in combinations with acyclovir and vidarabine. J Ethnopharmacol. 2000 Sep;72(1-2):221-7.

63. Hijikata Y, Yasuhara A, Sahashi Y. Effect of an herbal formula containing Ganoderma lucidum on reduction of herpes zoster pain: a pilot clinical trial. Am J Chin Med. 2005;33(4):517-23.

64. Hijikata Y, Yamada S, Yasuhara A. Herbal mixtures containing the mushroom Ganoderma lucidum improve recovery time in patients with herpes genitalis and labialis. J Altern Complement Med. 2007 Nov;13(9):985-7.

65. Tasaka K, Akagi M, Miyoshi K, Mio M, Makino T. Anti-allergic constituents in the culture medium of Ganoderma lucidum. (I). Inhibitory effect of oleic acid on histamine release. Agents Actions. 1988 Apr;23(3- 4):153-6.

66. Tasaka K, Mio M, Izushi K, Akagi M, Makino T. Anti-allergic constituents in the culture medium of Ganoderma lucidum. (II). The inhibitory effect of cyclooctasulfur on histamine release. Agents Actions. 1988 Apr;23(3-4):157-60.

67. Andoh T, Zhang Q, Yamamoto T, et al. Inhibitory effects of the methanol extract of Ganoderma lucidum on mosquito allergy-induced itch-associated responses in mice. J Pharmacol Sci. 2010;114(3):292-7.

68. Zhang Q, Andoh T, Konno M, Lee JB, Hattori M, Kuraishi Y. Inhibitory effect of methanol extract of Ganoderma lucidum on acute itch-associated responses in mice. Biol Pharm Bull. 2010;33(5):909-11.

69. Liu YH, Tsai CF, Kao MC, Lai YL, Tsai JJ. Effectiveness of Dp2 nasal therapy for Dp2-induced airway inflammation in mice: using oral Ganoderma lucidum as an immunomodulator. J Microbiol Immunol Infect. 2003 Dec;36(4):236-42.

70. Chen LW, Horng LY, Wu CL, Sung HC, Wu RT. Activating mitochondrial regulator PGC-1alpha expression by astrocytic NGF is a therapeutic strategy for Huntington’s disease. Neuropharmacology. 2012 May 24.

71. Cheung WM, Hui WS, Chu PW, Chiu SW, Ip NY. Ganoderma extract activates MAP kinases and induces the neuronal differentiation of rat pheochromocytoma PC12 cells. FEBS Lett. 2000 Dec 15;486(3):291-6.

72. Ding H, Zhou M, Zhang RP, Xu SL. Ganoderma lucidum extract protects dopaminergic neurons through inhibiting the production of inflammatory mediators by activated microglia. Sheng Li Xue Bao. 2010 Dec 25;62(6):547-54.

73. Lai CS, Yu MS, Yuen WH, So KF, Zee SY, Chang RC. Antagonizing beta-amyloid peptide neurotoxicity of the anti-aging fungus Ganoderma lucidum. Brain Res. 2008 Jan 23;1190:215-24.

74. Lee I, Ahn B, Choi J, Hattori M, Min B, Bae K. Selective cholinesterase inhibition by lanostane triterpenes from fruiting bodies of Ganoderma lucidum. Bioorg Med Chem Lett. 2011 Nov 1;21(21):6603-7.

75. Patocka J. Anti-inflammatory triterpenoids from mysterious mushroom Ganoderma lucidum and their potential possibility in modern medicine. Acta Medica (Hradec Kralove). 1999;42(4):123-5.

76. Zhang R, Xu S, Cai Y, Zhou M, Zuo X, Chan P. Ganoderma lucidum protects dopaminergic neuron degeneration through inhibition of microglial activation. Evid Based Complement Alternat Med. 2011;2011:156810.

77. Zhao HB, Lin SQ, Liu JH, Lin ZB. Polysaccharide extract isolated from ganoderma lucidum protects rat cerebral cortical neurons from hypoxia/reoxygenation injury. J Pharmacol Sci. 2004 Jun;95(2):294-8.

78. Zhou Y, Qu ZQ, Zeng YS, et al. Neuroprotective effect of preadministration with Ganoderma lucidum spore on rat hippocampus. Exp Toxicol Pathol. 2011 Jan 15.

79. Zhou ZY, Tang YP, Xiang J, et al. Neuroprotective effects of water- soluble Ganoderma lucidum polysaccharides on cerebral ischemic injury in rats. J Ethnopharmacol. 2010 Aug 19;131(1):154-64.

80. Wang CD, Teng BS, He YM, et al. Effect of a novel proteoglycan PTP1B inhibitor from Ganoderma lucidum on the amelioration of hyperglycaemia and dyslipidaemia in db/db mice. Br J Nutr. 2012 Mar 27:1-12.

81. Zhang HN, He JH, Yuan L, Lin ZB. In vitro and in vivo protective effect of Ganoderma lucidum polysaccharides on alloxan-induced pancreatic islets damage. Life Sci. 2003 Sep 19;73(18):2307-19.

82. Xue H, Qiao J, Meng G, et al. Effect of Ganoderma lucidum polysaccharides on hemodynamic and antioxidation in T2DM rats. Zhongguo Zhong Yao Za Zhi. 2010 Feb;35(3):339-43.

83. Yang Q, Wang S, Xie Y, Sun J, Wang J. HPLC analysis of Ganoderma lucidum polysaccharides and its effect on antioxidant enzymes activity and Bax, Bcl-2 expression. Int J Biol Macromol. 2010 Mar 1;46(2):167-72.

84. Thyagarajan-Sahu A, Lane B, Sliva D. ReishiMax, mushroom based dietary supplement, inhibits adipocyte differentiation, stimulates glucose uptake and activates AMPK. BMC Complement Altern Med. 2011;11:74.

85. Seto SW, Lam TY, Tam HL, et al. Novel hypoglycemic effects of Ganoderma lucidum water-extract in obese/diabetic (+db/+db) mice. Phytomedicine. 2009 May;16(5):426-36.

86. Kino K, Mizumoto K, Sone T, et al. An immunomodulating protein, Ling Zhi-8 (LZ-8) prevents insulitis in non-obese diabetic mice. Diabetologia. 1990 Dec;33(12):713-8.

87. Li F, Zhang Y, Zhong Z. Antihyperglycemic effect of Ganoderma lucidum polysaccharides on streptozotocin-induced diabetic mice. Int J Mol Sci. 2011;12(9):6135-45.

88. Teng BS, Wang CD, Yang HJ, et al. A protein tyrosine phosphatase 1B activity inhibitor from the fruiting bodies of Ganoderma lucidum (Fr.) Karst and its hypoglycemic potency on streptozotocin-induced type 2 diabetic mice. J Agric Food Chem. 2011 Jun 22;59(12):6492-500.

89. Teng BS, Wang CD, Zhang D, et al. Hypoglycemic effect and mechanism of a proteoglycan from Ganoderma lucidum on streptozotocin-induced type 2 diabetic rats. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2012 Feb;16(2):166-75.

90. Pinti M, Nasi M, Lugli E, et al. T cell homeostasis in centenarians: from the thymus to the periphery. Curr Pharm Des. 2010;16(6):597-603.

91. Sansoni P, Vescovini R, Fagnoni F, et al. The immune system in extreme longevity. Exp Gerontol. 2008 Feb;43(2):61-5.

92. Weaver BA. Herpes zoster overview: natural history and incidence. J Am Osteopath Assoc. 2009 Jun;109(6 Suppl 2):S2-6.

93. Ponnappan S, Ponnappan U. Aging and immune function: molecular mechanisms to interventions. Antioxid Redox Signal. 2011 Apr 15;14(8):1551-85.

94. Fulop T, Larbi A, Kotb R, de Angelis F, Pawelec G. Aging, immunity, and cancer. Discov Med. 2011 Jun;11(61):537-50.

95. Cao W, Kim JH, Chirkova T, et al. Improving immunogenicity and effectiveness of influenza vaccine in older adults. Expert Rev Vaccines. 2011 Nov;10(11):1529-37.

96. Levin MJ. Immune senescence and vaccines to prevent herpes zoster in older persons. Curr Opin Immunol. 2012 Aug;24(4):494-500.

97. Gershon AA, Gershon MD, Breuer J, Levin MJ, Oaklander AL, Griffiths PD. Advances in the understanding of the pathogenesis and epidemiology of herpes zoster. J Clin Virol. 2010 May;48 Suppl 1:S2-7.

98. Fletcher AL, Calder A, Hince MN, Boyd RL, Chidgey AP. The contribution of thymic stromal abnormalities to autoimmune disease. Crit Rev Immunol. 2011;31(3):171-87.

99. Provinciali M, Cardelli M, Marchegiani F. Inflammation, chronic obstructive pulmonary disease and aging. Curr Opin Pulm Med. 2011 Dec;17 Suppl 1:S3-10.

100. Larbi A, Franceschi C, Mazzatti D, Solana R, Wikby A, Pawelec G. Aging of the immune system as a prognostic factor for human longevity. Physiology (Bethesda). 2008 Apr;23:64-74.

101. Chinn IK, Blackburn CC, Manley NR, Sempowski GD. Changes in primary lymphoid organs with aging. Semin Immunol. 2012 May 2.

102. Maiese K, Chong ZZ, Shang YC. OutFOXOing disease and disability: the therapeutic potential of targeting FoxO proteins. Trends Mol Med. 2008 May;14(5):219-27.

103. Maiese K, Hou J, Chong ZZ, Shang YC. A fork in the path: Developing therapeutic inroads with FoxO proteins. Oxid Med Cell Longev. 2009 Jul-Aug;2(3):119-29.

104. Hoogeboom D, Burgering BM. Should I stay or should I go: beta-catenin decides under stress. Biochim Biophys Acta. 2009 Dec;1796(2):63-74.

105. Maiese K, Chong ZZ, Shang YC. “Sly as a FOXO”: new paths with Forkhead signaling in the brain. Curr Neurovasc Res. 2007 Nov;4(4):295-302.

((((By Maegen Rawlls))))

WWW.LIFEEXTENSION.COM

Selênio, a cura e prevenção do Câncer!

Image

Selênio: Quais as formas de proteger contra o câncer?

Ed. By. Dr. Júlio Caleiro

– A importância do selênio contra várias doenças degenerativas inclusive contra o câncer!

Alguns estudos apontam melhoras contra o câncer através de mecanismos específicos, e atua na supressão de tumores do cólon, próstata e metastáses, através de ações detalhadas deste mineral que se resume em doze ao todo, em que o selênio desempenha no nosso organismo na modulando o DNA, supressão de proteínas específicas contra tumores etc.. Na história da medicina até 1950 o selênio não tinha nenhuma função reconhecida no ser humano, e hoje vemos que o selênio na verdade atua e muitas diferentes reações enzimáticas no corpo, como por exemplo redução de 50% do desenvolvimento cancerígeno.

A insuficiência deste mineral aumenta muito o risco de um indíviduo vir a desenvolver o câncer.  Em estudos de grande escala vem demonstrando efeitos preventivos, e em populações deficiente risco aumentado para vários tipos de cânceres agressivos tais como: câncer de Tireóide, de bexiga, estômago, pulmão e esôfago. Uma análise em grande escala mostrou redução do desenvolvimento de cânceres entre 24 a 36% ao todo. Porém existem 3 formas específicas do selênio e essas atuam justamente contra o câncer, são: Selenito de Sódio,Lselenometionina (LS), metil-Lselenocisteina (SMS). Apesar do Selenometionina ser melhor absorvível o Selenito é o que apresenta maior e melhor efeito anti-câncer, melhorando a expressão gênica da enzima antióxi e Glutation peróxidase. Alguns destes compostos induzem a morte celular por apoptose ( “suicídio”), outras apresentam efeito no que se refere apoptose em células mutantes.

O interessante é sempre suplementar as 3 formas, ambas obtém tipo e efeitos específicos na proteção celular, do DNA e em sua expressão e reparação genética.  Apesar de alguns estudos em 2009 por exemplo não terem mostrado nenhum efeito protetor do selênio ao câncer,  muitos pesquisadores naquela época mesmo questionaram estes trabalhos, como por exemplo a metodologia aplicada bem como o tipo de selênio usado nos indíviduos, além de ter associado a vitamina E ( alfa- tocoferol – sintético) descolando na célula o Gama-Tocoferol a forma mais ativa.

Selenito de Sódio

Esta substância destrói células cancerosas a partir por exemplo na atuação das EROS, (espécies reativas de oxigênio), destruindo também as mitocôndrias destas células tumorais, devido ao aumento da enzima antioxi no tecido saudável.
Glutationa peroxidade. Esta incrementa também o reparo nos DNAs danificados que viria predispor ao câncer. Uma das ações maravilhosas do selenito é a indução da diminuição da proteina BCL-2, que é normalmente muito elevada em pacientes com câncer, acelerando o processo de apoptose destas células. Muitos estudos mostraram que o Selenito de Sódio apoia o uso na forma de terapia coadjuvante em pacientes oncológicos, para pevenção bem como para destruir o câncer, em que estudos mostraram uma eficência fantástica num “controlado duplo cego” tendo maior capacidade de destruição de células tumorais, reduzindo a ocorrência de novos casos de câncer de fígado e de mama em 50% num grupo de chineses, que viviam em alto rísco para o desenvolvimento desta doença.
A maioria dos profissionais de saúde não conhecem as diferenciações dos tipos de selênio, como as citadas acima o que seria de grande importância da prescrição correta para prevenção, bem como para o tratamento destas pessoas.

L- Selenometionina ( LS)

A Forma selenito orgânico associado naturalmente o aminoácido L – metionina, uma forma de selênio encontrado na maioria das preparações de selênio usada inclusive em vários ensaios clínicos. Em 1996 cientistas estavam tentando evitar o câncer de pele com o Suplemento de  L-S,  o que mostrou-se sem eficácia para os tipos de câncer de pele naquele trabalho, mas foi observado mais tarde que  os pacientes que suplementaram neste mesmo estudo, tiveram grande redução dos cânceres agressivos em 50% na comparação ao grupo controle, resultados tão empolgantes que fez com que a parte “cega” do estudo fosse interrompida, com intuito de alcançar ao máximo seus efeitos de proteção.

Resultados positivos também apareceram no estudo realizado pelo Dr. Clark e Cols., na redução de mais de 60% na ocorrência do câncer de próstata, câncer de esôfago e vários outros. Por essas razões na forma de estudos, nos faz crêr que que a L-S seja considerada como tendo um nível excelente de segurança no tratamento e prevenção destas doenças. Existem vários mecanismos anti-câncer onde o selênio tem um papel importante são eles: A pleiotropia! É a forma de como o selênio age sobre nossas células ou seja multi-ações e em vários estágios como dito acima ao todo 12 , algo que medicações convencionais passam longe a realizar. E São elas:.
Regulação de lipoxigenases: enzimas que produzem moléculas inflamatórias que promovem o crescimento do câncer;
Redução direta do estresse oxidativo evitando danos causados pelos radicais livres;
Proteção dos antioxidantes de “reciclagem-selenio-proteínas”;
Desintoxicação de indutores de metais;
Induz a proteção, “Fase II” enzimas hepáticas, que neutralizam toxinas cancerígenas orgânicas.
Inibição mutação gênica;
Inativação de fatores de transcrição moleculares em que as células cancerosas usam para seu crescimento.
Desliga o ciclo de replicação das células cancerosas.
Indução de apoptose, a morte programada de células de câncer.
Atividade do sistema imune melhorada para detectar e destruir células cancerosas.
-Regulação dos receptores de hormônios sexuais usados ​​por certos tipos de câncer.
Limitação dos efeitos sobre a invasão tumoral e metástases.

Estes 12 mecanismos agem sinergicamente, matando o câncer.

Selénio-metil-L selenocisteína (SMS) —>é um complexo orgânico de selênio com um ácido contendo enxofre-amino neste caso, a L-cisteína. É uma das formas que vem chamando a atenção da comunidade científica  por ser uma das formas mais potentes do selênio. Uma das formas mais intrigante inclusive!  O selênio-metil-L selenocisteína, (SMS), restaura proteínas do ciclo circadiano normal, pois quando este ciclo está alterado é causa direta para vários tipos de câncer tais como o de Mama, pois regulariza e normaliza os receptores de melatonina e estrogênio; uma outra ação a é inibição da formação de novos vasos sanguíneos de tumores ( angiogenese tumoral) reduzindo drasticamente o crescimento tumoral. O SMS regula e diminui a expressão de uma proteína conhecida como Bcl-2, que retarda a apoptose que viria a beneficiar o câncer. Isso mostra uma destruição rápida do tumor. Além disso, o composto mostra um perfil favorável na prevenção de câncer de cólon, próstata, cabeça e pescoço e canceres diversos.

Benefícios adicionais do selênio

Além de proteger contra vários câncer, uma série estudos mostram que o selênio desempenha um papel na prevenção e no tratamento de uma variedade notável de patologias, incluindo:

A doença cardiovascular
Osteoartrite
A artrite reumatóide
Hipotireoidismo
Câncer
Aterosclerose
HIV
SIDA
A doença de Alzheimer
A esclerose lateral amiotrófica
Pancreatite
Depressão

Procure um Nutricionista e ou Médico que entendam DESTA TERAPIA, pois as doses devem ser individualizadas.

—————————————————————–

Referências:

1. Brozmanova J. Selenium and cancer: from prevention to treatment. Klin Onkol. 2011;24(3):171-9.

2. Naithani R. Organoselenium compounds in cancer chemoprevention. Mini Rev Med Chem. 2008 Jun;8(7):657-68.

3. Clark LC, Combs GF, Jr., Turnbull BW, et al. Effects of selenium supplementation for cancer prevention in patients with carcinoma of the skin. A randomized controlled trial. Nutritional Prevention of Cancer Study Group. JAMA. 1996 Dec 25;276(24):1957-63.

4. Ganther HE. Selenium metabolism, selenoproteins and mechanisms of cancer prevention: complexities with thioredoxin reductase. Carcinogenesis. 1999 Sep;20(9):1657-66.

5. Rayman MP. Selenium in cancer prevention: a review of the evidence and mechanism of action. Proc Nutr Soc. 2005 Nov;64(4):527-42.

6. Available at: http://www.nutritionaloncologyresearchinstitute.com/uploads/SeMC2.pdf. Accessed August 20, 2012.

7. Fleet JC. Dietary selenium repletion may reduce cancer incidence in people at high risk who live in areas with low soil selenium. Nutr Rev. 1997 Jul;55(7):277-9.

8. Peters U, Takata Y. Selenium and the prevention of prostate and colorectal cancer. Mol Nutr Food Res. 2008 Nov;52(11):1261-72.

9. Yoshizawa K, Willett WC, Morris SJ, et al. Study of prediagnostic selenium level in toenails and the risk of advanced prostate cancer. J Natl Cancer Inst. 1998 Aug 19;90(16):1219-24.

10. Ghadirian P, Maisonneuve P, Perret C, et al. A case-control study of toenail selenium and cancer of the breast, colon, and prostate. Cancer Detect Prev. 2000;24(4):305-13.

11. Willett WC, Polk BF, Morris JS, et al. Prediagnostic serum selenium and risk of cancer. Lancet. 1983 Jul 16;2(8342):130-4.

12. Salonen JT, Alfthan G, Huttunen JK, Puska P. Association between serum selenium and the risk of cancer. Am J Epidemiol. 1984 Sep;120(3):342-9.

13. Glattre E, Thomassen Y, Thoresen SO, et al. Prediagnostic serum selenium in a case-control study of thyroid cancer. Int J Epidemiol. 1989 Mar;18(1):45-9.

14. Mark SD, Qiao YL, Dawsey SM, et al. Prospective study of serum selenium levels and incident esophageal and gastric cancers. J Natl Cancer Inst. 2000 Nov 1;92(21):1753-63.

15. van den Brandt PA, Goldbohm RA, van ‘t Veer P, et al. A prospective cohort study on selenium status and the risk of lung cancer. Cancer Res. 1993 Oct 15;53(20):4860-5.

16. Helzlsouer KJ, Comstock GW, Morris JS. Selenium, lycopene, alpha-tocopherol, beta-carotene, retinol, and subsequent bladder cancer. Cancer Res. 1989 Nov 1;49(21):6144-8.

17. Taylor PR, Qiao YL, Abnet CC, et al. Prospective study of serum vitamin E levels and esophageal and gastric cancers. J Natl Cancer Inst. 2003 Sep 17;95(18):1414-6.

18. Lee EH, Myung SK, Jeon YJ, et al. Effects of selenium supplements on cancer prevention: Meta-analysis of randomized controlled trials. Nutr Cancer. 2011 Oct 17.

19. Klein EA, Thompson IM, Jr., Tangen CM, et al. Vitamin E and the risk of prostate cancer: the Selenium and Vitamin E Cancer Prevention Trial (SELECT). JAMA. 2011 Oct 12;306(14):1549-56.

20. Lippman SM, Klein EA, Goodman PJ, et al. Effect of selenium and vitamin E on risk of prostate cancer and other cancers: the Selenium and Vitamin E Cancer Prevention Trial (SELECT). JAMA. 2009 Jan 7;301(1):39-51.

21. El-Bayoumy K. The negative results of the SELECT study do not necessarily discredit the selenium-cancer prevention hypothesis. Nutr Cancer. 2009;61(3):285-6.

22. Marshall JR, Ip C, Romano K, et al. Methyl Selenocysteine: single-dose pharmacokinetics in men. Cancer Prev Res (Phila). 2011 Aug 16.

23. Fleming J, Ghose A, Harrison PR. Molecular mechanisms of cancer prevention by selenium compounds. Nutr Cancer. 2001;40(1):42-9.

24. Sinha R, El-Bayoumy K. Apoptosis is a critical cellular event in cancer chemoprevention and chemotherapy by selenium compounds. Curr Cancer Drug Targets. 2004 Feb;4(1):13-28.

25. Fang MZ, Zhang X, Zarbl H. Methylselenocysteine resets the rhythmic expression of circadian and growth-regulatory genes disrupted by nitrosomethylurea in vivo. Cancer Prev Res (Phila). 2010 May;3(5):640-52.

26. Bhattacharya A. Methylselenocysteine: a promising antiangiogenic agent for overcoming drug delivery barriers in solid malignancies for therapeutic synergy with anticancer drugs. Expert Opin Drug Deliv. 2011 Jun;8(6):749-63.

27. Bhattacharya A, Turowski SG, San Martin ID, et al. Magnetic resonance and fluorescence-protein imaging of the anti-angiogenic and anti-tumor efficacy of selenium in an orthotopic model of human colon cancer. Anticancer Res. 2011 Feb;31(2):387-93.

28. Spallholz JE. Selenium and the prevention of cancer Part II: Mechanisms for the carcinostatic activitiy of Se compounds. The Bulletin of Selenium-Tellurium Development Association. 2001 October;October 2001:12.

29. Brozmanova J, Manikova D, Vlckova V, Chovanec M. Selenium: a double-edged sword for defense and offence in cancer. Arch Toxicol. 2010 Dec;84(12):919-38.

30. Mahn AV, Toledo HM, Ruz MH. Organic and inorganic selenium compounds produce different protein patterns in the blood plasma of rats. Biol Res. 2009;42(2):163-73.

31. Barger JL, Kayo T, Pugh TD, et al. Gene expression profiling reveals differential effects of sodium selenite, selenomethionine, and yeast-derived selenium in the mouse. Genes Nutr. 2011 Aug 17.

32. Burk RF, Norsworthy BK, Hill KE, Motley AK, Byrne DW. Effects of chemical form of selenium on plasma biomarkers in a high-dose human supplementation trial. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2006 Apr;15(4):804-10.

33. El-Sayed WM, Aboul-Fadl T, Lamb JG, Roberts JC, Franklin MR. Effect of selenium-containing compounds on hepatic chemoprotective enzymes in mice. Toxicology. 2006 Mar 15;220(2-3):179-88.

34. Suzuki M, Endo M, Shinohara F, Echigo S, Rikiishi H. Differential apoptotic response of human cancer cells to organoselenium compounds. Cancer Chemother Pharmacol. 2010 Aug;66(3):475-84.

35. Lunoe K, Gabel-Jensen C, Sturup S, Andresen L, Skov S, Gammelgaard B. Investigation of the selenium metabolism in cancer cell lines. Metallomics. 2011 Feb;3(2):162-8.

36. Broome CS, McArdle F, Kyle JA, et al. An increase in selenium intake improves immune function and poliovirus handling in adults with marginal selenium status. Am J Clin Nutr. 2004 Jul;80(1):154-62.

37. Weekley CM, Aitken JB, Vogt S, et al. Metabolism of selenite in human lung cancer cells: X-ray absorption and fluorescence studies. J Am Chem Soc. 2011 Sep 28.

38. Chen XJ, Duan FD, Zhang HH, Xiong Y, Wang J. Sodium selenite-induced apoptosis mediated by ROS attack in human osteosarcoma U2OS cells. Biol Trace Elem Res. 2011 Aug 9.

39. Fu L, Liu Q, Shen L, Wang Y. Proteomic study on sodium selenite-induced apoptosis of human cervical cancer HeLa cells. J Trace Elem Med Biol. 2011 Jul;25(3):130-7.

40. Ma Q, Fang H, Shang W, et al. Superoxide flashes: early mitochondrial signals for oxidative stress-induced apoptosis. J Biol Chem. 2011 Aug 5;286(31):27573-81.

41. Li W, Zhu Y, Yan X, et al. The prevention of primary liver cancer by selenium in high risk populations. Zhonghua Yu Fang Yi Xue Za Zhi. 2000 Nov;34(6):336-8.

42. Dziaman T, Huzarski T, Gackowski D, et al. Selenium supplementation reduced oxidative DNA damage in adnexectomized BRCA1 mutations carriers. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2009 Nov;18(11):2923-8.

43. Kiremidjian-Schumacher L, Roy M, Glickman R, et al. Selenium and immunocompetence in patients with head and neck cancer. Biol Trace Elem Res. 2000 Feb;73(2):97-111.

44. Asfour IA, El Shazly S, Fayek MH, Hegab HM, Raouf S, Moussa MA. Effect of high-dose sodium selenite therapy on polymorphonuclear leukocyte apoptosis in non-Hodgkin’s lymphoma patients. Biol Trace Elem Res. 2006 Apr;110(1):19-32.

45. Asfour IA, Fayek M, Raouf S, et al. The impact of high-dose sodium selenite therapy on Bcl-2 expression in adult non-Hodgkin’s lymphoma patients: correlation with response and survival. Biol Trace Elem Res. 2007 Winter;120(1-3):1-10.

46. Nemec KN, Khaled AR. Therapeutic modulation of apoptosis: targeting the BCL-2 family at the interface of the mitochondrial membrane. Yonsei Med J. 2008 Oct 31;49(5):689-97.

47. Asfour IA, El-Tehewi MM, Ahmed MH, et al. High-dose sodium selenite can induce apoptosis of lymphoma cells in adult patients with non-Hodgkin’s lymphoma. Biol Trace Elem Res. 2009 Mar;127(3):200-10.

48. Li ZS, Shi KJ, Guan LY, Jiang Q, Yang Y, Xu CM. Downregulation of protein kinase Calpha was involved in selenite-induced apoptosis of NB4 cells. Oncol Res. 2010;19(2):77-83.

49. Zimmermann T, Leonhardt H, Kersting S, Albrecht S, Range U, Eckelt U. Reduction of postoperative lymphedema after oral tumor surgery with sodium selenite. Biol Trace Elem Res. 2005 Sep;106(3):193-203.

50. Schrauzer GN. Selenomethionine: a review of its nutritional significance, metabolism and toxicity. J Nutr. 2000 Jul;130(7):1653-6.

51. Combs GF, Jr., Clark LC, Turnbull BW. Reduction of cancer mortality and incidence by selenium supplementation. Med Klin (Munich). 1997 Sep 15;92 Suppl 3:42-5.

52. Combs GF, Jr., Clark LC, Turnbull BW. Reduction of cancer risk with an oral supplement of selenium. Biomed Environ Sci. 1997 Sep;10(2-3):227-34.

53. Clark LC, Dalkin B, Krongrad A, et al. Decreased incidence of prostate cancer with selenium supplementation: results of a double-blind cancer prevention trial. Br J Urol. 1998 May;81(5):730-4.

54. Limburg PJ, Wei W, Ahnen DJ, et al. Randomized, placebo-controlled, esophageal squamous cell cancer chemoprevention trial of selenomethionine and celecoxib. Gastroenterology. 2005 Sep;129(3):863-73.

55. Redman C, Scott JA, Baines AT, et al. Inhibitory effect of selenomethionine on the growth of three selected human tumor cell lines. Cancer Lett. 1998 Mar 13;125(1-2):103-10.

56. Vidlar A, Vostalova J, Ulrichova J, et al. The safety and efficacy of a silymarin and selenium combination in men after radical prostatectomy – a six month placebo-controlled double-blind clinical trial. Biomed Pap Med Fac Univ Palacky Olomouc Czech Repub. 2010 Sep;154(3):239-44.

57. Scientific opinion of the panel on food additives and nutrient sources added to food on Se-Methyl-L-Selenocysteine as a source of selenium added for nutritional purposes to food supplements following a request from the European Commission. The EFSA Journal (2009) 1067, 1-23.

58. Zhang X, Zarbl H. Chemopreventive doses of methylselenocysteine alter circadian rhythm in rat mammary tissue. Cancer Prev Res (Phila). 2008 Jul;1(2):119-27.

59. Bhattacharya A, Toth K, Sen A, et al. Inhibition of colon cancer growth by methylselenocysteine-induced angiogenic chemomodulation is influenced by histologic characteristics of the tumor. Clin Colorectal Cancer. 2009 Jul;8(3):155-62.

60. Li Z, Carrier L, Belame A, et al. Combination of methylselenocysteine with tamoxifen inhibits MCF-7 breast cancer xenografts in nude mice through elevated apoptosis and reduced angiogenesis. Breast Cancer Res Treat. 2009 Nov;118(1):33-43.

61. Bhattacharya A, Seshadri M, Oven SD, Toth K, Vaughan MM, Rustum YM. Tumor vascular maturation and improved drug delivery induced by methylselenocysteine leads to therapeutic synergy with anticancer drugs. Clin Cancer Res. 2008 Jun 15;14(12):3926-32.

62. Bhattacharya A. Methylselenocysteine: a promising antiangiogenic agent for overcoming drug delivery barriers in solid malignancies for therapeutic synergy with anticancer drugs. Expert Opin Drug Deliv. 2011 Jun;8(6):749-63. Epub 2011 Apr 7.

63. Cao S, Durrani FA, Rustum YM. Selective modulation of the therapeutic efficacy of anticancer drugs by selenium containing compounds against human tumor xenografts. Clin Cancer Res. 2004 Apr 1;10(7):2561-9.

64. Lee JT, Lee TJ, Park JW, Kwon TK. Se-methylselenocysteine sensitized TRAIL-mediated apoptosis via down-regulation of Bcl-2 expression. Int J Oncol. 2009 May;34(5):1455-60.

65. Pan MH, Hong HM, Lin CL, et al. Se-methylselenocysteine inhibits lipopolysaccharide-induced NF-kappaB activation and iNOS induction in RAW 264.7 murine macrophages. Mol Nutr Food Res. 2011 May;55(5):723-32.

66. Johnson WD, Morrissey RL, Kapetanovic I, Crowell JA, McCormick DL. Subchronic oral toxicity studies of Se-methylselenocysteine, an organoselenium compound for breast cancer prevention. Food Chem Toxicol. 2008 Mar;46(3):1068-78.

67. Lindshield BL, Ford NA, Canene-Adams K, Diamond AM, Wallig MA, Erdman JW, Jr. Selenium, but not lycopene or vitamin E, decreases growth of transplantable dunning R3327-H rat prostate tumors. PLoS One. 2010;5(4):e10423.

68. Wang L, Bonorden MJ, Li GX, et al. Methyl-selenium compounds inhibit prostate carcinogenesis in the transgenic adenocarcinoma of mouse prostate model with survival benefit. Cancer Prev Res (Phila). 2009 May;2(5):484-95.

69. Christen S, Woodall AA, Shigenaga MK, Southwell-Keely PT, Duncan MW, Ames BN. Gamma-tocopherol traps mutagenic electrophiles such as NO(X) and complements alpha-tocopherol: physiological implications. Proc Natl Acad Sci U S A. 1997 Apr 1;94(7):3217-22.

http://www.lef.org

(((((By Kirk Stokel)))))

TEM DIABETES TIPO-2 ? REVERTA ISSO AGORA!

Image

By;Ed. Dr. Júlio Caleiro

      Levou décadas, mas os profissionais médicos estão finalmente começando a recomendar dieta e exercício para a prevenção e reversão do diabetes tipo 2. Atenção merecida! Mas, será que isso basta?
     

A única maneira de evitar e / ou reverter o diabetes tipo 2

         A maioria dos amercanos hoje tem alguma forma de diabetes ou pré-diabetes. Isso demonstra a fragilidade do sistema de saúde atual. 
        A cura para o diabetes tipo 2 não tem nada a ver em dar insulina diretamente ou tomar medicamentos para controlar o açúcar no sangue! De fato, dar insulina para alguém com diabetes tipo 2 é uma das piores coisas que podem ser feitas! Hoje no Brasil isso tornou-se uma norma também.  A verdade é que o diabetes tipo 2 é uma condição totalmente evitável, que surge de sinalização errada da leptina defeituosa e resistência à insulina o que pouquíssimos profissionais estão atualizados para esta questão. A doença tem a ligação direta com a dieta e exercícios relacionados.   O Diabetes não é uma doença do excesso de açúcar no sangue como dizem a décadas, isso é somente o efeito rebote de um sistema metalólico todo alterado e defeituoso, que pode ser corrigido de forma simples! Vamos entender um pouco?

      Para reverter o diabetes, é preciso recuperar a insulina e a sensibilidade da leptina, e a única maneira de conseguir isso é através de uma dieta adequada e exercícios físicos, evitar a disbiose, incrementar níveis de vitamina no corpo como detalhado em meu Plano de Nutrição especializada que aplico em meu consultório. A cirurgia bariátrica que está sendo cada vez mais recomendada como um tratamento do diabetes, NÃO vai fazer milagre e não há drogas que podem corrigir a sinalização da leptina e resistência à insulina o que estudos apontam como a causa direta desta doença. Aderindo as seguintes diretrizes abaixo podem ajudar você a fazer pelo menos três coisas que são essenciais para o tratamento do diabetes com sucesso: 1ª como já falado recuperar a normalidade entre a insulina / sensibilidade à leptina, 2º normalizar seu peso, e 3º normalizar a pressão arterial! Alguns profissionais que conheço no Brasil limitam severamente ou eliminam totalmente o açúcar e grãos em sua dieta o que é um erro, e acabam até esquecendo especialmente a frutose que é muito mais prejudicial do que qualquer outro tipo de açúcar. Alguns até recomendam, por conter um índice glicêmico baixo mas que eu contraindico totalmente! O meu Plano de “Nutrição e tratamento”  vai te ajudar a reverter seu diabetes de uma vez por todas. Vamos as dicas infalíveis!
      –  Exercite-se regularmente, pois o exercício físico é um fator absolutamente essencial, e sem ele é improvável que se obtenha esta doença devastadora sob controle, é uma das maneiras mais rápidas e potentes para reduzir sua insulina e a resistência à leptina.
      –  Evite gorduras trans!
      – Coma em abundância gorduras omega-3 a partir de uma fonte de alta qualidade, baseada em animais tais como óleo de krill ou de peixe com EPA E DHA altos.
        – Otimize seus níveis de vitamina D, estudos recentes revelaram que a obtenção de quantidades suficientes de vitamina D pode ter um efeito poderoso sobre a normalização da pressão arterial e que os baixos níveis de vitamina D pode aumentar o risco de doença cardíaca bem como do diabetes.
      – Otimize a flora intestinal. O intestino é um ecossistema vivo, cheio de bactérias boas e ruins e vários estudos têm mostrado que as pessoas obesas têm diferentes bactérias intestinais do que as pessoas magras. As bactérias boas que temos mantém o sistema imunitário mais forte e será melhor para o organismo funcionar normalmente. Otimizar a flora intestinal é relativamente fácil. Dica: Você pode colocar novamente  novas bactérias no intestino comendo alimentos fermentados ( vegetais fermentados, queijo natto, queijo prima orgânica, ou kefir leite cru ou de água e chucrute dentre outros) e até mesmo tomando um suplemento de alta qualidade probiótico. Recomendo a ultima opção por ser mais prática.
        Resolver quaisquer problemas emocionais subjacentes e o estresse emocional usando técnicas Não-invasivas como a ‘Técnica de Libertação Emocional’, que aplico em meu consultório pois estudos comprovam resultados positivos usando esta técnica ou procurar um psicólogo para ajudar a resolver tais conflitos.
        Obter um sono de qualidade o suficiente todas as noites.
        Monitore seu nível de insulina em jejum pois isso é tão importante quanto o açúcar no sangue em jejum.

Procure um Nutricionista ou Médico.

Referências:

 1 Reuters December 18, 2012
2 Journal of the American Medical Association December 19, 2012; 308(23): 2489-2496.
3 MedPage Today December 19, 2012
4 New England Journal of Medicine December 27, 2012; 367:2550-2551

–> MERCOLA.COM

Será que a musculação ou atividades aeróbia dentre outras de alta intensidade, podem estar lesando seu coração?

exercicios-joelhos

Ed.By, Dr. Júlio Caleiro – Publicado em 5 de Janeiro de 2012.

Sim realmente está lesando; De acordo com um estudo apresentado no Congresso Cardiovascular Canadense 2010, em Montreal, o exercício regular numa intensidade moderada reduz o risco cardiovascular por um fator de 2 a 3 vezes a menos, mas o exercício prolongado vigoroso ou seja de alta intensidade realizado durante uma maratona por exemplo onde a frequência cardíaca seja alta, na musculação com alto nível de carga, aumenta em 7 vezes o risco de doença cardíaca! A corrida de longa distância bem como atividades extremas, também leva a altos níveis de inflamação que podem desencadear eventos cardíacos e danificar logo após essa atividade, prinpalmente se o indivíduo for mais velho, onde alguns marcadores séricos inflamatórios compravam isso. Um dos problemas pode ser a função diminuida do Ventrículo Direito do coração após a resistência a essas atividades. Não há necessidade de trabalhar os músculos em atividade física, por mais de 45 minutos, numa intensidade entre moderada e baixa no que se refere a saúde, com picos bem curtos de alta intensidade não ultrapassando o limite do VO² ( consumo de oxigênio) conforme a idade. Portanto o exercício aeróbico ativa o sistema imunológico, ajuda o coração a bombear sangue de forma mais eficiente, e aumenta a sua resistência ao longo do tempo, desde que seja de forma moderada e não intensa.

Obs: Alguns pesquisadores tais como Dr. Doug McGuff, MD, recomenda que se for fazer alguma atividade de alta intensidade com intuito de melhorar a performance, segundo o médico basta 12 minutos a cada semana para obter os benefícios propostos, e para incremetar a produção endógena de GH- Hormônio do Crescimento.
—————————————————————————————-
Referências:

1- Am J Cardiol. 2001 Oct 15;88(8):918-20, A9
2- J Appl Physiol. 2011 Jun;110(6):1622-6
3- Circulation. 2011; 123: 13-22
4- European Heart Journal December 6, 2011

–> MERCOLA.COM

Aspirina e uma conexão com graves problemas de saúde, assim como as Estatinas!

Image

A aspirina e uma conexão com graves problemas de saúde, assim como as Estatinas!

By, Edição Dr. Júlio Caleiro,

     Muitas pessoas tomam a aspirina ( ácido Acetilsalicílico) para finalidade de doenças Cardíacas. Na verdade, parece que a aspirina, mesmo em “dose baixa “, pode fazer mais mal do que bem! É discutível se a aspirina pode ter algumas ações benéficas na proteção contra doenças do coração. Estudos científicos descobriram uma série de efeitos colaterais graves que sugerem que os benefícios da aspirina, como estatinas, podem ser ofuscados, especialmente quando medidas seguras e eficazes alternativas, de prevenção existe! O Dr. Cleland publicou os resultados de um novo estudo (Warfarin / Estudo Aspirina na insuficiência cardíaca, ou WASH) no American Heart Journal em que ele, investigou estratégias antitrombóticas em 279 pacientes com insuficiência cardíaca. Ele descobriu que os pacientes que receberam tratamento com aspirina realmente apresentaram os piores resultados cardíacos, especialmente o agravamento da insuficiência cardíaca. Dr. Cleland concluiu que “não há provas de que a aspirina é eficaz ou seguro em pacientes com insuficiência cardíaca.”
     Em 2010, um outro estudo apontou que os pacientes que tomam aspirina antes de uma síndrome coronária aguda (SCA) estavam em maior risco de problemas recorrentes ou mortalidade. ACS é um termo usado para qualquer condição provocada pela parada súbita do fluxo sanguíneo, reduzida para o coração, tal como um ataque de coração ou angina instável. O estudo descobriu que pacientes que estavam tomando aspirina apresentaram um maior risco de ataque cardíaco recorrente e problemas cardíacos associados. Até agora, o desempenho da aspirina é bastante inexpressivo. Mas e sobre os benefícios da aspirina especificamente para as mulheres?
      Em 2005, Harvard realizou um estudo para investigar se a baixa dose de aspirina oferecia benefícios cardiovasculares para as mulheres. Eles seguiram cerca de 40.000 mulheres saudáveis ​num total de 10 anos. Mais uma vez, os resultados não mostraram qualquer benefício  para o coração da terapia com aspirina; pesquisadores concluíram que a aspirina não diminuiu o risco de ataque cardíaco ou mortes por causas cardiovasculares entre as mulheres. E contra o diabetes? Em 2009, um estudo no ‘British Medical Journal’ não encontraram nenhuma evidência clara de o uso da aspirina seja eficaz na prevenção de eventos cardiovasculares em pessoas com diabetes. Resultados diferem entre homens e mulheres, mas em geral, eles não encontraram nenhum benefício claro e pediu mais estudos sobre a toxicidade da aspirina.

 O uso rotineiro de aspirina tem sido associada com os seguintes problemas:

        Sangramento, especialmente no trato gastrintestinal
        Úlceras duodenais, danos GI, e doença diverticular ( diverticulite)
        Aumento do risco de câncer de mama
        Aumento do risco de insuficiência renal
        Cataratas, dentre outras.

Como prevenir coágulos sanguíneos e como ‘aterramento’ pode afetar o seu sangue?

    O Aterramento pode realmente ser uma das estratégias mais bem guardado sob segredo para prevenir coágulos sanguíneos. Em seus termos mais simples, ‘da terra’  –>(ou de aterramento do seu corpo) é o que ocorre quando você anda descalço sobre a Terra. Há uma transferência de elétrons livres da Terra ao seu corpo. E estes elétrons livres são provavelmente alguns dos antioxidantes mais potentes que se conhece sobre todo este tema. Estes antioxidantes são responsáveis ​​pelas observações clínicas em experiências de ligação à terra, tais como:

        Mudanças benéficas no ritmo cardíaco
        Resistência da pele
        Menos Inflamação corporal

     A Ligação entre a terra e o ser humano tem se mostrado produzir um certo número de benefícios para a saúde, incluindo diminuição da dor e inflamação, melhora do sono, e até mesmo a retardar o processo de envelhecimento. Uma descoberta muito importante, mais recente, é a de que a ligação à terra “afina” o sangue, tornando-se menos viscoso! Esta descoberta pode ter implicações profundas para a doença cardiovascular como relata os peritos Dr. Stephen Sinatra e Dr. James onde quase todas doenças implica na viscosidade aumentada. Segundo eles a ligaçao com a terra, faz com que diminua a viscosidade do sangue, melhora a permeabilidade tanto em artérias como em veias.

Alimentação: restringir o consumo de frutose com menos de 25 gramas por dia. Alta ingestão de açúcar, especialmente frutose, está diretamente ligada à doença cardiovascular.  Evite alimentos processados, conservantes, aditivos, adoçantes artificiais e grãos em excesso tanto quanto possível. Certifique-se de que sua dieta contenha vegetais orgânicos frescos e proteínas de alta qualidade.
        Incorporar a gordura animal de alta qualidade baseado em gorduras omega-3 em sua dieta afim de prevençao destas doenças. Uma fonte animal excelente de ômega-3 é óleo de krill e de peixes.
        Certifique-se de que você esteja recebendo quantidades adequadas de vitamina D (de preferência de exposição ao sol) e vitamina K2, já que ambos são necessários para a boa saúde cardiovascular.
        Tenha certeza que você está recebendo o suficiente exercício, e os tipos certos de exercício corretos como mencionados em outros posts, de média intensidade de média duração. O sono, o peso corporal e níveis de gordura abdominal estão correlacionados à doenças do coração, portanto procure um Nutricionista para adequação de uma dieta. Fique de olho em sua pressão sanguínea, níveis de glicose e insulina, nível de ferro e perfil lipídico total, hdl ldls, VLDLs.

——————————————————————————————
Referências:

1 Preventing Atherosclerotic Events with Aspirin, British Medical Journal, January 12,
2002: 324(103); 71, Dr. John G. F. Cleland.
2 Collaborative Meta-analysis of Randomised Trials of Antiplatelet Therapy for
Prevention of Death, Myocardial Infarction, and Stroke in High Risk Patients, British
Medical Journal, January 12, 2002: 324(7329); 71-86,
3 Prior Aspirin Use and Outcomes in Acute Coronary Syndromes, Journal of the
American College of Cardiology, October 19, 2010: 56(17): 1376-85, Jonathan D.
Rich, et al.
4 A Randomized Trial of Low-Dose Aspirin in the Primary Prevention of
Cardiovascular Disease in Women, The New England Journal of Medicine, March 31,
2005: 352(13); 1293-304, Paul M Ridker, et al.
5 Aspirin for Primary Prevention of Cardiovascular Events in People with Diabetes:
Meta-Analysis of Randomised Controlled Trials,British Medical Journal, November 6,
2009: 339; b4531, Giorgia De Berardis, et al.
6 Aspirin Increases Mortality in Diabetic Patients without Cardiovascular Disease: A
Swedish Record Linkage Study,Pharmacoepidemiol Drug Safety, December 1, 2009:
18(12); 1143-9, Lennart Welin, et al.
7 Role of Aspirin in the Primary Prevention of Cardiovascular Disease in Diabetes
Mellitus: A Meta-Analysis, Expert Opinion on Pharmacotherapy, June 1, 2010: 11(9);
1459-66, Naveed Younis, et al.
8 Analgesic Use and the Risk of Hearing Loss in Men, American Journal of Medicine,
March 1, 2010: 123(3); 231-7, Sharon G Curhan, et al.
9 Behavioral Assessment and Identification of a Molecular Marker in a Salicylate-
Induced Tinnitus in Rats, Neuroscience, Feb 17, 2010: 165(4): 1323-32, K. Kizawa, et
al.
10 Aspirin Page, GreenMedInfo.
11 Aspirin for Primary Prevention of Cardiovascular Disease?, Drug and Therapeutics
Bulletin, November 2009: 47(11); 122-5.
12 Evaluation of Small Bowel Blood Flow in Healthy Subjects Receiving Low-Dose
Aspirin, World Journal of Gastroenterology, January 14, 2011: 17(2); 226-30, U.
Nishida, et al.
13 Gastroduodenal Toxicity of Low-Dose Acetylsalicylic Acid: A Comparison with Non-
Steroidal Anti-Inflammatory Drugs, Current Medical Research and Opinion, November
2009: 25(11); 2785-93, Neville D Yeomans, et al.
14 Clinical Features of Gastroduodenal Ulcer in Japanese Patients Taking Low-Dose
Aspirin, Digestive Diseases and Sciences, November 20, 2009: Junichi Iwamoto, et
al.

–> MERCOLA.COM

Quem disse que o Bacon faz mal a saúde? Muito pelo contrário!

Image

By Dr. Júlio Caleiro

Quem disse que Bacon faz mal? Muito pelo contrário!

– Tem 2800 UI de vitamina D a cada 100g
– Rico em gordura MONOINSATURADA  como a do azeite ( ótimo para o coraçao).
– Regulador de açucar no sangue
–  Baixa níveis de colesterol oxidado
–  Melhora os níveis de Triglicérides
–  Rico em ácido palmitoleico, substancia com valiosas propriedades antimicrobianas.
–  A Gordura de porco também contém uma forma de fosfatidilcolina que possui atividade antioxidante superior a vitamina E e a gordura não se rancifica. Obs: Consuma com moderação, qualquer excesso não é bom!

Obs:  Os porcos devem tratados em pastos livres.
————————————————————————

Referência:

1 Neuman, Jeannette. Vegetarian Doctors Go Whole Hog to Burn Bacon in Iowa. Wall Street Journal, Feb.
2 Harvard School of Public Health. 2012 Releases. Red Meat Consumption Linked to Increased Risk of Total, Cardiovascular, and Cancer Mortality
3 Red meat consumption and mortality: results from 2 prospective cohort studies
4 Taubes, Gary. Science, pseudoscience, nutritional epidemiology, and meat. March 14, 2012
5 Harcombe, Zoë. Red meat & mortality & the usual bad science. March 13, 2012.
6 Minger, Denise. Will eating red meat kill you? March 14, 2012.
7 Enig, Mary G. Know Your Fats: The Complete Primer for Understanding the Nutriton of Fats, Oils and Cholesterol(Silver Spring, MD, Bethesda Press, 2000. p 135.) Note: Dr Enig’sfigures are for the fatty acid composition of lard, not bacon fat, but the percentages should be very close. Percentages of fat will also vary according to the animal’s diet and lifestyle.
 8 Koga T, Terao J. Antioxidant Activity of a Novel Phosphatidyl Derivative of Vitamin E in Lard and Its Model System J Ag Food Chem, 1994, 42 (6), 1291–1294. This study looks at lard, but likely applies to bacon fat as well.
9 USDA database and the Vitamin D foods
10 Food Composition Database for Epidemiological Studies in Italy (Banca Dati di Composizione degli Alimenti per Studi Epidemiologici in Italia – BDA) published by the European Institute of Oncology.
11 FAX from Mary G. Enig, PhD, to Sally Fallon. USDA Data on Vitamin A, Vitamin D and Cholesterol, February 1997.
12 Assessing the vitamin D status of the US population
13 FAX from Mary G. Enig, PhD, to Sally Fallon, February 1997.
14 Mayer J and WA Krehl. The relation of diet composition and vitamin C to vitamin A deficiency. J Nutrition, 1948, 35, 523.
15 Kaunitz H, Slanetz CA. A possible new factor distilled from lard. Fed Proc., 1950, 9,335.
16 Kaunitz H and CA Slanetz. An unknown factor with vitamin A activity distilled from lard. J Nutrition, 1950, 42, 375.
17 Kaunitz H and CA Slanetz. Relation of vitamin A and ‘lard factor” to disease caused by rancid lard. J. Nutr, 1950,75, 322.
18 Herb SF, Riemenschneider HF, Kaunitz H, Slanetz CA. Nature of the “vitamin A-like factor in
lard. J Nutr. 1953
19 Lowe, JS and R. A. Morton. Studies in Vitamin A: The Vitamin A replacing effect of lard.
1953, 55, 681-686.
20 The cholesterol debate is thoroughly covered on the Weston A Price Foundation’s
website http://www.westonaprice.org, on Chris Masterjohn’s website http://www.cholesterol-andhealth.
com and in Gary Taubes’ excellent book Good Calories, Bad Calories (Knopf, 2007).
21 Satin, Morton. Salt and our health.

 

–> MERCOLA.COM