Início » EVIDÊNCIAS » Pré-eclâmpsia: aminoácido L-arginina e vitaminas antioxidantes, na prevenção do distúrbio

Pré-eclâmpsia: aminoácido L-arginina e vitaminas antioxidantes, na prevenção do distúrbio

Image             Pré-eclâmpsia é um problema grave, marcado pela elevação da pressão arterial, que pode acontecer a qualquer momento da segunda metade da gravidez, ou seja, a partir de 20 semanas, mas é mais comum a partir de 27 semanas. Os especialistas acreditam que ele seja causado por deficiências na placenta, o órgão que nutre o bebê dentro do útero. A pré-eclâmpsia é bastante comum, e afeta em sua forma leve até 10% das grávidas. A pré-eclâmpsia grave é mais rara, atingindo 0,5% das gestantes.A pre-eclâmpsia é diagnosticada quando a grávida tem:

Pressão alta e  Presença de proteína na urina

              Um estudo randomizado duplo cego, mostrou que a administração do aminoácido L-arginina mais algumas vitaminas anti-oxidantes, foram eficênte na diminuição da pré-eclâmpsia. O estudo foi publicado pelo ((British Medical Journal)), onde os autores recomendam a usar a partir da vigésima (20ª) semana de gestação para que possa obter o efeito desejado.
            A fórmula atua na síntese de NO2, ( óxido nítrico), que tudo indica ser um dos fatores protetores, contra o desenvolvimento da pré-eclampsia, e consequentemente a eclampsia. Em resultado com placebo, e com uso somente de vitaminas, a fórmula foi bem superior na prevenção como mostra abaixo.  Para um tratamento nutricional com L-Arginina e antioxidantes, deve-se buscar ajuda do Nutricionista, Nunca tomem aminoácidos, ou vitaminas sem oritenção do seu médico Ginecologista, e ou Nutricionista.
—————————————- 

JÚLIO CALEIRO

———————————————————————

FONTE:

  1. Felipe Vadillo-Ortega, professor1,
  2. Otilia Perichart-Perera, titular researcher2,
  3. Salvador Espino, associate professor of obstetrics and gynaecology2,
  4. Marco Antonio Avila-Vergara, associate professor of obstetrics and gynaecology3,
  5. Isabel Ibarra, associate professor4,
  6. Roberto Ahued, professor of obstetrics and gynaecology2,
  7. Myrna Godines, associate professor of obstetrics and gynaecology1,
  8. Samuel Parry, associate professor and chief of division of maternal-fetal medicine5,
  9. George Macones, Mitchell and Elaine Yanow professor and head of obstetrics and gynaceology56,
  10. Jerome F Strauss, professor of obstetrics and gynaecology and dean of School of Medicine7

Author Affiliations


  1. 1Department of Experimental Medicine, School of Medicine, Universidad Nacional, Autonoma de Mexico, Torre de Investigacion, 3er Piso, Ciudad Universitaria, Mexico, D F 04510

  2. 2Instituto Nacional de Perinatologia Isidro Espinosa de los, Reyes, Mexico

  3. 3Universidad Autonoma de Sinaloa, Mexico

  4. 4Instituto de Investigaciones Biomedicas, UNAM, Mexico

  5. 5Department of Obstetrics and Gynaecology, University of Pennsylvania, Philadelphia, PA, USA

  6. 6Department of Obstetrics and Gynaecology, Washington University, St Louis, MO, USA

  7. 7Department of Obstetrics and Gynaecology, Virginia Commonwealth University, Richmond, VA, USA

-Correspondence to: F Vadillo-Ortega felipe.vadillo@gmail.com


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Contador

%d blogueiros gostam disto: