Início » EVIDÊNCIAS » SEU NATAL PODE SER TRISTE! CARNE DE PORCO CONTAMINADA- CUIDADO!

SEU NATAL PODE SER TRISTE! CARNE DE PORCO CONTAMINADA- CUIDADO!

Image

Por, Júlio Caleiro

Por que eu não recomendo carne de porco – quase 70 por cento contaminadas com agentes patogénicos perigosos

    Independentemente de suas crenças espirituais, pode haver uma boa razão para considerar cuidadosamente não incluir a carne de porco como uma parte regular de sua dieta, porque, apesar de campanhas publicitárias que tentam pintar o porco como alternativa “saudável” a as pesquisa sugerem que pode ser perigoso a sua saúde em vários níveis. Um dos perigos potencialmente mais graves é a contaminação com bactérias patogênicas.
    De acordo com uma investigação nova e surpreendente pela Consumer Reports1, 69% de todas as amostras de carne de porco testadas, cerca de 200 amostras no total – foram contaminadas com bactérias perigosas como a Yersinia enterocolitica, que causa febre e doenças gastrointestinais com vômitos, diarréia e dores de estômago. Carne de porco moída de costelas, estavam contaminados!
    A carne de porco também apresentou outros contaminantes, incluindo a ractopamina uma droga controversa,  que é proibido em muitas partes do mundo, incluindo a China e a Europa. A droga, a qual foi encontrada em mais de 20% das amostras, é utilizado para promover o crescimento do animal, deixando a carne magra. O pior de tudo, muitas das bactérias encontradas na carne de porco eram resistentes a múltiplos antibióticos, tornando um tratamento médico medicamentoso de difícil controle.

    Relatório americano e averiguação das carnes:

        “Nós encontramos salmonela, estafilococos aureus, ou Listeria monocytogenes, as causas mais comuns de doenças transmitidas por alimentos, de 3 a 7% das amostras. E 11% abrigou enterococos, o que pode indicar contaminação fecal e pode causar problemas como infecções do trato urinário.”
        Apesar de boa qualidade nutritiva e sabor característico da carne de porco, ainda é melhor evitar!
        A Carne de porco é uma carne sem dúvida “saudável” do ponto de vista bioquímico, e se consumidos de um porco tratado em pastagens natural de fazenda, haverá risco mínimo de infecção. No entanto, praticamente todas as carnes de porcos no Brasil que consumimos não se encaixa nestes padrões.   Nos EUA vêm de Operações de alimentação concentrada métodos de confinamento animal e tratados com antibóticos fortíssimos e hormônios. Estes ambientes desumanos do ponto de vista da criação de animais,  são tipicamente criadouros tóxicos e patogênicos.    

        Estes animais passam suas curtas vidas miseráveis ​​em grelhas de concreto e aço. Os antibióticos são indicados livremente com a sua alimentação, tornando um enorme desperdício e tornando-se ainda mais tóxico.  Infelizmente, a criação de animais em CAFO ( Concentrated Animal Feeding Operations – Sistema de confinamento do Animal-“o que não é diferente aqui no Brasil”- É o padrão ouro para os americanos, brasileiros e vários países. Para muitos de nós, a carne de porco (CAFO) é a única opção disponível.   É por isso que o meu plano de nutrição recomenda conscientemente evitar carne de porco, sempre que possível, a menos que você possa assegurar-se de que os porcos foram criados naturalmente.

O consumo ocasional de carne de porco pode ser bom, mas é um risco, e quanto mais você consumir maior é a probabilidade de adquirir algum tipo de infecção.   PRRS – uma doença terrível, que foi reportada pela primeira vez em 2001, e que tinha sido um pesadelo para muitas nações desde meados dos anos 1980, o vírus ainda está “vivo” e perdurando ainda nos dias de hoje. A “doença mistériosa dos suínos”,  ou “a infertilidade suína”,  finalmente chamada de “Sindrome Porcina respiratória e reprodutiva” (PRRS), pode afligir cerca de 75% americanos que comem carne de porco. O vírus PRRS ataca principalmente o sistema imunitário do porco, deixando o seu corpo aberto para uma série de infecções, particularmente nos pulmões. Investigação inicial revelou que o vírus foi transmitido através da saliva, semen e sangue,  porcos conduzidos juntos e transportados em caminhões foram mais suscetíveis à infecção. No entanto, de acordo com a pesquisa apresentada na 2007 International Symposium PRRS, a doença  também  se propaga no ar, fazendo com que os esforços de erradicação seja muito difícil.

ALGUNS VÍRUS DO PORCO        

     -O vírus de Nipah – Descoberto em 1999, o vírus de Nipah causou doença em animais e seres humanos, através do contato com animais infectados. Nos seres humanos, o vírus pode levar a encefalite fatal (uma inflamação aguda do cérebro).
     -“Suínos retrovírus endógeno” (PERV) – De acordo com um estudo na revista Lancet, o vírus pode se espalhar para as pessoas que recebem transplantes de órgãos de porcos, e de acordo com estudos testes, cepas têm a capacidade de infectar celulas de humanos. Os genes alterados estão espalhados por todo o material genético dos porcos, e os pesquisadores descobriram que o coração de porco, baço e células renais liberam várias cepas do vírus.
       
      – Virus Menangle – Em 1998, foi relatado que um novo vírus infectando porcos foi capaz de passar para os seres humanos. O vírus foi descoberto por Menangle em agosto de 1997 quando as porcas em uma pocilga australiana começou a dar nascimento de leitões mumificados e deformados.

Carne de porco Crua não é aconselhável!

    Conforme explicado pela Consumer Reports, cozinhar completamente sua carne de porco é importante para a sua segurança, por isso, se você está em uma dieta crua (que pode incluir carnes cruas), a carne de porco definitivamente não deve fazer parte do seu cardápio … Mais uma vez, eu não recomendo se você decidir optar por comer carne de porco, sem seguir estas dicas manuseio seguro e diretrizes correta desde a criação e manuseio de cozimento, resfriamento dentre outras técnicas.

        Quando for cozinhar a carne de porco, usar um termómetro de carne para garantir que ela atinja a temperatura adequada interna, que mata as bactérias potencialmente nocivas: pelo menos 145 ° F para todo porco e 160 ° F para a carne de porco moída, bem como linguiça e salsicha.
        Mantenha carne de porco crua separados de outros alimentos, especialmente os consumidos crus, como saladas.
        Lave bem as mãos depois de manipular carne crua.
        Escolha produtos de carne de porco e outras que foram criados sem drogas. Uma maneira de fazer isso é comprar carne de porco orgânica certificada, a partir de suínos criados sem antibióticos ou de ractopamina.      
        Se o seu supermercado local não tiver carne de suínos criados sem antibióticos, é aconselhável jamais comprar e comer! Nos Estados Unidos as pessoas podem verificar isso através dos sites abaixo.

eatwellguide.org.
NotinMyFood.org.


2 Comentários

  1. uden disse:

    Prezado Dr. Júlio. A carne suína não é fonte de transmissão de nenhum vírus através do consumo da carne. Bactérias patogênicas podem ser veiculadas pela carne suína, assim como todo alimento in natura. Antibióticos, desde que respeitado o período de carência (o Ministério da Agricultura realiza análises rotineiras) não são problemas. Hormônios são proibidos em todo o território nacional. Cuidado ao veicular estas notícias sem bases científicas. Obrigado

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: