Início » EVIDÊNCIAS » DISBIOSE INTESTINAL E DOENÇAS AUTOIMUNES, NEUROLÓGICAS E PSÍQUICAS! VEJA A CAUSA E A CURA!

DISBIOSE INTESTINAL E DOENÇAS AUTOIMUNES, NEUROLÓGICAS E PSÍQUICAS! VEJA A CAUSA E A CURA!

Image

Por  Dr. JÚLIO CALEIRO;

   A Dra. Natasha Campbell-McBride é uma neurologista que tem um filho com autismo e resolveu investigar algumas coisas relacionadas a esta doença e revertê-la o que conseguiu com sucesso.

   Como resultado de sua própria investigação sobre o autismo, ela acabou desenvolvendo o que pode ser uma das estratégias de tratamento mais profundamente importante não só para o autismo, mas para uma ampla gama de doenças neurológicas, psicológicas-, auto-imunes.

    O programa GAPS: Tratamento das “Síndromes neurológicas e Intestinais” é de vital importância para maioria das pessoas. Como a maioria das pessoas têm a saúde intestinal ruim devido a má alimentação e exposições tóxicas o programa GAPS pode ajudar as pessoas com autismo e outros distúrbios neurológicos, psiquiátricos tais como:

        Dislexia e dispraxia
        Depressão
        Transtorno obsessivo-compulsivo
        O transtorno bipolar
        Epilepsia

O que é sindrome intestinal psicológica?

       O intestino afeta o sistema imunológico que por sua vez afetará o sistema nervoso do indivíduo pois há uma interação dinâmica e profunda entre eles. Dr. McBride CORRELACIONA os problemas abaixo:

        Artrite
        Asma e alergias
        Problemas de pele
        Problemas renais
        Problemas digestivos, e
        Doenças auto-imunes

    Anormalidades no seu sistema imune intestinal, estão na raiz de praticamente todas as doenças degenerativas.

        “Por que isso?  Por que cerca de 85% do nosso sistema imune está localizado na parede do intestino “, “Esse fato foi estabelecido por pesquisas em fisiologia entre 1930 e 1940. O nosso intestino,  é o maior e mais importante órgão imunológico em nosso corpo. –  Há uma relação muito íntima entre a flora intestinal e o sistema imunológico!

        A microbiota intestinal tem um efeito profundo sobre quais tipos de células do sistema imune estará sendo produzido, em um determinado dia, e essas células terão a função de equilibrar todo nosso sistema complexo intestinal.

Como a microbiota intestinal direciona o sistema imunitário?

   – Existem duas principais “armas” no sistema imunológico:

        A imunidade Th1* que é responsável por reações normais para qualquer coisa estranha externa no organismo, como por exmplo, pólen, ácaros, produtos químicos, alimentos e qualquer outra coisa que você entrar em contato. O Th1 é mantido deve manter-se alerta e saudável pela flora intestinal. Enquanto  flora intestinal está normal, não se tem sintomas adversos quando expostos a esses tipos de influências ambientais, mas se sua flora intestinal é anormal, o seu Th1* se tornará cada vez mais deficiente e os sintomas serão percebidos de forma gradual.
        A Imunidade Th2* é projetado para atender as funções imunológicas dentro do corpo, e não está equipada para lidar com as influências ambientais externas. No entanto, ela vai tentar compensar se o Th1* tornar-se desativado. Infelizmente, se não estiver devidamente equipado para este trabalho, acabará lidando com influências ambientais, como o pólen e os alimentos de maneira inadequada, e o resultado final será uma alergia forte e intolerâncias alimentares.

    É importante perceber que as alergias e intolerâncias alimentares são um grupo muito diferente de alergias das reações imunitárias mais graves como as anafiláticas. Intolerâncias alimentares provocadas por deficiência de Th1 (devido a flora intestinal anormal- DISBIOSE) não são mediados pelas imunoglobulinas específicas. Intolerâncias alimentares também podem manifestar horas, dias ou mesmo semanas depois, tornando a identificação alérgica aos alimentos muito difíceis.

* Th1 – Th2 —>   http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_imunit%C3%A1rio

O Dra. McBride explica;

        “Reações diferentes também podem sobrepor-se umas sobre as outras. Por exemplo, em um determinado dia você pode estar reagindo a brócolis que comeu apenas  no almoço, e ao cordeiro que você comeu a um dia anterior, e ao ovo que você comeu há dois dias, e um pedaço de pão que você comeu há 10 dias! Todas estas reacções se sobrepõem uns em cima das outras. Em um determinado dia, você não tem idéia do que exatamente você está reagindo  “.  Para tornar as coisas ficarem ainda mais difíceis, estas alergias e intolerâncias alimentares pode resultar em todos os tipos de reações,  como por exempplo: dor de cabeça,  espirros, erupções na pele, ou dores abdominais, articulações inchadas. Ou eles podem resultar em psoríase, ou causar eczema, pode ser um episódio de depressão, ansiedade, ou um ataque de pânico. Qualquer tipo de sintoma pode ser criado por alergias e intolerâncias alimentares,”.  Ao mesmo tempo, devido sua flora intestinal anormal, o revestimento do intestino começa a deteriorar-se uma vez que está ativamente mantido pela nossa flora intestinal. (As bactérias benéficas do intestino mantém intacto o revestimento do trato digestivo inteiro saudáveis, bem alimentados e protegidos de ataques químicos ou microbiológicos.) Se o revestimento intestinal se deteriora, as junções entre as células se abrem, causando um intestino mais poroso, caindo na circulação sanguínea substâncias tóxicas.   O Torna-se como uma peneira de poros maiores, e os alimentos não tem a chance de ser digeridos corretamente antes de serem absorvidos”, Serão absorvidos e mal digeridos ou parcialmente quebrados. Quando o sistema imunológico encontra esses alimentos parcialmente quebrados na corrente sanguínea, não vai reconhecê-los como alimentos normais vai gerar então uma reação forte a esses alimentos mal digeridos. O sistema imunológico cria “complexos imunes”, que atacam estas proteínas parcialmente digeridas! Como resultado, teremos todos os tipos de sintomas em seu corpo como os já citados”.

    Então, qual é a resposta para resolver isso?

    A chave para resolver seus problemas de saúde não é determinar quais os alimentos que você está reagindo a fim de evitá-los. Em vez disso você precisa se concentrar na cura de seu revestimento do intestino ( a parede interna do intestino), porque esta é a raiz mais provável do problema. Também será a  estratégia de melhor custo-benefício uma vez que o teste de alergia pode ser muito caro para quem não tem convênios particulares.

        “Existem muitos métodos de teste desenvolvidos para alergias e intolerâncias alimentares,” o Dra. McBride diz. “… [Mas] se você tiver tempo o suficiente para testar duas vezes por dia durante duas semanas seguidas, você iria descobrir que você reage a tudo que você come … A maioria dos profissionais não tem conhecimento nesta área e acaba sempre no método do teste as alergias alimentares … Sendo que o foco para a  cura,  é “selar seu revestimento intestinal”. Em seguida, essas alergias e intolerâncias alimentares vão desaparecer, e você será capaz de finalmente começar a comer alimentos que você não podia tolerarar antes. “!

-GAPS e as doenças autoimunes!

    Doenças auto-imunes são um efeito colateral imunitário muito comum atualmente. A medicina convencional identificou cerca de 200 diferentes doenças auto-imunes, até agora, e a lista está crescendo continuamente.

        Os testes em auto-imunidade é bastante caro, nem todas as pessoas podem fazer os testes. Todos os testes alimentares que é feito na medicina convencional,  praticamente todas as pessoas apresentam uma reação auto-imune. Por que isso? Porque 85% de seu sistema imune está localizado na parede do intestino, e dependendo do estado da flora intestinal terá um efeito direto e profundo sobre a forma de como as funções do sistema imunológico está naquele momento.

        … O sistema imunológico é um “órgão sistemático” que sente fome! Ele precisa ser continuamente alimentado … Pessoas com flora intestinal anormal – as pessoas estão adquirindo “lacunas” ou poros maiores que o normal na parede intestinal aumentando a sua permeabilidade das substâncias – não conseguem digerir e absorver os alimentos adequadamente, de modo que eles desenvolvem múltiplas deficiências nutricionais; nosso sistema imunológico está morrendo de fome! Ao mesmo tempo, um rio de toxicidade está fluindo a partir do intestino para dentro da corrente sanguínea da maioria das pessoas, por que todos esses micróbios patogênicos na flora do intestino estão a converter o alimento em centenas e centenas de substâncias muito tóxicas.

        O sistema imunológico fica cheio destas toxicidades, então o indivíduo terá um sistema imunitário deficiente, desnutrido, intoxicado e desequilibrado, e, ao mesmo tempo ele é desafiado com uma enorme quantidade de trabalho a fazer. É óbvio que desta forma o intestino e o sistema imune não poderá funcionar adequadamente. É claro que não se pode reagir de forma adequada para várias coisas. A causa da Doença Auto-imune também se resume tudo isso.

    Flora anormal em seu aparelho digestivo pode facilmente levar ao crescimento excessivo de:

        Bactérias patogênicas
        Vírus patogénicos
        Fungos
        Vermes
        Protozoários

    Uma vez que seu revestimento do intestino começa a deteriorar-se, esses agentes causadores de doenças podem ser facilmente absorvidos pela corrente sanguínea e distribuído por todo o corpo. Alguns deles têm afinidades para determinadas proteínas, e vai unir-se a elas. Quando isso acontece, muda a forma tridimensional da referida molécula de proteína. Quando seu sistema imunológico vem através desta proteínas estranhas, ele vai atacá-lo e começar a produzir anticorpos contra o próprio indivíduo.

        “Este mecanismo é particularmente o que acontece em pacientes acometido pela esclerose múltipla.

Segundo o  Dra. McBride:  “O mercúrio, alumínio, chumbo, outros metais tóxicos e moléculas orgânicas que contêm estes metais tóxicos têm uma propensão especial para ficar armazenando em alto teor de gordura nos tecidos, como também no cérebro, no resto do sistema nervoso e particularmente na bainha de mielina e nos nervos. Estes metais tóxicos tem o principal alvo o cérebro e os nervos. Mas quando eles ficam acumulados nos tecidos gordurosos, estas toxinas se ligam a proteínas e na bainha de mielina, na substância branca do cérebro e em outras partes de seu sistema nervoso. Uma vez que eles estejam acumulados eles se apegam a essas proteínas e mudam sua estrutura tridimensional. Em seguida, o sistema imunológico desenvolve um anticorpo específico contra proteína e bainha de mielina deflagrando então o quadro da esclerose.

        Existe um anti-corpo específico o qual está agindo na esclerose múltipla. Ele é chamado de “anticorpo da proteína de mielina específico”. É um anticorpo que ataca as proteinas da mielina … O que o sistema imunológico tenta fazer é  limpar os metais tóxicos como o mercúrio, chumbo e outros metais tóxicos do sistema nervoso, o que foi armazenado de forma errada. E de onde é que eles vêm? Cerca 99,9% vem no sistema digestivo que está alterado e não conseguiu eliminar estas substâncias durante a digestão”.

Curiosamente, quando o corpo não é capaz de limpar uma toxina em particular por conta própria, ele vai convidar e contratar micróbios do ambiente para ajudar a limpar as toxinas.  “Os micróbios no ambiente não são nossos inimigos em todos os casos. Eles são realmente os nossos aliados. Eles são “nossos ajudantes”. Seu corpo utiliza-os quando precisa deles para acionar certos mecanismos imunitários, “Dr. McBride explica que,  “Se você tem acumulado certas quantidades de mercúrio em seu cérebro e em seus nervos … seu corpo pode empregar um vírus para acionar teu sistema para retirar essas toxinas … Se você tem um resfriado, que de origem  viral (é o virus que irá direcionar teu sistema imune ao local) ir diretamente para aqueles remendos tóxicos em seu cérebro e seu sistema nervoso então será atacado. O sistema imune não diferencia de forma eficaz,  então irá atacar estes virus e também certas partes do cérebro. Junto com a inflamação local mediada pela primeira reação imune, o indivíduo então começará a experimentar os sintomas da esclerose múltipla. O sintomas de formigamento começará a aparecer, dormência no rosto ou nas extremidades do corpo, perde o controle da bexiga ( bexiga neurogênica) perda da visão periférica por um tempo … Esse é um dos primeiros sintomas de esclerose múltipla.

        nesta situação, só do indivíduo  alimentar o sistema imunológico de forma adequada e deixar o trabalho para o sistema imunológico  completar, em seguida, estes sintomas iriam durar um mês ou dois, e depois eles desaparecem por que o vírus vai devorar as toxinas uma vez que já foi direcionado para isso e o sistema imunológico vai devorar o vírus. Seus nervos vão se recuperar naturalmente. ”

    Infelizmente, isso não é o que acontece hoje em dia. Normalmente, assim que as pessoas sentem o formigamento, dormência e outros sintomas, elas correm para o médico, que imediatamente colocá-los em algum tipo de medicação fortíssima, que normalmente têm um efeito negativo sobre o sistema imunológico. Como resultado, os vírus se propaga ainda mais e tornam-se mais estabelecido, e a doença torna-se crônica e permanente.

Nós tems anticorpos naturais contra praticamente todas as doenças!

        “O que as pessoas tem que entender é que todos nós seres humanos – temos anticorpos no nosso corpo para lidar com a esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, artrite reumatóide, osteoartrite, lúpus, ou qualquer outra condição auto-imune”.  Tudo começa no útero. Assim que timo do bebê se desenvolve, as proteínas flutuam sobre a corrente sanguínea, que é compartilhado entre a mãe e o bebê, a começar a educar o sistema imunológico do bebê, e alocar umas células de respostas particulares para cada proteína encontrada. Ao Desenvolver doenças auto-imunes, é quando o sistema imunológico ataca tecidos específicos e proteínas no corpo por que foram contaminados por toxinas ou alguma outra influência ambiental. E lembre-se, esse desequilíbrio, essa influência tóxica, é proveniente de seu sistema digestivo ou parede do intestino.

        ” A Auto-imunidade e essas doenças são nascidas no intestino? Sim, Isso acontece porque a flora intestinal é anormal! A fim de curar qualquer doença auto-imune – quer se trate de esclerose múltipla, artrite reumatóide, osteoartrite, lúpus, alopecia, psoríase, ou qualquer outra coisa que tem um componente auto-imune o indivíduo tem de se concentrar na cura e selar o revestimento intestinal nutricionalmente que básicamente é: Normalizar a flora intestinal e conduzir os patógenos da flora intestinal substituí-los peça flora benéfica. Em seguida, a cura vai acontecer.

    Infelizmente, a medicina convencional é muito ignorante sobre estas pesquisas, e não sabem o que realmente é desordens auto-imunes, associados como distúrbios digestivos e também psicológicos.

A Importância de alimentos fermentados

    O número de bactérias em nosso corpo superam as células em cerca de 10 para 1.  Essas bactérias, por sua vez são compostos de ambos os benéficos e podem ser também prejudiciais. O equilíbrio ideal é cerca de 85% de bactérias boas e 15% ruim. Manter essa relação ideal é muito importante, estou falando da importância dos probióticos. Temos que entender que o uso dos probióticos não e um conceito novo!  A única coisa que há de novo é que podemos tomar em forma de pílulas! Mas historicamente, a humanidade tem consumido grandes quantidades de probióticos na forma de alimentos fermentados e cultivadas, que foram inventados muito antes do advento da refrigeração e outras formas de conservação de alimentos. Cada cultura tradicional quando olhamos para suas dietas tradicionais tem costume de se alimentar de alimentos fermentados. Eles fermentam tudo! Você pode fermentar laticínios, grãos, feijões, vegetais, frutas, carnes e peixes e até mesmo as maiores quantidades de bebidas fermentadas. Usam por exemplo repolho fermentado. Apenas um ou dois meses comem de forma fresca, mas durante 10 meses do ano comem o repolho em uma forma fermentada. Completamente uma grande porcentagem de todos os alimentos que as pessoas consomem diariamente na cultura de alguns países é de alimentos fermentados. E em cada refeição com estes alimentos fermentados consomem trilhões de bactérias benéficas.

    Alimentos fermentados não é questão apenas de uma maior variedade de bactérias benéficas, mas oferecer maiores quantidades deles, para uma alternativa muito mais rentável. É raro encontrar um suplemento probiótico em mercados contendo mais de 10 bilhões de unidades formadoras de colônia num produto. Os Fermentados probióticos produzidos por culturas starter (material contendo grande número de microrganismos – bactérias, leveduras e mofos ou combinações dos mesmos), os quais pode ser adicionados para acelerar o processo de fermentação em alguns alimentos industrializados em grande escala.”, tem cerca 10.000.000 bilhões de unidades formadoras de colônias de bactérias. Literalmente, feita a comparação com os alimentos fermentados das culturas de países que consomem alimentos fermentados se equipara as colônias Startes!

Como funciona o processo de fermentação

        “A Mãe Natureza é extremamente sábia e amável. Todas as frutas e vegetais orgânicos, contém lactobacilos. As folhas de couve fresca, se for cultivado organicamente (não o da agricultura química), está coberto em lactobacilos. Você não precisa acrescentar nada. Você acabou de cortá-la. Adicione um pouco de sal nos estágios iniciais ao cresimento. (O sal é adicionado na fase inicial, a fim de parar as bactérias putrefatas de se multiplicar.) Os Lactobacilos ao iniciar a multiplicação produzem ácido láctico por isso que eles são chamados de Lactobacillus.

        Se olharmos para a pesquisa em ácido láctico, que é um dos mais potentes anti-sépticos ele mata muitas e muitas bactérias maléficas. Assim que começa a se produzir ácido láctico a planta começa a matar todos os micróbios patogênicos e putrefativas na conservação dos alimentos. É um conservante grande e natural.  

    Baixe transcrição da entrevista

    Este processo anaeróbio (fermentação) faz mais do que preservar a comida, no entanto. Também torna os nutrientes no interior do alimento mais biodisponível. Por exemplo, de acordo com o Dr. McBride, a quantidade de vitamina C biodisponível em chucrute é 20 vezes maior do que na mesma porção de couve fresca!

        “Isso porque na couve fresca, tem vitamina C  e está ligada a estrutura de celulose e de várias outras moléculas, e nosso sistema digestivo não é apenas capaz de clivá-los e absorvê-los. Assim, apesar do fato de que o repolho pode ser muito rico em vitamina C, você não será capaz de absorver. Mas se você fermentar o repolho em chucrute, tornará a vitamina C biodisponível “, explica ela.

Como reduzir as chances da “crise de cura”?

    Há uma precaução que deve ser discutido aqui, e que é o potencial para uma ‘crise de cura’ assim chamado pela Dra. McBride e se refere como uma reação die-off, provocado pela morte maciça de bactérias patogênicas, vírus , fungos e outros agentes patogénicos prejudiciais pel reintrodução de grandes quantidades de probióticos. O paciente pode piorar significativamente em qualquer problema de saúde que o paciente enfrentando, antes de melhorar.

    A razão para isto é porque, quando os probióticos matar os organismos patogênicos, os micróbios patogênicos libertam toxinas. Estas toxinas é o que está causando o problema, seja depressão, ataques de pânico, artrite reumatóide, esclerose múltipla, lupus, Sjogren, Sindrome do intestino irrtável, fibromialgia ou qualquer outra doença e ou sintoma. Quando uma grande quantidade de toxina é liberada de repente, seus sintomas também vai aumentar subitamente.

        “Se você nunca ingeria alimentos fermentados em sua vida, você precisa começar com muito cuidado e muito gradualmente com orientação do Nutricionista apto,” Dr. McBride adverte.

    “Deve começar com apenas uma colher de chá de vegetais fermentados, como chucrute, com uma de suas refeições, natto, missô dentre vários outros, Kefir, e depois esperar por um a dos dias para ver como regirá. Mas o ideal é procurar o Nutricionista que possa ter um acompanhamento correto, devido aos sintomas iniciais pra quem não tem costume de ingerir alimentos fermentados.
        
    É importante perceber que além de conter grandes quantidades de bactérias benéficas, alimentos fermentados também contêm muitas enzimas ativas, que atuam como desintoxicantes extremamente potentes.

        “A cura passa acontece em facilmente, o Dr. McBride diz. “Nós vivemos em um mundo tóxico, e muitos de nós têm acumulado camadas e camadas de toxicidade em nossos corpos. O corpo vai limpá-los através do sistema imune, e o paciente chegará a ter a saúde completa. O paciente volta a ser 100% saudável, não importa o quão mal era antes com esta terapia e com níveis adequado de vitamina D no sangue. ”

Mais informações

    Você pode encontrar mais informações no site do Dr. McBride: http://www.GAPS.me , no blog http://www.doctor-natasha.com

REFERÊNCIAS:

1. Lord C, Cook EH, Leventhal BL, Amaral DG. Autism spectrum disorders. Neuron. 2000 Nov;28(2):355-63.
2. Sogut S, Zoroglu SS, Ozyurt H, et al. Changes in nitric oxide levels and antioxidant enzyme activities may have a role in the pathophysiological mechanisms involved in autism. Clin Chim Acta. 2003 May;331(1-2):111-7.
Digestive Enhancement
————————————————————

1. Altern Med Rev. 2008 Dec;13(4):307-14.
2. JOP. 2005 May 10;6(3):206-15.
3. Postgrad Med. 2009 Mar;121(2):114-8.
4. Methods Find Exp Clin Pharmacol 2010, 32 (2); 129-132
5. Methods Find Exp Clin Pharmacol. 2009 Dec;31(10):655-9.
6. J Clin Gastroenterol. 2008 Jul;42 Suppl 2:S58-63. Review.
7. Postgrad Med. 2009 Mar;121(2):119-24.
8. Beneficial Microbes, 2010; 1(1): 31-36
9. Am J Health Syst Pharm. 2010 Mar 15;67(6):449-58.
10. Rev Med Suisse. 2009 Mar 25;5(196):662-4,66.
11. Gut Microbes. 2010May-Jun 1(3):148-63
12. Immunobiology. 1992 Feb;184(2-3):157-79.
13. Int J Food Microbiol. 2012 Jan 16;152(3):189-205.
14. Curr Opin Biotechnol. 2011 Nov 30.
15. Lett Appl Microbiol. 2009 Dec;49(6):715-20.
16. PLoS One. 2011;6(8):e23652.
17. J Investig Allergol Clin Immunol. 2006;16(2):86-93.
18. Gut. 1996 Mar;38(3):306-9.
19. Am J Clin Nutr. 2007 May;85(5):1286-92.
20. Pharmacotherapy. 2007 Jun;27(6):910-20.
21 Gastroenterology. 1997 May;112(5):1624-34.
22. J Clin Gastroenterol. 1999 Jan;28(1):3-10
23. Curr Treat Options Gastroenterol. 2003 Oct;6(5):369-374.
24.  Biochemistry (Mosc.). 2000 Jul;65(7):817-23.
25. J Gastroenterol Hepatol. 2006 Nov;21(11):1669-74.
26. Life Sci. 2006 Nov 10;79(24):2245-50.
27. J Radiat Res (Tokyo). 2008 Jul;49(4):341-7.
28. Can J Gastroenterol. 2002 Nov;16(11):785-9.
29. Aliment Pharmacol Ther. 2001;15:715-725.
30. Helicobacter. 2002 Dec;7(6):384-9.
31. Biochem Biophys Res Commun. 2006 Jul 7;345(3):1215-23.
32. Steroids.1994 Feb;59(2):136-41.
33. World J Gastroenterol. 2005 Dec 21;11(47):7499-507.
34. J Antimicrob Chemother. 2004 Jul;54(1):243-6.
35. Indian Journal of Clinical Biochemistry. 2002;17 (2):44-51. FTP
36. Indian J Exp Biol. 2003;41:875-879.
37. Eur J Pharmacol. 2001 Dec 21;433(2-3):225-30.
38. Hum Exp Toxicol. 2006 Oct;25(10):581-91.
39. Int Immunopharmacol. 2006 Oct;6(10):1543-9.
40. Curr Pharm Biotechnol. 2009 Sep;10(6):641-9.
41. Hindustan Antibiot Bull. 2005-2006;47-48:13-9.
42. J Gastroenterol. 2004 Sep;39(9):831-7.
43. Mol Nutr Food Res. 2007 Jun;51(6):675-83.
44. Helicobacter. 2005 Apr;10(2):139-45.
45. Appl Environ Microbiol. 2005 Dec;71(12):8558-64. 7.
46. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2008 Aug;295(2):G211-8.
47. Nippon Rinsho. 2007 May;65(5):813-21.
48. J Gastrointest Surg. 2008 Aug;12(8):1331-40.
49. Curr Opin Gastroenterol. 2007 Jul;23(4):428-33.
50. Am J Gastroenterol. 2001 Jul;96(7):2013-8.
51. Am J Med. 2001 Jul;111(1):33-7.
52. Wilkins J. Jr. Method for treating gastrointestinal disorder. U.S. Patent (642045). 2002.
53. Med. Sci. Res. 24 (1996), pp. 309-310
54. Willette RC, Barrow L, Doster R, Wilkins J, Wilkins JS, Heggers JP. Proprietary study. WRC Laboratories, Inc. Galveston, Tx.
55. Br Poult Sci. 2002 Jul;43(3):424-31.
56. Protein Pept Lett. 2008;15(9):922-30.
57. Med Hypotheses. 2006;67(6):1386-8.
58. Clin Immunol. 2002 Aug;104(2):183-90.
59. Clin Immunol. 2008 July ; 128(1): 66–74.
60. In Vivo 2005 Mar-Apr;19(2):417-422
61. J Med Food. 2011 Apr;14(4):348-52.
62. Clinical Immunology 116 (2005) 135 – 142.
63. Cell. Mol. Life Sci. 58 (2001) 1234–1245.
64. Altern Med Rev. 2010 Dec;15(4):361-8.
65. Int Immunopharmacol. 2009 Mar;9(3):340-6.
66. Indian J Exp Biol. 2010 Mar;48(3):269-74.
67. Br Med J. 1978 Jan 21;1(6106):148.
68. Practitioner. 1975 Dec;215(1290):787-92.
69. AAPS PharmSciTech. 2005 Sep 20;6(1):E74-82.
70. Life Sci. 2002 Aug 9;71(12):1449-63.
71. Evid Based Complement Alternat Med. 2012;2012:216970.
72. J Contemp Dent Pract. 2008 Mar 1;9(3):88-98.
73. J Ethnopharmacol. 2009 Sep 7;125(2):218-23.
74. J Altern Complement Med. 2004 Aug;10(4):667-9.
75. J Agric Food Chem. 2004 Jun 30;52(13):4090-6.
76. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Dec;18(11-12):1099-105.
77. Phytomedicine. 2002 Dec;9(8):694-9. -artichoke
78. Med Sci Monit. 2001 May;7 (Suppl 1):316-20.
79. Cochrane Database Syst Rev. 2002;(3):CD003335.
80. J Agric Food Chem. 2002 Jun 5;50(12):3458-64.
81. Phytother Res. 2001 Feb;15(1):58-61.
82. Arzneimittelforschung. 2000 Mar;50(3):260-5.
83. Phytother Res. 2002 Jun;16(4):368-72.
84. Br J Nutr. 1995 Jul;74(1):101-13.
85. Phytother Res. 2002 Nov;16(7):677-9.
86. Hippokrates. 1956 Sep 15;27(17):561-3.
87. J Ethnopharmacol. 2004 Dec;95(2-3):169-72.
88. Lancet. 2003 Jun 7;361(9373):1935-8.
89. Pediatr Nephrol. 1999 Nov;13(9):775-7.
90. J Pharm Pharmacol. 1987 Jul;39(7):522-5.
91. Am J Gastroenterol. 1986 Jul;81(7):532-5.
92. Clin Pharmacol Ther. 1980 Jun;27(6):823-7.
93. Lipids. 1980 May;15(5):365-70.
94. Curr Treat Options Gastroenterol. 2001 Aug;4(4):333-337.
95. CMAJ. 1988 Dec 15;139(12):1137-42.
96. Am J Gastroenterol. 1981 Mar;75(3):192-6.
97. J Clin Invest. 1983 Apr;71(4):1003-22.
98. Altern Med Rev. 2002 Oct;7(5):410-7.
99. Gastrointest Endosc. 2001 Feb;53(2):172-7.
100. J Pediatr. 2001 Jan;138(1):125-8.
101. J Gastroenterol. 1997 Dec;32(6):765-8.
102. Microbios. 2001;106 Suppl 1:31-9.
103. Microbios. 1996;86(349):237-46.
104. Gut. 1980 Oct;21(10):843-7.
105. Gut. 1975 Nov;16(11):894-902.
106. Pediatr Int. 2004 Oct;46(5):509-15.
107. Appl Environ Microbiol. 2004 Oct;70(10):6113-22.
108. Aliment Pharmacol Ther. 2004 Oct;20 Suppl 4:75-8.
109. Clin Infect Dis. 2004 Jul 15;39(2):219-26.
110. Asia Pac J Clin Nutr. 2004;13(Suppl):S24-5.
111. J Clin Gastroenterol. 2004 Jul;38(6 Suppl):S107-10.
112. World J Gastroenterol. 2004 Jun 15;10(12):1802-5.
113. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Nov 1;18(9):853-74.
114. Schweiz Rundsch Med Prax. 2003 Apr 16;92(16):751-9.
115. Poult Sci. 2003 Apr;82(4):627-31.
116. Arch Pediatr Adolesc Med. 2003 Jan;157(1):54-9.
117. Pediatr Allergy Immunol. 2002 Dec;13(6):402-11.
118. Dig Liver Dis. 2002 Sep;34 Suppl 2:S37-S43.
119. Br J Nutr. 2002 Sep;88 Suppl 1:S51-S57.
120. Aliment Pharmacol Ther. 2002 Aug;16(8):1383-93.
121. Br J Nutr. 2002 May;87 Suppl 2:S179-S186.
122. Br J Nutr. 2002 May;87 Suppl 2:S145-S151.
123. Int J Hyg Environ Health. 2002 May;205(4):257-68.
124. FEMS Microbiol Rev. 2004 Oct;28(4):405-40.
125. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2004 Apr;18(2):287-98.
126. Microbiol Immunol. 2003;47(12):911-4.
127. Acta Paediatr Suppl. 2003 Sep;91(441):68-76.
128. Biocell. 2003 Apr;27(1):1-9.
129. Curr Opin Infect Dis. 2002 Oct;15(5):501-6.
130. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2003 Jan;6(1):49-54
131. J Urol. 2002 Oct;168(4 Pt 1):1512-7.
132. Br J Nutr. 2002 May; 87 Suppl 2:S293-S296.
133. Arch Inst Pasteur Alger. 1998;62:63-76.
134. Drugs Exp Clin Res. 2000;26(3):95-111.
135. Br J Nutr. 1998 Oct;80(4):S209-S212.
136. J Perinat Med. 1998;26(3):186-91.
137. J Parenter Enteral Nutr. 1997 Nov-Dec;21(6):357-65.
138. Adv Exp Med Biol. 1997;427:211-9.
139.  Antibiot Khimioter. 1989 Jun;34(6):462-6.
140.  J Nutr Health Aging. 2007 Jul-Aug;11(4):305-11.
141.  Acta Biomed. 2006 Aug;77(2):85-9.
142. Med Hypotheses. 2005;64(1):64-8.
143.  Scand J Gastroenterol. 1991 Mar;26(3):321-6.
144.  Diabetologia. 1980 Sep;19(3):198-204.
145. Magy Seb. 2001 Dec;54(6):347-50.
146. J Clin Gastroenterol. 2001 Apr;32(4):319-23.
147. Eur J Gastroenterol Hepatol. 1996 Jul;8(7):699-703.
148. Pharmazie. 1999 Mar;54(3):210-5.
149. Aliment Pharmacol Ther. 2000 Dec;14(12):1671-7.
150. Arzneimittelforschung. 1999 Nov;49(11):925-32.
151. Dig Liver Dis. 2007 Jun;39(6):530-6.
152. J Gastroenterol. 2007 Jul;42(7):539-42.
153. Z. Gastroenterol. 1992 Dec;30(12):885-6.
154. Gastroenterology. 1991 Jul;101(1):55-65.
155. Gastrointest Endosc. 2003 Apr;57(4):475-82.
156. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Feb;17(3):445-51.
157. Phytother Res. 2000 Feb;14(1):20-3.
158. Phytother Res. 2003 Feb;17(2):135-40.
159. Lait. 1993;73,249-256.

  

–> lifextesion –> MERCOLA.COM


2 Comentários

  1. Jorge Aramuni disse:

    Da mais extrema e fundamental importância este artigo!
    Congratulações, Dr. Júlio Caleiro!!

  2. doraci franco disse:

    Muito excelente este,informativo . Vou apricar,em minha vida . Obrigada.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: