Início » 2012 » dezembro

Arquivo mensal: dezembro 2012

Anúncios

Coma bem! Alimente-se de COLESTEROL, VITAMINA K2 E EVITE DOENÇAS CARDÍACAS E OUTRAS!

 

Image

Por que o colesterol é essencial para a saúde e quais fatores de risco para saúde do coração?

Editado e Traduzido Por Dr. Júlio Caleiro

    Há muita confusão sobre o colesterol, e se os níveis elevados de colesterol são responsáveis por doenças do coração!  Chris Masterjohn PhD, que recentemente recebeu este Titulo em Ciências da Nutrição da Universidade de Connecticut, publicou cinco artigos revisados por especialistas sobre vitaminas e suplementos, e ela está atualmente pesquisando substancias solúveis em gordura como as vitaminas – A, D, e K – na Universidade de Illinois .
    O Colesterol tem sido demonizado desde o início de 1950, após a divulgação da pesquisa “Ancel Keys”. Como resultado, as pessoas atualmente dezenas de bilhões de dólares em medicamentos “redutores” de colesterol a cada ano, pensando erradadamente que devem baixar esta molécula “perigosa” no sangue para que não terem um ataque cardíaco.

    Como o poder do sistema de marketing extremamente eficaz,  a Lipitor foi o número 1 de vendas de drogas em 2011. Isso também revela que desafiar este sistema de crença errada, possui uma resistência tão grande devido a infiltração negativa das farmaceuticas! Há muitas empresas poderosas financeiramente e motivados em apoiar a crença neste mito do colesterol. Irei desmistificar isso de uma vez por todas!

O colesterol é essencial para uma vida saudável!

    O Weston A. Price Foundation tem sido um líder importante em ajudar as pessoas a compreender a verdade sobre o colesterol, e Dr. Masterjohn também palestra constantemente sobre este importante tema.
        “Devemos entender que o colesterol é realmente uma molécula extremamente importante, é realmente o nosso amigo em vez de inimigo, acho que devemos fazer a seguinte pergunta, O que acontece sem colesterol?

       Smith-Lemli-Opitz ou SLOS ( 7-dehydrocholesterol reductase deficiency), é uma doença do erro genético do colesterol nas células ou seja quando as pessoas não podem sintetizar colesterol suficiente por conta própria. Pessos que tem esta síndrome de característica recessiva,  significa que o indivíduo possui um gene defeituoso para a síntese do colesterol. Agora, o número de pessoas que carregam este gene defeituoso na população é de cerca de 1-3% da população. No entanto, o número de bebês que nascem com SLOS é muito inferior ao que se espera.  .Acontece que, se [o feto] tem genes defeituoso ao colesterol, e ao nascimento não pode sintetizar seu próprio colesterol, então isso geralmente resulta em aborto espontâneo. Então, logo vemos que o colesterol é necessário para a própria vida.” Em raros casos em que um bebê nasce com SLOS, a criança pode apresentar uma ampla gama de defeitos, tais como:
    Autismo ou retardamento mental, falha para prosperar defeitos físicos nas mãos, pés e / ou órgãos internos – Problemas visuais, Aumento da susceptibilidade a problemas digestivos e infecção.

O colesterol é essencial para a função celular

    Isso quer dizer que a deficiência de colesterol afeta praticamente todos os aspectos da saúde. Uma das principais razões para este efeito generalizado é porque o colesterol desempenha um papel fundamental dentro membranas celulares. O corpo é composto por trilhões de células que necessitam de interagir umas com as outras. O colesterol é uma das moléculas que permitem estas interacções. Por exemplo: o colesterol é o precursor de ácidos biliares, assim, sem quantidades suficientes de colesterol o sistema digestivo pode ser afetado negativamente.  Ele também desempenha um papel essencial no cérebro, que contém cerca de 25% do colesterol no corpo. É fundamental para a formação de sinapses, ou seja, as conexões entre os neurônios, que permitem pensar, de aprender coisas novas. Na verdade, não há razão para acreditar que dietas de baixa gordura e / ou medicamentos para baixar o colesterol podem causar ou contribuir para evitar a doença de Alzheimer. Baixos níveis de colesterol também têm sido associadas ao comportamento violento, devido a alterações adversas na química do cérebro.  Além disso, você precisa de colesterol para produzir hormônios esteróides, incluindo suas hormonas sexuais. A vitamina D também é sintetizada a partir de um parente próximo do colesterol: – 7-dehidrocolesterol. Para reforçar ainda mais a importância de colesterol, quero lembrá-lo do trabalho do Dra. Stephanie Seneff, que também trabalha com a Weston A. Price Foundation. Uma de suas teorias é que o colesterol se combina com o enxofre para formar sulfato de colesterol, e que este sulfato de colesterol ajuda a “diluir” “afinar” o sangue, servindo como um reservatório para as doações de elétrons que você recebe ao caminhar descalço sobre a terra (também chamado de aterramento). Ela acredita que, através deste mecanismo para “afinar” o sangue o sulfato de colesterol podem oferecer proteção natural contra doenças do coração. Na verdade há uma hipótese de que a doença cardíaca é provavelmente o resultado de deficiência de colesterol –  é o conhecimento oposto da visão convencional.

-Identificar fatores de risco para a doença cardíaca

    A doença cardíaca é claramente uma das principais causas de morte em os EUA, tornando-se imperativo para a grande maioria das pessoas, No entanto, o colesterol total vai  mostrar praticamente nada sobre o risco de doença, a menos que seja excepcionalmente elevado (acima de 330 ou mais, o que seria sugestivo de hipercolesterolemia familiar, que na minha opinião, seria sobre a única forma que um medicamento de redução do colesterol poderia ser usado, as Estatinas.

    Os 2 melhores indicadores do risco de doença cardíaca.

       Primeiro; o HDL / colesterol total: HDL é um percentual muito potente para mensurar doenças do coração. Basta dividir o seu nível de HDL pelo seu colesterol total. Esta percentagem deve ser idealmente acima de 24%. Abaixo de 10%, é um importante indicador de risco de doença cardíaca
        Segundo; Triglicérides / HDL : Esse percentual deve ser idealmente abaixo de 2.

    Quatro fatores de risco para doença cardíaca são:

        Seu nível de insulina em jejum: Qualquer refeição ou lanche rico em carboidratos, como grãos de frutose e alimentos refinados geram um aumento rápido da glicose no sangue e depois da insulina, compensando aumento do açúcar no sangue. A insulina liberada após comer carboidratos refinados com alto índice glicêmico, promove gorduras e torna mais difícil para o corpo eliminar o excesso de peso em gordura, particularmente em torno barriga e isso sim é um dos principais contribuintes para a doença cardíaca.
       Nível de açúcar no sangue em jejum: Estudos têm demonstrado que as pessoas com um nível de açúcar no sangue em jejum de 100-125 mg / dl apresentaram um percentual quase 300% em aumentar o risco de doença cardíaca coronariana do que pessoas com um nível abaixo 79 mg / dl
        Sua circunferência da cintura: a gordura visceral, o tipo de gordura que se acumula em torno de seus órgãos internos, é um fator de risco bem conhecido para a doença cardíaca. A maneira mais simples de avaliar o risco é simplesmente medir sua circunferência da cintura.  O tamanho da cintura pode ser um poderoso preditor de hipertensão e outras doenças crônicas         

        Nível de ferro: O Ferro pode apresentar um estresse oxidativo muito potente, por isso, se você tem níveis de ferro em excesso pode danificar os vasos sanguíneos e aumentar o risco de doença cardíaca.  Portanto deve monitorar os níveis de ferritina e garantir que eles não são muito acima de 80 ng / ml. A maneira mais simples para reduzi-los se estiverem elevados é doar sangue. Se isso não for possível, você pode ter uma flebotomia terapêutica e que efetivamente elimina o excesso de ferro, fazer alta ingestão de oxalato, fitatos proveniente dos alimentos e com cuidado do Nutricionista, cafeína, evitando alimentos ricos em ferro bem como de vitamina C em excesso, ajudará a manter durante um tempo os níveis sanguíneos com uma quantidade melhor de ferro no sangue.

O Que Você Precisa Saber sobre LDL e HDL com a doença cardíaca?

    LDL e HDL representam lipoproteína de baixa densidade e lipoproteínas de alta densidade, respectivamente. Enquanto a maioria das pessoas falam sobre eles como se fossem diferentes tipos de colesterol, essas lipoproteínas são realmente portadores de colesterol no sangue.  Dr. Masterjohn diz:    “Eu acho que há alguma verdade a este paradigma em termos de valor preditivo e a capacidade de LDL e “colesterol HDL” para deixar-nos saber se as coisas precisam ser otimizados no corpo ou não. Mas eu acho que é importante notar que, só porque estes marcadores tendem a se correlacionar com [a doença] do coração, não quer dizer que uma coisa é a causa do outro.

        Por exemplo, um dos preditores mais poderosos que tem sido validado em dezenas de estudos com centenas de milhares de pessoas é o colesterol total em comparação ao HDL-colesterol ou seja uma relação. Basicamente, quanto maior a proporção total do colesterol HDL, maior é o risco de doença cardíaca futura!  Agora, isso significa que um total de alta de HDL colesterol provoca doenças cardiovasculares?  Bem, a melhor maneira de colocar isso como prática seria usar uma droga que especificamente muda a relação de LDL à proporção de colesterol HDL e para ver se essa droga previne doenças cardíacas.

        Até agora,  tentaram fazer estudos sobre isso e foram  todos fracassados! O mais famoso deles foi os ensaios com “Torcetrapib”, o que inibiu a enzima que transfere o colesterol das HDLs para LDLs. Ao fazê-lo, especificamente  houve aumento do colesterol HDL e diminuição do colesterol LDL. Mas o que aconteceu? As pessoas começaram a morrer respectivamente depois de tomar a droga. Eles tiveram que cancelar [o estudo] no início.

    Segundo o Dr. Masterjohn, os pesquisadores afirmam que essas falhas não estavam relacionadas com a função específica da droga, mas sim que ela tinha “toxicidade fora do alvo”, que acabou por colocar as pessoas em perigo mortal. Ele menciona uma outra droga, anacetrapibe, que faz a mesma coisa que o torcetrapib e que também falhou. Até agora, os resultados de curto prazo têm sido promissores, mas os resultados a curto prazo para Torcetrapib também parecia promissor, se lançado provavelmente vai ter efeitos prejudicais assim como os demais.

       Existem dois reguladores primários da actividade do receptor de LDL:

       – As células individuais: As células individuais recuperar colesterol necessário, tendo em partículas de LDL do sangue
       – Hormônio da tireóide

    Segundo o Dr. Masterjohn, quando o colesterol total em relação ao HDL aumenta,  pode indicar um volume de LDLs ruins e péssimo metabolismo do colesterol, o que significa que o corpo não está usando o colesterol disponível de forma adequada. Quando as células não metabolizam adequadamente o colesterol, as partículas portadoras de LDL vão ficar em torno do sistema circulatório colocando-os em maior risco de oxidação e danos vasculares. Aí sim as partículas de LDL se tornam prejudiciais! Quando essas partículas são danificadas, então elas se tornam tóxicas para as células entopem os vasos sanguíneos. O sistema imunológico é acionado contra as partículas danificadas, criando então uma placa na artéria”, explica ele.

    Agora, como já mencionado, os hormônios da tireóide são moléculas de comunicação que ajuda a governar a atividade do receptor de LDL. Assim, quando o hormônio da tireóide não está funcionando adequadamente, a atividade “receptor de LDL” também serão afetados. O hormônio da tiróide, por sua vez é regulada em parte pela insulina.  A Insulina pode até ter um impacto direto na promoção da actividade dos receptores LDL, de acordo com o Dr. Masterjohn.  “A insulina ajuda-nos a fazer mais hormônio da tireóide, e isso ajuda a ativar o T4 em T3. Isso ajuda a aumentar a atividade do receptor de LDL metabolizar as partículas de LDL. O problema é que uma grande parte da nossa população é resistente à insulina”.

        Eu acho que corrigir a resistência à insulina é provavelmente um fator importante na normalização da função da tiróide, que por sua vez poderia normalizar o metabolismo do colesterol.  Há muito tempo afirmam que a resistência à insulina está na raiz de praticamente todas as doenças crônicas conhecida pelo homem, e isso novamente reforça a minha posição de que a normalização da sua sensibilidade à insulina devem ser prioridade em tratamento, para parar ou reverter a progressão de qualquer processo de doença, ou para otimizar a saúde e prevenir doenças de todos os tipos.

A importância da vitamina K2 para a saúde do coração

    Há um outro fator importante para a saúde do sistema vascular e que é a vitamina K2, que é responsável pela intervenção do cálcio para a placa arterial causada por partículas de LDL oxidadas. É crítico manter as artérias completamente limpa,  o que importa um conjunto de outros nutrientes o mais importante dos quais são a vitamina D, cálcio e magnésio.

    A vitamina K2 é encontrada principalmente em alimentos fermentados e gorduras animais. As melhores fontes são gemas de ovos e queijo, especialmente queijos duros. Existem evidências epidemiológicas de que as pessoas que ingerem mais vitamina k2 – mas não K1 – tem menor risco de doença cardíaca, e menor o risco de calcificação das válvulas cardíacas,” Dr. Masterjohn diz. “Existem vários experimentos com animais mostrando que a vitamina K2 é importante na proteção contra a calcificação dos vasos sanguíneos em geral.

        A calcificação ocorre basicamente em duas formas nos vasos sanguíneos, e precisamos de vitamina K2 para nos proteger disso. Em ambos os casos, sempre que ocorre uma calcificação em vasos encontramos defeito na matriz de proteína Gla ou POP. POP é uma vitamina K-dependente da proteína responsável por proteger os vasos sanguíneos e outros tecidos moles com calcificação. Se a vitamina K2 não está presente em quantidades suficientes na dieta, não poderá activar MGP, e torna-se um MGP defeituoso entao não poderá proteger contra a calcificação dos vasos sanguíneos, válvulas cardíacas, e todos os seus tecidos moles.

        Parece que a partir da evidência de que temos, que a ingestão insuficiente de vitamina K2 levaria então a uma maior calcificação e aterosclerose, que por sua vez aumenta o risco de doença cardíaca issso é particularmente irônico, porque na dieta da maioria das pessoas, as melhores fontes da vitamina k2 são ovos e queijo, que são ricos em colesterol o que nos é dito pela medicina convencional para evitarmos. “

    Segundo o Dr. Masterjohn, estudos em animais mostraram que pode provavelmente reverter a calcificação arterial com doses elevadas de vitamina K2. Isso não surpreende em nada, e além disso otimizar outras variáveis nutricionais que já conhecemos. Tais como:  normalizar perfis de colesterol, aumentar o consumo de gorduras saudáveis e restringir o consumo de óleos vegetais, níveis de vitamina D no sangue, e atividade física.

Você está obtendo bastante vitamina K2 para proteger o seu coração?

  Como temos poucos alimentos disponíveis para obtenção da vitmaina k2 no Brasil, o método mais correto é tomar suplementos para atingirmos a dose diária recomendada. Diferente de outros países que possuem alimentos fermentados, que são bem ricos em vitamina k2 tais como o Natto, que é a base da fermentação de soja. Lembrando que a soja ultilizada no Brasil, e países da america não são boas alternativas para fazer este alimento, devido quantidades excessivas de substâncias tóxicas.

Referências:

1 The Daily Lipid
2 Cholesterol-and-health.com
3 Stephanie Seneff, APOE-4: The Clue to Why Low Fat Diet and Statins may Cause Alzheimer’s

http://www.cholesterol-and-health.com/Campbell-Masterjohn.html
– -> MERCOLA.COM

Anúncios

Como a dieta com suplementos podem ajudar a prevenir E TRATAR as enxaquecas?

Como a dieta com suplementos podem ajudar a prevenir E TRATAR AS enxaquecas!

Editado e traduzido;
Por Dr. Júlio Caleiro

Estima-se que 26 milhões de americanos sofrem com enxaquecas. Aproximadamente 80 por cento dos quais são mulheres. Ao todo, cerca de uma em cada cinco mulheres tem enxaquecas, e apenas um em cada 16 homens possuem enxaquecas. Cerca de 60% das mulheres afetadas têm menstruação alteradas co-relacionadas com enxaqueca, o que significa que tende a coincidir com seu ciclo menstrual. A enxaqueca é caracterizada como uma dor de cabeça latejante intensa ou pulsante, tipicamente em uma área ou do lado da cabeça, é normalmente acompanhada por náuseas, vômitos e sensibilidade extrema à luz e som. Aquelas que nunca tiveram uma enxaqueca antes pode ficar muito assustada com os sintomas neurológicos. Os problemas visuais são Mais problemáticos a enxaqueca pode simular um acidente vascular cerebral onde você começa a ter perturbação da visão e a curto prazo perda visual.

Ataques de enxaqueca pode causar dor debilitante por várias horas a vários dias. Alguns pacientes experimentam “aura” antes de um ataque. Estes são sintomas de alerta sensoriais, como flashes de luz, pontos cegos, ou formigamento no braço ou na perna. Alergias alimentares são a causa da enxaqueca?
Pesquisando na literatura médica em PubMed.gov utilizando os termos de busca “enxaqueca” e “alergias alimentares” os sites de fornecem mais de 150 estudos. Alguns dos principais indutores de enxaqueca alguns alimentos foram identificados segundos estes trabalhos incluem:

– Trigo, leite de vaca, grãos de açúcar de cana e cereais
– Levedura, Ovos e milho

Alimentos processados em geral, pode também contribuir para alergias por uma série de razões diferentes, e a maioria dos alimentos processados ​​contêm uma variedade de corantes, aromatizantes, conservantes e outros aditivos que podem também promover a dores de cabeça e enxaquecas. Tanto o aspartame e MSG são conhecidos por causar dores de cabeça e provocando enxaquecas. Observa-se que a enxaqueca geralmente ocorre depois de comer um alimento específico, perguntas adicionais que podem ajudar a determinar se você pode ter uma sensibilidade ou alergia alimentar são:

– Você experimenta inchaço após as refeições, gases, arrotos freqüentes, ou qualquer tipo de problemas digestivos?
– Você tem prisão de ventre ou diarréia crônica?
– Você tem um nariz entupido após as refeições?
– Você tem baixo consumo de energia ou se sente sonolento depois de comer?

Se você respondeu sim a alguma destas perguntas, cabe uma investigação pelo Nutricionista com mais afinco. Manter uma dieta alimentar detalhada é o caminho mais fácil para começar a rastrear potencialmente indutores de enxaqueca induzida por alimentos, bem como alimentos que causam outros sintomas de sensibilidade. Eliminar antígenos de alimentos também é fundamental para a saúde do intestino. Tenho escrito muito sobre este tema, e a ciência Nutricional está começando a perceber o quão importante é o seu intestino, não apenas para a saúde física, mas a saúde emocional e psicológica também.

As dietas de eliminação tem se mostrado úteis na redução e na eliminação da Enxaqueca.

Em um estudo de 1979 publicado na revista Lancet, 60 pacientes com enxaqueca com imunorreatividade ao antígeno alimentar que foram colocados em uma dieta de eliminação, experimentaram alívio profundo da enxaqueca. O autor do Trabalho disse: “Os alimentos mais comuns que causam reações alérgidas foram trigo (78%), laranja (65%), ovos (45%), o chá e o café (40% de cada), chocolate e leite (37% de cada), a carne (35%), milho, cana de açúcar e fermento (33%). Quando uma média de 10 alimentos comuns foram evitados neste estudos, houve uma queda dramática no número de dores de cabeça por mês, ou seja: 85% dos pacientes ficaram livre da enxaqueca e de brinde, 25 % de pacientes com hipertensão junto com as enxaquecas se tornaram normotensos.

Um estudo randomizado, duplo cego, publicado em 2010 também descobriu que uma a seis semanas de uma dieta de restrição produziu uma redução estatisticamente significativa nas enxaquecas, em pessoas diagnosticadas com enxaqueca sem aura. Se você perceber suas enxaquecas iniciar logo após comer um alimento específico, então isso é um bom fator para restrição. Tenha em mente que você também pode ser sensível aos aditivos alimentares como corantes artificiais, conservantes, realçadores de sabor (MSG), e aspartame, sendo assim é muito importante ler os rótulos dos alimentos, e anote os ingredientes em seu alimento diário e mostre ao seu Nutricionista. Uma das melhores coisas que você pode fazer se você acreditar que esteja sofrendo de uma alergia alimentar é fazer um desafio de eliminação pela dieta. Basta retirar todos os alimentos que contêm o que você “acha” que é alérgico e ver se os seus sintomas melhoraram ao longo dos próximos dias. Tenha em mente que, dependendo da sua frequência de enxaqueca, você pode precisar de evitar o alimento suspeito por algumas semanas, a fim de avaliar se teve um efeito ou não! Para confirmar os resultados, você deve reintroduzir a comida ou bebida (com o estômago vazio). Se o alimento suspeito reagir novamente, geralmente terá os sintomas da alergia dentro de uma hora, embora, por vezes a enxaqueca pode ter um maior tempo de manifestação além de apresentar também inchaço ou sonolência.

-Dieta para alívio da enxaqueca

Muito poucas pessoas relatam se livrar da enxaqueca pela dieta, que podem ser resumidas como “qualquer alimento que pode ser consumido sem ser processado.” Isso significa que não comem grãos, pão ou massas, leite pasteurizado, mas inclui muitas frutas e vegetais frescos, algumas nozes e óleos junto com os peixes capturados selvagens, aves orgânica e alimentados com capim-carnes magras. Você pode facilmente moldar sua dieta em torno dos princípios da Paleo comer seguindo meu plano de nutrição. Os detalhes estão descritos no plano, mas de um modo geral, os seguintes fatores-chave se aplicam a qualquer “dieta saudável”:

Elimine todos os produtos de glúten
Elimine os outros 10 alimentos comuns que o estudo da Lancet relatado acima onde mais de 85% dos participantes com dor de cabeça, tiveram uma enorme redução e alguns se viram livre da dor.
Elimine todos os adoçantes artificiais, especialmente aspartame.
Prefira alimentos integrais mas sem excessos.
Muitas vezes cru ou apenas levemente cozidos, tente comer 1/3 de alimentos cru.
Orgânico e livre de aditivos e ingredientes geneticamente modificados
Coma carboidratos vegetal (exceto milho e batata, que normalmente deve ser evitado). Reduzir drasticamente o consumo de vegetais com muito carboidratos, ajudará a melhorarar a sinalização da leptina e insulina, que também pode melhorar a enxaqueca.

Suplementos úteis e disfunção MITOCONDRIAL. Algo primordial no Tratamento.

Em termos de suplementos que podem ser úteis para a enxaqueca, um dos mais crítico é o ubiquinol (a forma reduzida da coenzima Q10). De acordo com especialistas como o Dr. Robert Barry, um problema subjacente envolvido com a enxaqueca é uma disfunção mitocondrial. Ubiquinol desempenha um papel essencial na produção de ATP, o que é o combustível de base para a sua mitocôndria uma organela celular. Seu corpo produz naturalmente ubiquinol, na verdade, é a forma predominante na maioria as células saudáveis, tecidos e órgãos. No entanto, com a poluição desenfreada e má alimentação a disfunção mitocondrial tornou-se cada vez mais comum. Um estudo de 2005, publicado na “Neurology” descobriu que CoQ10 ( ulbiquinol) foi superior ao placebo na prevenção da enxaqueca e de redução da severidade. Dos pacientes que receberam CoQ10 ( ulbiquinol), em torno de 50% referiram frequência significativamente reduzida de dor de cabeça em comparação com apenas 14% das pessoas que tomaram o placebo. Ubiquinol é a forma reduzida de CoQ10, e os estudos demonstraram repetidamente que é muito mais eficaz do que a CoQ10 isolada, devido à sua biodisponibilidade superior.

Outros suplementos alimentares que podem ser úteis para enxaqueca incluem:

Magnésio. Este é provavelmente o mais importante, pois contribui para relaxar os vasos sanguíneos do cérebro que causam a dor. O melhor suplemento de magnésio que eu conheço é treonato magnésio, ele penetra membranas celulares incluindo a mitocôndria, e nenhum outro suplemento de magnésio faz isso. Curiosamente alguns dos melhores fármacos utilizados para tratar a enxaqueca são bloqueadores dos canais de cálcio e de magnésio, que é a forma de como funcionam, isso é péssimo. Magnésio suplementar é muito mais seguro do que as medicações tradicionais bloqueadores dos canais de cálcio. Além de outros tais como:

Vitamina B2 (riboflavina)
A vitamina B6
A vitamina B12
O ácido fólico

Um estudo de 2009 avaliou o efeito do ácido fólico, vitamina B6, e vitamina B12 em 52 pacientes com diagnóstico de enxaqueca com aura. Em comparação com o grupo placebo, aqueles que receberam estes suplementos experimentaram uma redução de 50% da enxaqueca ao longo de um período de seis meses. Estudos anteriores, como um estudo de 2004 no European Journal of Neurology, também relataram que altas doses de B2 (riboflavina) pode ajudar a prevenir ataques de enxaqueca, porém deve-se acompanhar com um(a) Nutricionista para adequação correta. O exercício é algo que também deve ser considerado como uma estratégia de enorme utilidade. Com média intensidade com orientação do professor de educação física HABILITADO! Por último, mas não menos importante, a Técnica de Libertação Emocional (EFT)*, muitas vezes fornece resultados para o alívio da dor de cabeça e enxaqueca. Iniciantes que utilizam este processo simples por si mesmas tendem a atingir 50-80% de melhora. EFT é uma intervenção muito profunda, que pode ser utilizado para além das estratégias acima, também pode ser útil para ajudar a conformidade com as mudanças do estilo de vida a ser levado.

*Em consulta o Dr. Júlio Caleiro ENSINA e aplica a técnica EFT.
———————————————————————————–

REFERÊNCIAS:

1 Migraines.org FAQ
2 Animal Pharm October 9, 2012
3 Ncbi.nlm.nih,gov
4 Lancet 1979 May 5;1(8123):966-9
5 Cephalalgia 2010 Jul;30(7):829-37
6 Neurology 2005 Feb 22;64(4):713-5
7 Pharmacogenetics and Genomics 2009 Jun;19(6):422-8
8 European Journal of Neurology 2004 Jul;11(7):475-7

MERCOLA.COM

DISBIOSE INTESTINAL E DOENÇAS AUTOIMUNES, NEUROLÓGICAS E PSÍQUICAS! VEJA A CAUSA E A CURA!

Image

Por  Dr. JÚLIO CALEIRO;

   A Dra. Natasha Campbell-McBride é uma neurologista que tem um filho com autismo e resolveu investigar algumas coisas relacionadas a esta doença e revertê-la o que conseguiu com sucesso.

   Como resultado de sua própria investigação sobre o autismo, ela acabou desenvolvendo o que pode ser uma das estratégias de tratamento mais profundamente importante não só para o autismo, mas para uma ampla gama de doenças neurológicas, psicológicas-, auto-imunes.

    O programa GAPS: Tratamento das “Síndromes neurológicas e Intestinais” é de vital importância para maioria das pessoas. Como a maioria das pessoas têm a saúde intestinal ruim devido a má alimentação e exposições tóxicas o programa GAPS pode ajudar as pessoas com autismo e outros distúrbios neurológicos, psiquiátricos tais como:

        Dislexia e dispraxia
        Depressão
        Transtorno obsessivo-compulsivo
        O transtorno bipolar
        Epilepsia

O que é sindrome intestinal psicológica?

       O intestino afeta o sistema imunológico que por sua vez afetará o sistema nervoso do indivíduo pois há uma interação dinâmica e profunda entre eles. Dr. McBride CORRELACIONA os problemas abaixo:

        Artrite
        Asma e alergias
        Problemas de pele
        Problemas renais
        Problemas digestivos, e
        Doenças auto-imunes

    Anormalidades no seu sistema imune intestinal, estão na raiz de praticamente todas as doenças degenerativas.

        “Por que isso?  Por que cerca de 85% do nosso sistema imune está localizado na parede do intestino “, “Esse fato foi estabelecido por pesquisas em fisiologia entre 1930 e 1940. O nosso intestino,  é o maior e mais importante órgão imunológico em nosso corpo. –  Há uma relação muito íntima entre a flora intestinal e o sistema imunológico!

        A microbiota intestinal tem um efeito profundo sobre quais tipos de células do sistema imune estará sendo produzido, em um determinado dia, e essas células terão a função de equilibrar todo nosso sistema complexo intestinal.

Como a microbiota intestinal direciona o sistema imunitário?

   – Existem duas principais “armas” no sistema imunológico:

        A imunidade Th1* que é responsável por reações normais para qualquer coisa estranha externa no organismo, como por exmplo, pólen, ácaros, produtos químicos, alimentos e qualquer outra coisa que você entrar em contato. O Th1 é mantido deve manter-se alerta e saudável pela flora intestinal. Enquanto  flora intestinal está normal, não se tem sintomas adversos quando expostos a esses tipos de influências ambientais, mas se sua flora intestinal é anormal, o seu Th1* se tornará cada vez mais deficiente e os sintomas serão percebidos de forma gradual.
        A Imunidade Th2* é projetado para atender as funções imunológicas dentro do corpo, e não está equipada para lidar com as influências ambientais externas. No entanto, ela vai tentar compensar se o Th1* tornar-se desativado. Infelizmente, se não estiver devidamente equipado para este trabalho, acabará lidando com influências ambientais, como o pólen e os alimentos de maneira inadequada, e o resultado final será uma alergia forte e intolerâncias alimentares.

    É importante perceber que as alergias e intolerâncias alimentares são um grupo muito diferente de alergias das reações imunitárias mais graves como as anafiláticas. Intolerâncias alimentares provocadas por deficiência de Th1 (devido a flora intestinal anormal- DISBIOSE) não são mediados pelas imunoglobulinas específicas. Intolerâncias alimentares também podem manifestar horas, dias ou mesmo semanas depois, tornando a identificação alérgica aos alimentos muito difíceis.

* Th1 – Th2 —>   http://pt.wikipedia.org/wiki/Sistema_imunit%C3%A1rio

O Dra. McBride explica;

        “Reações diferentes também podem sobrepor-se umas sobre as outras. Por exemplo, em um determinado dia você pode estar reagindo a brócolis que comeu apenas  no almoço, e ao cordeiro que você comeu a um dia anterior, e ao ovo que você comeu há dois dias, e um pedaço de pão que você comeu há 10 dias! Todas estas reacções se sobrepõem uns em cima das outras. Em um determinado dia, você não tem idéia do que exatamente você está reagindo  “.  Para tornar as coisas ficarem ainda mais difíceis, estas alergias e intolerâncias alimentares pode resultar em todos os tipos de reações,  como por exempplo: dor de cabeça,  espirros, erupções na pele, ou dores abdominais, articulações inchadas. Ou eles podem resultar em psoríase, ou causar eczema, pode ser um episódio de depressão, ansiedade, ou um ataque de pânico. Qualquer tipo de sintoma pode ser criado por alergias e intolerâncias alimentares,”.  Ao mesmo tempo, devido sua flora intestinal anormal, o revestimento do intestino começa a deteriorar-se uma vez que está ativamente mantido pela nossa flora intestinal. (As bactérias benéficas do intestino mantém intacto o revestimento do trato digestivo inteiro saudáveis, bem alimentados e protegidos de ataques químicos ou microbiológicos.) Se o revestimento intestinal se deteriora, as junções entre as células se abrem, causando um intestino mais poroso, caindo na circulação sanguínea substâncias tóxicas.   O Torna-se como uma peneira de poros maiores, e os alimentos não tem a chance de ser digeridos corretamente antes de serem absorvidos”, Serão absorvidos e mal digeridos ou parcialmente quebrados. Quando o sistema imunológico encontra esses alimentos parcialmente quebrados na corrente sanguínea, não vai reconhecê-los como alimentos normais vai gerar então uma reação forte a esses alimentos mal digeridos. O sistema imunológico cria “complexos imunes”, que atacam estas proteínas parcialmente digeridas! Como resultado, teremos todos os tipos de sintomas em seu corpo como os já citados”.

    Então, qual é a resposta para resolver isso?

    A chave para resolver seus problemas de saúde não é determinar quais os alimentos que você está reagindo a fim de evitá-los. Em vez disso você precisa se concentrar na cura de seu revestimento do intestino ( a parede interna do intestino), porque esta é a raiz mais provável do problema. Também será a  estratégia de melhor custo-benefício uma vez que o teste de alergia pode ser muito caro para quem não tem convênios particulares.

        “Existem muitos métodos de teste desenvolvidos para alergias e intolerâncias alimentares,” o Dra. McBride diz. “… [Mas] se você tiver tempo o suficiente para testar duas vezes por dia durante duas semanas seguidas, você iria descobrir que você reage a tudo que você come … A maioria dos profissionais não tem conhecimento nesta área e acaba sempre no método do teste as alergias alimentares … Sendo que o foco para a  cura,  é “selar seu revestimento intestinal”. Em seguida, essas alergias e intolerâncias alimentares vão desaparecer, e você será capaz de finalmente começar a comer alimentos que você não podia tolerarar antes. “!

-GAPS e as doenças autoimunes!

    Doenças auto-imunes são um efeito colateral imunitário muito comum atualmente. A medicina convencional identificou cerca de 200 diferentes doenças auto-imunes, até agora, e a lista está crescendo continuamente.

        Os testes em auto-imunidade é bastante caro, nem todas as pessoas podem fazer os testes. Todos os testes alimentares que é feito na medicina convencional,  praticamente todas as pessoas apresentam uma reação auto-imune. Por que isso? Porque 85% de seu sistema imune está localizado na parede do intestino, e dependendo do estado da flora intestinal terá um efeito direto e profundo sobre a forma de como as funções do sistema imunológico está naquele momento.

        … O sistema imunológico é um “órgão sistemático” que sente fome! Ele precisa ser continuamente alimentado … Pessoas com flora intestinal anormal – as pessoas estão adquirindo “lacunas” ou poros maiores que o normal na parede intestinal aumentando a sua permeabilidade das substâncias – não conseguem digerir e absorver os alimentos adequadamente, de modo que eles desenvolvem múltiplas deficiências nutricionais; nosso sistema imunológico está morrendo de fome! Ao mesmo tempo, um rio de toxicidade está fluindo a partir do intestino para dentro da corrente sanguínea da maioria das pessoas, por que todos esses micróbios patogênicos na flora do intestino estão a converter o alimento em centenas e centenas de substâncias muito tóxicas.

        O sistema imunológico fica cheio destas toxicidades, então o indivíduo terá um sistema imunitário deficiente, desnutrido, intoxicado e desequilibrado, e, ao mesmo tempo ele é desafiado com uma enorme quantidade de trabalho a fazer. É óbvio que desta forma o intestino e o sistema imune não poderá funcionar adequadamente. É claro que não se pode reagir de forma adequada para várias coisas. A causa da Doença Auto-imune também se resume tudo isso.

    Flora anormal em seu aparelho digestivo pode facilmente levar ao crescimento excessivo de:

        Bactérias patogênicas
        Vírus patogénicos
        Fungos
        Vermes
        Protozoários

    Uma vez que seu revestimento do intestino começa a deteriorar-se, esses agentes causadores de doenças podem ser facilmente absorvidos pela corrente sanguínea e distribuído por todo o corpo. Alguns deles têm afinidades para determinadas proteínas, e vai unir-se a elas. Quando isso acontece, muda a forma tridimensional da referida molécula de proteína. Quando seu sistema imunológico vem através desta proteínas estranhas, ele vai atacá-lo e começar a produzir anticorpos contra o próprio indivíduo.

        “Este mecanismo é particularmente o que acontece em pacientes acometido pela esclerose múltipla.

Segundo o  Dra. McBride:  “O mercúrio, alumínio, chumbo, outros metais tóxicos e moléculas orgânicas que contêm estes metais tóxicos têm uma propensão especial para ficar armazenando em alto teor de gordura nos tecidos, como também no cérebro, no resto do sistema nervoso e particularmente na bainha de mielina e nos nervos. Estes metais tóxicos tem o principal alvo o cérebro e os nervos. Mas quando eles ficam acumulados nos tecidos gordurosos, estas toxinas se ligam a proteínas e na bainha de mielina, na substância branca do cérebro e em outras partes de seu sistema nervoso. Uma vez que eles estejam acumulados eles se apegam a essas proteínas e mudam sua estrutura tridimensional. Em seguida, o sistema imunológico desenvolve um anticorpo específico contra proteína e bainha de mielina deflagrando então o quadro da esclerose.

        Existe um anti-corpo específico o qual está agindo na esclerose múltipla. Ele é chamado de “anticorpo da proteína de mielina específico”. É um anticorpo que ataca as proteinas da mielina … O que o sistema imunológico tenta fazer é  limpar os metais tóxicos como o mercúrio, chumbo e outros metais tóxicos do sistema nervoso, o que foi armazenado de forma errada. E de onde é que eles vêm? Cerca 99,9% vem no sistema digestivo que está alterado e não conseguiu eliminar estas substâncias durante a digestão”.

Curiosamente, quando o corpo não é capaz de limpar uma toxina em particular por conta própria, ele vai convidar e contratar micróbios do ambiente para ajudar a limpar as toxinas.  “Os micróbios no ambiente não são nossos inimigos em todos os casos. Eles são realmente os nossos aliados. Eles são “nossos ajudantes”. Seu corpo utiliza-os quando precisa deles para acionar certos mecanismos imunitários, “Dr. McBride explica que,  “Se você tem acumulado certas quantidades de mercúrio em seu cérebro e em seus nervos … seu corpo pode empregar um vírus para acionar teu sistema para retirar essas toxinas … Se você tem um resfriado, que de origem  viral (é o virus que irá direcionar teu sistema imune ao local) ir diretamente para aqueles remendos tóxicos em seu cérebro e seu sistema nervoso então será atacado. O sistema imune não diferencia de forma eficaz,  então irá atacar estes virus e também certas partes do cérebro. Junto com a inflamação local mediada pela primeira reação imune, o indivíduo então começará a experimentar os sintomas da esclerose múltipla. O sintomas de formigamento começará a aparecer, dormência no rosto ou nas extremidades do corpo, perde o controle da bexiga ( bexiga neurogênica) perda da visão periférica por um tempo … Esse é um dos primeiros sintomas de esclerose múltipla.

        nesta situação, só do indivíduo  alimentar o sistema imunológico de forma adequada e deixar o trabalho para o sistema imunológico  completar, em seguida, estes sintomas iriam durar um mês ou dois, e depois eles desaparecem por que o vírus vai devorar as toxinas uma vez que já foi direcionado para isso e o sistema imunológico vai devorar o vírus. Seus nervos vão se recuperar naturalmente. ”

    Infelizmente, isso não é o que acontece hoje em dia. Normalmente, assim que as pessoas sentem o formigamento, dormência e outros sintomas, elas correm para o médico, que imediatamente colocá-los em algum tipo de medicação fortíssima, que normalmente têm um efeito negativo sobre o sistema imunológico. Como resultado, os vírus se propaga ainda mais e tornam-se mais estabelecido, e a doença torna-se crônica e permanente.

Nós tems anticorpos naturais contra praticamente todas as doenças!

        “O que as pessoas tem que entender é que todos nós seres humanos – temos anticorpos no nosso corpo para lidar com a esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, artrite reumatóide, osteoartrite, lúpus, ou qualquer outra condição auto-imune”.  Tudo começa no útero. Assim que timo do bebê se desenvolve, as proteínas flutuam sobre a corrente sanguínea, que é compartilhado entre a mãe e o bebê, a começar a educar o sistema imunológico do bebê, e alocar umas células de respostas particulares para cada proteína encontrada. Ao Desenvolver doenças auto-imunes, é quando o sistema imunológico ataca tecidos específicos e proteínas no corpo por que foram contaminados por toxinas ou alguma outra influência ambiental. E lembre-se, esse desequilíbrio, essa influência tóxica, é proveniente de seu sistema digestivo ou parede do intestino.

        ” A Auto-imunidade e essas doenças são nascidas no intestino? Sim, Isso acontece porque a flora intestinal é anormal! A fim de curar qualquer doença auto-imune – quer se trate de esclerose múltipla, artrite reumatóide, osteoartrite, lúpus, alopecia, psoríase, ou qualquer outra coisa que tem um componente auto-imune o indivíduo tem de se concentrar na cura e selar o revestimento intestinal nutricionalmente que básicamente é: Normalizar a flora intestinal e conduzir os patógenos da flora intestinal substituí-los peça flora benéfica. Em seguida, a cura vai acontecer.

    Infelizmente, a medicina convencional é muito ignorante sobre estas pesquisas, e não sabem o que realmente é desordens auto-imunes, associados como distúrbios digestivos e também psicológicos.

A Importância de alimentos fermentados

    O número de bactérias em nosso corpo superam as células em cerca de 10 para 1.  Essas bactérias, por sua vez são compostos de ambos os benéficos e podem ser também prejudiciais. O equilíbrio ideal é cerca de 85% de bactérias boas e 15% ruim. Manter essa relação ideal é muito importante, estou falando da importância dos probióticos. Temos que entender que o uso dos probióticos não e um conceito novo!  A única coisa que há de novo é que podemos tomar em forma de pílulas! Mas historicamente, a humanidade tem consumido grandes quantidades de probióticos na forma de alimentos fermentados e cultivadas, que foram inventados muito antes do advento da refrigeração e outras formas de conservação de alimentos. Cada cultura tradicional quando olhamos para suas dietas tradicionais tem costume de se alimentar de alimentos fermentados. Eles fermentam tudo! Você pode fermentar laticínios, grãos, feijões, vegetais, frutas, carnes e peixes e até mesmo as maiores quantidades de bebidas fermentadas. Usam por exemplo repolho fermentado. Apenas um ou dois meses comem de forma fresca, mas durante 10 meses do ano comem o repolho em uma forma fermentada. Completamente uma grande porcentagem de todos os alimentos que as pessoas consomem diariamente na cultura de alguns países é de alimentos fermentados. E em cada refeição com estes alimentos fermentados consomem trilhões de bactérias benéficas.

    Alimentos fermentados não é questão apenas de uma maior variedade de bactérias benéficas, mas oferecer maiores quantidades deles, para uma alternativa muito mais rentável. É raro encontrar um suplemento probiótico em mercados contendo mais de 10 bilhões de unidades formadoras de colônia num produto. Os Fermentados probióticos produzidos por culturas starter (material contendo grande número de microrganismos – bactérias, leveduras e mofos ou combinações dos mesmos), os quais pode ser adicionados para acelerar o processo de fermentação em alguns alimentos industrializados em grande escala.”, tem cerca 10.000.000 bilhões de unidades formadoras de colônias de bactérias. Literalmente, feita a comparação com os alimentos fermentados das culturas de países que consomem alimentos fermentados se equipara as colônias Startes!

Como funciona o processo de fermentação

        “A Mãe Natureza é extremamente sábia e amável. Todas as frutas e vegetais orgânicos, contém lactobacilos. As folhas de couve fresca, se for cultivado organicamente (não o da agricultura química), está coberto em lactobacilos. Você não precisa acrescentar nada. Você acabou de cortá-la. Adicione um pouco de sal nos estágios iniciais ao cresimento. (O sal é adicionado na fase inicial, a fim de parar as bactérias putrefatas de se multiplicar.) Os Lactobacilos ao iniciar a multiplicação produzem ácido láctico por isso que eles são chamados de Lactobacillus.

        Se olharmos para a pesquisa em ácido láctico, que é um dos mais potentes anti-sépticos ele mata muitas e muitas bactérias maléficas. Assim que começa a se produzir ácido láctico a planta começa a matar todos os micróbios patogênicos e putrefativas na conservação dos alimentos. É um conservante grande e natural.  

    Baixe transcrição da entrevista

    Este processo anaeróbio (fermentação) faz mais do que preservar a comida, no entanto. Também torna os nutrientes no interior do alimento mais biodisponível. Por exemplo, de acordo com o Dr. McBride, a quantidade de vitamina C biodisponível em chucrute é 20 vezes maior do que na mesma porção de couve fresca!

        “Isso porque na couve fresca, tem vitamina C  e está ligada a estrutura de celulose e de várias outras moléculas, e nosso sistema digestivo não é apenas capaz de clivá-los e absorvê-los. Assim, apesar do fato de que o repolho pode ser muito rico em vitamina C, você não será capaz de absorver. Mas se você fermentar o repolho em chucrute, tornará a vitamina C biodisponível “, explica ela.

Como reduzir as chances da “crise de cura”?

    Há uma precaução que deve ser discutido aqui, e que é o potencial para uma ‘crise de cura’ assim chamado pela Dra. McBride e se refere como uma reação die-off, provocado pela morte maciça de bactérias patogênicas, vírus , fungos e outros agentes patogénicos prejudiciais pel reintrodução de grandes quantidades de probióticos. O paciente pode piorar significativamente em qualquer problema de saúde que o paciente enfrentando, antes de melhorar.

    A razão para isto é porque, quando os probióticos matar os organismos patogênicos, os micróbios patogênicos libertam toxinas. Estas toxinas é o que está causando o problema, seja depressão, ataques de pânico, artrite reumatóide, esclerose múltipla, lupus, Sjogren, Sindrome do intestino irrtável, fibromialgia ou qualquer outra doença e ou sintoma. Quando uma grande quantidade de toxina é liberada de repente, seus sintomas também vai aumentar subitamente.

        “Se você nunca ingeria alimentos fermentados em sua vida, você precisa começar com muito cuidado e muito gradualmente com orientação do Nutricionista apto,” Dr. McBride adverte.

    “Deve começar com apenas uma colher de chá de vegetais fermentados, como chucrute, com uma de suas refeições, natto, missô dentre vários outros, Kefir, e depois esperar por um a dos dias para ver como regirá. Mas o ideal é procurar o Nutricionista que possa ter um acompanhamento correto, devido aos sintomas iniciais pra quem não tem costume de ingerir alimentos fermentados.
        
    É importante perceber que além de conter grandes quantidades de bactérias benéficas, alimentos fermentados também contêm muitas enzimas ativas, que atuam como desintoxicantes extremamente potentes.

        “A cura passa acontece em facilmente, o Dr. McBride diz. “Nós vivemos em um mundo tóxico, e muitos de nós têm acumulado camadas e camadas de toxicidade em nossos corpos. O corpo vai limpá-los através do sistema imune, e o paciente chegará a ter a saúde completa. O paciente volta a ser 100% saudável, não importa o quão mal era antes com esta terapia e com níveis adequado de vitamina D no sangue. ”

Mais informações

    Você pode encontrar mais informações no site do Dr. McBride: http://www.GAPS.me , no blog http://www.doctor-natasha.com

REFERÊNCIAS:

1. Lord C, Cook EH, Leventhal BL, Amaral DG. Autism spectrum disorders. Neuron. 2000 Nov;28(2):355-63.
2. Sogut S, Zoroglu SS, Ozyurt H, et al. Changes in nitric oxide levels and antioxidant enzyme activities may have a role in the pathophysiological mechanisms involved in autism. Clin Chim Acta. 2003 May;331(1-2):111-7.
Digestive Enhancement
————————————————————

1. Altern Med Rev. 2008 Dec;13(4):307-14.
2. JOP. 2005 May 10;6(3):206-15.
3. Postgrad Med. 2009 Mar;121(2):114-8.
4. Methods Find Exp Clin Pharmacol 2010, 32 (2); 129-132
5. Methods Find Exp Clin Pharmacol. 2009 Dec;31(10):655-9.
6. J Clin Gastroenterol. 2008 Jul;42 Suppl 2:S58-63. Review.
7. Postgrad Med. 2009 Mar;121(2):119-24.
8. Beneficial Microbes, 2010; 1(1): 31-36
9. Am J Health Syst Pharm. 2010 Mar 15;67(6):449-58.
10. Rev Med Suisse. 2009 Mar 25;5(196):662-4,66.
11. Gut Microbes. 2010May-Jun 1(3):148-63
12. Immunobiology. 1992 Feb;184(2-3):157-79.
13. Int J Food Microbiol. 2012 Jan 16;152(3):189-205.
14. Curr Opin Biotechnol. 2011 Nov 30.
15. Lett Appl Microbiol. 2009 Dec;49(6):715-20.
16. PLoS One. 2011;6(8):e23652.
17. J Investig Allergol Clin Immunol. 2006;16(2):86-93.
18. Gut. 1996 Mar;38(3):306-9.
19. Am J Clin Nutr. 2007 May;85(5):1286-92.
20. Pharmacotherapy. 2007 Jun;27(6):910-20.
21 Gastroenterology. 1997 May;112(5):1624-34.
22. J Clin Gastroenterol. 1999 Jan;28(1):3-10
23. Curr Treat Options Gastroenterol. 2003 Oct;6(5):369-374.
24.  Biochemistry (Mosc.). 2000 Jul;65(7):817-23.
25. J Gastroenterol Hepatol. 2006 Nov;21(11):1669-74.
26. Life Sci. 2006 Nov 10;79(24):2245-50.
27. J Radiat Res (Tokyo). 2008 Jul;49(4):341-7.
28. Can J Gastroenterol. 2002 Nov;16(11):785-9.
29. Aliment Pharmacol Ther. 2001;15:715-725.
30. Helicobacter. 2002 Dec;7(6):384-9.
31. Biochem Biophys Res Commun. 2006 Jul 7;345(3):1215-23.
32. Steroids.1994 Feb;59(2):136-41.
33. World J Gastroenterol. 2005 Dec 21;11(47):7499-507.
34. J Antimicrob Chemother. 2004 Jul;54(1):243-6.
35. Indian Journal of Clinical Biochemistry. 2002;17 (2):44-51. FTP
36. Indian J Exp Biol. 2003;41:875-879.
37. Eur J Pharmacol. 2001 Dec 21;433(2-3):225-30.
38. Hum Exp Toxicol. 2006 Oct;25(10):581-91.
39. Int Immunopharmacol. 2006 Oct;6(10):1543-9.
40. Curr Pharm Biotechnol. 2009 Sep;10(6):641-9.
41. Hindustan Antibiot Bull. 2005-2006;47-48:13-9.
42. J Gastroenterol. 2004 Sep;39(9):831-7.
43. Mol Nutr Food Res. 2007 Jun;51(6):675-83.
44. Helicobacter. 2005 Apr;10(2):139-45.
45. Appl Environ Microbiol. 2005 Dec;71(12):8558-64. 7.
46. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 2008 Aug;295(2):G211-8.
47. Nippon Rinsho. 2007 May;65(5):813-21.
48. J Gastrointest Surg. 2008 Aug;12(8):1331-40.
49. Curr Opin Gastroenterol. 2007 Jul;23(4):428-33.
50. Am J Gastroenterol. 2001 Jul;96(7):2013-8.
51. Am J Med. 2001 Jul;111(1):33-7.
52. Wilkins J. Jr. Method for treating gastrointestinal disorder. U.S. Patent (642045). 2002.
53. Med. Sci. Res. 24 (1996), pp. 309-310
54. Willette RC, Barrow L, Doster R, Wilkins J, Wilkins JS, Heggers JP. Proprietary study. WRC Laboratories, Inc. Galveston, Tx.
55. Br Poult Sci. 2002 Jul;43(3):424-31.
56. Protein Pept Lett. 2008;15(9):922-30.
57. Med Hypotheses. 2006;67(6):1386-8.
58. Clin Immunol. 2002 Aug;104(2):183-90.
59. Clin Immunol. 2008 July ; 128(1): 66–74.
60. In Vivo 2005 Mar-Apr;19(2):417-422
61. J Med Food. 2011 Apr;14(4):348-52.
62. Clinical Immunology 116 (2005) 135 – 142.
63. Cell. Mol. Life Sci. 58 (2001) 1234–1245.
64. Altern Med Rev. 2010 Dec;15(4):361-8.
65. Int Immunopharmacol. 2009 Mar;9(3):340-6.
66. Indian J Exp Biol. 2010 Mar;48(3):269-74.
67. Br Med J. 1978 Jan 21;1(6106):148.
68. Practitioner. 1975 Dec;215(1290):787-92.
69. AAPS PharmSciTech. 2005 Sep 20;6(1):E74-82.
70. Life Sci. 2002 Aug 9;71(12):1449-63.
71. Evid Based Complement Alternat Med. 2012;2012:216970.
72. J Contemp Dent Pract. 2008 Mar 1;9(3):88-98.
73. J Ethnopharmacol. 2009 Sep 7;125(2):218-23.
74. J Altern Complement Med. 2004 Aug;10(4):667-9.
75. J Agric Food Chem. 2004 Jun 30;52(13):4090-6.
76. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Dec;18(11-12):1099-105.
77. Phytomedicine. 2002 Dec;9(8):694-9. -artichoke
78. Med Sci Monit. 2001 May;7 (Suppl 1):316-20.
79. Cochrane Database Syst Rev. 2002;(3):CD003335.
80. J Agric Food Chem. 2002 Jun 5;50(12):3458-64.
81. Phytother Res. 2001 Feb;15(1):58-61.
82. Arzneimittelforschung. 2000 Mar;50(3):260-5.
83. Phytother Res. 2002 Jun;16(4):368-72.
84. Br J Nutr. 1995 Jul;74(1):101-13.
85. Phytother Res. 2002 Nov;16(7):677-9.
86. Hippokrates. 1956 Sep 15;27(17):561-3.
87. J Ethnopharmacol. 2004 Dec;95(2-3):169-72.
88. Lancet. 2003 Jun 7;361(9373):1935-8.
89. Pediatr Nephrol. 1999 Nov;13(9):775-7.
90. J Pharm Pharmacol. 1987 Jul;39(7):522-5.
91. Am J Gastroenterol. 1986 Jul;81(7):532-5.
92. Clin Pharmacol Ther. 1980 Jun;27(6):823-7.
93. Lipids. 1980 May;15(5):365-70.
94. Curr Treat Options Gastroenterol. 2001 Aug;4(4):333-337.
95. CMAJ. 1988 Dec 15;139(12):1137-42.
96. Am J Gastroenterol. 1981 Mar;75(3):192-6.
97. J Clin Invest. 1983 Apr;71(4):1003-22.
98. Altern Med Rev. 2002 Oct;7(5):410-7.
99. Gastrointest Endosc. 2001 Feb;53(2):172-7.
100. J Pediatr. 2001 Jan;138(1):125-8.
101. J Gastroenterol. 1997 Dec;32(6):765-8.
102. Microbios. 2001;106 Suppl 1:31-9.
103. Microbios. 1996;86(349):237-46.
104. Gut. 1980 Oct;21(10):843-7.
105. Gut. 1975 Nov;16(11):894-902.
106. Pediatr Int. 2004 Oct;46(5):509-15.
107. Appl Environ Microbiol. 2004 Oct;70(10):6113-22.
108. Aliment Pharmacol Ther. 2004 Oct;20 Suppl 4:75-8.
109. Clin Infect Dis. 2004 Jul 15;39(2):219-26.
110. Asia Pac J Clin Nutr. 2004;13(Suppl):S24-5.
111. J Clin Gastroenterol. 2004 Jul;38(6 Suppl):S107-10.
112. World J Gastroenterol. 2004 Jun 15;10(12):1802-5.
113. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Nov 1;18(9):853-74.
114. Schweiz Rundsch Med Prax. 2003 Apr 16;92(16):751-9.
115. Poult Sci. 2003 Apr;82(4):627-31.
116. Arch Pediatr Adolesc Med. 2003 Jan;157(1):54-9.
117. Pediatr Allergy Immunol. 2002 Dec;13(6):402-11.
118. Dig Liver Dis. 2002 Sep;34 Suppl 2:S37-S43.
119. Br J Nutr. 2002 Sep;88 Suppl 1:S51-S57.
120. Aliment Pharmacol Ther. 2002 Aug;16(8):1383-93.
121. Br J Nutr. 2002 May;87 Suppl 2:S179-S186.
122. Br J Nutr. 2002 May;87 Suppl 2:S145-S151.
123. Int J Hyg Environ Health. 2002 May;205(4):257-68.
124. FEMS Microbiol Rev. 2004 Oct;28(4):405-40.
125. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2004 Apr;18(2):287-98.
126. Microbiol Immunol. 2003;47(12):911-4.
127. Acta Paediatr Suppl. 2003 Sep;91(441):68-76.
128. Biocell. 2003 Apr;27(1):1-9.
129. Curr Opin Infect Dis. 2002 Oct;15(5):501-6.
130. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2003 Jan;6(1):49-54
131. J Urol. 2002 Oct;168(4 Pt 1):1512-7.
132. Br J Nutr. 2002 May; 87 Suppl 2:S293-S296.
133. Arch Inst Pasteur Alger. 1998;62:63-76.
134. Drugs Exp Clin Res. 2000;26(3):95-111.
135. Br J Nutr. 1998 Oct;80(4):S209-S212.
136. J Perinat Med. 1998;26(3):186-91.
137. J Parenter Enteral Nutr. 1997 Nov-Dec;21(6):357-65.
138. Adv Exp Med Biol. 1997;427:211-9.
139.  Antibiot Khimioter. 1989 Jun;34(6):462-6.
140.  J Nutr Health Aging. 2007 Jul-Aug;11(4):305-11.
141.  Acta Biomed. 2006 Aug;77(2):85-9.
142. Med Hypotheses. 2005;64(1):64-8.
143.  Scand J Gastroenterol. 1991 Mar;26(3):321-6.
144.  Diabetologia. 1980 Sep;19(3):198-204.
145. Magy Seb. 2001 Dec;54(6):347-50.
146. J Clin Gastroenterol. 2001 Apr;32(4):319-23.
147. Eur J Gastroenterol Hepatol. 1996 Jul;8(7):699-703.
148. Pharmazie. 1999 Mar;54(3):210-5.
149. Aliment Pharmacol Ther. 2000 Dec;14(12):1671-7.
150. Arzneimittelforschung. 1999 Nov;49(11):925-32.
151. Dig Liver Dis. 2007 Jun;39(6):530-6.
152. J Gastroenterol. 2007 Jul;42(7):539-42.
153. Z. Gastroenterol. 1992 Dec;30(12):885-6.
154. Gastroenterology. 1991 Jul;101(1):55-65.
155. Gastrointest Endosc. 2003 Apr;57(4):475-82.
156. Aliment Pharmacol Ther. 2003 Feb;17(3):445-51.
157. Phytother Res. 2000 Feb;14(1):20-3.
158. Phytother Res. 2003 Feb;17(2):135-40.
159. Lait. 1993;73,249-256.

  

–> lifextesion –> MERCOLA.COM

A Importância do magnésio, Vitamina D, k2 e cálcio é muito maior do que se imaginava!

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
————————————————————-

PARA “INDICAÇÃO EXPRESSA” ENVIE EMAIL PARA – juliocaleiro@hotmail.com – CONSULTÓRIO – 35-3531-8423

 

 

Image

Editado e traduzido;

Por Dr. Júlio Caleiro

    Você não ouve muito sobre o magnésio, estima-se que 80 % das pessoas são deficientes neste mineral importante, e as consequências para a saúde desta deficiência são significativos. Uma razão pode ser porque o magnésio, assim como a vitamina D serve para muitas funções que é difícil enumerar.
    Como relatado por “GreenMedInfo” , pesquisadores detectaram 3751 sítios de ligações em que o magnésio se liga a proteínas, indicando que o seu papel na saúde e na doença podem ter sido vastamente subestimados.  O magnésio também é encontrado em mais de 300 enzimas diferentes no corpo, que são responsáveis ​​por:

  – Criação de ATP (adenosina trifosfato), as moléculas de energia do seu corpo
  – Formação dos ossos e dentes     -Relaxamento dos vasos sanguíneos –    Ação no músculo cardíaco – –     Promoção do bom funcionamento dos intestinos       –     Regulação dos níveis de açúcar no sangue

     Os benefícios de saúde do magnésio foram bastante subestimados

    Uma série de estudos já haviam demonstrado que o magnésio pode beneficiar a pressão arterial e ajudar a prevenir uma parada cardíaca súbita, ataque cardíaco e derrame. Por exemplo, uma meta-análise publicada no início deste ano no American Journal of Clinical Nutrition verificou um total de 7 estudos em conjunto, cobrindo mais de 240 mil participantes. Os resultados mostraram que a ingestão de magnésio na dieta está inversamente associado com o risco de acidente vascular cerebral isquêmico.

    O papel da saúde humana parece ser muito mais complexo do que se pensava, e como vitamina D, seus benefícios podem ser mais abrangente do que temos imaginado. O “GreenMedInfo” indexa mais de 100 benefícios na saúde com a ingestão de magnésio até agora, incluindo benefícios terapêuticos para:

    Fibromialgia  –  Fibrilação atrial – Diabetes tipo 2 – Síndrome pré-menstrual –   Doença cardiovasculares –  Enxaqueca – Envelhecimento e Mortalidade

    De acordo com o relatório apresentado

        “O proteoma, ou um conjunto de proteínas expressas por todo o genoma humano, bem mais de 100.000 ao todo, contém estruturas de proteínas diferentes, de facto são 20.300 genes codificadores de proteínas no genoma humano pelo magnésio. A descoberta do  “magneseoma, ” como está sendo chamado, aumenta  mais ainda a complexidade do mineral o que indica que a presença ou ausência de níveis adequados deste mineral de base, podem alterar a expressão epigeneticamente e o comportamento das proteínas do nosso corpo, alterando assim o curso da saúde e na doença. ”

    O magnésio também desempenha um papel nos processos de desintoxicação do seu corpo e, portanto, é importante para ajudar a prevenir danos a partir de produtos químicos ambientais, metais pesados ​​e outras toxinas. Mesmo a glutationa o antioxidante mais poderoso do seu corpo que foi até chamado de “o mestre antioxidante”, requer magnésio para a sua síntese.

Sinais de você não esteja se alimentado de MAGNÉSIO pela sua alimentação.

    Não há nenhum teste de laboratório que vai lhe dar uma leitura verdadeiramente precisa do status de magnésio em seus tecidos. Apenas 1% do magnésio em seu corpo é distribuído em seu sangue, fazendo com que uma simples amostra de magnésio a partir de um exame de sangue seja altamente impreciso, pedidos médicos para exames de sangue para averiguar níveis de magnésio na verdade é uma “balela”. Outros exames que o seu médico pode usar para avaliar o seu estado de magnésio incluem um teste de urina de 24 horas, ou um teste sublingual epitelial. Ainda assim, estes só podem dar-lhe uma estimativa de seus níveis sanguíneos, e os médicos geralmente precisam de avaliá-los em conjunto com os sintomas que vier apresentar, o que também é muito raro um médico dosar este mineral através de exames dada a falta de conhecimento em nutrição. Uma deficiência em magnésio em curso podem conduzir aos sintomas mais graves confundidos com várioas outras doenças e associada a uma vasta lista de co-morbidades, incluindo:
    
Dormência e formigamento  –     Contrações musculares e cãibras –  Convulsões –   Alterações de personalidade – Ritmos cardíacos anormais     Espasmos coronários.

    Com isso em mente, os primeiros sinais de deficiência de magnésio que devemos ficar de olho são:

        Perda de apetite
        Dor de cabeça
        Náuseas e vômitos
        Fadiga e fraqueza

Uma das melhores maneiras de otimizar seus níveis de magnésio são:

    Se você suspeita que está com hipomagnesemia, uma das melhores formas de consumir esse mineral é por meio do magnésio orgânico encontrado em alimentos integrais.   “A clorofila, que permite as plantas capturar a energia solar e convertê-la em energia metabólica, tem um átomo de magnésio em seu centro. Sem magnésio, de fato, as plantas não poderiam utilizar a energia da luz do sol.”  Em muitos aspectos, a clorofila é a “versão da hemoglobina” dentro da planta, por compartilhar uma estrutura semelhante ao nosso, mas têm ligado magnésio ao invés de ferro como os humanos. Vegetais de folhas verdes, como espinafre e acelga suíça são excelentes fontes de magnésio,  feijões, nozes e sementes, gérmen de trigo,  amêndoas, sementes de abóbora, sementes de girassol e as sementes de gergelim. Abacates são também uma boa fonte.

    A fim de garantir que você esteja recebendo o suficiente da quantidade de magnésio, você primeiro precisa ter certeza de que você está comendo uma dieta variada em alimentos ricos neste mineral como o descrito acima . Mas existem outros fatores também, que pode torná-lo mais propenso a deficiência de magnésio, incluindo as doenças listadas abaixo. Se alguma destas condições se aplicar a você, você deve se preocupar em dobro para ter certeza de que você está recebendo uma quantidade suficiente de magnésio em sua dieta, ou, se necessário, de um suplemento de magnésio para evitar a deficiência.
    Um sistema digestivo que não esteja saudável pode prejudicar a capacidade do organismo de absorver magnésio tais como (doença de Crohn, intestino solto, retocolite.. etc..)     Alcoolismo – até 60% dos alcoólicos têm baixos níveis sanguíneos de magnésio –   Rins prejudicados podem contribuir para a perda excessiva de magnésio na urina  – Idade – adultos mais velhos são mais propensos a serem deficientes porque a absorção de magnésio diminui com a idade e os idosos são mais propensos a tomar medicamentos que podem interferir com a absorção. –   Diabetes, especialmente se é mal controlado, a perda de magnésio leva ao aumento da eliminação na urina.     – Certos medicamentos – diuréticos, antibióticos e medicamentos usados ​​para tratar o câncer podem resultar em deficiência de magnésio.

Os alimentos com maiores quantidades de magnésio

    A maioria das pessoas podem manter seus níveis na faixa saudável, sem recorrer a suplementos, simplesmente por comer uma dieta variada incluindo em abundância de  folhas verde-escuras, vegetais folhosos. Um ponto importante a mencionar é lembrar que os níveis de magnésio na sua alimentação são dependentes dos níveis de magnésio no solo onde são cultivadas. Alimentos biológicos podem ter bem mais magnésio, como a maioria das folhas que possuem tratamento com fertilizantes, os utilizados nas plantações comerciais acabam sendo mais ricos em azoto, fósforo e potássio, em vez de magnésio.

    O artigo em destaque lista mais de 20 alimentos específicos que são excepcionalmente ricos em magnésio, incluindo o seguinte.

    Todas as porções são listados abaixo equivale a 100 gramas, ou um pouco cheio.

    Agar, algas secas (770 mg) –         -Especiarias, manjericão, seco (422 mg)
    Espinafre, coentro (694 mg)        -Linhaça (392 mg)
    Sementes secas de abóbora (535 mg)  -Manteiga de amêndoas (303 mg)
    Cacau, pó seco, sem açúcar (499 mg)  -Soro de leite doce (176 mg)

Diferentes tipos de suplementos de magnésio

    Se por qualquer motivo você decidir que precisa de um suplemento, você deve está ciente de que há uma grande variedade de suplementos de magnésio no mercado, o do fato é que o magnésio está vinculado a outras substâncias. Deve-se tomar suplementos de magnésio isoladamente. As substâncias utilizadas em qualquer combinação com o magnésio pode afectar a absorção e biodisponibilidade deste mineral, e pode proporcionar pouco ou nenhum benefícios a saúde:
    Glicinato de magnésio é uma forma de quelatos de magnésio, que tende a fornecer os mais elevados níveis de absorção e biodisponibilidade e geralmente é considerado ideal para aqueles que estão tentando corrigir uma deficiência .     O óxido de magnésio é um tipo não-de quelatos de magnésio, ligado a um ácido orgânico ou um ácido gorduroso. Contém 60% da biodisponiblidade de absorção e tem propriedades e pode causar diarréia.
    Lactato de magnésio / cloreto de magnésio contém apenas 12% de magnésio, mas tem uma melhor absorção do que outras.
    O hidróxido de magnésio Sulfato / magnésio (leite de magnésia) são tipicamente usados ​​como um laxante. Esteja ciente de que é fácil exagerar na dose destes, portanto, apenas tome como receitado por médicos;
               Carbonato de magnésio que tem propriedades anti-ácidas, contém 45% de magnésio- Taurato de magnésio contém uma combinação de magnésio e taurina, um aminoácido, juntos eles tendem a proporcionar um efeito calmante sobre o corpo e a mente um relaxante mental.
    Citrato de magnésio é o magnésio, com o ácido cítrico, que tem propriedades laxativas também. –     Treonato de magnésio é um novo tipo de formulação, que emerge de suplementos de magnésio que parece promissora, principalmente devido à sua capacidade superior para penetrar na membrana mitocondrial, e pode ser o melhor suplemento de magnésio no mercado

DEVE-SE Equilibrar o seu magnésio com cálcio, vitamina D e K2

    Um dos principais benefícios da obtenção de seus nutrientes através de uma dieta variada, é que você fica muito menos propenso a desiquilibrios de nutrientes no organismo. Alimentos em geral, contêm todos os cofatores de absorção que precisamos como co-nutrientes nas quantidades adequadas para uma boa saúde. Quando você estiver usando suplementos, você precisa se tornar um pouco mais esclarecido sobre como os nutrientes influenciam sinergicamente e que podem afetar uns com os outros no que tange a absorção, assimilação e efeitos.

    Por exemplo, é importante manter o equilíbrio adequado entre magnésio, cálcio, vitamina K2, e vitamina D. A falta de equilíbrio entre esses nutrientes é um grande problema, é por isso que os suplementos de cálcio isolado têm se associado com aumento do risco de ataques cardíacos e derrames.  Parte da explicação para estes efeitos colaterais adversos é que a vitamina K2 mantém o cálcio no seu devido lugar. Se você tem deficiência de k2 ( uma vitamina que quase nenhum médico conhece), adição de cálcio pode causar mais problemas do que resolução, acumulando nos lugares errados e gerando uma variedade de problemas de saúde. Da mesma forma, se você optar por vitamina D oral, é preciso também consumir em sua alimentação diáriar suplementos de vitamina K2. Tomando mega doses de suplementos de vitamina D sem quantidades suficientes de K2 pode levar a sintomas de toxicidade de vitamina D, que inclui a calcificação inadequada, o que pode acontecer em pacientes que fazem tratamentos de doença auto-imune, neurológicas dentre outras, que é uma nova forma de tratar pacientes que muitis profissionais da saúde tem adotado mundo afora em associação ao método convencional de tratamento da referida classe de doenças supra citada.

    Enquanto os índices ideais ou ótimo “entre a vitamina D e vitamina K2” ainda têm de ser elucidado, a Dra. Kate Rheaume-Bleue autoridade na ária,  sugere que para cada de 1.000 UI de vitamina D, 100 microgramas de K2 deve ser ingerido, e talvez entre 150-200 microgramas (mcg). Por exemplo; Recomendações da vitamina D que exige cerca de 8.000 UI dia e se você é um adulto, significa que você precisa em torno de 800 a 1000 microgramas (0,8 a 1 mg / mg) de vitamina K2.

    Agora, voltando ao magnésio …

    O magnésio pode ser realmente mais importante do que o cálcio se você vai considerar a suplementação. No entanto, a manutenção de uma relação de cálcio para magnésio é importante. A investigação sobre a dieta “paleolithic” mostrou que a proporção de cálcio para magnésio na dieta deve ser de 1:1. Americanos em geral, tendem a ter uma maior proporção de cálcio-magnésio-a na sua dieta , com uma média de cerca de 3,5 para 1.

    O magnésio também vai ajudar a manter o cálcio em suas células para que ele possa fazer o seu trabalho melhor. Em muitos aspectos, serve como alternativa nutricional à classe  de medicamentos chamados bloqueadores dos canais de cálcio, utilizados no tratamento da hipertensão, angina e arritmias cardíacas. O Magnésio e vitamina K2 também complementam mutuamente. Pelo fato do magnésio ajudar a abaixar a pressão sanguínea, o que é um componente importante de doenças do coração.

    Vitamina D3, K2, Magnésio e cálcio devem ser ingeridos sinergicamente com receita de Nutricionista ou médico.

-=–>mercola. com The Weston A. Price Foundation

É MELHOR REPOUSAR E DESCANSAR OU EXERCITAR-SE QUANDO ESTÁ DOENTE?

 

Image

By Dr. Júlio Caleiro

    Quando você está se sentindo doente, é melhor para ir pra cama para descansar um pouco ou esforçar-se ir exercitar?

    Uma das vantagens de estar em forma é que você pode tirar uma folga e se recuperar e utilizar as reservas que você construiu, até se recuperar. É uma espécie de estoque de gordura armazenada durante tempos de fome.

  Os seus níveis de aptidão física irá fornecer-lhe com os subsídeos auto imune para permitir tratar eficazmente a doença. Se você não parar de exercitar, você pode facilmente exceder a capacidade do seu corpo de recuperação e realmente piorar.

    Uma simples orientação a seguir é que se o seu corpo está sob estresse, quando você está doente, buscar o descanso é método que seu corpo se mobiliza para combater a doença. Muito exercício, exercício especialmente intenso, deve ser evitado, uma vez que irá colocar uma carga adicional estressante em seu sistema já estressado.

    Dito isso, o exercício moderado, como caminhar, em geral é bom, desde que você tome cuidado “em ouvir” o seu corpo para se certificar de que você não esteja exagerando. Há certos momentos em que o exercício moderado é realmente preferível quando você está doente.

Quando é bom praticar atividade fisica enquanto está Doente?

    Se os sintomas forem acima do pescoço, geralmente é bom, ainda que em menor intensidade do que você está acostumado. Estou falando de sintomas tais como:

        Corrimento nasal
        Congestão nasal
        Espirros
        Garganta inflamada
        Dor de cabeça

    Se você tem energia suficiente para tolerar isso, aumentando a temperatura do corpo pela transpiração do exercício vai realmente ajudar a matar muitos vírus. Na verdade, de acordo com a pesquisa, o exercício com um resfriado pode ser bem aconselhado. No final de um ensaio de 10 dias, os que exerceram 40 minutos a cada dois dias, a 70% do seu ritmo cardíaco máximo, sentiu-se melhor do que aqueles que permaneceram sedentários, ainda que a gravidade clínica e duração dos seus sintomas eram virtualmente idênticos.

    A chave para o exercício quando você está doente é fazê-lo com cuidado. O excesso de exercício vai colocar mais estresse em seu corpo, que pode suprimir o sistema imunológico, por isso você deve manter a intensidade de seus treinos em um nível moderado, se você está doente. Então, você só pode ir para uma caminhada se você está sentindo apenas o efeito de resfriado com sintomas relacionado acima, ou simplesmente atenuar o seu treino regular. Como observado em “Exercício Ciências e Comentários”.

        “O exercício intenso causa imunossupressão prolongada, enquanto exercício de intensidade moderada melhora a função imune e potencialmente reduz risco e a gravidade das infecções respiratórias virais”.

Surpreendente quanto os exercícios podem fazer bem!

Abaixo algumas cituações cirurgicas, tratamento médico de várias doenças onde a atividade física deve existir para melhor recuperação, sempre com acompanhamento médico ESPECIALIZADO!

        Recuperando-se de cirurgia, com indicação médica de um Fisiatra à pratica específica de atividade Física.

        Fazer atividade física depois que você teve uma pequena cirurgia pode ser altamente benéfica, ajudando a diminuir os efeitos secundários a voltar as atividades diária da sua vida o mais rápido possível. Você vai naturalmente precisar está consciente do nível de intensidade e evitar exercícios que pode estressar uma incisão cirúrgica ou reparação, mas de um modo geral, quanto mais cedo você pode se mover após a cirurgia, melhor numa gestação por exemplo, com calma e sem esforços extremos, podendo em seguida ficar de repouso.
        
Pacientes com Câncer

        Exercício durante e após o tratamento do câncer pode ajudar a reduzir o seu risco de morrer de câncer, reduzir o risco de recorrência do câncer; aumentar a energia e minimizar os efeitos colaterais do tratamento convencional do câncer. Um relatório da “Macmillan Cancer Support” nota, que pacientes com câncer e sobreviventes do câncer devem se exercitar pelo menos 2,5 horas por semana,  e cita um trecho do “American College of Sports Medicine” a seguinte declaração de consenso sobre as orientações de exercícios para sobreviventes de câncer, que afirma:

            “Exercício é seguro durante e após a maioria dos tipos de tratamento de câncer … Os pacientes são aconselhados a evitar a inatividade e voltar às atividades diárias normais o mais rápido possível após a cirurgia e durante os tratamentos de câncer adjuvante.”

        Osteoartrite ou dor nas articulações

        Se você tem dor nas articulações, o exercício é uma obrigação, que ajuda a prevenir e aliviar dores nas articulações através de uma série de mecanismos, incluindo o reforço dos principais músculos de apoio, restaurando a flexibilidade, melhorar a densidade óssea e da função articular e facilitar a perda de peso.

        A noção de que o exercício é prejudicial para as articulações é um equívoco e MITO, já que não há provas para apoiar essa crença. Muito pelo contrário, na verdade, como a inatividade promove fraqueza muscular, contraturas articulares e perda de amplitude de movimento, o que pode levar a mais dor e perda de função e atividade diária prejudicada. Para quebrar este ciclo potencialmente devastador, o exercício regular é essencial.

        Se você tem osteoartrite ou dor nas articulações e estiver com dor por mais de uma hora após a sessão de exercícios, você deve desacelerar ou escolher outra forma de exercício. Os dispositivos auxiliares também são úteis para diminuir a pressão sobre as articulações afetadas durante o treino. Você também pode trabalhar com um fisioterapeuta ou personal trainer qualificado, que possa vir a desenvolver uma faixa de segurança de atividades para você. Se o exercício provoca dor que persiste por mais tempo do que algumas horas é mais provável que tenha ultrapassado o seu limite

        Dor Crônica

        Exercício pode ajudar a longo prazo o alívio da dor para uma variedade de condições, incluindo a osteoartrite e dor musculoesquelética tais como fibromialgia. Além disso,  o exercício muitas vezes leva a melhorar a postura, a amplitude de movimento e funcionalidade do seu corpo, ele pode ajudar a tratar a fonte básica de sua dor, bem como ajudar a prevenir a dor nas costas crônica. Exercícios que podem ser particularmente útil para a dor crônica incluem alongamento, treinamento de resistência e natação.
        
        Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC)

        Se você tiver a DPOC doença pulmonar, o exercício pode ajudar a melhorar a circulação, ajudando o corpo a usar o oxigênio de forma mais eficiente. Ele também pode ajudar a reforçar o seu coração, melhorar os seus sintomas, e aumentar seus níveis de energia para que você possa realizar atividades mais cotidianas, sem fadiga ou tornar-se fraco ou mesmo sair do sedentarismo.
        
        Síndrome do Intestino Irritável (SII)

        Estratégias alimentares são a chave para a cura síndrome do intestino irritável a nível fundamental, no entanto o exercício pode ajudar a melhorar os sintomas da SII, também. Em um estudo, o exercício levou a melhorias em problemas como cólicas, prisão de ventre, inchaço e diarréia, com 43%, de exercícios que mostram uma melhora significativa em seus sintomas.

Quando não deve exercício enquanto doente?

    É geralmente aconselhável que você evite o exercício se você tem sintomas que são “abaixo de seu pescoço”, tais como:

        Febre
        Tosse ou congestão no peito
        Fadiga
        Corpo generalizado e dores musculares
        Dores de estômago, náusea e vômitos.

    Mas não importa o que seus sintomas, você precisa ser muito cuidadoso e ouvir o seu corpo. Se você respeita seu limite e tudo que você quer fazer é descansar um pouco, então é o que seu corpo precisa, Descanse!

    Exercícios de alta intensidade como a aptidão de pico deve ser evitado quando você está doente, porque qualquer tipo de exercício intenso aumenta a produção de cortisol, um hormônio do estresse que inibe a atividade de células matadoras naturais, um tipo de glóbulo branco que ataca e livra seu corpo de agentes virais. É por isso que correr uma maratona pode realmente aumentar suas chances de ficar doente logo depois. Na verdade, a altetas de competição de resistência, pode sofrer de duas a seis vezes mais infecções respiratórias superiores durante um ano, em relação a média de indivíduos ativos

Se você está negociando o seu treino para um bom descanso, verifique se você está fazendo isso …

    Sentindo-se fatigado quando você está doente é a forma do seu corpo de lhe dizendo para abrandar de modo a obter algum descanso muito necessário, enquanto o seu corpo cura. Uma boa maneira de ajudar o processo de recuperação é a terra enquanto você está dormindo.

    Andar descalço na terra ou grama levemente molhados, ou deitar sem roupa no chão.

    A Terra é uma fonte natural de elétrons de sutis campos elétricos, que são essenciais para o bom funcionamento do sistema imunológico, a circulação, a sincronização dos biorritmos cardíacos e outros, e de processos fisiológicos podem realmente ser o antioxidante mais eficaz, essencial, menos dispendioso e mais fácil de atingir . Suas funções do sistema imunológico ficam otimizadas quando o corpo tem um suprimento adequado de elétrons, que são facilmente obtidos naturalmente pelo contato com os pés descalços com a terra ou deitar-se.

    Quando o aterramento fisiológico é restaurado, muitas pessoas relatam uma melhora significativa em uma ampla gama de doenças, incluindo fadiga crônica. Estas mudanças são rápidas e muitas vezes ocorrem dentro de 30 minutos.

SERÁ QUE VOCÊ SABE TOMAR CAFÉ? E SEU CAFÉ É DE BOA QUALIDADE? O QUE DIZER DA CAFÉINA?

Image

Ed.By Dr. Júlio Caleiro

Evidências sobre o consumo do café!

    Durante anos, os médicos vem alertando sobre os efeitos negativos para a saúde o consumo diário de café. Você pode ter ouvido que o café vai aumentar a pressão arterial, levar a doenças cardíacas, dar-lhe uma úlcera ou tornar-lhe um diabético. Mas os estudos continuam a mostrar as dúvidas sobre esta “sabedoria popular”?

    Certamente, como qualquer alimento o café não deve ser usado em excesso. Estudo após estudos, falharam em demonstrar que o consumo moderado de café aumenta o risco de doença cardiovascular ou qualquer outra doença grave. Na verdade é que tomar café com moderação segundo vários trabalhos, demonstraram efeitos terapêuticos diversos. Como resultado de uma lista bastante impressionante de benefícios terapêuticos, acaba que mudando a opinião de vários Nutricionistas e médicos.
    Um dos últimos estudos publicado em abril de 2012 no ‘American Journal of Clinical Nutrition’, confirmando estudos anteriores de que o café pode realmente reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo 2.
   Apesar de avisos tradicionais que o café deveria ser evitado, continua sendo consumido em grandes quantidades em todo o mundo.    Embora seja indiscutível que o café tenha benefícios terapêuticos, se você está tomando seu café com açúcar e outros adoçantes e aromas, você realmente está perdendo os benefícios terapêuticos e potencialmente prejudicando a sua saúde.

-O Café pode ser realmente bom para você?

    Meu entendimento das virtudes do café foi bastante reforçada pela entrevista de ‘Ori Hofmekler’ , autor de “The Warrior Diet and Unlocking the Muscle Gene”, que pesquisou extensamente o café. Ori, explicou como o café quando consumido de maneira correta, pode ser utilizado de forma eficaz como parte de um plano de saúde e fitness.

    Embora o café orgânico como um alimento e com poderes terapêuticos, a cafeína isolada podem ser bastante tóxica, usada para fins de potencializar a energia em praticantes de atividade física. A mistura natural de polifenóis antioxidantes (incluindo os ácidos clorogênicos), flavonóides, vitaminas e minerais nos grãos de café, trabalham todos juntos para ajudar a neutralizar os efeitos mais severos da cafeína inclusive no que se refere a absorção via receptores de vitamina D. Literalmente, existem milhares de diferentes compostos químicos naturais em sua bebida, e a ciência sugere agora a sinergia entre eles em ofercer uma bebida agradável e nutricionalmente terapeutica.

    Com todos esses compostos, você pode se perguntar se há alguma que tem efeitos sobre a saúde do ponto de vista patológico. Sim, há! Mas como eu mencionei anteriormente, seria preocupante se ingerido isoladamente como é o caso da cafeína, ao contrário se consumido como parte de todo o alimento.

Por que a Cafeína é prejudicial?

    A cafeína é uma das drogas mais usadas no mundo e pode ser útil ou prejudicial, dependendo de como ela é usada! A cafeína proporciona uma “elevação do humor”, bloqueando a ação normal de adenosina. A adenosina normalmente desacelera a atividade do seu cérebro e induz a sonolência. Algumas pessoas são sensíveis a cafeína e não toleram bem, ou tem problemas de sono se eles tomam cafeína a noite.

    Níveis de cafeína variam dependendo do tipo do café. Ao contrário da crença popular, os torrados ​​mais escuros geralmente contêm menos cafeína do que de menor torração, devido ao calor prolongado para quebrar mais as moléculas de cafeína. Espécies de café também diferem amplamente em suas concentrações naturais de cafeína. Adicionalmente, o café por infusão feito em casa tem mais cafeína do que o café expresso, porque o tempo de infusão é muito mais longo. E, em geral, quanto mais fina a moagem, maior a cafeína no café. Assim, você pode querer variar alguns desses fatores se você experimentar uma reação, como mudar o consumo de café por infusão, do que o café expresso, ou mudar inclusive as marcas.

    Se você tem um problema com a diminuição da função da supra-renal, use o café com cuidado, pois ele pode ser prejudicial às glândulas supra-renais produtoras de hormônios e de regulação do ciclo circadiano. O café também tem um efeito diurético, por isso, se você tiver problemas com desequilíbrio eletrolítico, você deve evitar!

    Se você tiver quaisquer reações negativas ao café, a cafeína não é sempre o culpado que isso fique claro. Pode exitir sensibilidade a alguns dos açúcares queimados ou óleos produzidos durante a torrefação dos grãos, em vez da cafeína. As pessoas experimentam sintomas como dores de estômago, palpitações cardíacas e outros sintomas autonômicos, e estes sintomas são geralmente interpretados como sensibilidade à cafeína quando realmente é uma intolerância alimentar. Há também a possibilidade de outros contaminantes desencadeantes de alergia.

    Mas, como um todo, se você é saudável o café é muito bem tolerado e os efeitos positivos parecem superar os negativos para a maioria das pessoas. Mas ainda recomendo mulheres grávidas evitar o café bem como a cafeína isolada.

A lista está crescendo de benefícios para saúde a cada dia com o consumo do café!

       A seguir, um resumo de algumas das pesquisas mais recentes que suporta os benefícios do café à saúde.

1    Diabetes tipo 2 –    Um estudo japonês em 2010 revelou que o consumo de café exerceu um efeito protetor contra o diabetes tipo 2;
2-   Confirmado em 2012 – um estudo alemão, publicado no American Journal of Clinical Nutrition; Os pesquisadores descobriram que o café duplica a assimilação de glicose, o que irá reduzir significativamente os níveis de glicose no sangue.
3-    Doença de Parkinson – O café pode reduzir significativamente o risco de doença de Parkinson
4   – Na verdade, o café é tão preventivo contra Parkinson que as companhias farmacêuticas estão projetando drogas experimentais que simulam benefícios do café para o cérebro
5-    Doença de Alzheimer  – Um estudo em 2011  revelou que um ingrediente misterioso ainda não identificado no café interage com a cafeína para ajudar a proteger contra a doença de Alzheimer
6-     Câncer de próstata – Um estudo 2011 Quase 50.000 homens que beberam seis xícaras de café por dia tinham um risco 60% menos chance de desenvolver  o câncer de próstata letal, e os que bebiam  três xícaras por dia tinham um risco 30% menor
7-    O câncer do fígado  – Um estudo japonês descobriram que aqueles que tomavam café diariamente, tinha cerca da metade do risco de carcinoma hepatocelular (HCC), um tipo de câncer de fígado, que as pessoas que nunca beberam café. A ingestão de café também está associado com fibrose hepática menos grave , baixos níveis de gordura no fígado, e menores taxas de hepatite-C
8  –  O câncer do rim – O consumo de café pode estar associada com um risco reduzido de câncer de rim.
9  –  Câncer Colorretal  -um estudo de 2007  considerou o consumo de café regular pode reduzir o risco de câncer de cólon entre as mulheres.
10-  Problemas cardíacos – Um estudo mostrou que o consumo de café moderado reduz suas chances de serem hospitalizadas por problemas de ritmo cardíaco
12-  Função Pulmonar – Um estudo de 2010 revelou um efeito benéfico do café sobre a função pulmonar de não-fumantes
13-  Um estudo 2011- descobriram que as mulheres que bebiam mais do que uma xícara de café por dia tinham um risco cerca de 25% menor de acidente vascular cerebral do que as mulheres que bebiam menos.
14-  Em 2009  estudos mostram 15 mulheres que bebiam quatro ou mais xícaras de café por dia reduziram o seu risco de derrame em 20%.
 15- Microbiota gastrointestinal – Um estudo em 2009 mostrou que o café incrementou o aumento da atividade metabólica e / ou número de Bifidobacterium, que são bactérias benéficas do intestino.

    Há muitos estudos com resultados mais positivos existem outros milhares. Nem todo estudo mostra o café em ser benéfico, mas a maioria é bastante positivo o que sugere que o café tem sido injustamente caluniado por algumas instituições e pessoas. Há fortes evidências de que o café pode ajudar a estabilizar o nível de glicose no sangue e pode até mesmo ajudar a reduzir o açúcar em excesso. A cafeína se liga aos seus receptores opióides, que basicamente modula o excesso de açucar no sangue.

    Existem pesquisas que mostram também que o café aciona um mecanismo no cérebro que libera um fator de crescimento, chamado Fator cerebral neurotrófico (BDNF). BDNF ativa as células-tronco do cérebro para converter em novos neurônios, que também se expressa nos músculos. Ele faz isso através do apoio neuromotor, que é o elemento mais crítico em seu músculo. Sem o sistema neuromotor o músculo é como um motor sem a ignição! A Degradação neuromotor é parte do processo relacionada com a idade subjacentes a atrofia muscular. Essencialmente, a cafeína do café inteiro natural não isolado, pode ajudar a manter o seu cérebro e tecido muscular jovem.

Quanto de café deve-se beber para obter o máximo de benefícios?

    De acordo com uma extensa pesquisa Ori Hofmekler, o café aumenta o metabolismo em até 20%. Até mesmo tomar de estômago vazio para melhor assimilação e potencializar a força e energia . O café pode realmente ser muito benéfico se consumido antes do exercício. Ori afirma:

        “O café antes do treino permite energia rápida para iniciar o treino. Para as pessoas que treinam de manhã, tomar café antes do treino é uma grande vantagem!”

    No entanto, o café é uma potente substância, e devem ser usados ​​com moderação, sem açúcar. Ori recomenda ter apenas uma xícara de café orgânico ou uma xícara de café expresso da manhã ou antes do treino 80 a 100mls, só isso ao dia! Se você se exercita de manhã, tomar seu café antes do treino, e não depois como já falado. Consumir café após o treino interfere com o mecanismo do seu corpo de fortalecimento muscular. Mais de uma dose seu corpo pode suportar, mas que seja o café orgânico fresco, porque não atinge o seu sistema da maneira que cafeína sintética faz.

Café torrado escuro ou chamado de EXTRA FORTE.
   
    O Café torrado Escuro são mais elevados em neuroproteção do que o verde (não torrado) usado inclusive em farmácias que é Extrato de Café Verde. Um novo estudo de Pesquisa em Nutrição e Gastronomia Molecular, descobriu que o café torrado escuro na forma de alimento após processo de infusão restaura níveis sanguíneos de vitamina E e antioxidantes glutationa. O Café Torrado Extra Forte escuro, também conduziu a uma redução significativa do peso corporal em pré-obesos voluntários. Outros estudos mostraram que o café torrado escuro produz mais de um produto químico chamado N-metilpiridínio, o que ajuda a evitar que o estômago produza ácido em excesso.

Qualidade do Café é chave para adquirir seus benefícios:

    Quando se trata de alcançar todos os benefícios terapêuticos do café, só o café de qualidade irá fazer!

 Aqui estão cinco principais considerações:

        Escolha grãos Orgânico : grãos de café são uma das culturas mais fortemente pulverizadas com pesticidas no mundo. Então, você deve selecionar apenas grãos que tenham certificados orgânicos. Lembre-se, você vai destruir quaisquer efeitos positivos se você consumir café que foi usado pesticidas ou outros produtos químicos. Sempre que possível, comprar os”cultivado à sombra” Há muitos que dizem que o café cultivado na sombra é mais gostoso também.
        Grãos inteiro: Você vai querer comprar o café em grãos de cheiros e sabores frescos, não viciado, se o seu café não tem um aroma agradável, é provável que esteja rançoso e observe os grãos e certifique que estejam inteiros.
        Beba café Isolado: Se você está interessado nos benefícios de saúde, beber o seu café preto, sem açúcar ou creme ou aromas,se adicionar açúcar ou outros ingredientes você certamente vai arruinar qualquer dos benefícios citado acima como por exemplo pela ação de seus níveis de insulina. Verifique se a água que você está usando é pura sem cloro com um pH acima de 7,0, águas ácidas com grandes quantidades de cloro em grandes cidades irá reduzir ou anular os efeitos postivos do café, além do cloro gerar uma outra série de reações químicas maléficas mesmo sob filtração em residencial, os filtros não barram certos produtos químicos de reação clorogênica.
        Filtros de café: Se você usar a infusão caseira ou máquina de café, certifique-se de usar filtros não-branqueado de papel. Os filtros brancos são brilhantes, por cloro-branqueado, e algum deste se separam do papel e cloro do filtro sai durante o processo de infusão. Filtros brancos de papel também são notoriamente cheio de subprodutos de desinfecção perigosos, como dioxinas.
        Canecas: Tenha cuidado com o recipiente que você usa. Evite copos de plástico como o BPA e também evitar copos de isopor que as moléculas de poliestireno podem ser liberaradas no café. As melhores opções são vidro e canecas de cerâmica.

Use filtros caseiros de pano limpo ou outra alternativa que encontrar para melhor qualidade do seu café.

Dr. Mercola.com

A deficiência de Zinco e doenças correlacionadas!

CURTA A NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK – https://www.facebook.com/NutricaoNoTratamentoEPrevencaoDeDoencas?ref=hl
————————————————————-

Image

By Dr. Júlio Caleiro
    
     Agora que estamos no calor não há tanta preocupação com gripes e resfriados, mesmo que estas possam vir acontecer especialmente no inverno, e se o teu sistema imune não estiver forte, com certeza ficará gripado e adquirindo outras doenças relacionado a deficiência de um mineral na alimentação. Com tantas ervas novas e suplementos no mercado, é fácil a perder de vista os princípios para as defesas imunitárias. Mas se você pensou que este mineral serve somente para isso, está muito enganado! É o que veremos a seguir.

    Estou falando do zinco elemento traço! Seu corpo precisa de todos os dias de zinco na quantidade certa, pois em excesso pode ser tão prejudicial quanto muito pouco. O organismo não tem como armazenar o zinco assim como a vitamina C e outras substâncias, por isso depende de um fornecimento diário através da dieta ou suplementação. O zinco é importante para uma série de funções de suporte à vida, incluindo:

        Imunidade forte
        Componente importante das enzimas envolvidas na remodelação de tecidos e prevenção de câncer
        Manutenção de seu humor, clareza mental e sono restaurador
       Próstata e saúde intestinal
       Sentidos do paladar e do olfato

   O zinco é um componente, que participa na modulação de pelo menos 3000 proteínas diferentes do seu corpo, e um componente de mais de 200 enzimas diferentes. Na verdade, o zinco está envolvido em mais reações enzimáticas no organismo do que qualquer outro mineral. O zinco aumenta a produção de células brancas e ajuda a combater a infecção de forma mais eficaz. Ele também aumenta as células ‘assassinas’ que combate o câncer, células específicas que matam células cancerosas, ajuda o sistema imunológico liberar mais anticorpos e incrementa a cicatrização de feridas.

Você pode ser deficiente em zinco!

    Deficiência de zinco leve é ​​relativamente comum, especialmente em lactentes e crianças, mulheres grávidas ou as que amamentam, idosos, pessoas com má absorção gastrointestinal ou doença intestinal, como a doença de Crohn e para aqueles que fazem dietas vegetarianas. Uma série de fatores contribuem para o problema global da deficiência de zinco:

        1ª- Anos de práticas agrícolas comerciais, como a monocultura (plantação de grandes extensões de terra com a mesma cultura ano após ano), deixaram os nossos solos deficientes em minerais naturais, como o zinco.
        2ª Certas drogas evitam a absorção de zinco, tais como os inibidores da ECA ( anti-hipertensivos), diuréticos tiazídicos e ácidos incluindo drogas como Omeprazol e similares, além disso o bicarbonato de sódio usado diariamente como alternativa caseira para má digestão.
        Determinadas dietas, como a dieta vegetariana / vegan, alta ingestão de grãos na dieta, que são pobres em zinco biodisponível e ricos em ácidos fítico, que mais prejudicam a absorção de zinco.

     A Deficiência de zinco leve podem levar a resfriados e gripes frequentes, fadiga crônica, e má saúde geral. Em seu filho(a), quando o crescimento e desenvolvimento é de importância vital e que depende de uma boa nutrição de zinco, se for inadequada pode resultar em distúrbios de humor, falta de memória, aprendizagem prejudicada e baixo rendimento escolar. A deficiência de zinco também pode contribuir para problemas de visão e acne, afetando o paladar, olfato e memória. Manchas brancas nas unhas podem indicar que você está tendo a deficiência de zinco.

O zinco é um mineral chave para sua saúde Imune e se o seu corpo tem pequenas quantidades de zinco, o indivíduo poderá experimentar o aumento da susceptibilidade a uma variedade de agentes infecciosos oportunistas. As células brancas do sistema imune simplesmente não pode funcionar sem zinco. O Zinco afeta múltiplos aspectos de seu sistema imunológico, incluindo neutrófilos, células exterminadoras naturais, fagocitose, produção de citocinas, produção de anticorpos, e até mesmo regulação gênica dentro dos linfócitos que são células do sistema imune. O zinco está envolvido em muitas funções celulares básicas, incluindo a replicação do DNA, a transcrição de RNA, a divisão celular e a ativação e estabilização de membranas celulares.

   As pesquisas sobre o efeito do zinco sobre patógenos é um pouco inconsistente, mas muitos estudos mostram um forte efeito protetor, outros estudos mostram que o zinco pode reduzir o sentimento de frio em 50%, a pessoa sente menos frio em épocas de inverno.

    A revisão da “Cochrane” é (uma coleção de fontes de informação de boa evidência em atenção à saúde inclui à base de dados de Revisões Sistemáticas, nos EUA); concluiu que o zinco reduz muito a duração e gravidade dos sintomas do resfriado comum, e usando o zinco preventivamente ajudou a evitar resfriados levando ao absenteísmo escolar em usar menos antibióticos por crianças. O zinco é a molécula marcardora para as proteínas do Timo ( órgão que produz células de defesa), que são substâncias imunes. Sem zinco não haverá ativação de defesa dessas células imunológicas. Sais de zinco são mortais para muitos patógenos, bactérias e vírus por exemplo a gastroenterite viral é retardada pela ingestão de zinco devido à ação antimicrobiana e antiviral direta dos íons de zinco em seu trato gastrointestinal, principalmente a Infecção pelo vírus sincicial que acomete as crianças com frequência.

Se você está grávida o zinco é ainda mais importante!

   A gestação é um momento que exige um organismo nutricionalmente equilibrado durante a gravidez (e depois na amamentação), quando a ingestão de nutrientes dos alimentos e suplementos são necessários não só para manter o corpo funcionando, mas também para nutrir e apoiar o bebê crescer rapidamente. Porque o zinco é necessário para a divisão celular adequada? É de grande importância vital obter zinco suficiente durante este tempo da mulher. Baixos níveis de zinco tem sido associado com os seguintes problemas:

        O nascimento prematuro
        Bebês de baixo peso
        Retardo do crescimento
       A pré-eclâmpsia

    Um estudo descobriu que a suplementação de zinco na gestação resultou em bebês com circunferência da cabeça significativamente maior, e maior peso ao nascer além de muitas outras funções importantes no seu corpo, resumidos na tabela seguinte:

– O zinco é necessário para o seu organismo utilizar a vitamina B6 e ter um sono adequado: zinco, vitamina B6 e triptofano são necessários para produzir a melatonina, deficiência de zinco leva à insônia e baixos níveis do hormônio natural melatonina.

-Humor: A vitamina B6 é necessária para produzir a serotonina que é crucial para o bom humor, ao gosto correto dos alimentos e e olfato como já relatado: O zinco é necessário para a produção de uma enzima chamada anidrase carbônica (CA) VI, crítica ao gosto e cheiro e a deficiência pode levar a anorexia; portanto o zinco e vitamina B6 é uma ótima parceria!

-Apoptose ou “morte celular programada”: a apoptose excessiva pode ocorrer a partir de muito ou pouco zinco, (é por isso que muitos vírus morrem em um ambiente rico em zinco), e o que nos interessa é a apoptose de células ruins e velhas.

-Saúde dos olhos: Ajuda a prevenir a DMRI (degeneração macular), cegueira noturna e catarata.

-Ajuda os diabéticos a regular a insulina e a saúde da pele: ajuda a prevenir e tratar a psoríase, eczema e acne (com resultados semelhantes aos tetraciclina).

-O tratamento da doença de Alzheimer: grandes melhorias na memória, compreensão, comunicação e resultados de contacto social.
-Melhorou para pacientes com HIV.
-Função sexual masculina: Tratamento de infertilidade masculina, HBP e disfunção erétil; zinco pode governar o metabolismo da testosterona -Reduzir a diarreia em crianças com deficiência do próprio zinco.
-Antioxidante: o zinco retarda processos oxidativos no organismo, embora os mecanismos exatos permanecem desconhecidos.
-Anti-inflamatório: O zinco pode reduzir a inflamação crônica e risco de aterosclerose ( entupimento de vasos sanguíneo)

    Dietas com baixa ingestão pode conduzir a um número de problemas de saúde, incluindo a deficiência de zinco severa, que por sua vez pode levar ao raquitismo e nanismo. De acordo com a nutricionista Dra. Loren Cordain:

   ” Os altos níveis de fitatos em pães ázimos integrais pode causar uma deficiência de zinco o que por sua vez, é responsável por nanismo hipogonadal, juntamente com outros problemas de saúde associados a deficiências de zinco. Na Europa onde imigrantes paquistaneses consumiam altos níveis de pães integrais, havia raquitismo entre as crianças e continua a ser um problema atualmente. “

    Por que isso os grãos ricos em ácidos fítico (como são as leguminosas, sementes e de soja) são conhecidos por diminuir a absorção de minerais tais como cálcio, ferro, magnésio e zinco. Populações ocidentais com maior risco são aqueles com dietas ricas em grãos não refinados, legumes, proteína de soja e muito cálcio, e pobre em proteína animal.

   A  Proteína ajuda na absorção de zinco. As proteínas animais aumentam a absorção de zinco em geral. Dietas vegetarianas e veganas, muitas vezes ricos em grãos e leguminosas contém ácido fítico e pode aumentar o risco de deficiência de zinco, esta é apenas uma das muitas razões que eu não recomendo comer um monte de grãos e exagerar para tentar compensar a falta da ingestão de proteína animal.

Como otimizar seus níveis de zinco?

    Como sempre, é melhor otimizar sua nutrição através da implementação de uma dieta rica em alimentos integrais ( sem exageros) para receber a dose diária de zinco. Produtos de origem animal são de longe os mais ricos em zinco na dieta, como você pode ver na tabela abaixo. As Ostras por exemplo contem a escala de até 182 mg por porção, acompanhado da vitela, abóbora, Rosbife, Chocolate, e a carne de porco. A carne de porco como falei em publicações anteriores, tendo os cuidados já mencionados!

Alimentos e quantidades de zinco(mg)
-Ostras 100 gramas 16-182
-Vitela 100 gramas de fígado 12
-As sementes de abóbora (assado) 100 gramas 10
-Rosbife 100 gramas 10
-Tahini (sementes de gergelim) 100 gramas 10
-Chocolate 100 gramas 9,6-
-Cordeiro 3 onças 7,4
-Amendoim torrado e o (óleo) 100 gramas 6,6
-Castanha de caju torrado (seco) 100 gramas 5,6
-Carne de porco 100 gramas 5,0
-100 gramas de amêndoas 3,5
-Queijo cheddar 100 gramas 3,1
-Coxa de frango 100 gramas 2,9
-Peito de frango 100 gramas 1,0

    Se por qualquer razão você não está recebendo o suficiente de zinco, ou um é vegetariano, ou não tem acesso ao alimentos listados na tabela acima, você pode querer adicionar um suplemento de zinco. Mas que tipo de suplemento deve tomar?

Formas de quelatos de zinco são melhor absorvidos

    Há uma série de formas de zinco disponíveis no mercado, alguns melhor do que outros. O organismo não absorve facilmente o zinco, a menos que o zinco seja primeiro ligado a uma outra substância. A quelação é um processo por vezes utilizado para ligar a outras substâncias de zinco para torná-lo mais absorvível e biodisponível. Em quelação, as moléculas orgânicas foram carregadas eletricamente, o que lhes permite atrair o zinco. Uma das vantagens das formas de quelatos é que não vão ficar com antagonismo ao cálcio, que pode ser um problema para os sais de zinco, tais como o sulfato de zinco, competindo na absorção do cálcio gerando então um outro problema.

    O sulfato de zinco é uma das formas inorgânicas de zinco, ou sais de zinco, evite este! Estes não são tão eficazes como as formas biologicamente quelados. O sulfato de zinco pode causar a irritação do estômago. Outra variedade inorgânica é óxido de zinco, que é a forma de zinco usados ​​em filtros solares. São Perigosos!

    Outras formas boas de zinco incluem o gluconato de zinco, que é feita essencialmente através da fermentação de glucose, acetato de zinco, preparada combinando o zinco com ácido acético, e o citrato de zinco, feita através da combinação do zinco com o ácido cítrico. Veja as quantidades na tabela a seguir para faixas etárias.

Idade aleitamento Gravidez-  Masculino – Feminino
0-6 meses 2 mg -2 mg
7 meses a 3 anos 3 mg -3 mg
4-8 anos 5 mg -5 mg
9-13 anos 8 mg – 8 mg
14-18 anos 11 mg- 9 mg a 12 mg -13 mg
Aultos 13 a 15mg

 

    Estas doses recomendadas são de zinco elementar, e cada forma de zinco (sulfato de zinco, citrato de zinco, gluconato de zinco, etc), contém uma quantidade diferente de zinco elementar.

    Por exemplo, aproximadamente 23% de sulfato de zinco é composto de zinco elementar. Portanto, 220 mg de sulfato de zinco iria dar-lhe cerca de 50 mg de zinco elementar. Você deve levar isso em consideração se você estiver usando um suplemento, bem como o fato de que a pessoa média recebe cerca de 10 a 15 mg de zinco por dia a partir dos alimentos que consomem, ao menos os listados acima. Você vai ter que usar a tabela para determinar se você está na extremidade superior ou inferior da faixa, com base em seus hábitos alimentares e complementar de acordo.

Medicamentos que interferem no zinco

    Alimentos e medicamentos podem interferir com a absorção, por isso o tempo de uso do suplemento é importante. Por exemplo, a cafeína pode interferir com a absorção de zinco em até 50 %, de modo que você vai querer evitar a tomar o seu suplemento com uma xícara de café. Em contraste, a aminoácidos cisteína e metionina melhoraram a absorção de zinco, o que significa tomar o seu suplemento de zinco com uma proteína de soro de leite de alta qualidade ( whey protein) poderia excelente para impulsionar tua imunidade.

    Embora seja importante para obter zinco adequada, o equilíbrio é fundamental. Tomando demais também pode causar problemas, Geralmente tomar doses relativamente altas ao longo do tempo podem chegar a níveis tóxicos. O uso crônico excessivo sem orientação do Nutricionista a ingestão de zinco pode suprimir a absorção de ferro e de cobre levando a deficiências desses minerais, ocasionando várias outras doenças.

    Em conclusão, o zinco é um mineral muitas vezes esquecido, por profissionais para adicionar ao seu arsenal contra gripes e outras doenças. É seguro e barato! Assim como ter certeza que você está recebendo o suficiente de zinco, também não deve esquecer o quão importante é os seus níveis de vitamina D, na qual são para mantê-lo saudável durante todo o ano!